Rothbard, o professor

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Na primeira noite de aula, este baixinho de óculos fundo de garrafa, com um ar empoleirado, usando uma gravata borboleta e um bolso cheio de canetas, entrou na sala. Ele começou a falar no momento em que entrou pela porta, zombando de políticos ridículos que estavam escarnecendo as companhias petrolíferas “más” por supostamente usarem a Guerra do Golfo para enganar os consumidores.

Era um conto típico de Rothbard, esclarecendo como o sistema de preços de livre mercado distribui mercadorias com eficiência, enquanto a intervenção do governo estraga tudo. Ele então se lançou em sua história de História do Pensamento Econômico, que durante o primeiro semestre de 1990 focou no tema monetário. Não havia tempo de fazer listas ou seguir um programa; tivemos que tratar de séculos.

A maioria dos libertários descobriu Murray Rothbard lendo A ética da liberdade, Por uma nova liberdade – O Manifesto Libertário, ou um de seus muitos outros livros ou artigos. Minha descoberta começou com a seguinte chamada no catálogo de cursos de outono de 1990 da Universidade de Nevada Las Vegas: “História do Pensamento Econômico, instrutor – Rothbard”.

Quando perguntei a outro aluno de pós-graduação sobre a aula de História do Pensamento, o aluno me aconselhou a não escolher Murray, descrevendo-o como um “maluco”. Felizmente, não aceitei esse conselho incrivelmente ruim.

As aulas de Murray não tinham gráficos estéreis ou equações labirínticas. Em vez disso, era como ouvir seu tio favorito contar histórias sobre os bons velhos tempos, apimentados com inúmeras sugestões de leitura. Murray era uma bibliografia ambulante, recitando não apenas o título, mas o autor, a data de publicação e, em alguns casos, a editora dos livros que recomendava. Ele foi uma arma incrível para se ter ao seu lado ao pesquisar e escrever uma tese.

Duas noites por semana eu ouvia Murray falar sobre mocinhos e bandidos, as teorias que eles defendiam, suas influências e por que essas teorias foram colocadas em prática. Os vilões desses dramas econômicos sempre foram burocratas e políticos malvados do governo, que espreitavam ameaçadoramente nas sombras, roubando silenciosamente através da inflação ou roubando abertamente com impostos.

Uma aula de Rothbard era como estar sentado no banco de passageiro em uma perseguição de carro em alta velocidade. Com fatos e ideias fluindo em nossa direção, Murray de repente mudava de rumo, seguindo um caminho que aparentemente nos afastava de nosso destino, mas nunca realmente se afastava. Ele sabia exatamente para onde estava indo. Persisti com o resto da classe, ensandecidamente tentando anotar cada palavra.

Como as aulas de Murray eram tão boas (e diferentes de semestre para semestre), muitos de seus alunos assistiam suas aulas de História do Pensamento Econômico e História Econômica dos EUA repetidamente. Em uma de suas últimas aulas de História do Pensamento, apenas 20% dos alunos estavam fazendo a aula para obter crédito.

Havia sempre alta demanda pelos horários da agenda de Murray. Passei muitas horas do lado de fora do escritório esperando na fila para falar com ele. Minhas esperas sempre foram recompensadas. Murray não falou comigo ou com nenhum de seus outros alunos. Na verdade, ele frequentemente fazia tantas perguntas quanto respondia e estava genuinamente interessado no que eu pensava. E sempre demos muitas risadas. Valia a pena atravessar a cidade só para ouvir os comentários de Murray sobre os eventos atuais, marcados com sua gargalhada inconfundível.

Mas Murray estava longe de ser reverenciado pela maioria do corpo docente de economia da UNLV. O resto do departamento se ressentiu da “extremidade leste do corredor”, onde Murray, Hans-Hermann Hoppe e alguns simpatizantes do livre mercado tinham seus escritórios no quinto andar do Beam Hall. Embora a maior parte das publicações do departamento de economia viesse do “extremo leste”, o presidente do departamento e coordenador de pós-graduação continuamente fazia comentários sarcásticos aos alunos e colegas sobre os austríacos, e faziam todo o possível para desencorajar os alunos de estudar com Rothbard e Hoppe.

O rascunho inicial da avaliação de desempenho de Murray de 1991 ilustra o tratamento terrível que ele recebeu do então presidente do departamento (cujo grande feito de sua carreira se resumia a ter sido co-autor de um artigo de jornal sobre os vários pontos fortes do protetor solar).

“As avaliações dos alunos indicam que o desempenho do professor Rothbard está significativamente acima da média do departamento”, escreveu o presidente – mas ele classificou o desempenho em sala de aula de Murray como apenas “satisfatório”.

Mais inacreditável foi a afirmação do presidente de que o crescimento profissional de Murray foi “decepcionante”. Naquele ano, Murray havia publicado dois livros na França, dois livros menores nos Estados Unidos e dois artigos acadêmicos, e havia prestado consultoria na publicação do livro de um colega. Ele foi o editor de duas revistas acadêmicas e apresentou artigos em várias conferências. Tudo isso enquanto dava suas aulas, orientava três trabalhos profissionais de alunos de pós-graduação e presidia a dissertação de mestrado e o exame oral de um aluno.

O presidente ainda teve a coragem de escrever que esperava que Murray “ensinasse mais alunos”, apesar do fato de que ele tinha sido fundamental na abolição do programa de mestrado em teoria e política que a maioria dos alunos de Murray, incluindo eu, decidiu seguir. Como Murray escreveu em seu protesto, as “ações do presidente desmentiam suas palavras”.

Murray Rothbard era um tesouro que o departamento de economia da UNLV tentou manter escondido dos estudantes. Assim, muito poucos de nós tiveram a sorte de ter estudado com ele. Penso em Murray todos os dias, e como sou sortudo por ser um desses poucos.

A última vez que vi Murray foi em meados de dezembro de 1994, antes dos exames finais. Como sempre, conversamos e rimos sobre muitos assuntos, incluindo minha viagem à conferência Liberty em Tacoma. Nós iríamos nos divertir muito ouvindo a fita “Why Libertarians Love to Hate” de R.W. Bradford daquela conferência quando Murray voltasse para o segundo semestre.

No funeral de Murray, seu colega da UNLV, Clarence Ray, relatou que Murray Rothbard era, antes de tudo, um bom homem. Havia muitos na UNLV que discordavam da ideologia de Murray, mas ninguém não gostava dele.

Murray Rothbard era um homem alegre, doce e simpático que não odiava ninguém, especialmente colegas libertários.

 

 

Artigo original aqui