Se déficits não importam, por que se preocupar em cobrar impostos?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Em 18 de março, Joe Wiesenthal da Bloomberg Markets recebeu a economista do MMT Stephanie Kelton no seu programa. Se você não está familiarizado com a teoria monetária moderna, eles acham que os governos deveriam imprimir mais dinheiro porque os déficits não são um grande problema. Em um ponto do programa, Wiesenthal perguntou: “Se não precisamos nos preocupar com déficits, por que temos impostos?” A resposta de Kelton foi esclarecedora.

A desculpa tradicional para os impostos é, parafraseando Oliver Wendell Holmes, que eles são o “preço da civilização“. Os céticos apontam que, historicamente, as sociedades com impostos muito baixos eram frequentemente muito mais civilizadas – pense na Idade de Ouro Holandesa, Idade de Ouro Islâmica, Inglaterra Vitoriana, a pejorativamente chamada de “Era Dourada” na história americana – aquela idade de ouro de trinta anos quando quase tudo que é útil foi inventado. E, ainda assim, ao longo desse período, as receitas federais foram um quinto do que são hoje.

Por que tanta civilização? Porque muito do que os governos fazem hoje foi feito por instituições de caridade ou empresas que competem por dólares de clientes em vez de confiscar seu orçamento em impostos. Quando médicos, bombeiros e escolas precisam satisfazer os clientes, as coisas ficam bastante civilizadas.

Ainda assim, mesmo se aceitarmos um argumento de “estado vigia noturno” para, digamos, defesa nacional ou salários para os juízes do Supremo Tribunal, fica complicado se o governo puder simplesmente imprimir o dinheiro novo para pagar por toda essa civilização.

A resposta de Kelton? Os impostos ainda seriam necessários, porque nos tornam pobres. E porque eles podem punir pessoas de que ela não gosta.

Especificamente, Kelton gosta que os impostos “removem o dinheiro de nossas mãos, para que não possamos gastá-lo”, deixando mais poder de compra para o governo. Então, os impostos tornam as pessoas pobres, e isso é um ponto positivo para ela, provavelmente porque ela acha que os governos são realmente bons em tirar as pessoas da pobreza. Qualquer pessoa que já passou um tempo nas cidades do interior, onde o dinheiro do governo é praticamente o único dinheiro, pode discordar.

Ah, mas não se trata apenas de gastar nosso dinheiro com mais sabedoria do que jamais poderíamos, Kelton acrescenta dois motivos secundários pelos quais adora impostos: punir determinadas pessoas redistribuindo seu dinheiro e punir pessoas por fazerem coisas que ela não gosta. Como deixar de comprar aparelhos com eficiência energética (na verdade não). Em outras palavras, a engenharia social com incentivos para seus amigos, e com desincentivos para os não tão amigos.

Além da moralidade de predar nossos vizinhos, exigindo que eles paguem uma “parcela justa” cada vez maior que invariavelmente excede o que, digamos, um jornalista ou professor paga, usando impostos para redistribuição e punição – “incentivar”, no jargão da moda – acarreta enormes danos colaterais. Porque a redistribuição organiza a sociedade em facções hostis, seja tentando despojar violentamente uns aos outros ou se defendendo contra essa expropriação. Além disso, a redistribuição não é simplesmente embaralhar as fichas inocentemente; é uma destruição total. Um artigo com co-autoria de Christina Romer, ex-presidente do Conselho de Consultores Econômicos de Obama, concluiu que cada dólar gasto pelo governo leva a algo entre US$ 2 e US$ 3 em perda de atividade econômica. Um estudo separado do economista de Harvard Martin Feldstein chegou a estimativas semelhantes de porte bruto que “pode ​​exceder US$ 2 por US$ 1 de receita“. Em outras palavras, para mover um dólar, você deve destruir pelo menos dois a três dólares.

Há uma mistura semelhante de custos morais e práticos no uso de impostos predatórios para a engenharia social. Também quebra o pacto social de viver e deixar viver, submetendo todas as nossas decisões à votação pública, desde o que comemos, onde passamos as férias, até que tipo de sacola usamos para carregar nossas compras. Não há nada fora do domínio dos incentivadores, nenhum detalhe pequeno demais.

Além disso, pela imposição em massa do que são efetivamente multas judiciais por não crimes, esses impostos podem atingir um nível de controle que nunca seria constitucional se escrito como lei. Por exemplo, hoje nos Estados Unidos, 90% dos alunos frequentam escolas públicas, apesar da péssima qualidade da educação. Por que eles ficam? Porque cada eleitor deve pagar pelas escolas públicas, quer as usem ou não, mas teria que arcar com US$ 11.200 por criança por ano para optar por sair do sistema público, enquanto continua a pagar aqueles US$ 12.600 por ano em impostos para o sistema público “gratuito”. Especialmente para a classe trabalhadora, essa pena torna-se proibitiva para todos, exceto para os mais comprometidos.

Combine esses fatos – nenhum detalhe pequeno demais para os engenheiros sociais e sua capacidade de alcançar obediência quase universal por meio de multas e subsídios – e corremos o risco de uma sociedade “autorizada” totalitária onde somos livres no papel, mas usar essa liberdade acarreta multas ruinosas.

Se, de fato, a única justificativa remanescente para impostos em um regime inflacionário é redistribuir e punir – erodir a harmonia social em uma guerra fiscal de todos contra todos enquanto empobrece a sociedade e permite um totalitarismo crescente – então está muito mais perto da marca de que os impostos modernos tornaram-se não o preço da civilização, mas o predador da civilização.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO