Será que Biden vai ouvir a ciência?

1
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O ex-vice-presidente Joe Biden não foi oficialmente declarado o vencedor das eleições presidenciais de 2020, mas isso não o impediu de formar uma força-tarefa contra o coronavírus. A força-tarefa é composta por defensores do aumento do controle governamental.

Uma ideia que Biden e sua força-tarefa estão considerando é um lockdown nacional de quatro a seis semanas. No entanto, apoiar um lockdown nacional violaria a promessa da campanha de Biden de “ouvir a ciência”. As evidências sobre os lockdowns são tão contundentes que até a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi forçada a admitir a verdade: os lockdowns fazem mais mal do que bem.

Os lockdowns resultam em mais casos de depressão, suicídio, violência doméstica e abuso de álcool e drogas. Os lockdowns também impedem as pessoas de irem a hospitais ou consultórios médicos, levando à morte de pessoas por não obterem assistência médica em tempo hábil.

Biden também está trabalhando com governadores, prefeitos e outras autoridades estaduais e locais para criar um decreto de máscara nacional de fato. Biden também declarou que determinará o uso de máscara em todos os prédios federais e para pessoas que viajam entre estados. Um decreto de máscara para viagens interestaduais pode significar que você precisará usar uma máscara em aviões, trens e até mesmo ao dirigir em seu próprio carro, se você cruzar as fronteiras estaduais.

Mais uma vez, Biden está ignorando a ciência. Neste caso, a ciência demonstrou que a maioria das máscaras são ineficazes na prevenção da propagação de um vírus. A ciência médica também mostra que o uso de máscara por longos períodos de tempo pode causar problemas de saúde. Por exemplo, o uso de máscara interfere na respiração adequada. O uso de máscara por um longo período também pode causar sérios problemas dentários. Ironicamente, as principais vítimas dos mandatos das máscaras incluem os trabalhadores de baixa renda, que Biden e seus companheiros progressistas alegam se importar muito. Muitos desses trabalhadores são obrigados a usar máscaras no trabalho.

Biden também propôs formar um exército de rastreadores de contato “culturalmente competentes”. De acordo com a Universidade da Califórnia, São Francisco, que está ajudando a treinar os rastreadores de contato da Califórnia, os rastreadores de contrato “… fazem perguntas relacionadas a tópicos que podem ser delicados, incluindo saúde, trabalho, condições de vida e recursos alimentares” para identificar alguém que deva ser colocado em quarentena. Esses rastreadores de contrato também podem ser capazes de impor máscaras ou outros decretos – incluindo um decreto potencial de vacina – ajudando a garantir que aqueles que se recusarem a cumprir fiquem em quarentena indefinidamente.

Biden não é o único político a forçar “soluções” autoritárias para o coronavírus. O governo de Washington, DC está considerando autorizar a vacinação de crianças sem o consentimento dos pais. Isso ignora a ciência de que algumas pessoas terão uma reação negativa até mesmo a uma vacina geralmente segura, portanto, os indivíduos devem tomar sua própria decisão em consulta com seu médico. Isso é especialmente importante hoje em dia, porque estamos lidando com uma vacina que está sendo lançada às pressas por motivos políticos e que até mesmo os fabricantes admitem que terá efeitos colaterais graves.

Lockdowns, quarentenas, máscaras e outras medidas autoritárias pouco ou nada fazem para promover a saúde. Em vez disso, elas corroem a liberdade e criam seus próprios problemas de saúde. Aqueles que conhecem a verdade devem fazer Joe Biden e outros autoritários ouvirem a verdadeira ciência. Embora aqueles que correm mais risco – como os idosos e pessoas com certos problemas de saúde – possam ser incentivados a tomar precauções extras todas as pessoas devem ter a liberdade de tomar suas próprias decisões de saúde.

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorLiberdade através do voto?
Próximo artigoMantendo a perspectiva da Covid
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.

1 COMENTÁRIO