Suécia vê crescimento econômico no 1º trimestre, apesar da pandemia global

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

A CNBC relata que a Suécia, que evitou uma quarentena de linha dura durante a pandemia do COVID-19, viu sua economia crescer no primeiro trimestre.

    A economia sueca expandiu-se a uma taxa muito superior à de muitos de seus colegas europeus nos primeiros três meses do ano, mostraram dados publicados sexta-feira, após a decisão do governo de não impor um lockdown total para conter a propagação do coronavírus.

O escritório de estatística do país nórdico informou que o produto interno bruto (PIB), a medida mais ampla de saúde econômica, cresceu a uma taxa anual de 0,4% no primeiro trimestre.

O PIB da Suécia aumentou 0,1% no primeiro trimestre, quando ajustado sazonalmente e em comparação com os três meses finais de 2019. As previsões medianas em uma pesquisa da Reuters com economistas esperavam ver uma contração de 0,6% em uma base trimestral.

Presumivelmente, os resultados são uma surpresa para muitos.

Críticos e apoiadores da política de uma “abordagem mais leve” da Suécia apontaram que embora sua taxa de mortalidade seja melhor do que muitos de seus vizinhos europeus – França, Bélgica, Itália, Espanha e Reino Unido – os suecos, no entanto, esperavam uma contração econômica no primeiro trimestre.

Uma pesquisa da Reuters com economistas havia projetado uma contração de 0,6% no primeiro trimestre, e as projeções anuais eram muito piores. Em 30 de abril, o banco central da Suécia, o Riksbank, previa uma contração econômica entre 6,9 ​​e 9,7% para 2020. O Instituto Nacional de Pesquisa Econômica (NIER), entretanto, disse acreditar que a economia da Suécia diminuiria em 7%.

Certamente, ainda há um longo caminho a percorrer. A Suécia ainda pode ver um declínio no PIB no segundo trimestre e além. No entanto, os dados mostram um forte contraste entre os suecos e os países que iniciaram as quarentenas de linha dura.

A França já entrou oficialmente em recessão, vendo uma queda de 5,8% do PIB no primeiro trimestre, depois de encolher 0,1% no último trimestre de 2019.

Os EUA tiveram uma contração de 5% no primeiro trimestre. A economia da Itália caiu 4,7%. A economia da Espanha entrou em colapso em 5,2%.

As conseqüências dessas contrações econômicas serão devastadoras, é claro. Mas o que talvez seja mais digno de nota é o coro de vozes sugerindo que a devastação pode ter sido desnecessária.

Neste mês, a diretora da agência de saúde pública da Noruega, Camilla Stoltenberg, deu uma entrevista na qual disse que as quarentenas não foram necessárias para conter a disseminação do COVID-19.

“Nossa avaliação agora, e acho que há um amplo consenso em relação à reabertura, foi que provavelmente seria possível obter o mesmo efeito – e evitar parte das consequências lastimáveis – ao não fechar”, disse Stoltenberg. “Mas, em vez disso, ter permanecido aberto com precauções para impedir a disseminação.”

O que Stoltenberg está dizendo é que as evidências sugerem que o distanciamento social pode ser alcançado sem as quarentenas. Foi exatamente isso que a Suécia fez.

Anders Tegnell, o principal especialista em doenças infecciosas da Suécia e o arquiteto de sua estratégia COVID, apontou que o tráfego de pedestres e trens na Suécia estava 10% e 20%, respectivamente, dos níveis normais.

“Na verdade, fizemos uma comparação com nossos vizinhos nórdicos, e os padrões de mobilidade na Suécia mudaram tanto quanto nossos vizinhos nórdicos, apesar de terem muito mais fechamentos legais do que nós”, afirmou Tegnell em uma entrevista em maio.

Em outras palavras, a Suécia praticava distanciamento social. Eles apenas praticaram de maneira diferente, incentivando os cidadãos a se comportarem com responsabilidade e iniciando intervenções menos intrusivas (e menos prejudiciais) do que seus vizinhos, o que permitiu que a maioria dos aspectos da vida diária continuasse. Como resultado, a Suécia evitou muitas das “consequências lastimáveis” às quais Stoltenberg aludiu. (A taxa de mortalidade por COVID da Suécia também é mais alta que seus vizinhos nórdicos, deve-se ressaltar, embora menor do que muitos outros países europeus.)

As quarentenas foram sem dúvida bem intencionadas. Elas foram projetadas para proteger as pessoas de um vírus mortal. No entanto, como apontei esta semana, elas também são historicamente sem precedentes.

Por esse motivo, não tínhamos conhecimento empírico sobre quais seriam os custos das quarentenas em massa. Finalmente, estamos começando a ver esses custos com mais clareza: recessão econômica, desemprego em massa, centenas de milhares de empresas destruídas e aumento dos gastos do governo.

O número psicológico de angústia econômica e isolamento social também é grave. Aumento do suicídio é um componente, mas o sofrimento emocional generalizado é outro.

De acordo com um par de psicólogos que escrevem no The Conversation, novas estatísticas do governo mostram que os americanos chegando no limite.

“Quando comparados a uma pesquisa de 2018, os adultos norte-americanos têm oito vezes mais chances de atender aos critérios de grave sofrimento mental”, escrevem os autores. “Um terço dos americanos relatam sintomas clinicamente significativos de ansiedade ou depressão clínica, de acordo com uma divulgação de dados do Census Bureau no final de maio de 2020”.

Como os economistas gostam de dizer, é importante julgar as políticas por seus resultados, não por suas intenções.

Os resultados das quarentenas em massa estão se tornando claros: elas foram desastrosas.

 

Artigo original aqui.

Veja também: Turismo de Coronavírus na Suécia