Tragédia provocada: A síndrome da morte súbita

2
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Nas últimas semanas, os meios de comunicação de todo o mundo começaram a destacar um fenômeno médico chamado “síndrome da morte súbita do adulto”, ou SMSA, no que parece ser um esforço claro para obscurecer a realidade das mortes por vacinas contra COVID.

SMSA também é abreviação de “síndrome da morte súbita arrítmica”, que foi identificada pela primeira vez em 1977. Os fatores subjacentes para SMSA (morte súbita adulta e versões arrítmicas súbitas) incluem miocardite não diagnosticada, condições inflamatórias e outras condições que causam irregularidades no sistema elétrico do coração, desencadeando a parada cardíaca. Embora a SMSA já tenha ocorrido antes, o que é novo é a prevalência desse evento anteriormente raro.

Prevalência histórica de SMSA

De acordo com a British Heart Association, há cerca de 500 casos de SMSA no Reino Unido a cada ano. O British Office for National Statistics, por outro lado, mostra muito menos casos. O ONS lista um total de 128 casos de SMSA (todas as faixas etárias, listadas como relacionadas ao coração ou desconhecidas) em 2016, 77 casos em 2017, 70 em 2018, 107 em 2019 e 139 casos em 2020.

Embora os dados sobre a incidência de SMSA para 2021 e 2022 sejam difíceis de obter, a incidência aparentemente aumentou o suficiente para causar preocupação em alguns países. Antes da pandemia, SMSA era a sigla para síndrome da morte súbita por arritmia, que era rara e com poucas pesquisas sobre ela, exceto para mencionar que era responsável por cerca de 30% das mortes cardíacas inesperadas entre os jovens.

Mas hoje não é mais rara e a SMSA está crescendo vertiginosamente à medida que os números de mortes súbitas em adultos jovens se acumulam em todo o mundo. Os números são tão preocupantes que na Austrália, por exemplo, o Melbourne Baker Heart and Diabetes Institute está montando um novo registro SMSA “para obter mais informações” sobre o fenômeno.

De acordo com um porta-voz, existem aproximadamente 750 casos de SMSA por ano na Austrália. Nos EUA, o número médio anual de mortes de SMSA é de cerca de 4.000.

Desde o início das vacinas COVID, as notícias estão repletas de relatos de pessoas jovens, saudáveis ​​e muitas vezes atléticas morrendo “sem motivo” e os médicos afirmam estar “perplexos” com isso. Médicos e cientistas na Austrália estão até mesmo pedindo a todos com menos de 40 anos que façam um check-up cardíaco, mesmo que estejam saudáveis ​​e em forma.

Qualquer pessoa pensante, por outro lado, pode ver claramente a correlação entre as injeções, que agora são bem conhecidas por sua capacidade de causar inflamação no coração, e o aumento da morte súbita entre pessoas jovens e saudáveis.

Centenas de atletas desmaiaram e morreram após as vacinas

Entre os atletas, a incidência de morte súbita variou historicamente entre 1 em 40.000 e 1 em 80.000. Uma análise de mortes entre atletas competitivos entre 1980 e 2006 nos EUA identificou um total de 1.866 casos em que um atleta desmaiou de parada cardíaca e/ou morreu subitamente. São 1.866 casos ocorridos em um período de 27 anos, dando-nos uma média anual de 69 nos EUA.

Dados compilados pelo Comitê Olímpico Internacional mostram 1.101 mortes súbitas em atletas com menos de 35 anos entre 1966 e 2004, dando-nos uma taxa média anual de 29 mortes súbitas, em todos os esportes. Enquanto isso, apenas entre março de 2021 e março de 2022 – um único ano – pelo menos 769 atletas sofreram parada cardíaca, colapso e/ou morreram em campo, em todo o mundo.

A Good Sciencing, que está contabilizando um total de mortes atléticas pós-vacina, coloca o número atual de paradas cardíacas em 1.090 e o total de mortes em 715. Várias dezenas estão pendentes de confirmação de que o atleta de fato recebeu a injeção.

Entre os atletas da FIFA da UE, a morte súbita aumentou 420% em 2021. Historicamente, cerca de cinco jogadores de futebol morreram durante o jogo a cada ano. Entre janeiro e meados de novembro de 2021, 21 jogadores da FIFA morreram de morte súbita.

Vacina COVID claramente associada a lesão cardíaca

Um artigo de opinião no Frontiers in Sports and Active Living, publicado em abril de 2022, destaca a correlação entre a inflamação cardíaca induzida pela vacina COVID e a morte súbita cardíaca em atletas:

    “O aumento da MCS relacionada ao COVID [morte cardíaca súbita] parece ser devido, pelo menos em parte, a um histórico recente de infecção e/ou vacinação que induz comprometimento inflamatório e imunológico que prejudica o coração.

Um estilo de vida pouco saudável que pode incluir dieta pobre ou excesso de treinamento provavelmente pode ser um fator contribuinte. O aparente aumento da incidência de miocardite e pericardite durante o COVID-19 e no período pós-vacinação, e MCS, representa um sério risco não apenas para os atletas, mas para todos os outros e é motivo de alarme.

À medida que a população envelhece e a popularidade da corrida, ciclismo e outros esportes de resistência aumenta, a carga do risco de MCS também pode crescer. Um forte foco na saúde e no condicionamento físico deve ser uma mensagem de saúde pública alta e clara”.

O sinal que não pode ser silenciado

Em um artigo da Substack de 13 de junho de 2022, o Dr. Pierre Kory também comentou sobre este último esforço para explicar as mortes por vacina COVID:

    “Recentemente, publiquei uma compilação profundamente referenciada de evidências detalhando a catástrofe humanitária histórica que se desenrolou lentamente nas economias de saúde mais avançadas em todo o mundo. Causada por uma campanha global de vacinação em massa liderada pelos mestres farmacêuticos da BMGF/OMS/CDC que, de forma ilógica (mas lucrativa), visava um coronavírus em mutação rápida.

Eles fizeram isso com o que acabou sendo a proteína mais tóxica usada terapeuticamente na história da medicina. Em frascos misturados com nanopartículas lipídicas, polietilenoglicol e quem sabe mais o quê.

Citei estudos e relatórios mostrando aumentos maciços de mortes cardiovasculares e deficiências neurológicas (e outras) entre adultos em idade ativa, apenas a partir de 2021.

Um sinal perturbador gritando dos dados originais dos ensaios clínicos, dados VAERS, dados de seguro de vida, dados de invalidez, relatórios de paradas cardíacas de atletas profissionais, aumentos nas chamadas de ambulância para paradas cardíacas em jovens em idade pré-ataque cardíaco,  e o ​​aumento maciço de doenças e manipulação de dados nos bancos de dados do Departamento de Defesa.

À medida que esses eventos se tornam cada vez mais reconhecidos pelo cidadão comum (e jornalistas ocasionais), uma nova e patética ‘Campanha de Desinformação’ foi lançada em resposta, tentando culpar todos os jovens que morrem simplesmente como uma necessidade de maior conscientização sobre a condição rara chamada Síndrome da Morte do Adulto (SMSA), em vez de exemplos das legiões que morrem das vacinas.

Os verificadores de fatos também saíram em apoio a essa narrativa, rotulando qualquer um que pense que as vacinas são a causa da SMSA como um teórico da conspiração …

O que é nojento é o tom de suposta boa intenção nesses artigos, informando às pessoas que, se você é parente de alguém jovem que morreu repentinamente, deve consultar um cardiologista para se certificar de que não tem um eletrocardiograma anormal.

Depois que ficar normal, eles certamente dirão para você se vacinar, um absurdo no topo de uma montanha de absurdos causados ​​por nosso complexo industrial de mídia biomédica nos últimos 2 anos”.

Doenças ‘suprimidas pelo COVID’ retornam

A mídia também está tentando descartar o aumento de outras doenças como algo que não está relacionado as vacinas do COVID. “As doenças suprimidas durante o COVID estão voltando de maneiras novas e peculiares”, informou a CNBC em 10 de junho de 2022.

O artigo continua discutindo como outros vírus além do SARS-CoV-2 estão agora “surgindo de maneiras novas e incomuns”. A gripe, o vírus sincicial respiratório (RSV), o adenovírus, a tuberculose e a varíola dos macacos “aumentaram e exibiram comportamentos estranhos nos últimos meses”, observa a CNBC.

Nenhuma menção é feita, no entanto, ao fato de que a vacina COVID foi associada à imunodeficiência adquirida por vacina (função imunológica reduzida), tornando você mais suscetível a infecções e doenças crônicas de todos os tipos, incluindo doenças autoimunes. Stephanie Seneff, pesquisadora do MIT explica os mecanismos para isso em “Vacinas COVID e Doenças Neurodegenerativas”.

A vacina COVID também demonstrou ativar vírus latentes, incluindo hepatite C, citomegalovírus, varicela-zoster e vírus do herpes. Não surpreendentemente, a Moderna está agora trabalhando em uma nova vacina para “prevenção de citomegalovírus latente”.

Este é mais um caso de uma empresa farmacêutica criando um “remédio” contra um problema de saúde que seu próprio produto foi responsável por criar em primeiro lugar. A CNBC, por sua vez, cita “especialistas em saúde” que atribuem imunidade reduzida a lockdowns de COVID, uso de máscaras e vacinas infantis não aplicadas.

Amputações de braços, pernas, dedos das mãos e pés – consequências de coágulos sanguíneos pós-vacina – também estão sendo descartadas como outra coisa. Nesse caso, a mídia está culpando o colesterol alto, ignorando totalmente o fato de que o colesterol alto tem sido prevalecente por décadas, e só agora as pessoas estão perdendo suas extremidades em quantidades chocantes.

Enquanto isso, picos de coágulos sanguíneos e derrames estão sendo atribuídos ao tabagismo, gravidez e contraceptivos, embora coágulos sanguíneos e derrames estejam entre os efeitos colaterais mais comuns da vacina COVID. O mais ridículo de tudo, no entanto, é a alegação de que um produto químico “recém-descoberto e altamente reativo” na atmosfera da Terra é suspeito de desencadear doenças cardíacas.

Para qualquer pessoa com dois neurônios, é claro que as autoridades governamentais e a mídia estão fazendo tudo o que podem para afastar a culpa do culpado mais óbvio, ou seja, as vacinas COVID.

Todas as doenças e condições que agora estão sendo culpadas de tudo, desde o colesterol até os misteriosos produtos químicos atmosféricos, são efeitos colaterais conhecidos da vacina. O elefante na sala é tão gigantesco que você nem consegue mais contorná-lo. Está nos pressionando contra as paredes.

Relatórios de enfermagem da linha de frente

Em seu artigo do Substack de 13 de junho de 2022, Kory também compartilha informações internas de uma enfermeira sênior da UTI e do pronto-socorro que sofreu lesões de coagulação do sangue, sangramento espontâneo imparável e aumento dos linfonodos cervicais após sua segunda dose de Pfizer.

Ela apresentou um relatório com o Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), que desde então desapareceu. Os números de lote das injeções que ela recebeu estavam associados a más respostas neurológicas e coagulação. Ela também perdeu seu hematologista-oncologista por lesão vacinal.

Embora tenha apenas 40 e poucos anos, ele agora está muito debilitado para exercer medicina. “Ele era um ‘verdadeiro crente’ e estava em negação até que fosse ele o paciente ferido”, disse ela a Kory.

O principal hospital de câncer onde ela trabalha agora tem um número de casos “na casa dos milhares”, diz ela, enquanto antes o número médio de casos estava entre 250 e 400 em qualquer trimestre. Eles nem têm leitos ou espaço de infusão suficientes para tratá-los todos, e os tratamentos de radiação estão atrasados.

Todos os tipos de câncer estão aparecendo – cérebro, linfa, estômago, pâncreas, sangue e até câncer de OLHO, “especialmente em pessoas mais jovens recentemente vacinadas”. Os AVCs também estão “em ascensão” em pessoas sem fatores de risco ou comorbidades. Em um e-mail para Kory, ela escreveu:

    “Pergunte-me qualquer coisa. Vou lhe contar informações privilegiadas dos andares e suítes. Isso tem que parar. Eles precisam admitir a fraude e o crime e PARAR. A responsabilidade deve ser dada, os decretos encerrados. Eles SABEM AGORA e muitos JÁ SABIAM ANTES.

Não sei se você vai ler isso, mas eu sigo todos vocês no substack e no Twitter – aqueles que ainda não foram banidos! — e leia TODOS os dados. Eu mesmo fui um rato de laboratório por causa de um acidente de carro anos atrás – eu conheço o processo. Tanta fraude.”

Em um e-mail de resposta, a enfermeira não identificada continuou:

“Perdi 4 praticantes para efeitos colaterais graves de doses de reforço ‘fortemente encorajadas’. 2 hospitalizados, um na MICU… Todos entre 30 e 40 anos. Eles não precisavam de reforços … Todos tinham COVID anterior, anticorpos N totalmente mensuráveis.”

Anomalias cardíacas são abundantes

Seus colegas da unidade cardíaca também relatam “muitas anomalias… que nunca existiram antes”, incluindo trombos maciços que preenchem toda a artéria. Alguns embalsamadores documentaram esse fenômeno nunca antes visto. Eles também mal conseguem acompanhar o número sem precedentes de paradas cardíacas. Kory escreve:

    “Ela me disse… que em alguns turnos noturnos, as equipes de enfermagem estão vendo mais paradas cardíacas em um único turno do que nunca e em pacientes de idade mais jovem sem precedentes.

Em alguns turnos, eles tiveram tantos que os ‘carrinhos de emergência’ são rolados direto de uma parada para outra porque as farmácias, especialmente nos turnos noturnos, não conseguem reabastecer com rapidez suficiente. Essa situação aconteceu talvez uma vez em toda a minha carreira, quando duas paradas aconteceram no mesmo andar ou unidade em um curto período de tempo.”

E, embora a equipe médica ainda não esteja se manifestando publicamente, a realidade da situação parece estar surgindo dentro dos muros do hospital, em conversas privadas entre os funcionários. Mesmo lá, no entanto, os enfermeiros falam em código por medo de represálias, referindo-se aos ferimentos por vacina COVID apenas como “aquela questão”.

A enfermeira destacou que, agora, a situação vacinal é claramente marcada no topo da primeira tela do prontuário do paciente quando a injeção é suspeita ou conhecida por estar relacionada ao problema “misterioso” ou “complexo” do paciente. Talvez isso seja um sinal de que a dissociação da realidade pode estar se rompendo lentamente. Eu certamente espero que sim.

 

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS