Um mau diagnóstico do populismo

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

O populismo é inerentemente mau?

Em um discurso de Deirdre McCloskey em uma reunião da Sociedade Mont Pelerin em Estocolmo, certamente pensa assim. Sua ampla e abrangente crítica liberal ao populismo não se concentrou nas críticas aos movimentos populistas atuais, mas sim nas questões gerais da tirania e da prosperidade. E, para seu crédito, ela ataca de bom grado duas vacas sagradas que dão força ao populismo, a saber, a democracia e a desigualdade:

     “O que tem sido estranho e definitivo do populismo nos últimos dois séculos, no entanto, não é a soma zero, uma velha e corriqueira suposição sobre a economia, mas a regra da maioria como o padrão na política. “Democracia”, afinal, só recentemente se tornou uma boa palavra. O governo da maioria foi até o século XIX regularmente descrito como governo da máfia. Odi profanum vulgus. Era para ser desprezada, e apenas um pequeno grupo de sacerdotes radicais e levellers discordou. …

A moda recente de se preocupar e se preocupar com a desigualdade tem a mesma fonte na percepção de crescimento lento, e a ansiedade resultante de que a soma zero pode vir a ser verdade. Seu ganho será a minha dor. A política francesa, além de um breve flerte com o liberalismo no tempo de Bastiat e Tocqueville e Chevalier, funciona com uma teoria de soma zero, assim como grande parte da política radical e reacionária em todos os lugares desde a Revolução Francesa. Tal política afirma que os patrões roubaram uma vasta soma que pode ser facilmente retomada, repetidamente, infinitamente, para melhorar a sorte dos trabalhadores. Os reacionários se opõem a retomada, mas ainda acreditam na soma zero. Os radicais se alegram, e também acreditam na soma zero. E assim a Guerra Franco-Francesa de 230 anos continua.”

McCloskey argumenta que a prosperidade e a libertação da tirania são objetivos e efeitos do liberalismo, e quem pode discordar? Os mercados não apenas enriquecem a humanidade, mas também diluem o poder de monarcas e tiranos de todos os matizes. O liberalismo de mercado tirou milhões da pobreza e tornou a vida muito mais tolerável para as minorias.

O populismo, por outro lado, ela classifica como uma batalha viciosa de soma zero que coloca grupos uns contra os outros. Os movimentos populistas são necessariamente iliberais, em sua opinião, porque, ao contrário dos mercados, as políticas que produzem tornam algumas pessoas melhores em detrimento de outras.

Isso pode até ser verdade, mas, se assim for, também é inevitavelmente verdade para todos os arranjos políticos, movidos ou não pelo populismo. A ação estatal, por definição, é de soma zero; mesmo um governo minarquista de vigia noturno deve tributar e regular seus súditos fazendo uso de penalidades enérgicas por descumprimento. Na ausência de uma forma completamente voluntária de anarquismo de mercado como princípio organizador de uma sociedade, a política e a governança devem criar algum grau de ganha-perde. Resultados de soma zero é algo inerente a toda a política, não apenas à variedade populista.

Mas há problemas mais profundos com as críticas ao populismo: ele é uma tática política, social e econômica, não uma ideologia em si. O populismo pode ser de esquerda, de direita ou mesmo libertário, imbuído da visão de mundo dos próprios populistas. Murray Rothbard certamente imaginou um populismo libertário robusto, e Ron Paul efetivamente usou “End the Fed” como uma mensagem populista (mas ideologicamente correta) durante sua campanha de 2012.

Também é verdade que o populismo raramente é definido, e mal definido quando o é. McCloskey oferece uma definição “ostensiva”, ou seja, fornecida por exemplos na história. Mas a política tende a ser altamente local, e a história não pode facilmente fornecer um fio condutor do que torna uma era, movimento ou líder populista. Se Jeremy Corbyn é igual a Mussolini (um dos dois exemplos mencionados por McCloskey), então as pessoas comuns que pensam em termos de esquerda/direita em vez de estatista/libertário podem ser perdoadas por sua confusão sobre o que exatamente é populismo.

Em seu maravilhoso ensaio de 1946 Politics and the English Language, George Orwell discute o abuso de “palavras sem sentido” por figuras da mídia e políticos. Tais palavras, ele argumenta, frequentemente são usadas de “maneira conscientemente desonesta”, destinada a orientar o ouvinte ou leitor em uma direção desejada.

“Populismo” certamente se qualifica como uma palavra sem sentido hoje. É apenas uma definição certa, pelo menos no uso atual, é “algo não desejável”, como diz Orwell. É frequentemente aplicado como um termo genérico para “alguém que tem opiniões políticas que eu não gosto”. Os adversários não conseguem definir exatamente, ou mesmo de forma frouxa, mas sabem que é ruim.

É por isso que mesmo os populistas reais não se consideram como tal, ou reivindicam voluntariamente o manto populista. Os movimentos populares e o sentimento popular são politicamente úteis, mas o rótulo populista não. Pelo contrário, é um albatroz, que mostra como as elites têm sido bem-sucedidas em enquadrar o populismo como sinistro, enquanto a democracia, de alguma forma, é sempre nobre.

Mas o populismo é apenas democracia. Trump, Brexit, Miei, Bolsonaro, Bernie Sanders, Catalunha e inúmeras outras revoltas representam expressões democráticas do que as pessoas querem, por mais míopes ou mal informadas que sejam. Se não podem ou não devem ter o que querem, a classe política deve parar de se posicionar e admitir que a social-democracia é um fracasso (algo improvável).

As elites (esquerda, direita e outras) que mais querem subjugar o perigoso governo da máfia quase nunca apoiam o único mecanismo necessário para fazê-lo, ou seja, limites ao poder estatal. Mas elas aparentemente nunca consideram que Estados onipotentes possam um dia ser tomados por ralé com ideias diferentes.

Para escapar da armadilha da indefinição suspeita de Orwell, devemos aplicar pelo menos uma definição funcional de populismo:

  • antielite;
  • anti-establishment;
  • antitecnocrático;
  • hostil aos partidos políticos estabelecidos;
  • sintetiza velhas concepções de esquerda e direita em visões políticas híbridas às vezes esquizofrênicas;
  • muitas vezes conduzido por uma figura carismática.

A oposição mais estridente ao populismo, no entanto, está enraizada em sua característica atual mais saliente: o antiglobalismo. É aqui que a borracha encontra a estrada, onde Bernie encontra Trump e encontra Farage, e explica a animosidade enraizada por movimentos populistas entre políticos ocidentais e elites financeiras. O globalismo é o único artigo de fé inabalável entre os neoliberais de hoje, considerado inquestionavelmente bom e patentemente inevitável. É por isso, mais do que tudo, que o mundo político parecia ter um colapso coletivo quando Hillary Clinton perdeu as eleições de 2016 para Trump.

Mas o globalismo hoje é político, e não é inerentemente liberal. Ele imagina e, em última análise, exige arranjos políticos universais (isto é, a social-democracia para todos). O verdadeiro liberalismo não é político e dá conta das diferenças entre os povos, respeitando essas diferenças. As diferenças criam vantagens comparativas e especialização, que estabelecem as condições para o comércio liberal. As diferenças políticas, econômicas e culturais são melhor amenizadas por meio da subsidiariedade política em vez do universalismo, criando as condições para que pessoas com visões de mundo radicalmente diferentes vivam em paz – politicamente desprendidas, mas buscando a paz, o comércio, as viagens, as comunicações e a diplomacia com outras nações por interesse próprio.

Certamente o globalismo político do século XX não conseguiu evitar guerras em massa, contagem de corpos e a ascensão de ideologias autoritárias do Oriente ao Ocidente. Devemos, no entanto, dobrar a aposta e aceitar a crença neoliberal de que os mandatos centralizadores do globalismo são necessariamente salutares e liberalizantes?

Sem resolver esta questão tão grande, podemos pelo menos aceitar que os populistas tenham razão? Quando as elites, a academia, Wall Street, o Vale do Silício e a mídia estão completamente ligadas ao Estado, os libertários estão errados em criticar essa realidade sob o argumento de que o antielitismo é, de alguma forma, anti-intelectual?

Críticos ferrenhos do populismo muitas vezes trazem à mente especialistas em política externa neoconservadora e seu uso promíscuo das palavras sem sentido, “Guerra ao Terror”: eles não dão conta do retrocesso e confundem táticas com objetivos. Os libertários devem apoiar sentimentos ou movimentos populistas quando são pró-liberdade/anti-Estado, e opor-se a eles quando não são.

 

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. “liberalismo de mercado tirou milhões da pobreza e tornou a vida muito mais tolerável para as minorias.”

    Não, não, não. O que tira as pessoas da pobreza é em primeiro lugar a disposição para o trabalho, algo não distribuído de forma igualitária para todos os indivíduos. E em segundo lugar, a possibilidade que pessoas com maior capacidade para o trabalho possam agir livremente. Ou seja, os mercados. E isso ai não precisa de ideologia, é natural. Como o liberalismo ficou com essa fama demonstra como a propaganda ideológica do estado é eficaz. O mérito de demonstrar a eficácia econômica e sua eficiência – inclusive em termos morais, deste arranjo natural dos indivíduos que resulta nos mercados, se deve exclusivamente aos austro-libertários. Foram eles os únicos que demonstraram que o estado é uma gang de ladrões e assassinos em larga escala. No presente, passado e futuro. De modo que o austro-libertarianismo é universal e científico.