Uma breve história sobre vidas roubadas

2
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

No terceiro aniversário do pior exercício de política pública da história, e enquanto a maioria das pessoas agora gostaria de esquecer a resposta à pandemia para que possam agir como se não fossem cúmplices dela, apresento a seguinte retrospectiva concisa:

Nos EUA, Trump, um cara cientificamente analfabeto e germofóbico, entrou em pânico enquanto os democratas e uma mídia cúmplice usavam estatísticas falsas e vídeos de hospitais para assustar as pessoas.

Embora talvez nenhuma pessoa saudável com menos de 70 anos tenha morrido “de Covid” e quase todos os infectados e acima de 70 tenham sobrevivido, muitos acreditavam que “o vírus” era uma ameaça letal universal.

A grande maioria dos que dizem ter morrido de um vírus realmente morreu de velhice, doenças não relacionadas à Covid, erros médicos ou desespero oriundo do isolamento.

“Especialistas” prescreveram ordens de permanência em casa, máscaras inúteis e testes extremamente imprecisos. Estas coisas nada mais foram além de um teatro político que previsivelmente fracassou e causou muitos danos.

Como que para zombar da credulidade das pessoas, os governos também promoveram uma série de slogans bregas, mas amplamente adotados e invocados, e decretaram uma longa lista de regras absurdas, como andar só em um sentido nas lojas e usar máscara em restaurantes e aviões até a comida chegar.

A maioria das escolas foi fechada por 18 meses. As aulas pelos laptops sacrificaram voluntariamente os jovens, roubando deles experiências insubstituíveis e tempo de desenvolvimento social.

As igrejas também foram fechadas por duas temporadas de férias.

Os governos gastaram vários trilhões em medidas inúteis e causaram uma inflação maciça, que está causando problemas econômicos, financeiros e sociais adicionais e duradouros.

Embora desnecessário, o governo pagou dezenas de bilhões para desenvolver, comprar e promover “vacinas”. O governo e muitos “especialistas” afirmaram com confiança que as vacinas interromperiam a infecção e a propagação do vírus. Bilhões de pessoas foram inconstitucionalmente obrigadas a injetar uma vacina em seus braços. Embora a Grande Indústria Farmacêutica tenha lucrado muito, as injeções falharam, facilitaram a infecção e causaram muitos problemas de saúde e mortes.

A mídia, a Big Tech e o governo censuraram ativamente aqueles que tentaram dizer a verdade sobre tudo o que foi dito acima.

Irmão ficou contra irmão, irmã contra irmã e amigo contra ex-amigo.

Durante todo o processo, muitos demonstraram profundos déficits de conhecimento e lógica. Eles acreditaram tolamente que, escondendo-se uns dos outros, os humanos poderiam fazer um vírus respiratório desaparecer no éter.

Muito poucos que apoiaram agressivamente as fúteis e destrutivas medidas de “mitigação” admitiram que estiveram errados o tempo todo. Os poucos que admitiram isso tardiamente se absolvem ao insistir falsamente que “não poderiam saber na época” que essas intervenções causariam danos sérios e duradouros.

 

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Na minha família tem pandeminion se doendo com o fim dessa loucura até hoje.
    Detalhe: todos os pandeminions da minha família são funças.

  2. O pior: o desastroso Donald Trump continua sendo a grande “alternativa política” mesmo entre aqueles que sabem (ou deveriam saber) daquilo que o texto explica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui