O dia em que Trump entrou em pânico e destruiu sua presidência

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

   “Embora meus conselheiros me digam que a resposta a este novo vírus será diferente em todos os cinquenta estados por causa de algo sobre os “direitos dos estados” na Constituição, meus bilhões de apoiadores nos Estados Unidos e em todo o mundo podem ter certeza de que não irei abandona-los. Não vou ficar sentado assistindo governadores esquerdistas destruírem esta bela economia que minhas políticas criaram.

    Nenhuma grande nação permanece grande destruindo empresas e empregos. Portanto, marque minhas palavras: se algum governador em qualquer um dos nossos 50 estados decretar lockdown, esses governadores logo terão um visitante regular com um grande e bonito 747 para lidar com ele: eu. Farei campanha interminável em estados que tiram negócios, empregos e liberdade de seu povo. Melhor ainda, vou envergonhar governadores tão sem noção a ponto de lutar contra um vírus com desespero econômico. Portanto, deixe isso servir como um aviso: embora meu poder sobre os estados não seja absoluto, logo parecerá que é.”

Imagine se o então presidente Donald Trump tivesse pronunciado essas palavras em março passado. O mundo seria sem dúvida um lugar muito diferente hoje.

Para dar um contexto histórico, os leitores familiarizados com a história política de Ronald Reagan também estão familiarizados com um ditado que era rotineiramente proferido pelas pessoas mais ideologicamente próximas do 40º presidente: “Que Reagan seja Reagan”, eles diriam. Não tente mudá-lo, não tente fazer dele o que ele não é, ele é melhor quando é ele mesmo.

Isso é importante tendo Donald Trump em mente. Desde sua derrota na eleição de novembro passado, tem havido todos os tipos de artigos de opinião sobre como Trump ainda seria presidente se tivesse dispensado o Twitter, se tivesse se sentado e deixado Joe Biden falar e assim perder a eleição no primeiro debate, se ele não tivesse travado tantas lutas com outros republicanos, se ele fosse mais conservador, menos conservador, se ele tivesse silenciado a mídia para que Biden pudesse mais uma vez falar e perder….

Claro, o que todos esses contrafactuais deixaram passar foi que, se Trump tivesse instintos do tipo contenção e moderação, então ele não teria sido presidente em primeiro lugar. Apenas alguém extremamente audacioso, apenas alguém totalmente destituído de autoconsciência, apenas alguém incapaz de não estar na ofensiva rotineiramente teria a coragem de concorrer à presidência. E vencer. Trump tinha que ser Trump, para o bem e para o mal.

Sem dúvida, o maior problema para Trump era quando ele ia contra o tipo. Em particular, quando os conselheiros o convenceram a não ser ele mesmo. A visão aqui é que o fracasso de Trump em ser ele mesmo custou-lhe a Casa Branca e também trouxe muito sofrimento ao povo americano. Na verdade, os dois estão relacionados.

Para ver o porquê, é útil viajar no tempo até os dias e semanas anteriores aos lockdowns. O presidente Trump disse que o novo coronavírus “não era grande coisa”, mas a editora da Vogue Anna Wintour também. O prefeito de Nova York de Blasio ainda pegava o metrô para encorajar os cidadãos. Ele estava dizendo a eles para ver filmes também. O New York Times estava pregando cautela contra reações exageradas e a tomada de liberdades civis. O consenso entre as ideologias cruzadas era, relaxe.

Alguns dirão que ambos os lados estavam certos quando pregavam cautela. Imagine que o reflexivamente alarmista do New York Times tem regularmente relatado os fatos reais dentro de histórias com manchetes alarmistas e tendências alarmistas. Como tal, leitores cuidadosos do Times sabem há muito tempo que a taxa de hospitalização de pessoas infectadas com o vírus está abaixo de 1%, que as mortes relacionadas ao coronavírus nos Estados Unidos têm muito associado a pessoas já muito doentes e muito velhas em lares de idosos, e que, em um sentido amplo, a morte do vírus foi realmente morte com o vírus, considerando o fato fornecido pelo CDC de que algo ao norte de 90% daqueles que morreram com o vírus tinham outras doenças graves e fatais com as quais estavam lidando.

De volta a Trump, imagine se ele tivesse persistido em suas armas e permanecido em seu estado normal e barulhento. Se assim for, Trump sem dúvida teria forçado uma mudança na resposta que teria verdadeiramente salvado os EUA e o mundo de dores de cabeça desnecessárias, tragédia, fome e, presumivelmente, todos os três. Pense nisso.

Se Trump tivesse sido desdenhosamente Trump sobre a noção histericamente tola de lockdowns, seus modos contrários teriam dado aos governadores republicanos em todo o país a cobertura política para se manterem firmes da mesma forma. É seguro dizer que suas ações teriam capacitado alguns governadores democratas para evitar o desespero econômico como estratégia de mitigação de vírus.

Tão importante quanto, o que os EUA fazem é acompanhado de perto pelo resto do mundo. Se Trump deixa claro que os EUA não escolherão a contração econômica para combater o vírus, não é absurdo especular que Trump também teria fornecido cobertura política para líderes mundiais ansiosos por não fazer o que foi tão abjetamente tolo.

Nesse ponto, é uma aposta segura que as economias dos EUA e global ainda se contraiam um pouco no sentido do PIB. Eles teriam feito isso principalmente porque o PIB é informado pelo consumo, e é bem documentado que os americanos haviam ajustado seus hábitos de vida, alimentação e viagens bem antes dos trágicos e totalmente supérfluos lockdowns. Em outras palavras, os americanos não precisavam de uma lei para serem mais cautelosos.

O que é importante sobre isso é que a redução voluntária nos gastos dos americanos teria servido como combustível de foguete para uma rápida recuperação econômica que se teria revelado muito rapidamente como negócios abertos apoiados por maior acesso ao capital nascido da poupança ajustada a uma nova realidade. Traduzido para aqueles que precisam dele, um recuo natural dos americanos preocupados teria produzido os recursos necessários para uma recuperação naturalmente rápida.

Infelizmente, Trump não agiu como Trump. Posicionado para ser ele mesmo, e no processo marcando vitórias monumentais da variedade política, econômica e estadista, Trump perdeu a coragem. Sofremos em vários graus sua incapacidade de ser fiel a si mesmo em março passado até o dia de hoje. O problema é que Trump entrou em pânico.

 

Artigo original aqui

Leia também: Como a resposta catastrófica de Trump ao Covid o fez perder a reeleição