US$ 4 bilhões e contando: a máquina de guerra americana se banqueteia com a Ucrânia

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Passe para o lado, Histeria COVID. O complexo industrial militar está de volta ao volante.

Depois de um governo completo sem uma nova guerra para encher seus cofres, a indústria de defesa de Washington finalmente encontrou sua próxima mina de ouro. Depois de descartar a perspectiva de diplomacia entre a Ucrânia e a Rússia, o governo Biden continua a inundar a Ucrânia com um suprimento infinito de equipamentos militares, enquanto usa meios extraconstitucionais para prolongar perpetuamente o tamanho e o escopo do envolvimento dos Estados Unidos na guerra Rússia-Ucrânia.

Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson tiveram seu momento para brilhar, mas agora é a vez dos contratados de defesa aspirarem tudo o que puderem do regime de Washington financiado pelos contribuintes. Bem-vindo de volta ao seu lugar no centro das atenções e suba a bordo do trem do contribuinte dos EUA, Boeing, Raytheon, Lockheed e amigos. Há um conflito entre eslavos em andamento a 5.000 milhas de distância das costas americanas, e a máquina de guerra está pronta para se esbaldar.

Este gráfico mostra a ajuda militar à Ucrânia durante o primeiro mês da guerra:

Na terça-feira, o secretário de Defesa Lloyd Austin (que atuou no conselho da Raytheon antes de sua nomeação) deu início ao que ele considerou uma “reunião histórica” de mais de 40 países aliados, com o objetivo de “ajudar a Ucrânia a vencer a luta contra a invasão injusta da Rússia.”

“Acabamos de dar início a uma reunião histórica – mais de 40 países se reuniram para ajudar a Ucrânia a vencer a luta contra a invasão injusta da Rússia. Nosso objetivo é sair daqui com um entendimento comum e transparente dos requisitos de segurança de curto e longo prazo da Ucrânia.” – Secretário de Defesa, Lloyd J. Austin III

E como exatamente Lloyd Austin realizará tal tarefa?

Isso será efetuado, de acordo com as mentes mais brilhantes do Pentágono, armando a Ucrânia com um fornecimento infinito de suprimentos militares, como armas pesadas, veículos, caças e similares.

Haverá muitas oportunidades no futuro próximo para facilitar o fluxo de armas para a Ucrânia, disse o Secretário Austin durante seus depoimentos. “As próximas semanas serão extremamente cruciais para a Ucrânia, então temos que nos mover na velocidade da guerra”, acrescentou Austin, explicando que este recém-formado “Grupo Consultivo de Segurança da Ucrânia” se reunirá mensalmente. Sim, mensalmente. Este “grupo consultivo” reunirá as indústrias de defesa de 40 países aliados para inundar a Ucrânia – que é o país mais corrupto da Europa – com armas e ajuda ocidentais.

O Pentágono de Biden e seus amigos têm planos ambiciosos para a Ucrânia, reconhecendo que Kiev será alavancada como a ponta da lança nessa aparente luta contra a Rússia. Na terça-feira, o chefe de defesa dos EUA prometeu que a Rússia será “enfraquecida ao ponto de não poder fazer o tipo de coisa que fez”.

Ontem Blinken & Austin prometeram a Zelensky $700 milhões em ajuda militar. Acontece que US$391 milhões estão indo para aliados dos EUA para comprar (de fornecedores de equipamentos militares dos EUA) a substituição do estoque de equipamentos antigos doados à Ucrânia.

Em respeito à tradição de política externa dos Estados Unidos no século XXI, a Casa Branca está operando com total desrespeito à Constituição dos EUA. O Congresso não declarou guerra à Rússia, mas o governo Biden anunciou uma política de cheque em branco para participar ativamente de uma guerra que ocorre na região fronteiriça Rússia-Ucrânia. Mais de US$4 bilhões em armas já inundaram a Ucrânia ao longo de 2 meses. Artilharia, drones, mísseis antitanque Javelins feitos pela Raytheon, você escolhe. Tudo vai para Kiev.

O que acontece com as armas enviadas para a Ucrânia? Os EUA realmente não sabem.

Os EUA têm poucas maneiras de rastrear o fornecimento substancial de armamento antitanque, antiaéreo e outros que enviou através da fronteira para a Ucrânia, disseram fontes à CNN

   “Temos informações confiáveis por um curto período de tempo, mas quando entra no nevoeiro da guerra, temos praticamente zero informação“, disse uma fonte ligada a inteligência dos EUA. “Elas caem em um grande buraco negro, e você quase não tem noção disso depois de um curto período de tempo.”

Parece não haver transparência ou mecanismo de rastreamento para as entregas expressas de armas. O governo Biden já reconheceu que não tem ideia de onde as armas vão parar quando entrarem na Ucrânia.

E Biden acabou de pedir ao Congresso mais US$33 bilhões em ajuda à Ucrânia, à medida que a guerra entra em nova fase.

 

Artigo original aqui