Novo café “anticapitalista” mostra por que o capitalismo é incrível

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Um novo café “anticapitalista” abriu em Toronto, na esperança de atrair clientes que compartilham os valores esquerdistas radicais do proprietário. Oficialmente chamado O  Anarquista, o café no centro da cidade será administrado como uma cooperativa de propriedade e operação dos trabalhadores. Todos os funcionários receberão o mesmo salário e todas as decisões de negócios serão tomadas democraticamente.

“Espero que, declarando abertamente a empresa como anticapitalista, possa motivar as pessoas a pensar e perguntar sobre o que isso significa”, disse Gabriel Sims-Fewer, proprietário da empresa. “Eu sei que o mundo está cheio de progressistas radicais e esperar encontrar mais deles foi uma motivação para fazer o que estou fazendo.”

A resposta foi extremamente positiva de acordo com Sims-Fewer. “Eu não esperava tanto entusiasmo todos os dias tão cedo”, disse ele.

A ironia aqui é, obviamente, clara. Aqui temos um empresário abrindo um negócio, presumivelmente com a intenção de obter lucro, tudo em nome de uma crítica ao capitalismo?

A ironia piora, na verdade, porque este também é um exemplo clássico do grande mantra capitalista que “o mercado sempre fornece tudo”. Você quer carros? O mercado fornecerá. Você quer luta-livre fajuta? O mercado fornecerá. Você quer cafés explicitamente anti-mercado? Sim, o mercado também oferece isso, aparentemente. Então, longe de destacar os defeitos do capitalismo, esse empreendimento está servindo para destacar seus pontos fortes.

Ironia à parte, a questão que paira sobre esse empreendimento é se ele realmente funcionará. Claro, é difícil dizer nesta fase, mas há uma indicação de que ele pode ter problemas.

Embora salários iguais para todos e gestão democrática possam parecer bons, há uma pergunta importante que precisamos fazer. Se é uma ideia tão boa, por que outras empresas não estão fazendo isso? Presumivelmente, há uma razão para isso ainda não ser um modelo de negócios convencional.

De acordo com os esquerdistas, a razão pela qual isso não é generalizado é que a maioria dos proprietários e gerentes são egoístas e gananciosos. A “administração” tem interesse em manter o “trabalho” subjugado, nos dizem, e é por isso que eles não dão aos trabalhadores maiores salários ou direitos de decisão.

Mas a ideia de que modelos de negócios igualitários são evitados porque proprietários e gerentes não gostam deles é simplesmente imprecisa. A verdadeira razão pela qual as empresas evitam modelos mais igualitários é porque os consumidores não gostam deles. Afinal, são os consumidores, não os proprietários e gerentes, que decidem como os negócios são administrados.

“Os consumidores frequentam as lojas nas quais podem comprar o que querem pelo preço mais barato”, explica Ludwig von Mises em seu tratado econômico Ação Humana. “Sua compra e sua abstenção de comprar decide quem deve possuir e administrar as fábricas e a terra. Eles tornam os pobres ricos e os ricos pobres. Eles determinam precisamente o que deve ser produzido, em que qualidade e em que quantidades.”

Quando olhamos para uma empresa, parece óbvio que são os donos que tomam as decisões. Mas, como Mises explica, eles são na verdade servos dos consumidores e serão rapidamente “demitidos” se não estruturarem seus negócios da maneira que os consumidores desejam.

“Os empresários, capitalistas e agricultores estão de mãos atadas”, diz Mises. “Eles são obrigados a cumprir em suas operações as ordens do público comprador. Todo desvio das linhas prescritas pela demanda dos consumidores debita sua conta.”

Mas certamente os gerentes têm pelo menos alguma discrição, talvez quando se trata de salários ou direitos de decisão? Não é assim, diz Mises. “Os consumidores determinam, em última análise, não apenas os preços dos bens de consumo, mas também os preços de todos os fatores de produção. Eles determinam a renda de cada membro da economia de mercado. Os consumidores, não os empresários, pagam, em última análise, os salários ganhos por cada trabalhador, tanto a glamorosa estrela de cinema quanto a faxineira. A cada centavo gasto, os consumidores determinam a direção de todos os processos de produção e os mínimos detalhes da organização de todas as atividades comerciais.”

Esse princípio, muitas vezes chamado de soberania do consumidor, realmente esvazia o argumento do “gestor mau”, e também nos ajuda a entender por que os modelos de negócios igualitários não são mais comuns. Os consumidores provavelmente optam por pagar salários mais altos a gerentes e executivos do que outros trabalhadores porque desejam atrair talentos para essas funções importantes. A igualdade de remuneração seria um uso ineficiente de recursos, o que é absolutamente inaceitável para os consumidores astutos.

A tomada de decisão hierárquica também é projetada para atender aos consumidores, porque algumas pessoas são melhores do que outras em julgar como as empresas podem atender melhor seus clientes, e os consumidores querem essas pessoas no comando.

Agora, os empreendedores são mais do que bem-vindos para experimentar um modelo de negócios diferente, como O Anarquista está fazendo. Mas lembre-se, os consumidores são os verdadeiros chefes aqui. Se eles não gostarem desse modelo – talvez porque torne seu café mais caro e eles possam comprar café mais barato em outro lugar que seja tão bom quanto –, eles o punirão rapidamente com prejuízos. Mas mesmo que recompensem a empresa com lucros, isso é simplesmente uma indicação de que a empresa atendeu com sucesso aos valores dos consumidores. Em ambos os casos, o consumidor é rei.

Proprietários e trabalhadores podem tentar substituir suas próprias preferências pelas dos consumidores, mas se o fizerem, descobrirão rapidamente quem é realmente o chefe em uma sociedade capitalista.

 

 

Artigo original aqui