XII – Anarco-comunismo

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Agora que a Nova Esquerda abandonou sua postura anterior frouxa, flexível e não ideológica, duas ideologias foram adotadas como guias de posições teóricas pelos Novos Esquerdistas – marxismo-stalinismo e anarco-comunismo. O marxismo-stalinismo infelizmente conquistou o SDS, mas o anarco-comunismo atraiu muitos esquerdistas que buscam uma saída para a tirania burocrática e estatista que marcou o caminho stalinista. Além disso, muitos libertários, que buscam formas de ação e aliados em tais ações, foram atraídos por um credo anarquista que aparentemente exalta o caminho voluntário e clama pela abolição do Estado coercitivo. É fatal, entretanto, abandonar e perder de vista os próprios princípios na busca de aliados em ações táticas específicas. O anarco-comunismo, tanto em sua forma Bakunin-Kropotkin original quanto em sua atual variedade irracionalista e “pós-escassez”, é o inverso do princípio libertário genuíno.

Se há uma coisa, por exemplo, que o anarco-comunismo odeia e injuria mais do que o Estado, é o direito à propriedade privada. Na verdade, a principal razão pela qual os anarco-comunistas se opõem ao Estado é porque eles acreditam erroneamente que ele é o criador e protetor da propriedade privada e, portanto, que o único caminho para a abolição da propriedade é pela destruição do aparelho do Estado. Eles falham totalmente em perceber que o Estado sempre foi o grande inimigo e invasor dos direitos da propriedade privada. Além disso, desprezando e detestando o livre mercado, a economia de lucros e prejuízos, propriedade privada e riqueza material – todos os quais são corolários uns dos outros – os anarco-comunistas erroneamente identificam anarquismo com vida comunal, com partilha tribal e com outros aspectos de nossa emergente “cultura jovem” de rock e drogas.

A única coisa boa que se pode dizer sobre o anarco-comunismo é que, em contraste com o stalinismo, sua forma de comunismo seria, supostamente, voluntária. Presumivelmente, ninguém seria forçado a ingressar nas comunas, e aqueles que continuassem a viver individualmente e a se envolver em atividades de mercado não seriam molestados. Ou seriam? Os anarco-comunistas sempre foram extremamente vagos e nebulosos sobre os contornos de sua proposta de sociedade anarquista do futuro. Muitos deles têm proposto a doutrina profundamente antilibertária de que a revolução anarco-comunista terá de confiscar e abolir toda propriedade privada, de modo a afastar todos de seu apego psicológico à propriedade que possuem. Além disso, é difícil esquecer o fato de que quando os anarquistas espanhóis (anarco-comunistas do tipo Bakunin-Kropotkin) assumiram grandes setores da Espanha durante a Guerra Civil da década de 1930, eles confiscaram e destruíram todo o dinheiro em suas áreas e decretaram prontamente a pena de morte para o uso de dinheiro. Nada disso pode dar confiança nas boas intenções voluntaristas do anarco-comunismo.

Por todos os outros motivos, o anarco-comunismo varia do malicioso ao absurdo. Filosoficamente, esse credo é um ataque total à individualidade e à razão. O desejo do indivíduo de propriedade privada, impulso para melhorar, se especializar, para acumular lucros e renda são insultados por todos os ramos do comunismo. Em vez disso, todos devem viver em comunas, compartilhando todos os seus parcos bens com seus companheiros e cada um tendo o cuidado de não avançar além de seus irmãos comunais. Na raiz de todas as formas de comunismo, compulsório ou voluntário, está um profundo ódio à excelência individual, uma negação da superioridade natural ou intelectual de alguns homens sobre outros e um desejo de rebaixar cada indivíduo ao nível de um amontoado de formiga comunal. Em nome de um falso “humanismo”, um igualitarismo irracional e profundamente anti-humano deve roubar de cada indivíduo sua específica e preciosa humanidade.

Além disso, o anarco-comunismo despreza a razão e seus corolários: propósito de longo prazo, premeditação, trabalho árduo e realização individual; em vez disso, exalta sentimentos irracionais, desejos e caprichos – tudo isso em nome da “liberdade”. A “liberdade” do anarco-comunista não tem nada a ver com a ausência libertária genuína de invasão ou molestamento interpessoal; é, em vez disso, uma “liberdade” que significa escravidão à irracionalidade, ao desejo não examinado e ao capricho infantil. Social e filosoficamente, o anarco-comunismo é uma desgraça.

Economicamente, o anarco-comunismo é um absurdo. O anarco-comunista busca abolir o dinheiro, os preços e o emprego, e se propõe a conduzir uma economia moderna puramente pelo registro automático de “necessidades” em algum banco de dados central. Ninguém que tenha a menor compreensão de economia pode brincar com essa teoria por um único segundo. Cinquenta anos atrás, Ludwig von Mises expôs a total incapacidade de uma economia planejada e sem dinheiro de operar acima do nível mais primitivo. Ele mostrou que os preços em dinheiro são indispensáveis ​​para a alocação racional de todos os nossos recursos escassos – trabalho, terra e bens de capital – para os campos e as áreas onde são mais desejados pelos consumidores e onde poderiam operar com maior eficiência. Os socialistas reconheceram a validade do desafio de Mises e começaram – em vão – a encontrar uma maneira de ter um sistema racional de preços de mercado dentro do contexto de uma economia socialista planejada.

Os russos, depois de tentar uma abordagem da economia comunista e sem dinheiro em seu “comunismo de guerra” logo após a Revolução Bolchevique, reagiram com horror ao ver a economia russa caminhando para o desastre. Mesmo Stalin nunca tentou reanimá-la; e desde a Segunda Guerra Mundial, os países do Leste Europeu viram um abandono total desse ideal comunista e um rápido movimento em direção a mercados livres, um sistema de preços livres, testes de lucros e prejuízos e uma promoção da riqueza do consumidor. Não é por acaso que foram precisamente os economistas nos países comunistas que lideraram a corrida para longe do comunismo, socialismo e planejamento central em direção aos mercados livres. Não é crime ser ignorante em economia, que é, afinal, uma disciplina especializada e que a maioria das pessoas considera uma “ciência sombria”. Mas é totalmente irresponsável ter uma opinião ruidosa e vociferante sobre assuntos econômicos, permanecendo neste estado de ignorância. No entanto, esse tipo de ignorância agressiva é inerente ao credo do anarco-comunismo.

O mesmo comentário pode ser feito sobre a crença generalizada, sustentada por muitos da Nova Esquerda e por todos os anarco-comunistas, de que não há mais necessidade de se preocupar com economia ou produção porque supostamente vivemos em um mundo “pós-escassez”, onde tais problemas não surgem. Mas, embora nossa condição de escassez seja claramente superior à do homem das cavernas, ainda vivemos em um mundo de escassez econômica generalizada. Como saberemos quando o mundo alcançou o “pós-escassez”? Simplesmente, saberemos quando todos os bens e serviços que podemos desejar se tornarem tão superabundantes que seus preços caíram a zero, em suma, quando pudermos adquirir todos os bens e serviços como em um Jardim do Éden – sem esforço, sem trabalho, sem usar recursos escassos.

O espírito anti-racional do anarco-comunismo foi expresso por Norman O. Brown, um dos gurus da nova “contra-cultura”:

O grande economista Ludwig von Mises tentou refutar o socialismo demonstrando que, ao abolir a troca, o socialismo tornou o cálculo econômico e, portanto, a racionalidade econômica impossível. … Mas se Mises está certo, então o que ele descobriu não é uma refutação, mas uma justificativa psicanalítica do socialismo. … É uma das tristes ironias da vida intelectual contemporânea que a resposta dos economistas socialistas aos argumentos de Mises foi tentar mostrar que o socialismo não era incompatível com o “cálculo econômico racional” – isto é, que poderia reter o princípio desumano de economizar.[1]

O fato de que o abandono da racionalidade e da economia em nome da “liberdade” e do capricho levará ao desmantelamento da produção e da civilização modernas e nos levará de volta à barbárie não perturba nossos anarco-comunistas e outros expoentes da nova “contra-cultura.” Mas o que eles parecem não perceber é que o resultado desse retorno ao primitivismo seria fome e morte para quase toda a humanidade e uma subsistência opressora para o restante. Se eles conseguirem o que querem, descobrirão que é realmente difícil ser alegre e “não reprimido” enquanto está morrendo de fome.

Tudo isso nos traz de volta à sabedoria do grande filósofo espanhol Ortega y Gasset:

Nos distúrbios causados ​​pela escassez de alimentos, a turba sai em busca de pão e os meios que emprega geralmente são para destruir as padarias. Eles podem servir como um símbolo da atitude adotada, em uma escala maior e mais complicada, pelas massas de hoje em relação à civilização que as sustenta. … A civilização não está “apenas aqui”, não é autossustentável. É artificial. … Se você deseja aproveitar as vantagens da civilização, mas não está preparado para se preocupar em mantê-la, está feito. Em um instante, você se encontra sem civilização. Apenas um deslize e, quando você olha, tudo desaparece no ar. A floresta primitiva aparece em seu estado nativo, como se as cortinas que cobriam a natureza pura tivessem sido abertas. A selva é sempre primitiva e vice-versa, tudo primitivo é mera selva.[2]

 

_________________________

Notas

[1] Norman O. Brown, Life Against Death (Nova York: Random House, 1959), pp. 238-39.

[2] José Ortega y Gasset, The Revolt of the Masses (Nova York: WW Norton, 1932), p. 97