XV – Por que ser libertário?

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Por que ser libertário, afinal? Com isso queremos dizer: qual é o sentido de tudo isso? Por que se envolver em um compromisso profundo e vitalício com o princípio e a meta da liberdade individual? Pois tal compromisso, em nosso mundo em grande parte não livre, significa inevitavelmente um desacordo radical com o status quo e uma alienação dele, uma alienação que igualmente inevitavelmente impõe muitos sacrifícios em dinheiro e prestígio. Quando a vida é curta e o momento da vitória está longe no futuro, por que passar por tudo isso?

Incrivelmente, encontramos entre o número crescente de libertários neste país muitas pessoas que assumem um compromisso libertário de um ou outro ponto de vista extremamente estreito e pessoal. Muitos são irresistivelmente atraídos pela liberdade como um sistema intelectual ou como um objetivo estético; mas a liberdade permanece para eles um jogo de salão puramente intelectual, totalmente divorciado do que eles consideram as atividades “reais” de sua vida diária. Outros são motivados a permanecer libertários apenas por antecipar seus próprios lucros financeiros pessoais. Percebendo que um mercado livre proporcionaria oportunidades muito maiores para homens capazes e independentes de colher lucros empresariais, eles se tornam e permanecem libertários apenas para encontrar oportunidades maiores de lucro para os negócios. Embora seja verdade que as oportunidades de lucro serão muito maiores e mais difundidas em um mercado e uma sociedade livres, colocar isso como ênfase principal na motivação de ser um libertário só pode ser considerado grotesco. Pois no caminho muitas vezes tortuoso, difícil e extenuante que deve ser trilhado antes que a liberdade possa ser alcançada, as oportunidades de lucro pessoal do libertário serão muito mais frequentemente negativas do que abundantes.

A consequência da visão estreita e míope do jogador e do aspirante a criador de lucros é que nenhum dos grupos tem o menor interesse no trabalho de construção de um movimento libertário. E, no entanto, é somente através da construção de tal movimento que a liberdade pode finalmente ser alcançada. As ideias, e especialmente as ideias radicais, não avançam no mundo por si mesmas, por assim dizer; eles só podem ser promovidos por pessoas e, portanto, o desenvolvimento e o avanço de tais pessoas – e, portanto, de um “movimento” – torna-se uma tarefa primordial para o Libertário que realmente leva a sério o avanço de seus objetivos.

Afastando-nos desses homens de visão estreita, também devemos ver que o utilitarismo – o terreno comum dos economistas de livre mercado – é insatisfatório para o desenvolvimento de um movimento libertário florescente. Embora seja verdadeiro e valioso saber que um mercado livre traria muito mais abundância e uma economia mais saudável para todos, ricos e pobres, um problema crítico é se esse conhecimento é suficiente para levar muitas pessoas a uma dedicação vitalícia à liberdade. Em suma, quantas pessoas vão armar as barricadas e suportar os muitos sacrifícios que uma devoção consistente à liberdade acarreta, apenas para que mais um milhão de pessoas tenham banheiras melhores? Eles não irão preferir ter uma vida fácil e esquecer as banheiras de alguns por cento? Em última análise, então, a economia utilitarista, embora indispensável na estrutura desenvolvida do pensamento e ação libertários, é um fundamento básico quase tão insatisfatório para o movimento quanto aqueles oportunistas que simplesmente buscam um lucro de curto prazo.

É nossa opinião que um movimento libertário florescente, uma dedicação à liberdade ao longo da vida, só pode ser baseado na paixão pela justiça. Aqui deve estar a mola mestra de nosso impulso, a armadura que nos sustentará em todas as tempestades que virão, não a busca por um dinheiro rápido, os jogos intelectuais ou o cálculo frio de ganhos econômicos gerais. E, para ter paixão pela justiça, deve-se ter uma teoria do que são justiça e injustiça – em resumo, um conjunto de princípios éticos de justiça e injustiça que não podem ser fornecidos pela economia utilitarista. É porque vemos o mundo fedendo a injustiças empilhadas umas sobre as outras até os céus que somos impelidos a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para buscar um mundo em que essas e outras injustiças sejam erradicadas. Outros objetivos radicais tradicionais – como a “abolição da pobreza” – são, em contraste com este, verdadeiramente utópicos, pois o homem, simplesmente por exercer sua vontade, não pode abolir a pobreza. A pobreza só pode ser abolida por meio da operação de certos fatores econômicos – notadamente o investimento de poupança em capital – que só pode operar transformando a natureza por um longo período de tempo. Em suma, a vontade do homem é aqui severamente limitada pelo funcionamento – para usar um termo antiquado, mas ainda válido – da lei natural. Mas injustiças são atos infligidos por um grupo de homens a outro; elas são precisamente as ações dos homens e, portanto, elas e sua eliminação estão sujeitos à vontade instantânea do homem.

Tomemos um exemplo: a ocupação secular da Inglaterra e a opressão brutal do povo irlandês. Agora, se, em 1900, tivéssemos olhado para o estado da Irlanda e tivéssemos considerado a pobreza do povo irlandês, teríamos que dizer: a pobreza poderia ser melhorada pelos ingleses saindo e removendo seus monopólios de terra, mas os a eliminação final da pobreza na Irlanda, nas melhores condições, levaria tempo e estaria sujeita ao funcionamento da lei econômica. Mas o objetivo de acabar com a opressão inglesa – isso poderia ter sido feito pela ação instantânea da vontade dos homens: pelos ingleses simplesmente decidirem sair do país. O fato de que essas decisões não ocorrem instantaneamente não é o ponto; a questão é que o próprio fracasso é uma injustiça que foi decidida e imposta pelos perpetradores da injustiça – neste caso, o governo inglês. No campo da justiça, a vontade do homem é tudo; os homens podem mover montanhas, se apenas os homens assim decidirem. Uma paixão pela justiça instantânea – em suma, uma paixão radical – não é, portanto, utópica, como seria um desejo de eliminação instantânea da pobreza ou de transformação instantânea de todos em pianistas profissionais. Pois a justiça instantânea poderia ser alcançada se pessoas suficientes assim desejassem.

Uma verdadeira paixão pela justiça, então, deve ser radical – em suma, deve pelo menos desejar atingir seus objetivos de forma radical e instantânea. Leonard E. Read, presidente fundador da Foundation for Economic Education, expressou esse espírito radical com muita habilidade quando escreveu um panfleto, Eu Apertaria o Botão. O problema era o que fazer com a rede de controles de preços e salários então imposta à economia pelo Escritório de Administração de Preços. A maioria dos liberais econômicos estava tímida ou “realisticamente” defendendo uma ou outra forma de descontroles graduais ou escalonados; nesse ponto, o Sr. Read assumiu uma posição inequívoca e radical sobre o princípio: “se houvesse um botão nesta tribuna”, ele começou seu discurso, “que ao apertado liberaria todos os controles de salários e preços instantaneamente, eu colocaria meu dedo sobre ele e apertaria! ”[1] O verdadeiro teste, então, do espírito radical, é o teste de apertar o botão: se pudéssemos apertar o botão para a abolição instantânea das invasões injustas da liberdade, o faríamos? Se não o fizéssemos, dificilmente poderíamos nos chamar de libertários, e a maioria de nós só o faria se guiados principalmente por uma paixão pela justiça.

O genuíno libertário, então, é, em todos os sentidos da palavra, um “abolicionista”; ele iria, se pudesse, abolir instantaneamente todas as invasões da liberdade, quer seja, na cunhagem original do termo, escravidão, quer sejam as múltiplas outras instâncias de opressão do Estado. Ele iria, nas palavras de outro libertário em uma conexão semelhante, “fazer uma bolha no meu dedo de tanto apertar esse botão!” O libertário deve forçosamente ser um “apertador de botões” e um “abolicionista”. Impulsionado pela justiça, ele não pode ser movido por apelos utilitários amorais de que a justiça não acontece até que os criminosos sejam “compensados”. Assim, quando no início do século XIX surgiu o grande movimento abolicionista, vozes de moderação prontamente apareceram aconselhando que só seria justo abolir a escravidão se os senhores de escravos fossem financeiramente compensados ​​por sua perda. Em suma, depois de séculos de opressão e exploração, os senhores de escravos deveriam ser recompensados ​​ainda mais por uma bela soma arrecadada à força pela massa de contribuintes inocentes! O comentário mais adequado sobre essa proposta foi feito pelo radical filosófico inglês Benjamin Pearson, que observou que “ele pensava que eram os escravos que deveriam ser indenizados”; claramente, tal compensação só poderia ter vindo dos próprios proprietários de escravos.[2]

Antilibertários, e anti-radicais em geral, caracteristicamente afirmam que tal “abolicionismo” é “irrealista”; ao fazer tal acusação, eles estão irremediavelmente confundindo a meta desejada com uma estimativa estratégica do resultado provável. AO se conceber princípios, é de extrema importância não misturar estimativas estratégicas com o estabelecimento de metas desejadas. Primeiro, metas devem ser formuladas, que, neste caso, seria a abolição instantânea da escravidão ou qualquer outra opressão estatista que estamos considerando. E devemos primeiro enquadrar esses objetivos sem considerar a probabilidade de alcançá-los. Os objetivos libertários são “realistas” no sentido de que poderiam ser alcançados se um número suficiente de pessoas concordasse com sua desejabilidade e que, se alcançados, eles criariam um mundo muito melhor. O “realismo” da meta só pode ser desafiado por uma crítica à própria meta, não pelo problema de como alcançá-la. Então, depois de decidirmos sobre a meta, enfrentamos a questão estratégica inteiramente distinta de como atingir essa meta o mais rápido possível, como construir um movimento para alcançá-la, etc. Assim, William Lloyd Garrison não estava sendo “irreal” quando, na década de 1830, ele ergueu o glorioso estandarte da emancipação imediata dos escravos. Seu objetivo era o correto e seu realismo estratégico vinha do fato de que ele não esperava que seu objetivo fosse alcançado rapidamente. Ou, como o próprio Garrison distinguiu:

Exortar a abolição imediata tão seriamente quanto pudermos, isso irá, infelizmente! ser uma abolição gradual no final. Nunca dissemos que a escravidão seria derrubada por um único golpe; que deveria ser, nós sempre argumentaremos.[3]

Na verdade, no reino do estratégico, erguer a bandeira do princípio puro e radical é geralmente a maneira mais rápida de se chegar a objetivos radicais. Pois se o objetivo puro nunca é trazido à tona, nunca haverá qualquer impulso em direção a ele. A escravidão jamais teria sido abolida se os abolicionistas não tivessem levantado o clamor trinta anos antes; e, à medida que as coisas aconteceram, a abolição ocorreu virtualmente em um único golpe, em vez de gradual ou compensada.[4] Mas acima e além das exigências da estratégia estão os comandos da justiça. Em seu famoso editorial que lançou The Liberator no início de 1831, William Lloyd Garrison arrependeu-se de sua adoção anterior da doutrina da abolição gradual:

Aproveito para fazer uma retratação plena e inequívoca e, assim, publicamente pedir perdão ao meu Deus, à minha pátria e aos meus irmãos, os pobres escravos, por eu ter manifestado um sentimento tão cheio de timidez, injustiça e absurdidade.

Ao ser reprovado pela habitual severidade e calor de sua linguagem, Garrison respondeu: “Eu preciso estar em chamas, pois tenho montanhas de gelo ao meu redor para derreter.” É esse espírito que deve marcar o homem verdadeiramente dedicado à causa da liberdade.[5]

 

_______________________

Notas

[1] Leonard E. Read, I’d Push the Button (Nova York: Joseph D. McGuire, 1946), p. 3

[2] William D. Grampp, The Manchester School of Economics (Stanford, Califórnia: Stanford University Press, 1960), p. 59.

[3] Citado em William H. e Jane H. Pease, eds., The Antislavery Argument (Indianapolis: Robbs-Merrill, 1965), p. xxxv.

[4] Na conclusão de uma crítica filosófica brilhante da acusação de “irrealismo” e sua confusão entre o bom e o atualmente provável, o professor Philbrook declara: “Apenas um tipo de defesa séria de uma política está aberta a um economista ou qualquer outra pessoa: ele deve sustentar que a política é boa. O verdadeiro ‘realismo’ é a mesma coisa que os homens sempre quiseram dizer com sabedoria: decidir o imediato à luz do último.” Clarence Philbrook, “’Realism’ in Policy Espousal,” American Economic Review (dezembro de 1953): 859.

[5] Para as citações de Garrison, ver Louis Ruchames, ed., The Abolitionists (Nova York: Capricorn Books, 1964), p. 31, e Fawn M. Brodie, “Who Defends the Abolitionist?” em Martin Duberman, ed., The Antislavery Vanguard (Princeton, NJ: Princeton University Press, 1965), p. 67. O trabalho de Duberman é um depósito de material valioso, incluindo refutações do esforço comum por aqueles comprometidos com o status quo de se envolver em difamação psicológica de radicais em geral e abolicionistas em particular. Veja especialmente Martin Duberman, “The Northern Response to Slavery,” em ibid., Pp. 406-13.