Zelenskyy também é um acólito das elites globalistas

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Como Trudeau, Zelenskyy é um serviçal do Fórum Econômico Mundial.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, afirmou que o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau foi uma das razões pelas quais ele entrou na política.

Depois de deixar sua carreira como comediante e artista e se tornar presidente da Ucrânia em abril de 2019, Zelenskyy saudou Trudeau como “um daqueles líderes que o inspiraram” a “entrar na política”, quando se tornou presidente da Ucrânia em 2019.

Embora Zelenskyy tenha saltado para o estrelato da relativa obscuridade da perspectiva do Ocidente desde que o conflito russo-ucraniano se tornou notícia internacional na semana passada, sua admiração por Trudeau não surpreende ao se analisar seu passado.

Como Trudeau, Zelenskyy é um acólito do Fórum Econômico Mundial de Klaus Schwab, a organização globalista por trás da agora infame agenda do “Grande Reinício”, que diz ao mundo que até o ano de 2030, “você não terá nada e será feliz.”

O apoio onipresente para Zelenskyy pela elite, incluindo o apoio dos defensores de “tirar financiamento da polícia” e do megadoador de esquerda do Black Lives Matter George Soros, Trudeau, o presidente americano Joe Biden e todos os lados da grande mídia, levou muitos a questionar a verdadeira motivação por trás da condenação da Rússia pelo Ocidente e uma preocupação de que um impulso para mais uma guerra estrangeira envolvendo o Ocidente esteja em andamento.

Na terça-feira, por exemplo, a jornalista ucraniana Daria Kaleniuk fez um pedido emocionado ao primeiro-ministro britânico Boris Johnson, pedindo-lhe que instruísse a OTAN a entrar na guerra na Ucrânia. Depois que o ocorrido foi elogiado na mídia ocidental, surgiram relatos mostrando que Kaleniuk não é apenas um jornalista, mas um membro do Fórum Econômico Mundial e executa iniciativas apoiadas por Soros em toda a Europa Oriental.

Embora muitos sejam céticos em relação ao presidente russo Vladimir Putin e seus antigos laços com a KGB, o escrutínio do outro lado do conflito parece ausente nos principais meios de comunicação, o que preocupou muitos, considerando a natureza radical do FEM e seus objetivos de Grande Reinício.

O Grande Reinício é um plano socialista radical projetado pelas elites globais para “reiniciar” a economia mundial e instalar um sistema internacional totalitário centralizado e fortemente regulamentado semelhante ao do alegado Sistema de Crédito Social da China.

Na verdade, o fundador e presidente do FEM, Klaus Schwab, elogiou consistentemente o presidente comunista chinês Xi Jinping, incluindo uma declaração deste ano na qual ele disse ao líder da China que seu regime ditatorial alcançou “conquistas sociais e econômicas significativas” sob sua liderança “inclusiva”.  O elogio de Schwab e a referência à China como “inclusiva” ocorrem apesar das evidências de que a China está realizando um genocídio em sua população muçulmana uigure, está executando um programa maciço de extração de órgãos e tem sido referido pelos críticos como o “pesadelo do primeiro Estado verdadeiramente totalitário”.

De um ponto de vista puramente estratégico, com ênfase em manter as mortes e baixas ao mínimo, também há aqueles que rejeitam a noção de que o Ocidente deve se envolver na guerra, pois isso pode servir para escalar, não acabar com o conflito.

De acordo com o consultor de relações públicas americano J. Robert Smith, o Ocidente deveria, neste momento, rejeitar o envolvimento militar dos EUA e da OTAN na Ucrânia, o que ele acha que só pioraria a situação já tumultuada e mortal.

“O impacto horrível das grandes guerras é muitas vezes subestimado no início. Pegue a Guerra Civil. Poucas pessoas, do Sul ou do Norte, imaginavam que a guerra custaria de 600.000 a 850.000 vidas, dependendo das estimativas. No início da Primeira Guerra Mundial, nenhum dos lados previu 40 milhões de baixas, militares e civis, naquele conflito inútil”, escreveu Smith.

“Quem realmente acredita que uma guerra EUA/OTAN-Rússia poderia ser contida na Ucrânia? As guerras são inerentemente imprevisíveis; elas têm sua própria dinâmica. Seja por design ou erro, o alastramento para as nações da OTAN parece uma possibilidade concreta. Por que Putin não atacaria alvos inimigos além das fronteiras da Ucrânia? Por que os EUA e a OTAN não retaliariam, ou não iniciariam ataques?”

 

 

Artigo original aqui