Confissões de um esquerdista de direita

1
Tempo estimado de leitura: 15 minutos

Vinte anos atrás eu era um republicano de extrema-direita, um jovem e solitário “neandertal” (como os esquerdistas costumavam nos chamar) que acreditava, como um amigo disse de forma pungente, que “o senador Taft havia se vendido aos socialistas”. Hoje, provavelmente sou chamado de extremista de esquerda, já que sou a favor da retirada imediata do Vietnã, denuncio o imperialismo dos EUA, defendo o Black Power e acabei de ingressar no novo Partido da Paz e da Liberdade. E, no entanto, minhas visões políticas básicas não mudaram nem um pouco nessas duas décadas!

É óbvio que algo está muito errado com os antigos rótulos, com as categorias de “esquerda” e “direita”, e com as maneiras pelas quais costumamos aplicar essas categorias à vida política. Minha odisseia pessoal não tem importância; o ponto importante é que, se eu pude passar da “extrema direita” para a “extrema esquerda” apenas ficando no mesmo lugar, mudanças drásticas, embora não reconhecidas, devem ter ocorrido em todo o espectro político americano na última geração.

Juntei-me ao movimento de direita – para dar um nome formal a um conjunto de associações muito vagas e informais – como um jovem estudante de pós-graduação logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Não havia dúvida sobre a posição da direita intelectual daquele tempo em relação ao militarismo e ao recrutamento: ela se opunha a eles como instrumentos de escravidão em massa e assassinato em massa. A conscrição, de fato, era considerada muito pior do que outras formas de controle e incursões estatais, pois enquanto estas se apropriavam apenas de parte da propriedade do indivíduo, o recrutamento, como a escravidão, tomava seu bem mais precioso: sua própria pessoa. Dia após dia, o veterano publicitário John T. Flynn — que já foi elogiado como esquerdista e depois condenado como reacionário, com pouca ou nenhuma mudança em seus pontos de vista — investiu implacavelmente na imprensa e no rádio contra o militarismo e o alistamento militar. Até mesmo o jornal de Wall Street, o Commercial and Financial Chronicle, publicou um longo ataque à ideia do recrutamento.

Todas as nossas posições políticas, desde o livre mercado na economia até a oposição à guerra e ao militarismo, originaram-se de nossa crença na liberdade individual e nossa oposição ao Estado. De forma simplista, adotamos a visão padrão do espectro político: “esquerda” significava socialismo, ou poder total do Estado; quanto mais “à direita” se ia, menos favorecia o governo. Por isso, nos chamávamos de “extrema direita”.

Originalmente, nossos heróis históricos eram homens como Jefferson, Paine, Cobden, Bright e Spencer; mas à medida que nossos pontos de vista se tornaram mais puros e consistentes, abraçamos avidamente aqueles quase anarquistas como o voluntarista, Auberon Herbert, e os anarquistas individualistas americanos, Lysander Spooner e Benjamin R. Tucker. Um de nossos grandes heróis intelectuais foi Henry David Thoreau, e seu ensaio, “Desobediência Civil”, foi uma de nossas estrelas-guia. O teórico de direita Frank Chodorov dedicou uma edição inteira de sua revista mensal, Analysis, a uma apreciação de Thoreau.

Em nossa relação com o restante da cena política americana, é claro que reconhecíamos que a extrema direita do Partido Republicano não era composta por antiestatistas individualistas, mas eles estavam próximos o suficiente de nossa posição para nos fazer sentir parte de uma frente unida quase-libertária. Um número suficiente de nossos pontos de vista estava presente entre os membros extremistas da ala Taft do Partido Republicano (muito mais do que no próprio Taft, que estava entre os mais progressistas dessa ala), e em órgãos como o Chicago Tribune, para nos deixar bastante confortável com este tipo de aliança.

Além disso, os republicanos de direita foram os principais oponentes da Guerra Fria. Corajosamente, os republicanos de extrema direita, que eram particularmente fortes na Câmara, lutaram contra o recrutamento, a OTAN e a Doutrina Truman. Considere, por exemplo, o representante de Omaha, Howard Buffett, coordenador de campanha do senador Taft no meio-oeste em 1952. Ele foi um dos extremistas mais extremistas, uma vez descrito pelo The Nation como “um jovem capaz cujas ideias se fossilizaram tragicamente”.

Conheci Buffett como um libertário genuíno e atencioso. Atacando a Doutrina Truman no plenário do Congresso, ele declarou: “Mesmo se fosse desejável, a América não é forte o suficiente para policiar o mundo pela força militar. Se essa tentativa for feita, as bênçãos da liberdade serão substituídas por coerção e tirania em casa. Nossos ideais cristãos não podem ser exportados para outras terras através de dólares e armas.”

Quando veio a Guerra da Coréia, quase toda a velha esquerda, com exceção do Partido Comunista, rendeu-se à mística global das Nações Unidas e à “segurança coletiva contra a agressão” e apoiou a agressão imperialista de Truman naquela guerra. Até Corliss Lamont apoiou a posição americana na Coreia. Apenas os republicanos de extrema direita continuaram a combater o imperialismo dos EUA. Foi a última grande explosão política da velha direita da minha juventude.

Howard Buffett estava convencido de que os Estados Unidos eram os grandes responsáveis ​​pela erupção do conflito na Coréia; pelo resto de sua vida ele tentou sem sucesso obter o Comitê de Serviços Armados do Senado para desclassificar o testemunho do chefe da CIA, Almirante Hillenkoeter, que Buffett me disse que estabeleceu a responsabilidade americana pelo surto coreano. O último movimento isolacionista famoso ocorreu no final de dezembro de 1950, depois que as forças chinesas expulsaram os americanos da Coreia do Norte. Joseph P. Kennedy e Herbert Hoover fizeram dois discursos sucessivos pedindo a evacuação americana da Coréia. Como Hoover colocou: “Para comprometer as forças terrestres esparsas das nações não comunistas em uma guerra terrestre contra esta massa de terra comunista [na Ásia] seria uma guerra sem vitória, uma guerra sem um terminal político bem sucedido… ser o cemitério de milhões de garotos americanos” e a exaustão dos Estados Unidos. Joe Kennedy declarou que “se porções da Europa ou da Ásia desejam se tornar comunistas ou mesmo ter o comunismo imposto sobre elas, não podemos impedi-las”.

A isso, a The Nation respondeu com uma típica provocação esquerdista vermelha: “A linha que eles estão estabelecendo para seu país deve fazer os sinos soarem no Kremlin como nada desde o triunfo de Stalingrado”; e a Nova República realmente viu Stalin avançando “até que a bancada stalinista na Tribune Tower trouxesse em triunfo a primeira edição comunista do Chicago Tribune“.

O principal catalisador para transformar a base de massa da ala direita de um movimento isolacionista e quase libertário para um anticomunista foi provavelmente o ” macarthismo “. Antes de o senador Joe McCarthy lançar sua cruzada anticomunista em fevereiro de 1950, ele não estava particularmente associado à ala direita do Partido Republicano; pelo contrário, seu histórico era esquerdista e centrista, estatista e não libertário.

Além disso, a caça às bruxas anticomunista e isca vermelha foi originalmente lançada por esquerdistas, e mesmo depois de McCarthy os esquerdistas foram os mais eficazes nesse jogo. Afinal, foi o governo esquerdistas Roosevelt que aprovou o Smith Act, usado primeiro contra os trotskistas e isolacionistas durante a Segunda Guerra Mundial e depois contra os comunistas depois da guerra; foi o governo esquerdistas Truman que instituiu verificações de lealdade; foi o eminentemente esquerdista Hubert Humphrey que foi o patrocinador da cláusula do McCarran Act de 1950, ameaçando campos de concentração para “subversivos”.

No entanto, McCarthy não apenas mudou o foco da direita para a caça aos comunistas. Sua cruzada também trouxe para a ala direita uma nova base de massa. Antes de McCarthy, a base da ala direita era o centro-oeste isolacionista de cidade pequena. O macarthismo trouxe para o movimento uma massa de católicos urbanos da costa leste, pessoas cuja visão da liberdade individual era negativa.

Se McCarthy foi o principal catalisador para mobilizar a base de massa da nova direita, o principal instrumento ideológico da transformação foi a praga do anticomunismo, e os principais portadores foram Bill Buckley e a National Review.

Nos primeiros dias, o jovem Bill Buckley costumava se referir a si mesmo como “individualista”, às vezes até como “anarquista”. Mas todos esses ideais libertários, ele sustentava, tinham que permanecer em total suspensão, servindo apenas para discussão de salão, até que a grande cruzada contra a “conspiração comunista internacional” fosse levada a uma conclusão bem-sucedida. Assim, já em janeiro de 1952, notei com inquietação um artigo que Buckley escreveu para a Commonweal, “A visão de um jovem republicano”.

Ele começou o artigo de maneira esplêndida e libertária: nosso inimigo, afirmou, era o Estado, que, citando Spencer, foi “gerado da agressão e pela agressão”. Mas então veio o verme na maçã: a cruzada anticomunista tinha que ser travada. Buckley passou a endossar “as extensas e produtivas leis tributárias que são necessárias para apoiar uma vigorosa política externa anticomunista”; ele declarou que a “agressividade até agora invencível da União Soviética” ameaçava iminentemente a segurança americana e que, portanto, “temos que aceitar o Grande Governo por enquanto – pois nem uma guerra ofensiva nem defensiva pode ser travada… exceto através do instrumento de uma burocracia totalitária dentro de nossas fronteiras”. Portanto, ele concluiu — no meio da Guerra da Coréia — que todos devemos apoiar “grandes exércitos e forças aéreas, energia atômica, central de inteligência, conselhos de produção de guerra e a centralização do poder em Washington”.

A direita, nunca articulada, não tinha muitos órgãos de opinião. Portanto, quando Buckley fundou a National Review no final de 1955, seus editoriais e artigos eruditos, espirituosos e loquazes rapidamente a tornaram a única revista politicamente relevante para a direita americana. Imediatamente, a linha ideológica da direita começou a mudar drasticamente.

Um elemento que deu especial fervor e perícia à cruzada dos isca vermelha foi a prevalência de ex-comunistas, ex-camaradas e ex-trotskistas entre os escritores que a National Review deu proeminência na cena de direita. Esses ex-esquerdistas foram consumidos por um ódio eterno por seu antigo amor, juntamente com uma paixão por conferir enorme importância a seus anos aparentemente desperdiçados. Quase toda a geração mais velha de escritores e editores da National Review tinha sido proeminente na velha esquerda. Alguns nomes que me vêm à mente são: Jim Burnham, John Chamberlain, Whittaker Chambers, Ralph DeToledano, Will Herberg, Eugene Lyons, J. B. Matthews, Frank S. Meyer, William S. Schlamm e Karl Wittfogel.

Um insight sobre o estado de espírito de muitas dessas pessoas veio em uma carta recente para mim de um dos mais libertários deste grupo; ele admitiu que minha posição contra o projeto era a única consistente com os princípios libertários, mas, disse ele, que ele não conseguia esquecer o quão desagradável era a célula comunista da revista Time na década de 1930. O mundo está desmoronando e, no entanto, essas pessoas ainda estão atoladas nas queixas mesquinhas das lutas de facções de muito tempo atrás!

O anticomunismo foi a raiz central da decadência da antiga direita libertária, mas não foi a única. Em 1953, um grande impacto foi causado pela publicação de The Conservative Mind, de Russell Kirk. Antes disso, ninguém da direita se considerava “conservador”; “conservador” foi considerado uma palavra de difamação à esquerda. Agora, de repente, a direita começou a se gloriar no termo “conservador”, e Kirk começou a fazer aparições, muitas vezes em uma espécie de “centro vital” amigável em conjunto com Arthur Schlesinger Jr.

Este seria o início do fenômeno florescente do diálogo amigável, embora crítico, entre as alas progressista e conservadora do Grande Consenso Patriótico Americano. Começou a surgir uma nova geração mais jovem de direitistas, de “conservadores”, que pensavam que o verdadeiro problema do mundo moderno não era nada tão ideológico quanto o Estado versus a liberdade individual ou a intervenção do governo versus o livre mercado; o verdadeiro problema, declaravam, era a preservação da tradição, da ordem, do cristianismo e dos bons costumes contra os pecados modernos da razão, da licenciosidade, do ateísmo e da grosseria.

Um dos primeiros pensadores dominantes desta nova direita foi o cunhado de Buckley, L. Brent Bozell, que escreveu artigos inflamados na National Review atacando a liberdade mesmo como um princípio abstrato (e não apenas como algo a ser temporariamente sacrificado por conta da emergência anticomunista). A função do Estado era impor e fazer cumprir os princípios morais e religiosos.

Outro teórico político repulsivo que deixou sua marca na National Review foi o falecido Willmoore Kendall, editor da NR por muitos anos. Seu grande impulso era o direito e o dever da maioria da comunidade – como incorporado, digamos, no Congresso – de suprimir qualquer indivíduo que perturbe essa comunidade com doutrinas radicais. Sócrates, opinou Kendall, não apenas deveria ter sido morto pela comunidade grega, a quem ele ofendeu com suas críticas subversivas, mas era seu dever moral matá-lo.

Os heróis históricos da nova direita estavam mudando rapidamente. Mencken, Nock, Thoreau, Jefferson, Paine — todos esses desapareceram de vista ou foram profundamente condenados como racionalistas, ateus ou anarquistas. Da Europa, as pessoas “da moda” eram agora reacionários despóticos como Burke, Metternich, DeMaistre; nos Estados Unidos, Hamilton e Madison estavam “na moda”, com sua ênfase na imposição da ordem e um governo central forte e elitista – que incluía a “escravidão” sulista.

Nos primeiros anos de sua existência, frequentei os círculos da National Review, participei de seus almoços editoriais, escrevi artigos e resenhas de livros para a revista; na verdade, houve uma época em que eu me juntaria à equipe como colunista de economia.

Fiquei cada vez mais alarmado, no entanto, à medida que a NR e seus amigos cresciam em força, porque eu sabia, por inúmeras conversas com intelectuais de direita, qual era seu objetivo de política externa. Eles nunca se atreveram a declará-lo publicamente, embora o insinuassem maliciosamente e tentassem levar o público ao ponto febril de exigi-lo. O que eles queriam — e ainda querem — era a aniquilação nuclear da União Soviética. Eles querem jogar essa bomba em Moscou. (Claro, em Pequim e Hanói também, mas para seu anticomunista veterano – especialmente naquela época – é a Rússia que fornece o foco principal de seu veneno.) Um editor proeminente da National Review me disse uma vez: “Eu tenho uma visão, uma grande visão do futuro: uma União Soviética totalmente devastada.” Eu sabia que era essa visão que realmente animava o novo conservadorismo.

Em resposta a tudo isso, e vendo a paz como a questão política crucial, alguns amigos e eu nos tornamos democratas stevensonianos em 1960. Eu assisti com crescente horror como a ala direita, liderada pela National Review, crescia continuamente em força e se aproximava cada vez mais do verdadeiro poder político.

Tendo rompido emocionalmente com a direita, nosso pequeno grupo de libertários começou a repensar muitas de nossas premissas antigas e não examinadas. Primeiro, reestudamos as origens da Guerra Fria, lemos nosso D.F. Fleming e concluímos, para nossa grande surpresa, que os Estados Unidos foram os únicos culpados na Guerra Fria e que a Rússia foi a parte prejudicada. E isso significava que o grande perigo para a paz e a liberdade do mundo não vinha de Moscou ou do “comunismo internacional”, mas dos EUA e seu Império que se estendia e dominava o mundo.

E então estudamos o conservadorismo europeu sujo que tomou conta da ala direita; aqui tínhamos o estatismo de forma virulenta e, no entanto, ninguém poderia pensar que esses conservadores fossem “esquerdistas”. Mas isso significava que nosso simples continuum “esquerda/governo total – direita/sem governo” estava totalmente errado e que toda a nossa identificação de nós mesmos como “extrema direita” devia conter uma falha básica. Mergulhando de volta na história, nos concentramos novamente na realidade de que, no século XIX, os liberais e radicais do laissez-faire estavam na extrema esquerda e nossos antigos inimigos, os conservadores, na direita. Meu velho amigo e colega libertário Leonard Liggio então apresentou a seguinte análise do processo histórico.

Primeiro, havia a velha ordem, o ancien régime, o regime de castas e status congelado, de exploração por uma classe dominante despótica, usando a igreja para enganar as massas a aceitar seu domínio. Isso era puro estatismo; esta era a ala direita. Então, na Europa ocidental dos séculos XVII e XVIII, surgiu um movimento de oposição liberal e radical, nossos heróis, que defenderam um movimento revolucionário popular em nome do racionalismo, liberdade individual, governo mínimo, mercados livres, paz internacional e separação entre igreja e estado, em oposição ao trono e ao altar, à monarquia, à classe dominante, à teocracia e à guerra. Esses — “nosso povo” — eram a esquerda, e quanto mais pura sua visão, mais “extremo” eles eram.

Até aí tudo bem; mas e o socialismo, que sempre consideramos de extrema esquerda? Onde ele se encaixou? Liggio analisou o socialismo como um movimento de meio-termo confuso, influenciado historicamente tanto pela esquerda libertária quanto pela direita conservadora. Da esquerda individualista os socialistas tiraram os objetivos da liberdade: o definhamento do Estado, a substituição do governo dos homens pela administração das coisas, a oposição à classe dominante e a busca de sua derrubada, o desejo de estabelecer a paz internacional, uma economia industrial avançada e um alto padrão de vida para a massa da população. Da direita, os socialistas adotaram os meios para atingir esses objetivos – coletivismo, planejamento estatal, controle comunitário do indivíduo. Isso colocou o socialismo no meio do espectro ideológico. Também significava que o socialismo era uma doutrina instável e autocontraditória, fadada a desmoronar na contradição interna entre seus meios e fins.

Nossa análise foi muito reforçada ao nos familiarizarmos com o novo e empolgante grupo de historiadores que estudou com o historiador William Appleman Williams, da Universidade de Wisconsin. Deles descobrimos que todos nós, livre-mercadistas, havíamos errado ao acreditar que de alguma forma, lá no fundo, os grandes empresários eram realmente a favor do laissez-faire, e que suas discrepâncias em relação a ele, obviamente claras e notórias nos últimos anos, se tratavam de “traição” de princípio por conveniência ou o resultado de manobras astutas de intelectuais esquerdistas.

Esta é a visão geral à direita; na notável frase de Ayn Rand, os Grandes Empresários são “a minoria mais perseguida dos EUA”. Minoria perseguida, de fato! Claro, houve ataques contra as Grandes Empresas no velho McCormick Chicago Tribune e nos escritos de Albert Jay Nock; mas foi necessária a análise de Williams-Kolko para retratar a verdadeira anatomia e fisiologia da cena americana.

Como Kolko apontou, todas as várias medidas de regulamentação federal e estatismo de bem-estar social que tanto a esquerda quanto a direita sempre acreditaram ser movimentos de massa contra as Grandes Empresas não apenas agora são apoiadas até o cabo pelas Grandes Empresas, mas foram originadas por elas para o próprio propósito de passar de um mercado livre para uma economia cartelizada que as beneficiariam. A política externa imperialista e o estado de guarnição militar permanente originaram-se no impulso das Grandes Empresas por investimentos estrangeiros e por contratos de guerra domésticos.

O papel dos intelectuais esquerdistas é servir como “esquerdistas corporativos”, tecelões de apologias sofisticadas para informar às massas que os chefes do estado corporativo americano estão governando em nome do “bem comum” e do “bem-estar geral” – como o sacerdote no despotismo oriental que convenceu as massas de que seu imperador era onisciente e divino.

Desde o início dos anos 1960, à medida que a direita da National Review se aproximou do poder político, abandonou seus antigos remanescentes libertários e se aproximou cada vez mais dos progressistas do Grande Consenso Americano. A evidência disso é abundante. Há a popularidade cada vez maior de Bill Buckley nos meios de comunicação de massa e entre os intelectuais esquerdistas, bem como a admiração generalizada da direita intelectual por pessoas e grupos que antes desprezava: pelo Novo Líder, por Irving Kristol, para o falecido Felix Frankfurter (que sempre se opôs à restrição judicial às invasões governamentais da liberdade individual), para Hannah Arendt e Sidney Hook. Apesar das ocasionais reverências ao livre mercado, os conservadores chegaram a concordar que as questões econômicas não são importantes; eles, portanto, aceitam – ou pelo menos não se preocupam com – os principais contornos do estado de bem-estar-belicista keynesiano do corporativismo esquerdista.

No front doméstico, virtualmente os únicos interesses conservadores são suprimir os negros (“atirar em saqueadores”, “esmagar esses tumultos”), exigir mais poder para a polícia para não “proteger o criminoso” (isto é, não proteger seus direitos libertários), para impor a oração nas escolas públicas, para colocar os vermelhos e outros subversivos e “sediciosos” na cadeia e para levar adiante a cruzada pela guerra no exterior. Há pouco no impulso deste programa com o qual os esquerdistas podem agora discordar; quaisquer desacordos são táticos ou apenas questões de grau. Mesmo a Guerra Fria – incluindo a guerra no Vietnã – foi iniciada, mantida e intensificada pelos próprios esquerdistas.

Não admira que o esquerdista Daniel Moynihan – um membro do conselho nacional da ADA enfurecido com o radicalismo dos atuais movimentos anti-guerra e Black Power – tenha pedido recentemente uma aliança formal entre esquerdistas e conservadores, já que afinal eles basicamente concordam com isso, que são as duas questões cruciais do nosso tempo! Até Barry Goldwater entendeu a mensagem; em janeiro de 1968 na National Review, Goldwater concluiu um artigo afirmando que não é contra os esquerdistas, que os esquerdistas são necessários como contrapeso ao conservadorismo e que ele tinha em mente um bom esquerdista como Max Lerner – Max Lerner, o epítome da velha esquerda, o odiado símbolo da minha juventude!

Em resposta ao nosso isolamento da direita, e observando os sinais promissores de atitudes libertárias na nova esquerda emergente, um pequeno grupo de nós, ex-libertários direitistas, fundamos o “pequeno jornal”, Left and Right, na primavera de 1965. Tínhamos dois propósitos principais: fazer contato com os libertários já na nova esquerda e persuadir a maior parte dos libertários ou quase-libertários que permaneceram na direita a seguir nosso exemplo. Fomos gratificados em ambas as direções: pela notável mudança para posições libertárias e antiestatistas da nova esquerda e pelo número significativo de jovens que deixaram o movimento da direita.

Essa tendência esquerda/direita começou a ser perceptível na nova esquerda, elogiada e condenada por aqueles que estão cientes da situação. (Nosso antigo colega Ronald Hamowy, um historiador de Stanford, estabeleceu a posição esquerda/direita na coleção New Republic, Pensamentos dos Jovens Radicais (1966) Recebemos encorajamento gratificante de Carl Oglesby que, em seu Contenção e Mudança (1967), defendeu uma coalizão da nova esquerda e da velha direita, e dos jovens acadêmicos agrupados em torno dos infelizmente extintos “Estudos de esquerda.” Também fomos criticados, ainda que indiretamente, por Staughton Lynd, que se preocupa porque nossos objetivos finais – mercado livre e socialismo – diferem.

Finalmente, o historiador liberal Martin Duberman, em uma edição recente da Partisan Review, critica duramente o SNCC e o CORE por serem “anarquistas”, por rejeitarem a autoridade do Estado, por insistirem que a comunidade seja voluntária e por enfatizarem, junto com o SDS, a participação em vez da democracia representativa. Perceptivelmente, se do lado errado da cerca, Duberman então liga o SNCC e a nova esquerda conosco, velhos direitistas: “SNCC e CORE, como os anarquistas, falam cada vez mais da suprema importância do indivíduo. Eles o fazem, paradoxalmente, em uma retórica fortemente reminiscente daquela há muito associada à direita. Poderia ser Herbert Hoover… mas na verdade é Rap Brown que agora reitera a necessidade do negro de se sustentar, tomar suas próprias decisões, desenvolver autoconfiança e um senso de valor próprio. O SNCC pode desprezar os esquerdistas e o ‘estatismo’ de hoje, mas parece mal perceber que a retórica do laissez-faire que prefere deriva quase literalmente do liberalismo clássico de John Stuart Mill.” Difícil. Isto poderia, eu afirmo, ser muito pior.

Espero ter demonstrado por que alguns compatriotas e eu mudamos, ou melhor, fomos transferidos da “extrema direita” para a “extrema esquerda” nos últimos 20 anos apenas por permanecer no mesmo lugar ideológico básico. A ala direita, uma vez em oposição decidida ao Grande Governo, agora se tornou a ala conservadora do estado corporativo americano com sua política externa de imperialismo expansionista. Se quisermos salvar a liberdade dessa fusão mortífera esquerda/direita no centro, isso precisa ser feito por meio de uma contrafusão da velha direita e da nova esquerda.

James Burnham, editor da National Review e seu principal pensador estratégico ao travar a “Terceira Guerra Mundial” (como ele intitula sua coluna), o profeta do estado gerencial (em The Managerial Revolution), cujo único indício de interesse positivo pela liberdade em uma vida de escrita política foi um apelo por fogos de artifício legalizados, recentemente atacou a perigosa tendência entre alguns jovens conservadores de fazer causa comum com a esquerda na oposição ao alistamento militar obrigatório. Burnham advertiu que aprendeu em seus dias trotskistas que esta seria uma coalizão “sem princípios”, e advertiu que, se alguém começa sendo anti-recrutamento, pode acabar se opondo à guerra no Vietnã: “E eu prefiro pensar que alguns deles já possuem um profundo sentimento contra a guerra, ou estão se tornando contra ela. Murray Rothbard mostrou como o libertarianismo de direita pode levar a uma posição quase tão anti-EUA quanto a do libertarianismo de esquerda. E uma pressão isolacionista sempre foi endêmica na direita americana.”

Esta passagem simboliza quão profundamente todo o impulso da direita mudou nas últimas duas décadas. Vestígios de interesse pela liberdade ou oposição à guerra e ao imperialismo são agora considerados desvios a serem reprimidos sem demora. Há milhões de americanos, estou convencido, que ainda são dedicados à liberdade individual e à oposição ao estado leviatã em casa e no exterior, americanos que se autodenominam “conservadores”, mas sentem que algo deu muito errado com o velho anti-New Deal e anti-Fair Deal.

Algo deu errado mesmo: a ala direita foi capturada e transformada por elitistas e devotos dos ideais conservadores europeus de ordem e militarismo, por caçadores de bruxas e cruzados globais, por estatistas que desejam coagir a “moralidade” e suprimir a “sedição”.

Os EUA nasceram em uma revolução contra o imperialismo ocidental, nasceram como um refúgio de liberdade contra as tiranias e o despotismo, as guerras e intrigas do velho mundo. No entanto, nos permitimos sacrificar os ideais americanos de paz e liberdade e anticolonialismo no altar de uma cruzada para matar comunistas em todo o mundo; entregamos nosso direito de nascença libertário nas mãos daqueles que anseiam por restaurar a Idade de Ouro da Santa Inquisição. Já é hora de acordarmos e nos levantarmos para restaurar nossa herança.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Murray fucking Rothbard parecendo sempre mais libertário que os próprios libertários que ele considera seus heróis. Essa conversão do libertarianismo ao conservadorismo é bem o nosso Paulo Kogos.
    Não pode se vive somente com Rothbard, mas quem segue por esse caminho, jamais irá se arrepender.

    O interessante deste artigo é a citação do Howard Buffett, que vem a ser pai do bilionário Warren Buffett. Na biografia deste, “Bola de Neve” descreve com detalhes com o Buffet deixou de ser libertário progressivamente. Mas cabe ressaltar que o respeito pelo pai e suas idéias era grande. Assim as idéias socialistas do Buffet só começaram a aparecer após a morte do pai.

    “Deles descobrimos que todos nós, livre-mercadistas, havíamos errado ao acreditar que de alguma forma, lá no fundo, os grandes empresários eram realmente a favor do laissez-faire”

    Quem já não caiu nesse erro atire a primeira pedra. Antes de conhecer as idéias do Rothbard eu era o típico liberaleco de estado mínimo defensor de empresários como heróis modernos, à moda randiana, do qual eu tinha edições bem antigas do The Fountainhead e a virtude do egoísmo. Isso lá pelo início dos anos 90. Meu sonho de consumo era uma edição do “A revolta de Atlas”. Mas quando saiu em português eu já não tinha o mesmo interesse.

    “todas as várias medidas de regulamentação federal e estatismo de bem-estar social que tanto a esquerda quanto a direita sempre acreditaram ser movimentos de massa contra as Grandes Empresas não apenas agora são apoiadas até o cabo pelas Grandes Empresas”

    É assim até hoje” Nos anos 50! isso foi investigado pelo governo na Select Committee to Investigate Tax-Exempt Foundations and Comparable Organizations, do qual um dos membros, escreveu um livro interessantíssimo e que deveria ter tradução em português, apesar de não ser um livro muito fácil: “Foundations: Their Power and Influence”, Rene a. Wormser.

    “não é contra os esquerdistas, que os esquerdistas são necessários como contrapeso ao conservadorismo”

    Outra bobagem sem tamanho que eu já acreditei….

    Excelente Rothbard!