O mito do Sistema de Crédito Social chinês

1
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Onde realmente parece que será implementado este sistema de crédito social, na China ou no Ocidente?

Aqui está o “mergulho profundo” no tópico do sistema de crédito social que prometemos em nosso artigo anterior sobre “Como é realmente a vida na China”. Aqueles que não leram esses artigos anteriores também podem querer dar uma olhada no artigo introdutório “Entendendo a China por uma perspectiva da Escola Austríaca de Economia” se quiserem saber mais sobre nosso background de referência e entusiasmo (ou falta dele) pelas atuais políticas do governo chinês.

Como uma narrativa se torna um fato? Repetição. Repetição em uma variedade infinita de formas e por um longo período de tempo. O uso de pequenos videoclipes citando de passagem esse “fato” parecem ser particularmente eficaz. “Ver para crer”, como diz o ditado. A maioria das pessoas é extremamente crédula e tende a acreditar em tudo o que lhes dizem, especialmente se isso se encaixa naquilo que já ouviram inúmeras vezes antes. Na verdade, o vídeo pode até mostrar cenas completamente não relacionadas. A maioria dos espectadores não presta atenção nos detalhes. Tudo que você precisa são algumas imagens em movimento e uma narração para entregar a narrativa. Por exemplo, durante o conflito no Tibete em 2008, muitos meios de comunicação ocidentais mostraram fotos de soldados nepaleses espancando civis, alegando que os soldados eram chineses. Os soldados não pareciam chineses, mas aparentemente poucas pessoas reparam nisso.

Eventualmente, o que antes era apenas uma narrativa evolui para um “fato” dentro do contexto – ou seja, algo que “não é preciso dizer”. Uma vez que atinge esse status, torna-se muito difícil remover do contexto. Isso ocorre porque a maioria das pessoas simplesmente não é capaz de entender o conceito de “grande mentira”.

Como Hitler colocou:

    “Na grande mentira há sempre uma certa força de credibilidade; […] na primitiva simplicidade de suas mentes [as massas] são mais facilmente vítimas de uma grande mentira, pois elas mesmas ocasionalmente contam pequenas mentiras, mas teriam vergonha das grandes. Fabricar mentiras tão flagrantes nunca lhes ocorreria, então elas também nunca imaginarão que alguém poderia ter a coragem de distorcer a verdade tão completamente e descaradamente. Mesmo quando os fatos se tornarem impossíveis de ignorar, elas ainda duvidarão e hesitarão e continuarão a pensar que deve haver alguma outra explicação.”

Quando uma narrativa atinge esse nível de aceitação, os que oferecem narrativas opostas encontram poucas pessoas que as aceitem. Pelo contrário, questionar tais “fatos” normalmente faz com que as pessoas se afastem.

Após anos de repetição, o suposto “sistema de crédito social” chinês provavelmente se enquadra nessa categoria. Ou isso ou é tão secreto que praticamente nenhum chinês que vive na China já ouviu falar dele, e nesse caso seria preciso se perguntar qual é o objetivo de um sistema assim. Qual é a utilidade de ter uma pontuação de crédito social se ninguém conhece sua pontuação?

A ideia básica parece ser que este sistema rastreia a obediência do cidadão e sua adesão ao politicamente correto para gerar uma pontuação. Ou algo assim. Para gerar essas pontuações, somos levados a acreditar que o sistema foi projetado (ou será projetado?) para monitorar o comportamento de todos os 1,45 bilhão de cidadãos 24 horas por dia, 7 dias por semana, alimentando os resultados em seus algoritmos super sofisticados.

Aqui estão dois artigos sobre o tema divulgados pela mídia ocidental:

Em 6 de junho de 2018, a Wired publicou um artigo intitulado “A estranha realidade da vida sob o sistema de pontuação de crédito que tudo vê na China”. Desde então, a Wired mudou tanto o título quanto grande parte do conteúdo, então aqueles que desejam ver o original precisam vê-lo no archive.org. Até o autor mudou. A versão mais recente é muito mais conservadora e pode ser vista aqui.

O artigo original dizia:

     “Pode parecer um pesadelo distópico futurista, mas o sistema já é uma realidade. O crédito social está impedindo as pessoas de comprar passagens aéreas e de trem, impedindo que reuniões sociais aconteçam e impedindo que as pessoas acessem determinados sites de namoro. Enquanto isso, aqueles que são considerados mais compassivos são recompensados ​​com descontos nas contas de energia e vantagens semelhantes.”

Tudo isso é uma mentira descarada. E, no entanto, até mesmo este artigo admitiu que o sistema está “em desenvolvimento”. Estranho que um sistema “em desenvolvimento” já esteja tendo um efeito tão amplo, não?

Aqui está mais um, do Business Insider, publicado pela primeira vez em 8 de abril de 2018. A manchete original dizia: “A China começou a classificar os cidadãos com um sistema assustador de ‘crédito social’ – aqui está o que é considerado errado e as maneiras embaraçosas e humilhantes que eles pode puni-lo.” Desde então, este título também foi alterado. Ao mesmo tempo, o conteúdo original foi completamente eliminado, sendo substituído por três frases.

Leia alguns trechos do texto original:

     “Proibindo você pegar avião ou trem. A China já começou a punir as pessoas restringindo suas viagens. Nove milhões de pessoas com pontuações baixas foram impedidas de comprar passagens de voos domésticos, informou o Channel News Asia em março, citando estatísticas oficiais. Eles também podem reprimir as opções de luxo – três milhões de pessoas estão impedidas de obter passagens de trem na classe executiva.”

Limitando a velocidade da sua Internet. Isso é de acordo com Rachel Botsman, uma autora que publicou parte de seu livro sobre segurança tecnológica na Wired no ano passado. A mecânica exata ainda não está clara. De acordo com a Foreign Policy, os sistemas de crédito monitoram se as pessoas pagam as contas em dia, assim como os rastreadores de crédito financeiro – mas também atribuem uma dimensão moral. Outras ofensas passíveis de punição incluem passar muito tempo jogando videogame, desperdiçar dinheiro em compras frívolas e postar nas mídias sociais. Divulgar notícias falsas, especificamente sobre ataques terroristas ou segurança de aeroportos, também serão crimes puníveis”.

Banindo você (ou seus filhos!) das melhores escolas. […] Cidadãos com baixo crédito social também seriam proibidos de matricular seus filhos em escolas particulares caras, disse Botsman. Não está claro se essa política específica já foi posta em ação.”

Dado que esse sistema supostamente já foi implementado, com certeza há muitos “seriam” e “estariam” neste artigo.

Como veremos, os dois artigos acima continham um pouco de verdade, a saber, que a China tem esse conceito de restrições de viagem. Essa mistura de verdade e mentira é uma característica típica de guerras psicológicas bem-sucedidas. O resto do artigo do Business Insider parece ser pura imaginação, uma conclusão apoiada pelo fato de que o próprio Business Insider deletou todo o conteúdo.

Milhares, senão dezenas de milhares de tais artigos foram escritos. Inúmeros vídeos[1] foram criados e amplamente compartilhados nas redes sociais. Com tanta fumaça, com certeza deve haver fogo, não?

Como George W. Bush disse uma vez: “Veja, no meu ramo de trabalho você tem que ficar repetindo as coisas várias e várias vezes para que a verdade seja absorvida, para meio que catapultar a propaganda.”[2] Ele estava certo; repetição funciona.

E, no entanto, com todos os inúmeros artigos escritos sobre o tema, além de inúmeros vídeos feitos, por que nenhum desses artigos ou vídeos MOSTRA esse suposto aplicativo de crédito social? Certamente deve haver tal aplicativo, não? A maioria dos chineses depende completamente de seus telefones celulares e não tem computador. Se esse “sistema de crédito social” serve para alguma função, certamente deve haver alguma maneira simples de obter a pontuação mais recente. Parece improvável que o governo os fixe em algum quadro de avisos em algum lugar. Se sim, como é esse aplicativo? Que funções tem? Como se chama e quais lojas de aplicativos oferecem para download?

Este parece ser um grande furo na narrativa.

Vejamos mais alguns.

As narrativas falsas funcionam melhor quando misturam pedaços de verdade aqui e ali. Se a campanha de propaganda for bem, as pessoas começarão a conectar esses pedaços de verdade com a narrativa geral em suas mentes, tornando duplamente difícil desbancar ou desafiar essa narrativa. No caso do “sistema de crédito social”, o sistema de restrição de viagens da China foi selecionado para desempenhar esse papel. Foi uma boa escolha, já que não há sistema comparável no Ocidente. Os EUA, é claro, têm uma lista secreta de “proibidos de voar”, mas não é nada como o sistema de restrição de viagens da China, que não é nada secreto.

Como funciona o sistema de restrição de viagens da China?

Conforme discutido em nosso artigo anterior sobre sociedade e qualidade de vida, as restrições de viagem podem ser impostas a pessoas que não pagam o que foi determinado por sentenças judiciais contra elas pessoalmente ou contra empresas pelas quais têm responsabilidade legal. Normalmente, isso só acontece se o tribunal acreditar que a pessoa realmente tem os meios de pagar, mas simplesmente se recusa a fazê-lo. Isso não é raro, uma vez que as pessoas do lado perdedor dos processos judiciais muitas vezes fingem pobreza para evitar o pagamento. Para sair da lista, tudo o que você precisa fazer é pagar.

Alguém sujeito a restrições de viagem ainda pode viajar, mas está proibido de usar trens de alta velocidade, táxis e aviões.

Os chineses que desejam verificar se estão na lista podem checar seu status inserindo seu número de identificação no site do portal creditchina.gov.cn, diretamente acessível através deste link. Este site fornece acesso aos sistemas de classificação de crédito controlados pelo governo que existem. (Também existem sistemas controlados de forma privada, como o Sesame Credit do Alibaba.) Lá você pode, por exemplo, procurar empresas na lista negra por não pagar seus trabalhadores, ou por empresas na lista negra por arrecadação ilegal de fundos. Por meio de outros aplicativos de terceiros, também é possível verificar se o CEO de uma determinada empresa tem restrição de viagens. Isso pode ser muito útil ao decidir se deve ou não fazer negócios com uma empresa. Se o CEO tiver restrição de viagens, você pode deduzir que a empresa não tem muito compromisso com a satisfação de clientes.

Inúmeros vídeos no Ocidente mostram alguns chineses aleatórios supostamente sujeitos a restrições de viagem e afirmam que isso se deve a uma má pontuação de crédito social. Nenhuma evidência é mostrada para apoiar isso.

Os leitores que quiserem saber mais podem dar uma olhada no Portal de informações da Execução de Sentenças do Tribunal da China, embora esteja em chinês. Este artigo apresenta um resumo do enquadramento jurídico e dos tipos de restrições impostas. As restrições de viagem são um subconjunto do que é geralmente chamado de “restrições ao consumo”.[3]

Há algumas outras pitadas de verdade na narrativa.

Por um lado, houve de fato uma proposta foi formulada por algum burocrata chinês em 2014, no qual algumas ideias foram apresentadas usando esse título. No entanto, não passou disso. Não parece haver muitas semelhanças entre o conteúdo deste artigo e a narrativa oferecida no Ocidente. Além disso, detalhes à parte, não há evidências de que tal plano tenha sido aprovado para uma implementação geral.

A outra pitada de verdade é que na verdade havia alguns “locais de teste” selecionados, onde algumas das ideias do artigo foram testadas. Não está claro o que aconteceu com esses testes, mas aqueles que querem saber mais sobre eles podem conferir um estudo incrivelmente honesto publicado pelo alemão Konrad Adenauer Stiftung sobre o assunto. O estudo está em inglês. Ele pode ser encontrado através deste link. Clique em “PDF Öffnen” na parte inferior para baixar o PDF.

Tudo isso prova que o “sistema de crédito social” comunicado pela mídia ocidental não existe na China? Certamente não. Tentar provar isso definitivamente é como tentar provar que não existem cabras verdes na China. O termo 社会信用体系 pode, ao pé da letra, ser traduzido como um “sistema de crédito social”. Também pode ser traduzido como um “sistema de crédito societal”. No entanto, não é uma palavra comumente usada e, mesmo onde pode ser encontrada em documentos governamentais, não está ligada a nenhum objetivo muito detalhado além de aumentar o nível de transparência da sociedade em relação à credibilidade.

O que PODE ser feito é apontar problemas na narrativa à medida que ela está sendo vendida no Ocidente. Existe alguma agência secreta executando este sistema? Existe um aplicativo secreto que rastreia essa pontuação? Talvez, tudo é possível. Mas esta não é a narrativa que está sendo anunciada.

Com tudo isso dito, a pergunta óbvia é: por que todas essas mentiras? Qual é o objetivo? É apenas para demonizar a China e preparar as populações ocidentais para a guerra? Ou há algo mais sinistro acontecendo aqui?

Estamos agora em terreno especulativo, então tudo o que podemos fazer é supor e procurar evidências para apoiar essas suposições. Talvez o objetivo seja usar isso como disfarce para justificar um governo cada vez mais autocrático e intrusivo em casa? O efeito pretendido poderia ser comparável à desmoralização alcançada pela ampla disseminação das “revelações” de Snowden em 2013 pela mídia ocidental? Basicamente a mensagem transmitida na época foi: “A privacidade já é coisa do passado; eles já sabem de tudo, então não adianta continuar uma luta sem esperança.” E com certeza, na maioria das vezes, a discussão sobre o direito à privacidade e questões constitucionais relacionadas logo diminuiu. A vigilância 24 horas por dia, 7 dias por semana, de cada palavra falada por linhas telefônicas, cada palavra escrita em um e-mail e cada movimento de uma pessoa – via Google, Apple e agências governamentais como a NSA dos EUA – agora é aceita como parte do cenário.

E, no entanto, a China é supostamente “muito pior”.

Felizmente, isso é mais do que um mero palpite. Temos algumas evidências prima facie para apoiá-lo. Uma das mais abrangentes é um relatório do Ministério da Educação alemão publicado em setembro de 2020 com o título bastante prolixo “O futuro dos valores das pessoas neste país”.[4] A Parte 5.5 deste “estudo” é chamada de “O Sistema de Bônus” e discute com entusiasmo um “sistema de pontos digitais” como um possível cenário futuro.

Como o jornal Welt colocou em um artigo de julho de 2021 resumindo esta parte do estudo:

“Alemanha na década de 2030: o consenso social na maior parte foi completamente quebrado; todo mundo está apenas cuidando de si mesmo. Para orientar a população, foi concebido um sistema de crédito social como o da China. As pessoas que se comportam adequadamente – por exemplo, vivendo de maneira particularmente consciente do meio ambiente, ou tendo um cartão de doação de órgãos, ou passando tempo com idosos – ganham pontos. As pessoas com mais pontos recebem tratamento preferencial do Estado, por exemplo, em termos de escolha da escola.”

O próprio relatório pergunta na página 123:

E se….

1) À luz do uso bem-sucedido do sistema de crédito social pela China, outros países também começam a discutir sua introdução?

2) A Alemanha também começa a considerar como um sistema de pontos de bônus digital poderia ser compatível com sua ordem democrática liberal e, no final, introduz tal sistema.

3) Esse sistema de pontos acaba adquirindo uma função de direção em uma sociedade cada vez mais diversificada?

4) As pessoas na Alemanha começam a tomar decisões críticas de vida com base em um algoritmo em vez de usar seu próprio julgamento ou o conselho de amigos?

Essas perguntas são em si uma auto-acusação. Claro que elas não provam uma conexão entre essas ideias e a falsa narrativa do sistema de crédito social da China, mas não é estranho que a mídia ocidental use isso para difamar a China enquanto, ao mesmo tempo, as equipes de planejamento de longo prazo do governo o descrevem como um caminho de desenvolvimento futuro atraente? É um palpite justo que um dia essa incongruência desaparecerá de repente para ser substituída pelo velho ditado confiável: “Pelo menos não é tão ruim quanto a China, certo?”

Aqueles que objetam que essas são apenas as fantasias de alguns burocratas do governo devem notar que não apenas essas fantasias tiveram cobertura da mídia, mas mesmo antes de aparecerem, artigos na imprensa alemã podem ser encontrados reivindicando algum apoio a essas ideias. Um artigo no principal jornal alemão Süddeutsche Zeitung em 11 de setembro de 2019 é um bom exemplo disso.

Agora alguns leitores podem dizer: “Bem, talvez na Alemanha, mas nada disso poderia acontecer em nosso país”. Talvez sim. No entanto, se você mora em um país “ocidental”, os eventos de 2020 e 2021 fornecem evidências substanciais do contrário. Repetidamente, novas políticas radicais e legalmente questionáveis ​​restringindo os direitos civis foram implementadas em todo o Ocidente, muitas vezes em sincronia literal. Esse movimento contínuo se estendeu até mesmo a slogans políticos como “reconstruir melhor”, que foram lançados simultaneamente em vários países.

Preparar uma população para aceitar a perda de direitos anteriormente sacrossantos normalmente requer uma quantidade significativa de tempo ou um evento cataclísmico repentino. Parece que o Ocidente agora tem ambos.

 

 

Artigo original aqui

________________________________

Notas

[1] Pelo menos dois bons exemplos de tais vídeos podem ser encontrados no canal do Youtube “Laowhy86”. Juntamente com os canais parceiros SerpentZA e ADVChina, este canal produz exclusivamente conteúdo anti-China, aparentemente como um trabalho em tempo integral. Aos espectadores é vendida a imagem completa padrão da “Distopia da China”, integral com prédios em ruínas, água envenenada, cidadãos acobardados e um estado todo-poderoso. Em suas próprias palavras, a Coreia do Norte com dinheiro. As constantes ameaças que emanam dos EUA e de sua mídia são descartadas como fantasias do governo chinês. Nestes dois vídeos, o narrador descreve como um sistema de crédito social orwelliano foi implementado em Rongcheng, Shandong. Eles mostram algumas fotos antigas da cidade e fornecem uma longa lista de detalhes sobre o sistema supostamente implementado lá. Isso inclui uma menção às classificações “AAA” e “AA” em um país que não usa letras para nada além de fonética.

Conforme mencionado mais adiante, Rongcheng foi de fato usado como local de teste para alguns novos sistemas de avaliação de crédito. Em um desses vídeos, para seu crédito, o narrador admite que não conseguiu encontrar ninguém entre seus conhecidos na China que estivesse ciente de que tal sistema de crédito social estivesse em uso. No entanto, volta a falar de Rongcheng (738.000 habitantes) e afirma que, como resultado do sistema de crédito social, a venda de 27 milhões de bilhetes de avião e 6 milhões de bilhetes de comboio já havia sido negada.

[2] George Bush, “President Participates in Social Security Conversation in New York”, 24 de maio de 2005.

[3] Além das restrições de viagem, também é proibido a pessoas restritas de frequentar restaurantes, boates e bares em hotéis classificados com estrelas, comprar imóveis, realizar obras de reforma, alugar prédios de escritórios de alto padrão, adquirir veículos não essenciais, viajar para fins de férias, colocar seus filhos em escolas particulares e comprar produtos financeiros do setor de seguros.

[4] Anna Hornik et al., Die Zukunft der Wertvorstellungen der Menschen in unserem Land, Bundesministerium für Bildung und Forschung, agosto de 2020.

1 COMENTÁRIO