1 — Princípios Gerais

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

A questão econômica crucial, e uma das questões sociais mais importantes, é a alocação de recursos. Onde os vários e numerosos fatores produtivos, como terra, trabalho ou capital, devem ser alocados, e quanto de cada tipo para cada uso?[1] Este é o “problema econômico” e todas as questões sociais devem lidar com ele.

A importante questão da ciência e tecnologia americanas também é um problema de alocação de recursos. Assim: nossa tecnologia e produtividade em expansão requerem muitos cientistas, pesquisadores, engenheiros, etc. Também requer muitos tipos diferentes de recursos a serem investidos em pesquisa e desenvolvimento. Mas nossa economia também requer muitos, muitos outros bens e serviços, e muitos outros tipos de investimento, todos essenciais para seu bom funcionamento. Requer, por exemplo, transporte para mover mercadorias, linhas de produção para fabricá-las, operadoras de telefonia e reparadores para equipar nossa gigantesca rede de comunicações. Requer até fabricantes e distribuidores de papel – pois como pode uma economia moderna – incluindo uma equipe de pesquisa científica operar sem papel? Esses são apenas alguns dos infinitos números de bens e serviços que constituem uma economia funcional.

Este fato da realidade, então, deve ser enfrentado: se há mais cientistas, ou mais pesquisas científicas, então deve haver menos gente e menos recursos disponíveis para a produção de todos os outros bens e serviços da economia. A questão crucial, então, é: quanto? Quantas pessoas e quanto capital deve ser canalizado para cada uma das várias ocupações, incluindo ciência e tecnologia?

Um dos grandes, embora frequentemente não celebrados, méritos da economia de livre iniciativa é que só ela pode garantir uma distribuição e alocação harmoniosa e racional dos recursos produtivos. Por meio dos sistemas de preços livres, os consumidores sinalizam aos trabalhadores, capitalistas e homens de negócios quais ocupações são mais urgentemente necessárias, e o funcionamento automático e intrincado do sistema de preços transmite essas mensagens a todos, criando assim uma economia eficiente e de bom funcionamento. Existe uma e apenas uma alternativa às orientações voluntárias em um sistema de preços livres: e essa é a ordem do governo. E esse comando não é apenas ruim porque viola a tradição da liberdade individual e da livre iniciativa sobre a qual a grandeza americana é construída; também é ruim porque é inevitavelmente ineficiente e autodestrutivo. Pois simultaneamente em que a intervenção governamental possa prejudicar o sistema econômico em sua tarefa de satisfazer a demanda do consumidor, ela não pode forçar a economia a seguir suas próprias demandas com eficiência. Pois a intervenção governamental fragmentada só pode perturbar uma economia e derrotar seus próprios fins; enquanto o planejamento central geral, ao destruir o sistema de preços, priva-se da possibilidade de cálculo econômico racional. Na falta de um sistema de preços livres, ele jamais poderá satisfazer os desejos dos consumidores ou de seus próprios planejadores, pois não será capaz de alocar o número infinito e os tipos de recursos de trabalho e capital com qualquer grau de eficiência.

Há outras considerações: devemos reconhecer, por exemplo, que apenas um livre-mercado é compatível com a livre escolha de cada homem de sua própria ocupação. Uma economia administrada pelo governo deve envolver o planejamento governamental de trabalho, bem como de outros recursos – o que significa, em última análise, que as pessoas devem ser informadas sobre quais empregos (e onde) podem trabalhar e em que não. Se o livre-mercado for impedido de oferecer seus incentivos voluntários de salários mais altos nas ocupações e áreas que são mais necessárias para os consumidores e, assim, de mudar de trabalho pacificamente, permitindo que cada homem trabalhe no trabalho de que ele mais gosta, então o governo deve ditar cada tipo de homem e local de trabalho, e todos devemos nos tornar escravos do Estado.

Do ponto de vista moral, político, constitucional e econômico, portanto, o Partido Republicano está comprometido com a promoção e manutenção de uma economia livre em uma sociedade livre. Como o problema sempre desafiador da ciência e tecnologia modernas pode ser resolvido dentro dessa estrutura?

 

____________________________

Notas

[1] [Ed: Este artigo foi escrito por Murray N. Rothbard (1926–1995) em comissão em 1959, mas não foi publicado até 2004, mises.org. Faz parte dos Arquivos Rothbard, do Mises Institute, Auburn, Alabama.]