22 especialistas criticam e questionam o pânico com o coronavírus

7
Tempo estimado de leitura: 19 minutos

A Rede Globo, maior veículo de Fake News do país, não para de repetir que o presidente Bolsonaro está indo contra a “ciência” e contra o que todos os especialistas do mundo dizem ao querer anular as ordens ditatoriais de governadores e prefeitos que coagiram a população a fechar comércios e diversas atividades, inclusive chegando a prender quem vai à praia. Graças à Deus existem estes outros especialistas de Marte, Saturno, Júpiter e Vênus reunidos abaixo para corroborar com a tentativa do presidente de livrar o Brasil de uma recessão sem precedentes que será provocada não pelo surto de uma gripe, mas pelos ditames de governantes fascistas que estão destruindo a economia do país.

__
O Dr. Sucharit Bhakdi é especialista em microbiologia. Foi professor da Universidade Johannes Gutenberg em Mainz e chefe do Instituto de Microbiologia Médica e Higiene e um dos cientistas mais citados na história alemã.

O que ele disse:

“Temos medo de que 1 milhão de infecções com o novo vírus leve a 30 mortes por dia nos próximos 100 dias. Mas não percebemos que 20, 30, 40 ou 100 pacientes positivos para coronavírus normais já estão morrendo todos os dias.

[As medidas anti-COVID19 do governo] são grotescas, absurdas e muito perigosas […] A expectativa de vida de milhões está sendo reduzida. O impacto terrível na economia mundial ameaça a existência de inúmeras pessoas. As consequências para os cuidados médicos são profundas. Já os serviços para pacientes necessitados são reduzidos, as operações canceladas, as práticas vazias, o pessoal do hospital diminuindo. Tudo isso terá um impacto profundo em toda a sociedade.

Todas essas medidas estão levando à autodestruição e ao suicídio coletivo com base em nada além de um fantasma.”

*Prof. Sucharit Bhakdi explica por que as medidas são insensatas e autodestrutivas*

__
O Dr. Wolfgang Wodarg é um médico alemão especializado em Pneumologia, político e ex-presidente da Assembléia Parlamentar do Conselho da Europa. Em 2009, ele pediu um inquérito sobre supostos conflitos de interesse em torno da resposta da UE à pandemia da gripe suína.

O que ele disse:

“Os políticos estão sendo cortejados por cientistas … cientistas que querem ser importantes para conseguir dinheiro para suas instituições. Cientistas que apenas nadam na corrente principal e querem sua parte […] E o que está faltando agora é uma maneira racional de ver as coisas.

Deveríamos estar fazendo perguntas como “Como você descobriu que esse vírus era perigoso?”, “Como era antes?”, “Não tínhamos a mesma coisa no ano passado?”, “É algo novo?”

Está faltando.”

*Como o Dr. Wolfgang Wodarg vê a atual pandemia de Corona*

__
Dr. Joel Kettner é professor de Ciências da Saúde e Cirurgia Comunitária na Universidade de Manitoba, ex-diretor de saúde pública da província de Manitoba e diretor médico do Centro Internacional de Doenças Infecciosas.

O que ele diz :

“Eu nunca vi algo assim, algo tão próximo assim. Não estou falando da pandemia, porque já vi 30 delas, uma a cada ano. É chamado de gripe. E outros vírus de doenças respiratórias, nem sempre sabemos o que são. Mas nunca vi essa reação e estou tentando entender o porquê.

[…]

Preocupo-me com a mensagem ao público, com o medo de entrar em contato com as pessoas, estar no mesmo espaço que as pessoas, apertando as mãos, tendo reuniões com as pessoas. Eu me preocupo com muitas, muitas consequências relacionadas a isso.

[…]

Em Hubei, na província de Hubei, onde houve mais casos e mortes de longe, o número real de casos relatados é de 1 por 1.000 pessoas e a taxa real de mortes relatadas é de 1 por 20.000. Talvez isso ajude a colocar as coisas em perspectiva.”

__
O Dr. John Ioannid é Professor de Medicina, Pesquisa e Política em Saúde e Ciência de Dados Biomédicos, na Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford e Professor de Estatística na Faculdade de Ciências Humanas e Ciências da Universidade de Stanford. Ele é diretor do Stanford Prevention Research Center e co-diretor do Meta-Research Innovation Center em Stanford (METRICS).

Ele também é o editor-chefe do European Journal of Clinical Investigation. Foi presidente do Departamento de Higiene e Epidemiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Ioannina, além de professor adjunto da Faculdade de Medicina da Universidade Tufts.

Como médico, cientista e autor, ele fez contribuições para medicina baseada em evidências, epidemiologia, ciência de dados e pesquisa clínica. Além disso, ele foi pioneiro no campo da meta-pesquisa. Ele mostrou que grande parte da pesquisa publicada não atende aos bons padrões científicos de evidência.

O que ele diz :

“Os pacientes que foram testados para SARS-CoV-2 são desproporcionalmente aqueles com sintomas graves e maus resultados. Como a maioria dos sistemas de saúde tem capacidade limitada de teste, o viés de seleção pode até piorar no futuro próximo.

A única situação em que uma população fechada foi testada foi o navio Diamond Princess e seus passageiros em quarentena. A taxa de mortalidade de casos foi de 1,0%, mas essa era uma população amplamente idosa, na qual a taxa de mortalidade por Covid-19 é muito maior.

[…]

Poderia a taxa de mortalidade de casos do Covid-19 ser tão baixa? Não, dizem alguns, apontando para a alta taxa em pessoas idosas. No entanto, mesmo alguns dos chamados coronavírus do tipo resfriado ou comum, conhecidos há décadas, podem ter taxas de mortalidade de casos tão altas quanto 8% quando infectam idosos em casas de repouso.

[…]

Se não soubéssemos sobre um novo vírus por aí e não tivéssemos verificado indivíduos com testes de PCR, o número total de mortes por “doença semelhante à influenza” não pareceria incomum este ano. No máximo, podemos ter notado casualmente que a gripe nesta temporada parece ser um pouco pior que a média.

“Um fiasco em formação? À medida que a pandemia de coronavírus ocorre, tomamos decisões sem dados confiáveis ”, Stat News , 17 de março de 2020
https://www.statnews.com/…/a-fiasco-in-the-making-as-the-c…/

__
O Dr. Yoram Lass é médico, político e ex-diretor geral do Ministério da Saúde de Israel. Ele também trabalhou como decano associado da Faculdade de Medicina da Universidade de Tel Aviv e, durante os anos 80, apresentou o programa de televisão Tatzpit, baseado na ciência.

O que ele diz :

“A Itália é conhecida por sua enorme morbidade em problemas respiratórios, mais de três vezes em qualquer outro país europeu. Nos EUA, cerca de 40.000 pessoas morrem em uma temporada regular de gripe e até agora 40-50 pessoas morreram do coronavírus, a maioria delas em um lar de idosos em Kirkland, Washington.

[…]

Em todos os países, mais pessoas morrem de gripe comum em comparação com aquelas que morrem de coronavírus.

[…]

… Há um exemplo muito bom que todos esquecemos: a gripe suína em 2009. Esse foi um vírus que chegou ao mundo do México e até hoje não há vacinação contra ele. Mas o que? Naquela época, não havia Facebook ou talvez houvesse, mas ainda estava em sua infância. O coronavírus, por outro lado, é um vírus com relações públicas.

Quem pensa que os governos acabam com os vírus está errado.”

“Loucura do Bloqueio”. Entrevista no Globes , 22 de março de 2020
https://en.globes.co.il/…/article-lockdown-lunacy-1001322696

__
O Dr. Pietro Vernazza é um médico suíço especializado em doenças infecciosas no Hospital Cantonal St. Gallen e professor de política de saúde.

O que ele disse:

“Temos números confiáveis da Itália e um trabalho de epidemiologistas, publicado na renomada revista científica Science, que examinou a disseminação na China. Isso deixa claro que cerca de 85% de todas as infecções ocorreram sem que ninguém percebesse a infecção. 90% dos pacientes falecidos têm mais de 70 anos de idade, 50% mais de 80 anos.

[…]

Na Itália, uma em cada dez pessoas diagnosticadas morre, de acordo com os resultados da publicação da Science, que é estatisticamente uma em cada 1.000 pessoas infectadas. Cada caso individual é trágico, mas geralmente – semelhante à estação da gripe – afeta pessoas que estão no fim de suas vidas.

[…]

Se fecharmos as escolas, impediremos que as crianças se tornem rapidamente imunes.

[…]

Deveríamos integrar melhor os fatos científicos nas decisões políticas.”

“Infectiologista Pietro Vernazza, da Suíça Oriental: “O número de jovens com vírus corona é enganoso” O infectiologista Pietro Vernazza contradiz as manchetes dos Estados Unidos que alertam sobre o perigo para os jovens. Os números científicos da China e da Itália mostram o contrário.” Entrevista em St. Galler Tagblatt , 22 de março de 2020
https://www.tagblatt.ch/…/ostschweizer-infektiologe-pietro-…

__
Frank Ulrich Montgomery é radiologista alemão, ex-presidente da Associação Médica Alemã e vice-presidente da Associação Médica Mundial.

O que ele diz :

“Eu não sou um fã de bloqueio. Quem impõe algo assim também deve dizer quando e como buscá-lo novamente. Já que temos que assumir que o vírus estará conosco por um longo tempo, eu me pergunto quando voltaremos ao normal? Você não pode manter escolas e creches fechadas até o final do ano. Porque levará pelo menos esse tempo até que tenhamos uma vacina. A Itália impôs um bloqueio e tem o efeito oposto. Eles rapidamente atingiram seus limites de capacidade, mas não diminuíram a velocidade da propagação do vírus dentro do bloqueio.

– “Pandemia é caos”. Entrevista no General Anzeiger , 18 de março de 2020
https://www.general-anzeiger-bonn.de/…/interview-mit-weltae…

__
O Prof. Hendrik Streeck é um pesquisador alemão em HIV, epidemiologista e clínico clínico. Ele é professor de virologia e diretor do Instituto de Virologia e Pesquisa em HIV da Universidade de Bonn.

O que ele diz :

“O novo patógeno não é tão perigoso, é ainda menos perigoso que o Sars-1. O especial é que o Sars-CoV-2 se replica na área superior da garganta e, portanto, é muito mais infeccioso porque o vírus salta de garganta em garganta, por assim dizer. Mas isso também é uma vantagem: como o Sars-1 se replica nos pulmões profundos, não é tão infeccioso, mas definitivamente atinge os pulmões, o que o torna mais perigoso.

[…]

Você também deve levar em conta que as mortes de Sars-CoV-2 na Alemanha foram exclusivamente de idosos. Em Heinsberg, por exemplo, um homem de 78 anos com doenças anteriores morreu de insuficiência cardíaca e sem o envolvimento pulmonar de Sars-2. Desde que ele foi infectado, ele naturalmente aparece nas estatísticas do Covid 19. Mas a questão é se ele não teria morrido de qualquer maneira, mesmo sem o Sars-2.

– “Descobrimos novos sintomas”. Entrevista em Frankfurter Allgemeine , 16 de março de 2020
https://www.faz.net/…/neue-corona-symptome-entdeckt-virolog…

__
Dr. Yanis Roussel e. al. – Uma equipe de pesquisadores do Instituto Universitário Universitário Méditerranée Infection, Marselha e do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento, Assistance Publique-Hôpitaux de Marseille, conduzindo um estudo revisado por pares sobre a mortalidade por coronavírus para o governo da França sob o título ‘Investments for programa Futuro.

O que eles dizem :

“O problema da SARS-CoV-2 provavelmente está superestimado, pois 2,6 milhões de pessoas morrem de infecções respiratórias a cada ano, em comparação com menos de 4000 mortes por SARS-CoV-2 no momento da redação deste documento.

[…]

Este estudo comparou a taxa de mortalidade de SARS-CoV-2 nos países da OCDE (1,3%) com a taxa de mortalidade de coronavírus comuns identificados em pacientes com AP-HM (0,8%) de 1 de janeiro de 2013 a 2 de março de 2020. O teste qui-quadrado foi realizado, e o valor de P foi de 0,11 (não significativo).

[…]

… Deve-se notar que estudos sistemáticos de outros coronavírus (mas ainda não para SARS-CoV-2) descobriram que a porcentagem de portadores assintomáticos é igual ou até maior que a porcentagem de pacientes sintomáticos. Os mesmos dados para SARS-CoV-2 podem estar disponíveis em breve, o que reduzirá ainda mais o risco relativo associado a esta patologia específica.”

“SARS-CoV-2: medo versus dados”, International Journal of Antimicrobial Agents , 19 de março de 2020
https://www.sciencedirect.com/…/artic…/pii/S0924857920300972

__
O Dr. David Katz é médico americano e diretor fundador do Yale University Prevention Research Center

O que ele diz :

“Estou profundamente preocupado que as conseqüências sociais, econômicas e de saúde pública desse colapso quase total da vida normal – escolas e empresas fechadas, reuniões proibidas – sejam duradouras e calamitosas, possivelmente mais graves do que o número direto do próprio vírus. O mercado de ações voltará no tempo, mas muitas empresas nunca o farão. O desemprego, o empobrecimento e o desespero que provavelmente resultarão serão flagelos de saúde pública de primeira ordem.”

“Nossa luta contra o coronavírus é pior do que a doença?”, New York Times 20 de março de 2020
https://www.nytimes.com/…/coronavirus-pandemic-social-dista…

__
Michael T. Osterholm é professor regente e diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota.

O que ele diz :

“Considere o efeito de encerrar escritórios, escolas, sistemas de transporte, restaurantes, hotéis, lojas, teatros, salas de concerto, eventos esportivos e outros locais por tempo indeterminado e deixar todos os trabalhadores desempregados e receber o benefício público. O resultado provável seria não apenas uma depressão, mas um colapso econômico completo, com incontáveis empregos perdidos permanentemente, muito antes de a vacina estar pronta ou a imunidade natural se estabelecer.

[…]

A melhor alternativa provavelmente implicará em permitir que pessoas com baixo risco de doenças graves continuem trabalhando, mantendo os negócios e a manufatura em operação e “administre” a sociedade, enquanto aconselha indivíduos de alto risco a se protegerem através do distanciamento físico aumentando nossa capacidade de assistência médica o mais agressivamente possível. Com esse plano de batalha, poderíamos gradualmente criar imunidade sem destruir a estrutura financeira na qual nossas vidas se baseiam.

“Enfrentando a realidade covid-19: um bloqueio nacional não cura”, Washington Post 21 de março de 2020
https://www.washingtonpost.com/…/facing-covid-19-reality-n…/

__
Dr. Peter Goetzsche é professor de design e análise de pesquisa clínica na Universidade de Copenhague e fundador da colaboração médica Cochrane. Ele escreveu vários livros sobre corrupção no campo da medicina e o poder das grandes empresas farmacêuticas.

O que ele diz :

“Nosso principal problema é que ninguém jamais terá problemas por medidas draconianas demais. Eles só terão problemas se fizerem muito pouco. Portanto, nossos políticos e aqueles que trabalham com saúde pública fazem muito mais do que deveriam.

Nenhuma dessas medidas draconianas foi aplicada durante a pandemia de gripe de 2009 e, obviamente, não pode ser aplicada todo inverno, que é o ano inteiro, pois sempre é inverno em algum lugar. Não podemos fechar o mundo inteiro permanentemente.

Se a epidemia diminuir em pouco tempo, haverá uma fila de pessoas querendo levar crédito por isso. E podemos ter certeza de que medidas draconianas serão aplicadas novamente na próxima vez. Mas lembre-se da piada sobre tigres. “Por que você toca a buzina?” “Para manter os tigres afastados.” “Mas não há tigres aqui.” “Aí você vê!”

“Corona: uma epidemia de pânico em massa”, publicação no blog Deadly Medicines 21 de março de 2020
https://www.deadlymedicines.dk/corona-an-epidemic-of-mass-…/

Dr. Sunetra Gupta et al. Como uma equipe de pesquisa de Oxford está construindo um modelo epidemiológico para o surto de coronavírus, seu trabalho ainda não foi revisado por pares, mas o resumo está disponível online.

O Dr. Gupta é professor de Epidemiologia Teórica da Universidade de Oxford e tem interesse em agentes de doenças infecciosas responsáveis pela malária, HIV, influenza e meningite bacteriana. Recebeu o Prêmio Sahitya Akademi, a Medalha Científica da Zoological Society de Londres e o Royal Society Rosalind Franklin Award por sua pesquisa científica.

O que eles dizem:

“É importante ressaltar que os resultados aqui apresentados sugerem que as epidemias em andamento no Reino Unido e na Itália começaram pelo menos um mês antes da primeira morte relatada e já levaram ao acúmulo de níveis significativos de imunidade de rebanho nos dois países. Existe uma relação inversa entre a proporção atualmente imune e a fração da população vulnerável a doenças graves.”

– Os princípios fundamentais da disseminação de epidemias destacam a necessidade imediata de pesquisas sorológicas em larga escala para avaliar o estágio da epidemia de SARS-CoV-2 , 24 de março de 2020.
https://www.medrxiv.org/conte…/10.1101/2020.03.24.20042291v1

– – –

A pesquisa apresenta uma visão muito diferente da epidemia da modelagem no Imperial College de Londres […] “Estou surpreso que tenha havido uma aceitação tão qualificada do modelo imperial”, disse o Dr. Gupta.

[…]

Os resultados de Oxford significariam que o país já havia adquirido imunidade substancial por sua disseminação não reconhecida de cobiças por mais de dois meses.
Embora alguns especialistas tenham duvidado da força e duração da resposta imune humana ao vírus, a professora Gupta disse que as evidências emergentes a deixaram confiante de que a humanidade aumentaria a imunidade contra o Covid19”

“O coronavírus pode ter infectado metade da população”, Financial Times , 24 de março de 2020
https://www.ft.com/con…/5ff6469a-6dd8-11ea-89df-41bea055720b

__
O Dr. Karin Mölling é um virologista alemão cuja pesquisa se concentrou em retrovírus, particularmente o vírus da imunodeficiência humana (HIV). Foi professora titular e diretora do Instituto de Virologia Médica da Universidade de Zurique de 1993 até sua aposentadoria em 2008 e recebeu várias honras e prêmios por seu trabalho.

O que ela diz :

“Agora, você é informado todas as manhãs quantas mortes por SARS-Corona 2 existem. Mas eles não dizem quantas pessoas já estão infectadas com a gripe neste inverno e quantas mortes causou.

Neste inverno, a gripe não é grave, mas cerca de 80.000 estão infectadas. Você não recebe esses números. Algo semelhante ocorreu há dois anos. Isso não é colocado no contexto certo.

[…]

Toda semana uma pessoa morre em Berlim de germes multirresistentes. Isso chega a 35.000 por ano na Alemanha. Isso não é mencionado. Acredito que já tivemos situações como essa várias vezes e que as medidas estão sendo tomadas longe demais.

Sou da opinião de que talvez não se deva fazer tanto contra os jovens que fazem festas e se infectam. Temos que construir imunidade de alguma forma. Como isso pode ser possível sem contatos? Os mais jovens lidam com a infecção muito melhor. Mas temos que proteger os idosos e protegê-los de uma maneira que possa ser examinada; é razoável o que estamos fazendo agora, estender a epidemia de uma maneira que quase paralisa toda a economia mundial?

[…]

O Instituto Robert Koch fornece os números. Então você fica sentado como ouvinte ou espectador: 20 mortos de novo, que terrível! Você sabe quando eu começaria a entrar em pânico? Se houver 20.000. Então chegamos perto do que aconteceu completamente silenciosamente há dois anos.

A epidemia de gripe de 2018, com 25.000 mortes, nunca desconcertou a imprensa. As clínicas tiveram que lidar com mais 60.000 pacientes, o que também não era problema!

[…]

Esse é o principal medo: a doença é apresentada como uma doença terrível. A doença em si é como a gripe em um inverno normal. É ainda mais fraco na primeira semana.

– “Virologista alemã de renome internacional adverte que bloqueios do governo são um erro horrível e pioram a crise”. Entrevista no Anti-Empire.com, 23 de março de 2020
https://www.anti-empire.com/german-virologist-of-internati…/

__
O Dr. Anders Tegnell é médico e funcionário público sueco, epidemiologista estadual da Agência de Saúde Pública da Suécia desde 2013. O Dr. Tegnell se formou na faculdade de medicina em 1985, especializado em doenças infecciosas. Posteriormente, obteve um doutorado em ciências médicas pela Linköping University em 2003 e um mestrado em 2004.

O que ele diz :

“Todas as medidas que tomamos devem ser viáveis por um longo período de tempo.” Caso contrário, a população perderá a aceitação de toda a estratégia corona.

Os idosos ou pessoas com problemas de saúde anteriores devem ser isolados o máximo possível. Portanto, sem visitas a filhos ou netos, sem viagens de transporte público, se possível, sem compras. Essa é a única regra. A outra é: qualquer pessoa com sintomas deve ficar em casa imediatamente, mesmo com a menor tosse.

“Se você seguir essas duas regras, não precisará de mais medidas, cujo efeito é muito marginal de qualquer maneira”

“O mundo está parado … exceto a Suécia”, Zeit.de , 24 de março de 2020
https://www.zeit.de/…/coronavirus-schweden-stockholm-oeffen…

__
O Dr. Pablo Goldschmidt é um virologista argentino-francês especializado em doenças tropicais e professor de Farmacologia Molecular na Université Pierre et Marie Curie, em Paris. Ele é graduado pela Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade de Buenos Aires e Faculdade de Medicina do Centro Hospitalar de Pitié-Salpetrière, Paris.

Atualmente, ele reside na França, onde trabalha há quase 40 anos como pesquisador em laboratórios clínicos que desenvolvem tecnologia de diagnóstico.

O que ele diz :

“As opiniões infundadas expressas por especialistas internacionais, replicadas pela mídia e pelas redes sociais, repetem o pânico desnecessário que já vivenciamos. O coronavírus identificado na China em 2019 causou nada menos que um forte resfriado ou gripe, sem nenhuma diferença até agora com resfriado ou gripe como sabemos ”

[…]

As condições virais respiratórias são numerosas e são causadas por várias famílias e espécies virais, entre as quais o vírus sincicial respiratório (especialmente em bebês), influenza (influenza), metapneumovírus humanos, adenovírus, rinovírus e vários coronavírus, já descritos anos atrás. É surpreendente que, no início deste ano, alertas globais de saúde tenham sido acionados como resultado de infecções por um coronavírus detectado na China, COVID-19, sabendo que a cada ano existem 3 milhões de recém-nascidos que morrem no mundo da pneumonia e 50.000 adultos no mundo. Estados Unidos pela mesma causa, sem que alarmes sejam emitidos.

[…]

Nosso planeta é vítima de um novo fenômeno sociológico, o assédio da mídia científica, desencadeado por especialistas apenas com base nos resultados das análises de diagnóstico molecular em laboratório. Os comunicados emitidos pela China e Genebra foram replicados, sem serem confrontados de um ponto de vista crítico e, acima de tudo, sem enfatizar que os coronavírus sempre infectaram seres humanos e sempre causaram diarréia e o que as pessoas chamam de resfriado banal ou resfriado comum. Previsões absurdas foram extrapoladas, como em 2009 com o vírus influenza H1N1.

[…]

Não há evidências para mostrar que o coronavírus de 2019 é mais letal do que os adenovírus respiratórios, vírus influenza, coronavírus de anos anteriores ou rinovírus responsáveis pelo resfriado comum.”

“Coronavírus: “O pânico é injustificado”, diz um virologista argentino na França – Ele diz que os coronavírus sempre infectaram humanos e que não há evidências que indiquem que a fatalidade ou morbidade do COVID-19 seja superior à causada por vírus influenza ou resfriado comum.” Entrevista no Clarin.com, 9 de março de 2020
https://www.clarin.com/…/coronavirus-panico-injustificado-d…

__
Dr. Eran Bendavid e Dr. Jay Bhattacharya são professores de medicina e saúde pública na Universidade de Stanford.

O que eles dizem :

“[P] projeções do número de mortes podem ser plausivelmente ordens de magnitude muito altas […] A verdadeira taxa de mortalidade é a parte dos infectados que morrem, não as mortes por casos positivos identificados.

A última taxa é enganosa devido ao viés de seleção nos testes. O grau de viés é incerto, porque os dados disponíveis são limitados. Mas pode fazer a diferença entre uma epidemia que mata 20.000 e uma que mata dois milhões.

[…]

Uma quarentena universal pode não valer os custos que impõe à economia, à comunidade e à saúde mental e física individual. Devemos tomar medidas imediatas para avaliar a base empírica dos bloqueios atuais.

– “O coronavírus é tão mortal quanto eles dizem?”, Wall Street Journal, 24 de março de 2020
https://www.wsj.com/…/is-the-coronavirus-as-deadly-as-they-…

__
O Dr. Tom Jefferson é um epidemiologista britânico, com sede em Roma. Ele trabalha para a Cochrane Collaboration, onde é autor e editor do grupo de infecções respiratórias agudas da Cochrane Collaboration, além de fazer parte de outros quatro grupos da Cochrane. Ele também é consultor da Agência Nacional Italiana de Serviços Regionais de Saúde.

O que ele diz :

“Portanto, não posso responder minhas dúvidas incômodas, não parece haver nada de especial nessa epidemia específica de doença semelhante à influenza.

Existem, no entanto, duas consequências dessa situação que me incomodam.

O primeiro é a falta de credibilidade institucional percebida pelos meus amigos. Eles variam de bombeiros, policiais e até um clínico geral – não o tipo de pessoa que você gostaria de alienar em caso de emergência. O dono de um restaurante me disse que nunca se reportaria à autoridade de saúde, pois isso significaria pelo menos duas semanas de fechamento e seus negócios iriam para o muro.

A segunda é que, uma vez que os holofotes se movam, haverá um esforço internacional sério e concentrado para entender as causas e origens de doenças semelhantes à influenza e o ciclo de vida de seus agentes?

A forma passada me diz que não, e voltaremos a empurrar a gripe como uma praga universal sob o teto da casa quente de interesse comercial. Observe a diferença: influenza (causada pelos vírus influenza A e B, para os quais temos vacinas e medicamentos licenciados), não doenças semelhantes à influenza contra as quais devemos lavar as mãos o ano todo, não apenas agora.

Enquanto isso, ainda não consigo responder à pergunta de Mario: o que há de diferente desta vez?”

“Covid 19 – muitas perguntas, sem respostas claras”, British Medical Journal , 2 de março de 2020
https://blogs.bmj.com/…/tom-jefferson-covid-19-many-questi…/

__
Dr. Michael Levitt é professor de bioquímica na Universidade de Stanford. Ele é membro da Royal Society (FRS), membro da Academia Nacional de Ciências e recebeu o Prêmio Nobel de Química de 2013 pelo desenvolvimento de modelos em várias escalas para sistemas químicos complexos.

Em fevereiro deste ano, ele modelou corretamente que o surto na China estava chegando ao fim , prevendo cerca de 80.000 casos e 3250 mortes.

O que ele diz :

“Não acredito nos números em Israel, não porque eles são inventados, mas porque a definição de um caso em Israel continua mudando e é difícil avaliar os números dessa maneira …

Há muito pânico injustificado em Israel. Não acredito nos números aqui, tudo é política, não matemática. Ficarei surpreso se o número de mortes em Israel ultrapassar dez, e até cinco agora com as restrições.

[…]

Para colocar as coisas em proporção, o número de mortes de coronavírus na Itália é 10% do número de mortes de influenza no país entre 2016-2017.

Mesmo na China, é difícil olhar para o número de pacientes porque a definição de “paciente” varia, então eu vejo o número de mortes. Em Israel não há, é por isso que nem está no mapa mundial da doença.”

“Prêmio Nobel: surpreso se Israel tiver mais de 10 mortes por coronavírus”, Jerusalem Post , 20 de março de 2020
https://www.jpost.com/…/nobel-laureate-israel-will-have-no-…

– – –

[Levitt] analisou dados de 78 países que relataram mais de 50 novos casos de COVID-19 todos os dias e vê “sinais de recuperação” em muitos deles. Ele não está focando no número total de casos em um país, mas no número de novos casos identificados todos os dias – e, principalmente, na alteração desse número de um dia para o outro.

“Os números ainda são barulhentos, mas há sinais claros de crescimento lento”.

“O que precisamos é controlar o pânico”, disse ele. No grande esquema, “vamos ficar bem”.

– “Por que esse prêmio Nobel prevê uma recuperação mais rápida do coronavírus: ‘Nós vamos ficar bem’” , Los Angeles Times , 22 de março de 2020
https://www.latimes.com/…/coronavirus-outbreak-nobel-laurea…

__
A Rede Alemã de Medicina Baseada em Evidências é uma associação de cientistas, pesquisadores e profissionais médicos alemães.

A rede foi fundada em 2000 para disseminar e desenvolver conceitos e métodos de medicina baseada em evidências e orientada para o paciente na prática, ensino e pesquisa, e hoje tem cerca de 1000 membros.

O que eles disseram:

“Na maioria dos casos, o COVID-19 assume a forma de um resfriado leve ou é até livre de sintomas. Portanto, é altamente improvável que todos os casos de infecção sejam registrados, em contraste com as mortes que são quase completamente registradas. Isso leva a uma superestimação do CFR.

De acordo com um estudo com 565 japoneses evacuados de Wuhan, todos os quais foram testados (independentemente dos sintomas), apenas 9,2% das pessoas infectadas foram detectadas com o monitoramento COVID-19 orientado por sintomas atualmente usado [5]. Isso significa que é provável que o número de pessoas infectadas seja cerca de 10 vezes maior que o número de casos registrados. O CFR seria então apenas cerca de um décimo do medido atualmente. Outros assumem um número ainda maior de casos não relatados, o que reduziria ainda mais o CFR.

A ampla disponibilidade dos testes SARS-CoV-2 é limitada. Nos EUA, por exemplo, uma instalação de teste adequada e financiada pelo estado para todos os casos suspeitos só está disponível desde 11.3.2020 [6]. Também na Alemanha, houve gargalos ocasionais que contribuem para uma superestimação do CFR.

À medida que a doença se espalha, torna-se cada vez mais difícil identificar uma fonte suspeita de infecção. Como resultado, resfriados comuns em pessoas que sem saber tiveram contato com um paciente com COVID-19 não estão necessariamente associados ao COVID-19 e os afetados não procuram o médico.

Uma superestimação do CFR também ocorre quando uma pessoa falecida foi infectada com SARS-CoV-2, mas essa não foi a causa da morte.

[…] [O] CFR de 0,2% atualmente medido para a Alemanha está abaixo dos CFR de influenza calculados pelo Robert Koch-Institute (RKI) de 0,5% em 2017/18 e 0,4% em 2018/19, mas acima do valor amplamente aceito de 0,1% para quais não há evidências confiáveis.

[…]

Além das conclusões (bastante questionáveis) tiradas do exemplo histórico, há poucas evidências de que os NPIs para COVID-19 realmente levem a uma redução na mortalidade geral. Uma revisão da Cochrane de 2011 não encontrou evidências robustas da eficácia das triagens de controle de fronteiras ou do distanciamento social.

[…]

Uma revisão sistemática de 2015 encontrou evidências moderadas de que o fechamento das escolas atrasa a propagação de uma epidemia de gripe, mas a um custo elevado. O isolamento em casa diminui a propagação da gripe, mas leva ao aumento da infecção dos membros da família. É questionável se esses achados podem ser transferidos da gripe para o COVID-19.

Não está claro por quanto tempo os NPIs devem ser mantidos e quais efeitos podem ser alcançados, dependendo de sua duração e intensidade. O número de mortes só pode ser adiado para um momento posterior, sem qualquer alteração no número total.

[…]

Muitas perguntas permanecem sem resposta. Por um lado, a mídia nos confronta diariamente com relatos alarmantes de um número exponencialmente crescente de pessoas doentes e mortas em todo o mundo. Por outro lado, a cobertura da mídia de forma alguma considera nossos critérios exigidos para a comunicação de riscos baseada em evidências.

A mídia está atualmente comunicando dados brutos, por exemplo, houve pessoas infectadas com “X” e mortes com “Y” até o momento. No entanto, esta apresentação falha ao distinguir entre diagnósticos e infecções.

“Covid19: Onde estão as evidências?”, Declaração em seu site, 20 de março de 2020
https://www.ebm-netzwerk.de/en/publications/covid-19

__
O Dr. Richard Schabas é ex-diretor médico de Ontário, médico de Hastings e Prince Edward Public Health e chefe de equipe do York Central Hospital.

O que ele diz :

“Há mais casos por aí do que estão sendo relatados. Isso ocorre porque muitos casos não apresentam sintomas e a capacidade de teste foi limitada. Até o momento, foram relatados cerca de 100.000 casos, mas, se extrapolarmos o número de mortes relatadas e uma taxa de mortalidade por caso presumida de 0,5%, o número real provavelmente será mais próximo de dois milhões – a grande maioria leve ou assintomática.

Da mesma forma, a taxa real de novos casos é provavelmente de pelo menos 10.000 por dia. Se esses números parecerem grandes, lembre-se de que o mundo é um lugar muito grande. De uma perspectiva global, esses números são muito pequenos.

Segundo, o surto de Hubei – de longe o maior e uma espécie de pior cenário – parece estar acabando. Quão ruim foi? Bem, o número de mortes foi comparável a uma temporada média de influenza. Isso não é nada, mas também não é catastrófico e provavelmente não sobrecarregará um sistema de saúde competente. Nem mesmo perto.

[…]

Não estou pregando complacência. Esta doença não vai desaparecer tão cedo; devemos esperar mais casos e mais surtos locais. E o COVID-19 ainda tem o potencial de se tornar um grande problema de saúde global, com uma carga geral comparável à da gripe. Precisamos estar vigilantes em nossa vigilância.

[…]

Mas também precisamos ser sensatos. A quarentena pertence à Idade Média. Guarde suas máscaras para roubar bancos. Fique calmo e continue. Não vamos piorar nossas tentativas de cura que a doença.

“Estritamente pelos números, o coronavírus não se registra como uma terrível crise global”, Globe and Mail, 11 de março de 2020.

FONTES ORIGINAIS:

https://off-guardian.org/2020/03/24/12-experts-questioning-the-coronavirus-panic/

E

https://off-guardian.org/2020/03/28/10-more-experts-criticising-the-coronavirus-panic/

 

Tradução e edição: André Melo

7 COMENTÁRIOS

  1. Como duvidar de inumeros depoimentos de ilustres, estudados e premiados doutores. Essa Pandemia deveria ser chamada de Coronamedo. Pois é isso que querem que a humanidade sinta, Medo. E aonde o poder e a ganância leva o frágil e desumano Homem a se exterminar por alguns milhões. Não podemos nos entregar ao medo, a insegurança isso sim levará a humanidade à extinção. Parabéns as mentes racionais e evolutivas que demonstram que podemos conviver e podemos superar sim mais um vírus de muitos nas quais convivemos. Lamentável mesmo e nos tornarmos reféns de interesses escussos de algumas pessoas mal intencionadas.

  2. Que legal esta covid-19. Está aflorando mega escritores que logo lançarão verdadeiros “Os luziadas”.. .e mais: 1° valorizou a INFORMAÇÃO DO CONHECIMENTO e sua MULTIPLICAÇÃO IMEDIATAS E PARA TODOS. 2° ACORDOU OS CIENTISTAS E MÉDICOS A ESTUDAREM MAIS. 3° FORÇOU OS GOVERNOS A DESEMBOLSAREM RECURSOS PARA O ATENDIMENTO À POPULAÇÃO.4° DEU UM DESPERTAR PARA MAIS GENTE FAZER A SUA PARTE: SE CUIDAR MAIS, VALORIZAR MAIS O OUTRO, AMAR MAIS E ETC

  3. Opiniões e análises de 22 especialistas de várias partes do mundo , aqui nos comentários pessoas “comuns”, talvez alguns com maior conhecimento da matéria, muito legal essa reportagem, mas gostaria de fazer mais eficiente, eficaz, fazer dela o encontro às “cabeças” que podem transformar em “ações”, por enquanto só vemos uma “guerra” política e científica, como disse um dos estudiosos; “alguns CIENTISTAS se vendem a políticos em troca de interesses individuais de suas pesquisas, etc” .
    Uma pena, ficará por aqui só na teoria !!

  4. É muito claro que a grande quadrilha política se aproveita da pandemia p assaltar os cofres da nação, superfaturando e desviando a parte maior das verbas p seus próprios bolsos. O exemplo mais chocante e flagrante é o do governador de São Paulo, cujo passado é por demais conhecido.

  5. Concordo plenamente com todas as críticas feitas ao excesso de isolamento contra ao covid-19 , acredito que os danos causados a nossa economia irá causar um número muito maior de mortes , por suicido , fome e inúmeros outros fatores…