7 — Energia Atômica

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Até agora, omitimos a discussão sobre energia atômica. Nossa era nuclear tem sido apontada como o principal argumento daqueles que acreditam que o controle governamental e a direção da ciência são necessários no mundo moderno – pelo menos, no campo atômico. O esforço da equipe dirigida pelo governo envolvida na fabricação da bomba atômica foi glorificada como o modelo a ser imitado pela ciência nos anos vindouros. Mas, ao analisar essa visão comum, Jewkes, Sawers e Stillerman apontam, primeiro, que as descobertas atômicas fundamentais foram feitas por cientistas acadêmicos trabalhando com equipamentos simples. Um dos maiores desses cientistas comentou: “não podíamos pagar equipamentos elaborados, então tivemos que pensar”.[1]

Além disso, praticamente todo o trabalho inicial sobre energia atômica, até o final de 1940, foi financiado por fundações privadas e universidades.[2] E o desenvolvimento da bomba foi, para propósitos de tempos de paz, um processo extremamente perdulário. O atrito no projeto entre cientistas e administradores, as grandes dificuldades de administração, tem sido apontado com frequência.[3] Além disso, Jewkes, Sawers e Stillerman sugerem que o controle governamental da pesquisa desacelerou, em vez de acelerar, o desenvolvimento atômico em tempo de paz – especialmente com seu sigilo e restrições excessivas. Eles alertam também que as últimas estimativas sustentam que, mesmo no ano 2000, menos da metade da produção total de eletricidade virá da energia atômica (o principal uso em tempos de paz), e que o excesso de otimismo sobre a energia atômica já esgotou os cientistas e tecnólogos de outras áreas, diminuindo a oferta de pesquisa necessária em outros lugares. E o professor Bornemann avisa que “a pressão da exploração para fins militares esgotou o estoque de conhecimento científico básico e, além disso, em uma atmosfera que não tem sido propícia a novas descobertas neste âmbito”.[4]

O eminente historiador econômico John Nef aponta que invenções úteis para a guerra, como a nitroglicerina e a dinamite, não surgiram da guerra, mas do desenvolvimento da indústria de mineração. Nef descobre que as guerras mundiais recentes não estimularam tanto o desenvolvimento científico, mas o desviaram para tarefas puramente militares – na verdade, retardaram o progresso científico genuíno. E enquanto as vastas somas do governo aceleraram o desenvolvimento da bomba, “não se pode afirmar que a guerra tornou mais iminente o uso geral desta força para o benefício material da humanidade”. E um proeminente engenheiro americano notou que as Forças Armadas, entre as guerras, estavam tecnologicamente estagnadas e que “pouco progresso tecnológico é possível durante uma guerra, exceto do tipo ‘sob pressão’, que é forçado e superficial, e quaisquer ganhos em tecnologia militar vieram em consequência de avanços científicos e industriais mais gerais.[5]

Bornemann acusou ainda que o monopólio governamental do átomo e sua falta de incentivos para lucros e perdas tornavam a energia atômica ineficiente e cara demais. O sigilo do governo atrasou muito os engenheiros da indústria de energia de aprender sobre a tecnologia moderna, retardando, portanto, o desenvolvimento científico.

Como vimos antes, o Dr. John R. Baker também não se impressionou com as realizações soviéticas como o sputnik como modelo para a ciência. O desenvolvimento da engenharia para um determinado fim específico – além dos outros males do controle governamental – também priva a pesquisa básica dos recursos científicos necessários.[6]

Que a ciência nuclear moderna não tornou obsoleto um inventor individual, o espírito livre e não dirigido (ver as opiniões de Jewkes et. al. Discutidas acima) foi recentemente mostrado de forma dramática no caso do “grego louco”, Nicholas Christofilos, que , como engenheiro de elevadores e supervisor de um depósito de reparos de caminhões, aprendeu física nuclear desde o início e originou teorias tão desafiadoras que os especialistas atômicos zombaram dele e o ignoraram – até que tiveram sucesso. Christofilos, Dr. Edward Teller e outros indicaram que, em seu caso, a falta de treinamento foi uma vantagem positiva para preservar sua inclinação original da mente.[7]

Se, então, o advento da energia atômica não muda nossas conclusões básicas: que toda a pesquisa e desenvolvimento civil sejam feitos pelo, e que tanto trabalho científico militar quanto possível seja canalizado para operações privadas em vez de governamentais, o que dizer do era espacial? Como devemos financiar nossas futuras explorações no espaço? A resposta é simples: na medida em que as explorações espaciais são um subproduto do trabalho militar necessário (como mísseis guiados) e somente na medida em que a exploração do espaço prossiga da mesma forma que qualquer outra pesquisa militar. Mas, na medida em que não é necessário aos militares, e é simplesmente uma tendência romântica para a exploração espacial, então essa tendência deve se arriscar, como tudo, na livre iniciativa mercadológica. Pode parecer empolgante se envolver na exploração espacial, mas também é extremamente caro, e desperdício de recursos que poderiam ir para os produtos necessários para o avanço da vida nesta terra. Na medida em que os fundos voluntários são usados ​​em tais empreendimentos, tudo muito bem; mas tributar fundos privados para se envolver em tais empreendimentos seria apenas mais um gigante extravagância governamental.[8]

Passando do geral para o particular, descobrimos que nos últimos anos o governo federal começou a perceber a eficiência superior da empresa privada, mesmo no desenvolvimento atômico. A Força Tarefa Hoover descobriu que as usinas nucleares da Comissão de Energia Atômica eram todas operadas como instalações por contrato, pela indústria privada ou por universidades. Em 1954, a Comissão de Energia Atômica concedeu cerca de 18.000 contratos principais a mais de 5.000 empresas, que por sua vez cederam mais de 375.000 subcontratos. Como resultado, todas as principais instalações produtivas do programa de energia atômica foram projetadas, construídas, equipadas e operadas por empresas privadas.[9] Além disso, o Atomic Energy Act de 1954 relaxou significativamente o monopólio atômico federal, permitindo uma participação muito mais privada no desenvolvimento atômico. Assim que a lei foi aprovada, a indústria privada começou a se mover com sucesso para o campo atômico. A Consolidated Edison anunciou planos para construir uma usina de geração de energia atômica de 200.000 quilowatts em Indian Point, Nova York – sem qualquer ajuda do governo, exceto permitir que a empresa compre combustível atômico. Outras empresas interessadas em entrar em várias fases de uma indústria de energia atômica são: fabricantes de equipamentos elétricos e empresas em outras indústrias (por exemplo, aeronaves, locomotivas, máquinas-ferramentas, petróleo, etc.) em busca de canais de diversificação e universidades, médicos e outras organizações de pesquisa, na esperança de comprar pequenos reatores atômicos.

Muito, entretanto, ainda precisa ser feito, e as restrições e regulamentações existentes ainda impedem um grande segmento da indústria de promover o progresso atômico. O Comitê de Energia Atômica da Associação dos Químicos de Fabricação pede uma maior liberalização dos regulamentos de segurança e patentes.[10] Os poderes do AEC de licenciamento e regulamentação adicional devem ser eliminados. A Comissão de Energia Atômica deve limitar suas atividades à energia atômica militar; subsidiando e regulando a energia atômica pacífica; ao subsidiar e regular a energia atômica pacífica, distorce a alocação de recursos pelo mercado e impede operações eficientes. Os subsídios federais às usinas atômicas oneram as usinas concorrentes de fontes de energia concorrentes e promovem o uso não econômico de recursos.

Outra forma importante pela qual o governo poderia encorajar o desenvolvimento atômico pacífico de forma consistente com o livre-mercado: libertando-o de encargos governamentais, para eliminar a regulação de tarifas de serviços públicos (uma tarefa para os governos estaduais). Os serviços públicos são os principais usuários potenciais da energia atômica, mas dificilmente poderiam fazer o trabalho de que são capazes com suas taxas e métodos de operação, fixados pelas autoridades governamentais. E o governo federal poderia estimular apropriadamente a exploração do espaço, de forma consistente com o livre-mercado, permitindo que qualquer empresa privada ou organização que pudesse pousar em outros planetas, possuísse a terra e outros recursos que começassem a explorar: na forma de a lei de Propriedade Rural, embora sem as restrições da lei sobre a área ou uso da terra. A propriedade governamental automática de quaisquer novas terras no espaço atua como um enorme desestímulo à exploração e ao desenvolvimento por particulares.

Tem havido muita pressão, nos últimos anos, por parte das empresas que estão entrando no setor de energia atômica (especificamente as construtoras de reatores atômicos), por subsídios federais para complementar o seguro de responsabilidade civil das seguradoras privadas: em casos de acidentes em usinas atômicas prejudicam terceiros.[11] Essa pressão deve ser resistida com firmeza. Se a empresa privada, usando seus próprios fundos, não puder arcar com os custos totais de seu próprio seguro, então não deve entrar no negócio. A promoção da energia atômica para usos pacíficos não é um objetivo absoluto, como vimos: deve competir no uso de recursos com outras usinas de energia e com outras indústrias. Qualquer subsídio governamental de uma empresa, seja por meio de subsídios de seguro ou qualquer outro método, enfraquece o sistema de iniciativa privada e seu princípio básico de que cada empresa deve se manter por conta própria recursos levantados voluntariamente e distorce a alocação eficiente de recursos para atender aos desejos do consumidor. As outras empresas neste país devem pagar por seus próprios custos totais de seguro, assim como a indústria atômica. As palavras sensatas da Força-Tarefa Hoover sobre Agências de Crédito deveriam ser consideradas aqui:

Os riscos da propriedade estão inseparavelmente entrelaçados no conceito de propriedade privada. Quando um proprietário é aliviado de seus riscos normais, exceto por seu próprio esforço e dedicação, ele fica em dívida com aqueles que assumem os riscos em seu lugar. Isso aumenta a probabilidade de que ele também seja dispensado de outros atributos da propriedade – o direito, por exemplo, de decidir como, quando, onde e por quem a propriedade será usada. No final, é provável que ele também seja destituído da propriedade.[12]

 

____________________________________

Notas

[1] Jewkes, et al., Sources of Invention, p. 76

[2] Veja Compton, Atomic Quest, p. 28

[3] Ibidem, p. 113

[4] Bornemann, “Atomic Energy and Enterprise Economics”, p. 196. Veja também Departamento de Estado, Pub. # 2702, The International Control of Atomic Energy (Washington, DC: Chemists ‘Association), Impact of Peaceful Uses of Atomic Energy on the Chemical Industry (Washington, DC: fevereiro de 1956).

[5] John U. Nef, War and Human Progress (Cambridge: Harvard University Press, 1950), pp. 375-77, 448.

[6] Veja Baker, Science and the Sputniks.

[7] William Trombley, “Triumph is Space for a ‘Crazy Greek’,” Life (30 de março de 1959): 31-34.

[8] Ver Frank S. Meyer, “Principles and Heresies,” National Review (8 de novembro de 1958): 307.

[9] Veja Conselho para o Avanço Tecnológico, Participação Industrial no Desenvolvimento de Energia Atômica (18 de outubro de 1954).

[10] Impacto de usos pacíficos. p. 10

[11] Assim, ver Paul F. Genachte, Moving Ahead With the Atom (Nova York: Chase Manhattan Bank, janeiro de 1957), p. 12

[12] Relatório da Força-Tarefa, Comissão de Organização do Poder Executivo do Governo, Agências de Empréstimos (Washington, DC: fevereiro de 1955), p. 9