9 — O que o governo deve fazer para incentivar a pesquisa e o desenvolvimento científicos?

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O que, então, o governo deve fazer, se alguma coisa, para encorajar a pesquisa e o desenvolvimento? Descrevemos repetidamente os princípios recomendados da política governamental: evitar interferir positivamente no livre-mercado ou na investigação científica e limitar-se a alterar as disposições de suas próprias regras e leis que impedem a pesquisa científica livre. A última categoria, entretanto, deixa espaço para muito mais ação governamental do que se possa imaginar.

Algumas das políticas recomendadas que decorrem desses princípios básicos já foram delineadas:

(1) Mudar a pesquisa e o desenvolvimento militares dos governos para os contratos privados;

(2) Pagar salários de mercado para cientistas usados ​​pelo governo ou contratos governamentais;

(3) Relaxar a burocracia do serviço público, para fornecer pagamento por mérito e promoções;

(4) Remover regulamentações de segurança indevidas e burocracia no trabalho científico contratado pelo governo;

(5) Remover regulamentos da Comissão de Energia Atômica e subsídios da indústria de energia atômica;

(6) Encorajar os governos estaduais a mudar de uma “educação progressiva” verdadeiramente regressiva nas escolas públicas para uma educação sólida no assunto, para revogar a frequência obrigatória e os requisitos educacionais que restringem a oferta de bons professores e para substituir o pagamento por mérito pelo uniformidades da regulamentação da função pública;

(7) Incentivar os governos estaduais a revogar a regulamentação de tarifas do setor público;

Mas há outra categoria ampla de ação governamental digna na qual não tocamos: isenções fiscais. Os impostos prejudicam as energias gratuitas, o trabalho produtivo e os investimentos. A melhor maneira de o governo encorajar a livre atividade em qualquer área é remover sua própria carga tributária nessa área. Ao contrário do que se pensa, uma isenção de impostos não é simplesmente equivalente a um subsídio governamental. Pois um subsídio penaliza os contribuintes, a fim de dar uma subvenção especial para a parte favorecida. Com isso, aumenta a proporção da atividade do governo na economia, distorce os recursos produtivos e multiplica os perigos do controle e da repressão do governo. A isenção de impostos, ou qualquer outro tipo de redução de impostos, por outro lado, reduz a proporção entre o governo e a ação privada; libera energias privadas e permite que elas se desenvolvam sem entraves; reduz o perigo de controle governamental e distorção da economia. É um passo em direção ao livre mercado e à sociedade livre, assim como um subsídio governamental é um passo para longe da sociedade livre.

Outro ponto sobre a isenção de impostos: ela evita muitos dos problemas acarretados pelos subsídios do governo ao decidir quais empresas e locais em particular devem obter a concessão. O governo deve concentrar seus fundos em algumas grandes universidades ou escolas de medicina, por exemplo, ou os fundos de impostos devem ser distribuídos pro-rata para cada um dos vários estados, ou devem ser usados ​​para ajudar os estados pobres a alcançar os ricos?[1] Não há uma forma racional de resolver esse problema e, assim, acabar com o agravamento dos conflitos entre diferentes grupos da sociedade. Esses conflitos e problemas podem ser evitados simplesmente reduzindo impostos e permitindo que indivíduos livres e o livre-mercado decidam onde e como alocarão seus fundos.

Aqui estão alguns exemplos das muitas coisas construtivas que o governo pode fazer, por meio de isenções e reduções de impostos, para estimular o progresso científico nos Estados Unidos da América:

(1) Créditos fiscais a empresas por contribuições a faculdades e universidades para pesquisas científicas. Isso estimulará a pesquisa básica em seu devido lugar: em faculdades e universidades. (Também recomendado pela National Science Foundation);

(2) Créditos tributários para pessoas físicas sobre o imposto de renda para contribuições para pesquisas científicas em faculdades e universidades. (Recomendado pela National Science Foundation);

(3) Tornar dedutíveis os impostos, despesas das empresas com a formação de cientistas nas universidades. (Recomendado pela National Science Foundation);

(4) Tornar a dedução fiscal, contribuições das empresas para pesquisas científicas individuais;

(5) Tornar as despesas com educação (para ciências ou outro ensino superior) dedutíveis do imposto de renda dos pais;

(6) Permitir que cientistas e investidores individuais façam a média de suas receitas ao longo de muitos anos, para fins de imposto de renda;

(7) Redução das taxas de imposto de renda das empresas, para permitir mais investimentos em pesquisa e desenvolvimento;

(8) Redução do imposto de renda de pessoa física, especialmente nos colchetes superiores, para permitir maior investimento de capital de risco privado em novas invenções;

(9) Permitir a Amortização de Equipamentos em qualquer momento que o proprietário desejar, permitindo assim a amortização rápida de novos projetos inovadores;

(10) Redução ou revogação dos impostos federais e estaduais sobre herança, para permitir muito mais capital de risco privado em novas invenções;

(11) Reduzindo o imposto sobre ganhos de capital sobre pessoas físicas – para estimular a pesquisa e o desenvolvimento de invenções, que podem ser vendidas como ativos de capital para ganhos de capital;

(12) Reduzindo o Imposto sobre Ganhos de Capital sobre Corporações – para permitir que as corporações tentem acumular novas invenções a fim de aumentar seus ativos e, portanto, aumentar o valor total de mercado de seus títulos;

 

__________________________

Notas

[1] Portanto, consulte Medical Research: A Mid Century Survey, p. 145