10 — Automação

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Em todos os problemas discutidos acima, a acusação foi de que a atividade do livre mercado era deficiente em alguma forma de pesquisa científica de desenvolvimento. Na questão da automação, a cobrança é realmente o inverso: o aprimoramento tecnológico pode se tornar tão grande a ponto de ameaçar consequências terríveis, particularmente o desemprego.

Agora, o espectro do “desemprego tecnológico” está conosco pelo menos desde os primeiros dias da Revolução Industrial, quando trabalhadores ignorantes destruíram máquinas que vieram criar empregos para eles e elevar seus padrões de vida incomensuravelmente acima do nível de subsistência. Apesar de todo tipo de refutação, ela ocorre continuamente, sendo a última manifestação a visão da moda de que o atual desemprego crônico durante uma recuperação é causado por aumento “excessivo” na produtividade (quando na verdade é causado por salários sindicais excessivos). Já é tempo de esta noção absurda de desemprego tecnológico acabar de uma vez por todas. Quem foi deslocado pela escavadeira a vapor? Quantos milhões de escavadores de valas estão sem trabalho por causa disso? Onde estão os bilhões de desempregados que supostamente foram gerados ​​pela substituição do “animal de carga humano” pela carroça e pelo caminhão? Onde eles estão, se a doutrina do desemprego tecnológico está correta? Onde estão os milhões de desempregados resultantes da Revolução Industrial – quando a verdade é o contrário, que milhares de mendigos não tinham nada para fazer até que a Revolução Industrial os resgatasse!

Na verdade, uma melhoria tecnológica em uma indústria tem o seguinte resultado: se a demanda pelo produto é elástica (e aproximadamente metade dos produtos tem uma demanda elástica), então os preços mais baixos e custos mais baixos do produto estimularão o aumento da demanda e aumento da produção, ampliando o emprego na indústria. Se a demanda for inelástica, a melhoria fará com que menos recursos sejam dedicados à indústria e menor emprego; mas, como os preços caíram, os consumidores pegam os fundos que antes gastavam nessa indústria e os gastam em outro lugar, gerando assim mais empregos nas outras indústrias. Uma das “outras indústrias” que será expandida será a indústria de fabricação de novas máquinas ou novos produtos. Assim: não resta nenhum desemprego tecnológico.[1]

Discutindo o problema do desemprego tecnológico, o Conde de Halsbury escreve que não conhece nenhum caso em que o progresso tecnológico tenha causado desemprego prolongado ou, de fato, onde a regressão tecnológica tenha causado desemprego![2]

Mais especificamente na automação, espera-se aumentar a demanda por trabalhadores qualificados na indústria e diminuir a demanda por não qualificados, que podem mudar (continuando assim as tendências recentes pró-automação) para as profissões de serviço, que não podem ser automatizadas. Halsbury estimou que praticamente nenhum desemprego, mesmo temporariamente, precisa ser envolvido em tal mudança, uma vez que há uma rotatividade “natural” de 2% na indústria ao ano, devido à aposentadoria de idosos e recrutamento de jovens trabalhadores, e que a redistribuição da mão de obra causou por automação não será tão pesado nesta taxa. O processo de recrutamento para aposentadoria será, portanto, um bom amortecedor até mesmo contra o desemprego temporário. Michael Argyle acrescenta que há um espaço ainda maior para mobilidade, pois além desse processo, cerca de 10% dos trabalhadores demitem-se, por ano, por outros motivos, e que isso também protegerá contra o desemprego involuntário.[3]

Muitos dos trabalhadores semiqualificados, e até mesmo os não qualificados, serão promovidos de empregos rotineiros, do tipo linha de montagem, para empregos mais bem pagos, mais qualificados e variados. É em grande parte o trabalho de rotina que será eliminado. Em muitos casos, a automação nem mesmo diminuirá os trabalhadores nas tarefas específicas afetadas. Assim, Halsbury estima que a contabilidade informatizada, que permitirá cálculos mais baratos e econômicos da folha de pagamento, além de estoque e controle de estoque mais rápidos, também abrirá e resolverá parcialmente uma série de novos problemas, que as empresas não poderiam ter pensado em resolver antes: como “programação de produção”. Como resultado, ele prevê que tantos contadores precisarão ser empregados daqui a uma geração como agora, exceto que eles precisarão de mais habilidades do que agora.

A automação será amplamente aplicável, e certamente apenas economicamente aplicável, nas indústrias de produção em massa, como manufatura, produtos elétricos, máquinas de escritório. Será viável tanto para empresas de pequena escala (o novo “controle numérico”) como para grandes empresas nessas áreas. Ainda haverá muito espaço, no entanto, para produtos caseiros, artesanato, serviços de pessoas, etc. E Woollard adverte contra a superestimativa do valor da automação na fabricação:

[…] se pelo termo “fábrica automática” alguém é tentado a pensar em uma planta na qual os materiais são carregados no início da semana, então todos vão para casa para jogar golfe esperando chegar no sábado de manhã para encontrar o trabalho carregando-se em caminhões para despacho, a fábrica automática é apenas uma quimera. Duvido muito que algum dia veremos algo desse tipo.[4]

Além disso, setores como transporte e varejo não parecem estar adaptados à automação. E W.R. Spencer estima que a automação de escritório, embora exija um treinamento e atualização consideráveis ​​da equipe de escritório, não levará a nenhuma redução geral no trabalho administrativo. As necessidades de mão-de-obra no escritório têm aumentado constantemente, devido ao aumento da complexidade da indústria, e o efeito dos computadores será interromper ou desacelerar esse crescimento, em vez de realmente desempregar um grande número de funcionários administrativos; reduzirá consideravelmente o trabalho enfadonho do atual trabalho administrativo.[5]

O otimismo racional sobre os efeitos da automação sobre o emprego foi bem expresso por H.R. Nicholas, um dos líderes sindicais mais proeminentes da Grã-Bretanha. Nicholas ressalta que a automação cria empregos, que nossa tecnologia atual tem sido uma bênção, ao invés de uma desvantagem, para o emprego. Nicholas destaca que os números empregados em nossas indústrias atualmente mais automatizadas, como petróleo, aumentaram em vez de diminuir, devido à prosperidade da indústria. Tem havido mais trabalho para petroleiros, ferrovias, caminhões, etc., para mover óleo; em estaleiros para construir esses tanques, para auxiliar de gestão, vendas, manutenção na indústria: nenhum deles será substituído pela automação.[6]

Um ponto sobre a automação que não deve ser esquecido: “ela vai melhorar muito a segurança do trabalho industrial, muitos dos trabalhos inseguros (como o manuseio de materiais atômicos fissionáveis) sendo realizados automaticamente.”[7]

Deixemos, portanto, de lado o velho bicho-papão ludita (destruidor de máquinas) do desemprego tecnológico e saudemos os modernos desenvolvimentos da automação pelo que ela é e será: um método excelente de aumentar consideravelmente os padrões de vida e as horas de lazer, de todos nós. Podemos, portanto, saudar o Subcomitê Douglas quando relatou o seguinte:

Algo altamente gratificante que apareceu ao longo das audiências foi a evidência de que todos os elementos da economia americana aceitam e dão as boas-vindas ao progresso, à mudança e ao aumento da produtividade. Essa flexibilidade mental e temperamento tem sido uma característica conspícua da indústria americana há gerações, em contraste bem conhecido com a de muitos outros países. Nem uma única testemunha levantou a voz em oposição à automação e ao avanço da tecnologia. Isso era verdade tanto para os representantes do trabalho organizado quanto para aqueles que falavam do lado da administração. […] O trabalho, é claro, reconhece que o maquinário automático ensina o trabalho penoso do trabalhador individual e contribui enormemente para o bem-estar e o padrão de vida de todos.[8]

 

_____________________________________

Notas

[1] Este, de fato, é o efeito de qualquer mudança na economia, seja dos desejos do consumidor, dos recursos naturais, do clima ou da tecnologia: o emprego em algumas empresas e indústrias será ampliado e em outras será reduzido.

[2] The Earl of Halsbury, “Introduction”, em EM Hugh-Jones, ed., The Push-Button World (University of Oklahoma Press, 1956).

[3] Michael Argyle, “Social Aspects of Automation”, em ibid., P. 113

[4] Frank G. Woollard, “Automation in Engineering Production,” in ibid., P. 38

[5] WR Spencer, “Administrative Applications of Automation”, em ibid., P. 107

[6] HR Nicholas, “The Trade Union Approach to Automation,” in ibid.

[7] Ver Automação e Mudança Tecnológica, Relatório do Subcomitê de Estabilização Econômica para o Comitê Conjunto do Relatório Econômico (Washington, DC: 1955), p. 6

[8] Ibid., Pp. 4-5.