A Banda Pfizer e seu fã-clube de corações partidos

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Esperamos que você tenha gostado do show. Lamentamos, mas é hora de ir.

A humanidade já está acordando?

Os despertadores estão disparando ruídos desagradáveis ​​em todos os lugares e estão sendo sumariamente descartados como “desinformação” por aqueles que os acionam. Aquele bipe digital alto não para, aquele estrondoso pulsante desagradável que ninguém seleciona em seus telefones porque eles preferem uma experiência de despertar que não soe como o aviso de um holocausto nuclear iminente para começar o dia.

Mas esses alarmes civilizacionais não podem ser selecionados ou desligados. Apenas o botão soneca é pressionado por uma população que está cochilando, aguardando os próximos alarmes. Os sons mecanicistas do zumbido se misturam às frequências da ordem natural, gritando que nem tudo está bem. Os já acordados sacodem vigorosamente os que estão em estado de coma, ainda presos na matrix.

A buzina digital é acionada toda vez que um relatório de morte súbita ou novo caso de mutilação infantil consegue passar pelos censores oficiais, e um alto executivo da grande indústria farmacêutica compra uma mansão e um Porsche Panamera com aviso de colisão frontal e manutenção de faixa e diversos outros tipos de dispositivos de segurança para ajudar a garantir que seus filhos nunca sejam mutilados.

Uma mãe leva a filha ao cardiologista, onde ela é uma das muitas crianças azaradas com menos de 17 anos a serem diagnosticadas com miocardite. A escola particular deles exige comprovação de “vacinação” para continuar a frequentar, e agora ela tem o privilégio de frequentar a escola com medicamentos para o coração na mochila.

Um pai canadense diz algumas palavras em uma reunião de familiares e amigos no velório de seu filho adolescente. Após um ano de lockdown e isolamento social, seu filho queria voltar a jogar hóquei. Eles exigiam prova de “vacinação” para jogar hóquei.

Essas histórias de mutilação e matança de crianças que passam pelos censores oficiais são de partir o coração. Sacrificar crianças à Big Pharma enquanto estas são legalmente imunizadas contra qualquer culpa por mutilar e matar milhões deve ser a gota d’água para a humanidade.

Se isso soa como uma hipérbole, pergunte a si mesmo se você consegue pensar em algum momento da história moderna em que a ciência foi tão corrompida e usada como arma, e as informações tão controladas, censuradas e filtradas para garantir que as massas caminhassem voluntariamente em direção a tantos riscos desnecessários que alteram a vida.

A justificativa para esse massacre está muitas vezes ligada a grandes interesses farmacêuticos por lucro e agências governamentais capturadas trabalhando em conjunto. É uma desculpa tão simples e cansada para aqueles que não conseguem entender as operações malthusianas intencionais que visam todos nós.

Mentiram sobre tudo e escaparam impunes pagando às pessoas em todos os focos de resistência potencial para ignorar seus crimes, e os cidadãos bons alemães em todos os setores pegaram seu dinheiro. Eles incentivaram o remdesivir e o genocídio dos respiradores em hospitais com bônus para testes positivos de covid pré e pós-morte.

Acadêmicos, burocratas, professores, diretores, administradores, médicos e os droides da mídia corporativa pegaram o dinheiro e espalharam as mentiras mais grotescas em nome de seus mestres do governo e de seus donos das grandes indústrias farmacêuticas. Depois de espalhar medo e pânico suficientes por meio da carnificina dos respiradores nos hospitais e lockdowns desnecessários, o amassamento psicológico das amígdalas preparou o caminho para o verdadeiro massacre.

Conseguir que as pessoas se voluntariassem para injeções experimentais de despovoamento exigia um trabalho de equipe global. O medo inicial lançou as bases, mas foi uma operação sustentada ao longo do tempo e todas as frentes tiveram que funcionar como uma máquina de propaganda sincronizada, exatamente como ensaiado no Evento 201.

Lembra-se de todos aqueles artigos no ano passado, cobrindo a miocardite, que chegaram à Internet bem quando as agulhas de coágulos estavam sendo espetadas nos músculos deltóides? Foi uma bela operação de gaslighting em nome da Banda Pfizer e Mode-RNA Gates. Esses artigos ainda são promovidos pelos bufões usuais nas redes, além dos milhões de bots automatizados criados para interferir na verdade.

Foi a cobertura perfeita para as injeções nocivas. Prepare as massas para atribuir psicologicamente os efeitos colaterais prejudiciais das vacinas à infecção anterior por covid. Médicos e professores pegaram seus contracheques e fizeram sua parte publicando mentiras revisadas por pares e depois enganando pacientes.

Professores de Cardiologia fazendo sua parte no “The Conversation”, outro site hackeado do estado corporativo criado para aparecer no topo dos resultados da Pesquisa Google.

Nem todos os médicos aceitaram sua parte do butim. Alguns com integridade e coragem disseram a verdade e continuam a despertar as massas desinformadas. Eles são rotulados como “teóricos da conspiração” e “anti-vacina”, mesmo que incluam nisso o cardiologista vivo mais publicado .

As pessoas estão fartas daqueles que simplesmente “fizeram seu trabalho” e pensam que podem se esconder atrás dessa desculpa no futuro. Um ponto de inflexão está se aproximando e logo esse álibi não bastará. Os milhões de pessoas despertando de seu sono não contentes em apertar o botão soneca outra vez logo deixarão de culpar aqueles que se recusaram a obedecer como eles fizeram e perceberão que compartilham a mesma luta. Pois os homens que encontram coragem naquele dia de não apertar mais o botão soneca não podem esperar.

Médico que matou alguém com a vacina que aplicou é confrontado por membro da família extremamente irritado:

Os médicos e “especialistas” e criminosos do governo não teriam conseguido nada sem a ajuda dedicada da máquina de mídia corporativa. Eles são igualmente responsáveis ​​pelas mortes rápidas e lentas de milhões. A negação plausível não será suficiente como álibi, na ausência de um mínimo de curiosidade e investigação rudimentar. Sua supressão dedicada da verdade, promovendo mentiras descaradas e propaganda, e omissão de fatos os tornam tão culpados quanto qualquer burocrata de saúde ou psico-oligarca.

Os corações partidos não são reservados para as vítimas das injeções ou protocolos de morte dos hospitais. É de partir o coração ver tantas pessoas sofrerem quando um pouco de foco e atenção, uma pequena fração de curiosidade e ceticismo poderia tê-los poupado de tanta miséria. Eles foram criados para assimilar e não questionar, e agora tudo o que podem fazer é lamentar sua escolha equivocada de se assimilar em um sistema tão podre.

A maior ferramenta de sobrevivência hoje não é o Gracie Jiu-Jitsu, instintos ou dinheiro, mas uma dose de ceticismo e objetividade antiquados. O que costumávamos chamar de saudável detector de cascata. A cascata está em toda parte, saindo da boca dos drones corporativos que recebem milhões para infestar as ondas de rádio e televião com mentiras mortais. A podridão constante ainda escorre das bocas sujas de traidores do governo escolhidos a dedo cujos dias de acerto de contas estão praticamente garantidos.

Em tempos ideológicos de grande divisão, as pessoas revertem a lealdades tribais às custas de suas próprias mentes e corpos. Se eles têm mais valor em se sentir bem em confirmar seus preconceitos do que em descobrir a verdade, eles se estabeleceram como alvos perfeitos. As crianças não compreendem ideologias e estão predispostas às consequências das más escolhas dos pais e dos decretos coercitivos de politicos imbecis que os encurralaram.

Mas quem realmente quer reconhecer que cometeu um grave erro de julgamento que arriscou suas vidas e a vida de seus filhos? A culpa e o arrependimento de enfrentar tal realidade devem ser piores que a morte. Certamente a grande indústria farmacêutica tem uma pílula para essa dor.

As evidências do genocídio continuam se acumulando dentro das pilhas de corpos que elas deixam. Taxas de câncer estão disparando. Os patologistas continuam retirando esses coágulos alienígenas de cadáveres de morte súbita e os depositando em potes de formaldeído. Esses cadáveres foram intencionalmente atribuídos erroneamente a qualquer coisa, menos ao verdadeiro culpado – cochilar, assistir TV, acordar cedo demais, dormir tarde demais, mudanças climáticas, limpar a neve no inverno, jardinagem no verão e atividades cotidianas agora utilizadas em manchetes criminais para encobrir um massacre em massa. Foi hilário no início em sua audácia, depois apenas levemente divertido, mas ninguém está rindo mais porque isso não é suficiente para suprimir toda a raiva coletiva que está crescendo.

Os mortos não mentem:

Os astecas acreditavam em sacrificar crianças aos deuses para evitar o fim do mundo. Mas não conseguiram evitar e seu mundo acabou quando os conquistadores espanhóis chegaram no início do século XVI e testemunharam o massacre em linha de montagem. Para eles, era a prova de uma civilização selvagem que não era digna de ser poupada e então eles roubaram seu ouro e massacraram seu povo.

A história se repete através dos séculos como estrofes de poesia:

eles roubaram seu ouro
e massacraram seu povo

Hoje, os oligarcas globais sacrificam crianças, adultos e nascituros em clínicas ou por meio de injeções de infertilidade e esterilidade, os sacrifícios silenciosos, atualmente levando as taxas de natalidade ocidentais ainda mais próximas do limbo civilizacional.

O coração partido de uma mulher incapaz de ter filhos não é menos doloroso do que a criança que deve tomar medicação para o coração após a Banda Pfizer instruir as agências governamentais à aprovarem suas toxinas para que os jovens e assim obter imunidade legal.

“Quer jogar hóquei ou voltar para a escola, garoto? Entre na fila para ser vacinado.”

Esses sacrifícios humanos por gerentes globais são feitos a novos deuses – eles mesmos – sob o pretexto de uma nova superstição – cientificismo – em preparação para a criação de um novo mundo onde eles se sentam no topo de todos os templos com vista para as massas de escravos que estão muito distraídos e psicologicamente subjugados para saber que aceitaram de bom grado esse papel.

Enquanto os gerentes globais tentam assumir seu status autodenominado de novos deuses, com a intenção de corromper todos em todos os governos a seu favor, para que possam se intrometer na humanidade para seu próprio divertimento e benefício pessoal, mais cedo ou mais tarde eles terão o mesmo destino que os astecas.

Sua arrogância e excesso de confiança os impedem de ver além da pilha de crânios que montaram porque no horizonte distante as forças da retribuição estão se reunindo sob as nuvens da tempestade de vingança. A humanidade está despertando lentamente e em breve não se contentará em apertar o botão soneca mais uma vez.

Todos esses corações partidos precisarão ser consertados, e com poucas alternativas mais desejáveis, eles convocarão os novos conquistadores do Grande Despertar para enfrentar os engenheiros sociais psicopatas responsáveis ​​pelo sofrimento sacrificial malthusiano em andamento. E eles estarão diante deles em julgamento, olharão em seus olhos mortos e lhes dirão sem hesitação ou misericórdia…

“Esperamos que você tenha gostado do show, mas é hora de ir. Estamos aqui para fazer com você o que você fez conosco por décadas: Roubar seu ouro e massacrar cada um de vocês.”

 

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO