A conspiração Covid contra a humanidade

7
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

A grande historiadora e estudiosa de literatura Dra. Naomi Wolf escreveu o livro mais importante de nossos tempos. Ela realmente arrasa. Depois de ler Os corpos dos outros: os novos autoritários, Covid-19 e a guerra contra o humano, você entenderá a conspiração verdadeiramente diabólica que ameaça o mundo de destruição. Em um artigo há algumas semanas, revisei o livro essencial de Robert Kennedy, O verdadeiro Anthony Fauci. Kennedy mostrou que os esforços de Fauci para promover a catástrofe global e lucrar com ela remontam a décadas. Mas a Dra. Wolf vai ainda mais longe. Ela mostra como as forças de destruição são realmente malignas.

Ela começa desde o início da chamada “pandemia” no início de 2020. Isso foi há pouco mais de dois anos, mas o mundo antes era muito diferente do que é agora. Entramos em uma nova Idade das Trevas. Na carreira da Dra. Wolf como repórter e jornalista, ela conviveu por um tempo com Chrystia Freeland, que se tornou a vice-primeira-ministra do Canadá. Dra. Wolf escreve: “A senhorita Freeland fazia parte de um pequeno grupo de “influentes” ligados ao Fórum Econômico Mundial. . .Ela e seus pares, juntamente com as elites aliadas em outros campos, eventualmente planejaram um crime contra a humanidade sem precedentes em nossos tempos – um crime que envolve o roubo de bens e a destruição de culturas, bem como mortes incalculáveis”. “Este livro”, diz ela, “é sobre como chegamos a essa angustiante encruzilhada civilizacional – engajados em uma guerra contra vastas forças impessoais com controle ilimitado sobre nossas vidas pelas liberdades que tínhamos como garantidas; como essas forças aproveitaram dois anos de pânico do COVID-19 de novas maneiras sinistras; e como, ainda assim, contra todas as probabilidades, ainda podemos vencer.”

O argumento que a Dra. Wolf apresenta para essa conclusão abrangente é simples e devastador. A cultura humana depende do contato entre as pessoas. Mas nossos grandes e poderosos mestres querem nos manter separados por meio de lockdowns, controle governamental de todas as nossas atividades e injeções de substâncias nocivas em nós. “Nesses dois anos, a pandemia do COVID-19, que começou a se desenrolar com um ‘lockdown’ global sem precedentes em março de 2020, refez fundamentalmente as relações humanas, o capitalismo e a cultura no Ocidente. Não importa que no passado tivéssemos vivido crises médicas muito mais graves sem pensar em parar todas as congregações, suspender a produção de toda cultura ou obrigar todas as pessoas saudáveis ​​a cobrirem seus rostos, fecharem seus negócios e se manterem separadas – desta vez, as elites usaram a ‘crise’ para encerrar as normas ocidentais de liberdade, o mundo centrado no ser humano e a própria civilização.

Mas essa nossa cultura, que antes pensávamos ser durável, deve ser substituída por o que? Um mundo gerido por máquinas e mediado por interfaces digitais; um mundo baseado na crueldade, sem a empatia humana como princípio organizador; um mundo em que as fronteiras, culturas e línguas nacionais são esvaziadas de significado, em que as culturas incorporam apenas os objetivos de oligarcas metanacionais, um mundo organizado para o benefício de grandes empresas farmacêuticas, alguns gigantes globais da tecnologia e tecnocratas. . .”

A princípio, você pode estar inclinado a se perguntar: “A Dra. Wolf está exagerando? O mundo não enfrentou uma ameaça real que exigiu uma ação drástica para combate-la? Uma maneira de responder a isso é dizer que as medidas “drásticas” não levaram em conta os custos, tanto econômicos quanto psíquicos, que impuseram à população mundial. Mas a Dra. Wolf, com discernimento e coragem exemplares, nos oferece uma resposta melhor que atinge o coração do perigo que nos confronta. Toda a “ameaça” foi fabricada pelos inimigos da civilização para nos controlar. “Nada disso é acidental. Nem tem nada a ver com “ciência”. Mas as medidas draconianas não pararam.”

A Dra. Wolf explica em detalhes como lockdowns e máscaras destroem a civilização. “Como você destrói a civilização? Uma maneira de um programa de máquina atingir seres humanos é atacando e desfazendo o poder mágico do toque. Um dos ditames mais fortes desde o início da pandemia foi a demanda por ‘distanciamento’, aquele verbo inorgânico e desajeitado que foi introduzido em um novo contexto e redefinido no início da pandemia. As implicações da guerra ao toque, mais de dois anos depois, são mais do que trágicas. A proximidade física não é um “extra” para os seres humanos. Sem ela, sofremos de doenças mentais que vão da depressão à ansiedade e somos vulneráveis ​​a alucinações e outras formas de psicose, como muitos estudos têm demonstrado. . . De um abraço a um aperto de mão, momentos positivos de toque humano podem acalmar o sistema nervoso, melhorar o humor e liberar endorfinas, fortalecer o sistema imunológico e estimular a cura.”

A Dra. Wolf faz um alerta terrível que ela apoia com evidências irrefutáveis. “O objetivo final é algo muito mais sombrio do que um mundo sombrio o suficiente em que todos sejam vacinados coercitivamente, estejam em risco ou não, tenham imunidade ou não, um mundo em que sejam garantidos doses de ‘reforço’ para sete bilhões de pessoas anualmente para todo sempre. O objetivo final, sendo mais específica, é garantir que nosso mundo anterior a março de 2020 desapareça para sempre, seja irrecuperável. Ser substituído por um mundo em que todo esforço humano está por trás de um paywall digital e em que todos nós pedimos permissão à tecnologia para obter acesso ao mundo físico, acesso à cultura e acesso a outros seres humanos. . .O verdadeiro objetivo não tem nada a ver com a saúde pública. O verdadeiro objetivo é destruir a cultura ocidental e humana e substituí-la por uma cultura tecno-fascista – uma cultura na qual esquecemos o que os seres humanos podem fazer. O crime perpetrado durante os anos de pandemia de 2020-22 foi talvez o maior já cometido contra a humanidade. E ainda está sendo perpetrado.”

Quando o governador Andrew Cuomo colocou Nova York “em pausa” em março de 2020, a Dra. Wolf e seu marido reagiram com espanto. “Como ambos tínhamos vivido em zonas de combate e áreas de guerra, sabíamos que o comércio nunca era fechado, mesmo nas piores crises. As pessoas precisavam continuar ganhando a vida para sobreviver à crise, e a economia precisava ser sustentada para que a comunidade sobrevivesse à crise. Ambos sabíamos pela história da guerra que quando as pessoas são proibidas de comprar e vender, elas não podem revidar. É a morte de sua economia que as mata ou leva à sua eventual escravização ou ocupação.”

Por que as elites globais estão fazendo essas coisas terríveis conosco? Em uma das passagens mais perspicazes deste livro sempre perspicaz, a Dra. Wolf explica que as elites pensam de forma diferente do resto de nós. “Pois os outros nem sempre pensam como nós. Para entender um crime tão imenso, é essencial compreender os processos de pensamento de muitas elites políticas, de oligarcas financeiros e de elites tecnológicas. . . Para entender o que está acontecendo no atual estágio da tirania, devemos entender que certas subculturas, certos líderes e certas ideologias simplesmente não possuem nossos valores centrais; e devemos encarar o fato de que esses monstros não são apenas nazistas mortos há muito tempo ou membros do PCCh distantes. Alguns monstros estão muito perto de nós. . . Para entender 2020-22, é essencial entender que o grande mal não precisa chegar na forma de um soldado marchando ou de um oficial batendo à sua porta usando botas de cano alto. Para entender como a política do COVID-19 pode ser tão coordenada e tão cruel e tão neofascista, precisamos entender que o mal humano pode vir na forma de um homem ou mulher bem vestido, distante de qualquer lealdade humana ou nacional tradicional ou decências, mas com fala mansa.”

Vamos voltar a uma pergunta que fizemos antes. Mesmo que você não goste de máscaras e isolamento, eles não são necessários para lidar com uma pandemia? A Dra. Wolf não só conhece a ciência médica que precisamos para responder a esta pergunta. Ela também é uma estudiosa da literatura inglesa que estudou epidemias em história e literatura. Ela diz: “Pessoas tuberculosas no passado às vezes eram colocadas em quarentena ou enviadas para sanatórios, mas nunca antes na história de lidar com doenças graves transmitidas pelo ar a raça humana ‘distanciou’ os saudáveis ​​uns dos outros para lidar com o risco de esse tipo de patógeno. Se o ‘distanciamento’ e o ‘mascaramento’ ‘funcionaram’ no que diz respeito a doenças respiratórias graves no ar, por que essa descoberta presumivelmente tremendamente importante agora é notícia apenas coincidentemente com o início de uma nova doença em 2020? A pergunta surge naturalmente: como lidamos com crises médicas semelhantes no passado? A resposta: por toda a devastação que essas crises trouxeram, a civilização e o comércio não foram paralisados”.

A Dra. Wolf nos diz algo sobre máscaras que esclarece e articula a repulsa que sentimos por elas. “Em todas as culturas e em todos os tempos, as máscaras representaram desindividualização e desumanização. Ladrões usam máscaras. Os carrascos usam máscaras pretas para que suas vítimas não possam vê-los. Os torturadores são mascarados. . .  Do outro lado da equação, as máscaras permitem que as pessoas sejam punidas e vitimizadas mais facilmente.”

Mas e a “pandemia” em si? Ela é especialista em painéis digitais e argumenta que não podemos confiar nos dados relatados neles. “Os ‘casos’ tabulados em um painel digital não são necessariamente gerados a partir de testes reais que são gerados a partir de amostras biológicas humanas reais. As ‘mortes’ tabuladas em um painel digital não derivam necessariamente de quaisquer cadáveres reais registrados por legistas reais em necrotérios de hospitais reais ou de diretores de funerárias recuperando corpos de casas. Um painel digital é simplesmente um produto de códigos que conta as entradas de dados de uma determinada maneira. Conta o que o desenvolvedor disse para contar.”

Como se tudo isso não bastasse, os “passaportes de vacinas” representam um perigo ainda maior para a liberdade. A elite global pode usá-los para controlar todos os nossos movimentos. “Esse mecanismo também pode cuidar diretamente da dissidência. Com um ajuste no back-end, aqueles que controlam o mecanismo podem ter certeza de nunca conceder a você um status de ‘voltar à sociedade’ ou de ‘eu não tenho COVID’. Você ficaria à mercê do que o ‘passaporte’ diz sobre seu status. Portanto, se você é um dissidente, sempre pode ser positivo para COVID sem muito recurso para desafiá-lo. E você estaria em uma categoria de segunda classe na sociedade pelo resto de sua vida. Sua família também.”

A Dra. Wolf observa que muitas pessoas já não aguentam mais. Elas resistem a máscaras, lockdowns e “vacinas” medicamente inseguras e coagidas. Ela menciona vários heróis na campanha contra a tirania, incluindo Steve Berger, membro do conselho do Mises Institute, que lhe forneceu “links de pesquisa importantes, análises impactantes de sua autoria e leu o manuscrito”; mas ela deixou um de fora. Ela mesma é uma das lutadoras mais heroicas pela liberdade hoje. Seu livro é leitura obrigatória e presta um grande serviço público. Três vivas para a Dra. Naomi Wolf!

 

 

 

Artigo original aqui

7 COMENTÁRIOS

  1. “Você ficaria à mercê do que o ‘passaporte’ diz sobre seu status”

    É curioso pensar que nós somos o que o estado diz que nós somos. Na verdade a nossa vida interior o estado não tem controle real, nem mesmo sobre aqueles indivíduos que aceitam sem questionar a lavagem cerebral da máfia estatal e suas narratvias. As pessoas tem seus próprios pensamentos, para além do que lhes diz o sistema. Mas sobre nossos corpos a gangue de ladrões oficial tem amplo e total controle. Se o estado alimenta o próprio sistema de dados e diz algo sobre a minha vida, é o que vale? vou reclamar para que para próprio estado? ou seja, com um simples toque de um teclado eu sou o que eles querem, e partir disso, uma série de organizações armadas e perigosas podem fazer o que bem desejam.

    Estamos acorrentados pela carroça satânica estatal que irá nos puxar. Ser arrastado ou andar é uma questão pessoal.

    • Só que essa carroça satânica estatal é uma carroça velha, carente de manutenção e reparo, toda garibada e que funciona na precariedade. (Tudo que é estatal acaba assim.)

      Quantos essa carroça sucateada consegue arrastar ?, não muitos.
      Logo o povo merece mesmo tudo isso, merece por andar em vez de se opor.

      Imagine 20% da população desobedencendo civilmente todas essas ordens absurdas. (sonho!)
      Na verdade não precisamos mais do que a maioria dos 20%, uns 11% do total já estaria bom, já que os outros 80% são de pessoas inertes que não pesam para nenhum dos lados.

      • Eu concordo plenamente com a desobediência civil. Se tivesse conhecido o movimento libertário com 15 anos, bem ou mal, eu ia entrar para qualquer atividade anti-estatal: sonegação de impostos, tráfico de armas e drogas, segurança privada estilo velho oeste, vagabundo bom é vagabundo morto, linchamentos e atentados contra órgãos públicos realcionados a agenda de poder estatal: justiça e cobradores de impostos. Não sei se isso é terrorrismo e o movimento libertário não condiz com a ação direta. Mas, e daí?

        Mas vamos falar de 20% da população civil desobedecendo a máfia estatal nos dias de hoje. Aqui no Bostil seriam apraximadamente 40 milhões de pessoas. A abstenção elitoral não chega a 10 milhões. Quem pode já ignora leis estatais. Sonega impostos e tals. E eu não vejo nada mudar. O que seria então, desobediência civil?

          • Em tese, isso não é desobedência civil, mas contornar o estado. Mesmo a minha atitude de não votar – meu título está cancelado, é uma vitória de Pirro, caso eu decida atravessar as fronteiras para fora da América Latina, vou ter que regularizar os “papéis”… Para a Argentina, Uruguai e Paraguai já fui por via terrestre sem lenço nem documento….

            O que falta eventualmente seria a existência de uma organização do tipo leninista – como diria o camarada Rothbard, mas que não disputasse eleições. Só ficaria na agitação, propaganda e contra-informação. Mas como disse uma vez o Cristiano Chiocca: libertários cabem em uma Komki…

            Enfim, tudo no universo libertário que não é esperar que o leviatã estatal entre em colapso sobre as suas próprias contradições – sim, aqueles mesmo -, me parece uma tremenda utopia. Nem por isso eu deixo de fazer o que eu sempre faço em termos de proselitismo libertário, seja no boteco ou nas redes.