Fauci: o Dr. Mengele americano

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Em seu novo livro de leitura obrigatória, Robert F. Kennedy, Jr. descreve como o jornalista Liam Scheff narrou os “experimentos secretos de Fauci em centenas de crianças adotivas HIV-positivas no Incarnation Children’s Center (ICC) na cidade de Nova York e em várias instalações irmãs em Nova York e seis outros estados entre 1988 e 2002” (p. 245). Ele descreve em detalhes como o “NIAID (Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas) de Fauci e seus parceiros da Big Pharma transformaram crianças adotivas negras e hispânicas em ratos de laboratório, submetendo-as a tortura e abuso em um desfile sombrio de estudos não supervisionados de drogas e vacinas. . .” (p. 246).

O verdadeiro Anthony Fauci era um ganancioso e egomaníaco empenhado em criar uma imagem de si mesmo como o Salvador do Mundo durante a crise da AIDS, enquanto gerava bilhões em lucros para seus “parceiros” da indústria farmacêutica. Os “parceiros” então dividiriam parte do saque com Fauci e outros de várias maneiras, incluindo o compartilhamento de direitos de patentes, a “porta giratória” de empregos muito bem pagos para ex-burocratas do governo, pagando “taxas de usuário” multimilionárias para o NIAID, distribuindo ações, etc.

A ​​indústria farmacêutica “remunerou o Incarnation Children’s Center. . . por fornecer crianças para os testes”, escreve Kennedy. Os “testes” envolviam dar às crianças drogas experimentais que eram “tóxicas – são conhecidas por causar mutação genética, falência de órgãos, morte da medula óssea, deformações corporais, danos cerebrais e doenças fatais da pele” (p. 246). Tortura não é uma palavra muito forte para descrever o que aconteceu com essas crianças. “Se as crianças recusavam as drogas”, diz Kennedy, “elas eram imobilizadas e obrigadas a engolir à força. Se as crianças continuarem a resistir, eram levadas ao hospital Presbiteriano de Columbia, onde um cirurgião colocava um tubo plástico em sua parede abdominal até o estômago. A partir de então, as drogas eram injetadas diretamente em seus estômagos” (p. 246). Isso não era ficção científica ou um filme de terror doentio, diz Kennedy, mas sim uma “pesquisa de AIDS” financiada pela Fauci.

Muitas dessas crianças morreram como resultado da “pesquisa”. A jornalista investigativa Vera Sharav, que passou anos investigando tudo isso, disse a Kennedy que Fauci “apenas varreu todos aqueles bebês mortos para baixo do tapete. Eles foram um dano colateral em suas ambições de carreira.” Ela disse que pelo menos 80 crianças morreram sozinhas na câmara de tortura de drogas de Fauci no lar adotivo de Manhattan.

Você provavelmente nunca ouviu falar disso, mas a BBC produziu um documentário sobre “a barbárie selvagem dos projetos científicos do Dr. Fauci” em 2004, intitulado “Guinea Pig Kids”. Um jornalista investigativo da BBC disse no documentário: “encontrei as valas comuns no cemitério Gate of Heaven em Hawthorne, Nova York. . . . Eu não conseguia acreditar nos meus olhos. Era um poço muito grande com AstroTurf jogado sobre ele. . . . Embaixo dele, podiam-se ver dezenas de caixões de madeira simples. . . acho que havia 100 deles” (p. 247).

A Administração de Serviços Infantis da Cidade de Nova York encomendou uma investigação de quatro anos dos “experimentos” do estilo Dr. Mengele de Fauci e descobriu que 80 das 532 crianças que participaram dos “testes clínicos” de Fauci morreram e 25 morreram enquanto estavam inscritos em um teste de medicamento (p. 251). Em 2003, o NIAID de Fauci estava realizando 10.906 ensaios clínicos envolvendo crianças em noventa países (p. 257). Hoje Fauci, seu parceiro bilionário Bill Gates, a Big Pharma e o Fórum Econômico Mundial estão fazendo uma campanha desesperada para que todas as crianças do mundo – até mesmo bebês – sejam injetadas com sua “vacina” mais recente. Essas são as mesmas pessoas que fantasiaram publicamente sobre todos os humanos algum dia terem uma “identidade digital” implantada em seus corpos para alcançar seu objetivo de “transumanismo”. Eles dizem que querem uma “identidade digital implantada em todos para fins de monitoramento governamental de todo o comportamento humano por algum tipo de instituição governamental super-internacional. (Onde está James Bond quando precisamos dele?).

Outro fato encantador sobre Fauci que Kennedy discute é que Fauci também financiou (com seus suados dólares de impostos) experimentos em que filhotes de cachorro da raça Beagle tinham suas cabeças trancadas em gaiolas onde podiam ser comidos até a morte por moscas. Ele também deu aos “pesquisadores” da Universidade de Pittsburgh US$400.000 para “enxertar o couro cabeludo de fetos abortados em camundongos e ratos vivos” (p. 253). Não é exatamente o tipo de trabalho que se espera de um bom menino de escola católica jesuíta como Anthony Fauci. Fauci é católico da mesma forma que o adorador do aborto Joe Biden é católico.

O homem é na realidade “um sociopata que empurrou a ciência para o reino do sadismo”, escreve Kennedy (p. 253). Quem mais, a não ser um sociopata criminoso, teria qualquer envolvimento em tais coisas? (Ou, por falar nisso, em lançar bombas atômicas sobre civis japoneses indefesos; bombardear cidades europeias inteiras ocupadas por civis; lançar milhares de bombardeios de artilharia por dia nas cidades de seu próprio país também ocupadas apenas por civis, ou seja, Atlanta, Charleston e Vicksburg durante 1861-1865; matando 400.000 filipinos por se recusarem a ser ocupados e conquistados pelo seu governo; assassinato em massa de 50.000 índios das planícies “para abrir caminho para as ferrovias”, como o general Sherman certa vez anunciou, etc., etc. ad infinitum? Mas estou divagando).

O homem mentiroso

Os burocratas do governo adoram crises como guerras, furacões, depressões, pandemias, etc. porque em tempos de crise milhões de cidadãos comuns se tornam infantis, seus QIs parecem ser cortados (no mínimo) pela metade e eles imploram por uma mamãe ou papai substitutos para protegê-los, sendo que sua nova mamãe e papai é o estado. De repente, eles estão dispostos a abandonar todas as suas liberdades civis e abraçar o totalitarismo como um homem se afogando abraça a lateral de um barco salva-vidas. Este é exatamente o comportamento de milhões de pessoas desde março de 2020.

A ausência de crise, por outro lado, cria uma crise para os burocratas do governo. Para o burocrata, existe crise de crise sempre que não existe crise real. É imperativo, portanto, que todo burocrata do governo se torne um histérico que está constantemente tentando alarmar o público com a percepção de uma crise ou crise iminente. Em outras palavras, ele é um mentiroso profissional e pode contar com os órgãos de doutrinação socialista conhecidos como “a mídia” para divulgar suas crises. Afinal, são as percepções que contam na política, não a realidade.

Fauci não é nada mais do que um simples e banal criador de crises burocráticas e mentiroso contumaz, como Kennedy documenta no Capítulo 11, “Propagando epidemias falsas: O menino que grita lobo”. No início de sua carreira no governo, Fauci estava envolvido na promoção da histeria sobre o que era chamado de “gripe suína”. O NIAID e seus controladores de fantoches da indústria farmacêutica disseram ao Congresso e à Casa Branca que a gripe suína era a mesma cepa do vírus que causou a infame epidemia de gripe espanhola de 1918, que teria matado 50 milhões de pessoas em todo o mundo. O governo despejou dinheiro no NIAID de Fauci e a Big Pharma ganhou muito dinheiro fazendo com que o presidente Ford (em 1976) lhes desse US$135 milhões para supostamente inocular 140 milhões de americanos. No final, escreve Kennedy, “o número real de vítimas da pandemia de gripe suína em 1976 não foi de 1 milhão, mas de 1” (p. 358).

Os pacientes prejudicados pela vacina experimental contra a gripe suína entraram com 1.604 ações judiciais, forçando o governo a pagar mais de US$80 milhões em danos e a incorrer em dezenas de milhões em honorários advocatícios. Kennedy acerta em cheio ao concluir que “No início da carreira do Dr. Fauci, ele aprendeu que tanto as pandemias quanto as pandemias falsas oferecem uma oportunidade de expandir o poder da burocracia e multiplicar a riqueza de seus parceiros farmacêuticos” (p. 360, ênfase adicionada).

Depois, houve a histeria da “gripe aviária” de 2005, onde Fauci mais uma vez previu uma “carnificina sem precedentes”. Desta vez, ele fez parceria com Bill Gates e contratou o agora desgraçado e desacreditado estatístico vigarista britânico Neil Ferguson para construir “modelos” que previam que até 150 milhões de pessoas poderiam morrer de gripe aviária. No final, cerca de 100 pessoas morreram e muito provavelmente tinham comorbidades que foram as verdadeiras causas da morte. Isso foi depois que o presidente Bush pediu ao Congresso US$1,2 bilhão para que a Big Pharma apresentasse outra de suas vacinas experimentais.

O truque da gripe suína de Hong Kong em 2009 foi uma cópia carbono das anteriores. Fauci prometeu “acelerar” uma vacina mais uma vez, e o EMM (escória mentirosa da mídia) obedientemente despejou sobre o público a histeria patrocinada pelo governo. Algumas coisas nunca mudam, certo?

No outono de 2009, milhares de americanos reclamaram dos efeitos colaterais devastadores da nova injeção de Fauci. Fauci prometeu ao público que a nova droga da Big Pharma era “perfeitamente segura”, mas na realidade houve “uma explosão de graves efeitos colaterais, incluindo abortos, narcolepsia e convulsões febris”, bem como “lesões neurológicas graves, paralisia causada pela síndrome de Guillian-Barré . . . e cataplexia”, bem como lesão cerebral (p.365). Algumas coisas nunca mudam. A epidemia nunca se materializou e “Como de costume, não houve investigação do Dr. Fauci ou de outras autoridades médicas que coreografaram essa fraude de bilhões de dólares” (p. 366). O Congresso nunca iria “investigar” porque muitos dedos seriam apontados para eles por financiarem toda a farsa. Eles apenas coletam seus milhões em “contribuições de campanha” da Big Pharma como uma forma de retribuição pelos milhões em dólares do contribuinte dados a essas corporações e, em seguida, passam para a próxima crise de saúde falsa, pela qual também não assumirão qualquer responsabilidade.

Em 2016, Fauci desviou bilhões de pesquisas financiadas pelos contribuintes sobre malária, gripe e tuberculose para seu mais novo golpe, o “vírus zika”. Na hora, ele enriqueceu seus parceiros da Big Pharma com US$ 2 bilhões para produzir mais uma vacina para prevenir a microcefalia, um suposto efeito do vírus zika. Ao final, foram 15 casos do vírus nos EUA e nenhum deles foi associado à microcefalia. A “dengue” foi outro golpe de Fauci naquele mesmo ano que canalizou bilhões adicionais para a Big Pharma com – surpresa! – exatamente os mesmos cenários e resultados.

Em cada instância, escreve Kennedy, Fauci e outros no NIH, FDA e CDC enchem os comitês que votam pela permissão para comercializar todas essas drogas experimentais com pessoas que têm conexões com as Grandes Indústrias Farmacêuticas ou que são atuais executivos de uma ou outra empresa farmacêutica. É tudo manipulado, tudo permeado por montanhas de mentiras repetidas continuamente pela mídia mentirosa que embolsa milhões ou bilhões em receita de publicidade da Big Pharma. (Você assistiu à televisão ultimamente?). Não se trata de saúde pública (ou privada) de forma alguma, mas de ganhar mais bilhões para a Big Pharma, de inchar o orçamento do NIAID ainda mais do que já é, enquanto joga algumas migalhas para o elenco de apoio da Big Pharma que são os seus cãezinhos da “burocracia da saúde pública” e do mundo acadêmico. Eles pretendem manter esse esquema fraudulento para sempre – mesmo que ele te mate.

 

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Nunca uma comparação foi tão precisa! De maneira que considerar o movimento nazista uma ideologia de esquerda faz todo o sentido, levando em consideração que 100% dos aloprados da esquerda apoiam a bem nomeada, ditadura nazicovidiana.

    E a ironia disto tudo é esse genocida ter recebido um milhão de dólares do estado de Israel, por serviços prestados à humanidade. Agora só falta plantar uma árvore na Avenida dos Justos.

    Este livro não receberá nenhuma resenha na imprensa brasileira. Talvez até alguns exemplares importados sejam queimados na praça pública como exemplo de fake news…