Lange, Mises e Praxeologia: O afastamento do marxismo

0

A maioria dos economistas está familiarizada com a controvérsia sobre a possibilidade de cálculo econômico sob o socialismo, e com o fato de que Ludwig von Mises e Oscar Lange foram os dois grandes protagonistas desse debate.[1] Muitos também estão familiarizados com a ironia de Lange que disse que, por ter apresentado o problema que Lange acreditava que o socialismo poderia resolver prontamente, “uma estátua do professor Mises deveria ocupar um lugar de honra no grande salão do Ministério da Socialização ou do Conselho Central de Planejamento do estado socialista”.[2] À luz do rápido afastamento do planejamento central socialista em direção a um mercado livre na Europa Oriental nos últimos anos, parece que a ironia de Lange pode muito bem se aplicar a ele mesmo.

Muito menos conhecido, no entanto, é um afastamento paralelo da teoria econômica marxista nos últimos anos de Oskar Lange, um afastamento, além disso, feito a passos largos em direção à teoria econômica e à metodologia de ninguém menos que seu antigo oponente. A contribuição mais distinta de Mises para a economia foi seu conceito e elaboração da teoria econômica como praxeologia (ou praxiologia), a lógica formal e geral da ação humana, da atividade intencional humana usando meios escassos para alcançar os fins preferidos.[3] Sendo um dos principais economistas poloneses, Lange estava muito familiarizado com as teorias praxeológicas do distinto filósofo polonês contemporâneo, Tadeusz Kotarbinski. Enquanto a concepção específica de praxeologia de Kotarbinski difere consideravelmente de Mises, enfatizando a análise da ação eficiente e também hostil, elas se unem ao enfatizar a essência da praxeologia como uma teoria geral da ação racional.[4][5] Em sua obra final, póstuma, concebida como o primeiro tratado de economia em vários volumes, Oskar Lange dedicou muito tempo ao doloroso reconhecimento de que a economia deve abranger tanto a praxeologia quanto o marxismo. A ironia particular é que Lange dedicou grande atenção a uma teoria econômica de seu antigo rival anti-socialista que ainda permanece quase desconhecida no pensamento econômico ocidental convencional.

Lange intitulou o Capítulo 5 de sua Economia Política póstuma, “O Princípio da Racionalidade Econômica. Economia Política e Praxiologia”. Ele começa o capítulo com a afirmação decididamente não-marxista, mas praxeológica, de que “a atividade econômica humana é uma atividade consciente e intencional”, que “consiste na realização de determinados fins pelo uso de certos meios”.[6] Ele prossegue apontando que a economia capitalista de mercado não apenas desenvolveu atividade lucrativa, mas que essa atividade lucrativa era racional, quantificando fins e meios através de um cálculo em termos de dinheiro. Aqui Lange está implicitamente voltando à velha controvérsia do cálculo. O cálculo econômico possibilitado pelo dinheiro e a invenção da contabilidade de partidas dobradas no mercado capitalista permitiram a ação para a maximização do lucro e da renda em dinheiro e, portanto, para a realização mais eficiente dos fins do homem. Desta forma, a maximização do lucro sob o capitalismo é alcançada seguindo o princípio econômico ou princípio da racionalidade econômica, um princípio que permite o grau máximo de realização dos próprios fins por determinado gasto, bem como o gasto mínimo de meios para um determinado grau de realização de seus fins. A primeira variante é o “princípio da maior eficiência”; a última, o “princípio do gasto mínimo, ou economia de meios”, ou custo mínimo.[7] O uso racional dos meios, segundo esses critérios, é o seu uso ótimo; qualquer outro uso de meios Lange concorda em considerar um desperdício. Em apoio a esses princípios econômicos, Lange cita o conceito praxeológico geral de Kotarbinski: “Quanto mais valioso o produto de uma determinada experiência, mais produtivo é o comportamento; por outro lado, quanto menor for o gasto na consecução de um determinado objetivo, mais econômico será o comportamento”.

Lange passa a prestar homenagem à grande conquista da economia capitalista de mercado ao chegar a esse princípio econômico racional. Apesar da racionalidade privada e não “social” predominante, e apesar de problemas como o ciclo econômico, Lange declara que “a racionalização da atividade econômica dentro da empresa capitalista, a prática de proceder de acordo com o princípio da racionalidade econômica e, especialmente, a consciência deste princípio no pensamento humano, tudo isto constitui uma conquista de significado histórico… no mesmo nível do avanço imponente na técnica material feita dentro do modo de produção capitalista… ela mesma intimamente ligada à aplicação do princípio da racionalidade econômica na empresa”.[8]

Depois de afirmar de forma bastante superficial que o socialismo prosseguirá para expandir essa racionalidade para o planejamento social e para áreas de ação como análise de entrada-saída, tecnologia e estratégia e tática militar[9], Lange passa a identificar esse estudo dos princípios racionais de ação como praxeologia, a lógica da atividade racional, e detalha a história desse conceito. De Mises, Lange descobriu que o termo “praxeologia” foi usado pela primeira vez pelo historiador francês Alfred Espinas em 1890.[10] [11]

Passando ao trabalho praxeológico mais desenvolvido de Kotarbinski, Lange critica o tratamento estreito e tecnológico do filósofo polonês do conceito como a ciência da atividade efetiva ou eficiente; em vez disso, observa Lange, a praxeologia é realmente uma “racionalidade metodológica” mais ampla, de alguém fazer o melhor de acordo com o conhecimento que possui, de modo que é melhor definir a praxeologia como a ciência da atividade racional. Ao optar por esse conceito mais amplo, mais formal e mais geral, Lange vai muito além da formulação kotarbinskiana e misesiana da teoria.

A praxeologia, acrescenta Lange, engloba nesta rubrica da atividade racional categorias como: fins e meios, método, ação, plano, eficiência e economia. Os princípios praxeológicos de comportamento compreendem as relações entre as categorias praxeológicas, e o princípio da racionalidade econômica (ou o “princípio econômico”) é um desses princípios praxeológicos de comportamento. Dessa forma, Lange concorda com Mises que o próprio princípio econômico está embutido nos princípios praxeológicos mais amplos da ação humana geral. Além disso, ele concorda que os princípios praxeológicos até então haviam sido elaborados apenas no campo da economia, como afirma Mises, e também na ética.

Lange, no entanto, agora se encontrava à beira de uma posição precária: a tese de Mises de que a praxeologia até então havia sido elaborada apenas na teoria econômica e que, portanto, economia e praxeologia, embora concebivelmente de escopo diferente no futuro, agora são virtualmente idênticas.  Assumir tal posição significaria, para Lange, estar perto de se tornar um economista misesiano e da Escola Austríaca. Afastando-se desse precipício, Lange se apressa em acrescentar que a praxeologia inclui não apenas a teoria econômica do tipo de Mises, mas também a teoria geral das decisões estatísticas, pesquisa operacional, programação, análise de entrada-saída e cibernética. Lange parecia não perceber que, ao se apressar em incluir essas disciplinas, junto com a teoria econômica, na rubrica da praxeologia, ele estava retornando ao conceito tecnológico muito diferente – a manipulação tecnológica de meios para alcançar um determinado fim – que Lange já havia rejeitado em Kotarbinski.[12] Ao lembrar-se de repente de prestar seus respeitos ao marxismo, Lange acrescenta como uma reflexão tardia que o materialismo dialético em parte baseia sua cognição no “princípio praxeológico” de proceder de acordo com o “critério da prática”.[13]

Dos princípios praxeológicos do comportamento, e especialmente do princípio econômico, acrescenta Lange, pode-se deduzir um considerável edifício de leis econômicas: como uma tentativa geral de maximizar o lucro e investir o capital à mais alta taxa de lucro, levando assim a uma tendência à uma taxa de lucro uniforme em toda a economia. Desta forma, Lange aceita a metodologia misesiana dedutiva essencial para a teoria econômica: começando com princípios praxeológicos amplamente gerais como axiomas, e a partir deles elaborando leis necessárias por dedução lógica. Enquanto Lange tenta qualificar esta concordância afirmando que são necessários testes empíricos para ver se várias ações econômicas são “racionais” ou “costume-tradicionais”, seu alinhamento básico com a metodologia misesiana ainda permanece.

Mais adiante no livro, Lange volta a lidar com a praxeologia por meio de uma crítica da teoria da utilidade subjetiva, um tópico que geralmente ocupa pouco ou nenhum espaço nas obras marxistas.[14] Ele começa com uma história da teoria do valor e da base da economia em século XIX, que é perfeitamente aceitável para qualquer economista moderno: do clássico “homem econômico” ao utilitarismo e hedonismo benthamita, à troca de serviços de Bastiat e à escola da utilidade marginal subjetiva. Esta última começou com o hedonismo jevoniano e depois se desenvolveu na interpretação praxeológica austríaca da utilidade não como “prazer”, mas como a realização do objetivo da atividade econômica, independentemente da natureza desse objetivo. O objetivo pode ser prazer, dinheiro, poder, saúde ou qualquer coisa que seja; a visão austríaca simplesmente afirma que a atividade econômica tem algum objetivo, ou preferência, que constitui o objetivo da ação. Como Lange corretamente conclui: “Nesta interpretação praxiológica, a tendência subjetivista deixa de lado todas as considerações psicológicas e se transforma em uma lógica de ‘escolha racional’ visando a maximização da preferência.”[15]

Lange então prossegue com uma história do desenvolvimento dessa teoria geral e formal da utilidade como preferência ordinal. Ele vê que a Escola Austríaca (Menger, Wieser, Böhm-Bawerk) foi muito mais completa em sua aplicação da teoria da utilidade marginal subjetiva do que a atualmente muito mais influente Escola de Lausanne (Walras, Pareto) ou do que Alfred Marshall. Pois os austríacos aplicaram a teoria da utilidade marginal a toda atividade lucrativa, enquanto a outra escola a aplicava apenas aos consumidores. Na visão austríaca e praxeológica, tanto o objetivo dos consumidores de maximizar a utilidade quanto o objetivo dos produtores de maximizar a renda monetária ou o lucro se enquadram na única rubrica de maximizar as preferências e da utilidade marginal. A história de Lange aqui é deficiente em identificar Pareto parcialmente com a abordagem austríaca enquanto negligencia totalmente o papel praxeológico do oponente italiano de Pareto, Benedetto Croce. Além disso, ele também negligencia a adoção de um conceito geral e puramente ordinal de utilidade marginal pelo economista da Escola Austríaca Tcheca Franz Čuhel, e seguindo Čuhel por Ludwig von Mises em 1912, muito antes do famoso artigo de Hicks e Allen de 1934.[16] Porém, Lange está correto ao citar uma interpretação praxeológica da utilidade de Max Weber já em 1908, na qual Weber afirmava que a utilidade marginal deveria ser formulada, não em termos psicológicos como prazer, mas em categorias “pragmáticas” como fins e meios.[17]

Até este ponto, nosso marxista estava disposto a seguir a economia praxeológica. Mas aqui Lange se deparou com um precipício ainda mais acentuado do que antes: pois assim como era importante para ele negar que a praxeologia pudesse ser confinada à economia, era ainda mais importante para ele negar que toda a teoria econômica é um subconjunto da praxeologia. Pois se esse fosse realmente o caso, o que isso causaria ao marxismo?

E assim Lange se separa do passo final no desenvolvimento da economia praxeológica: a transformação da economia em um ramo da praxeologia. Separada agora dos objetos concretos, a análise econômica tornou-se uma ciência formal do comportamento racional, da maximização das grandezas. Por outro lado, os aspectos formais de todo comportamento racional tornaram-se analisáveis ​​pelo princípio econômico.[18]

Para essa transformação da economia em um ramo da praxeologia, Lange cita Lionel Robbins e sua conhecida descrição da economia como um certo aspecto de toda atividade, ou seja, a relação entre meios escassos e fins alternativos, e a escolha entre esses fins.[19] Ele também dedica atenção ao economista austríaco Hans Mayer, e a Max Weber, que deu origem à distinção robbinsiana entre economia como escolha de meios entre fins e tecnologia como escolha de meios para realizar um determinado fim.[20] Embora essa distinção seja bastante simplista – negligenciando, por exemplo, o ponto de que considerações econômicas e tecnológicas entram até mesmo na escolha de meios para um único fim – Lange está incorreto ao alegar que a distinção não tem sentido porque a hierarquia de fins alternativos está toda voltada para um fim principal: a maximização da utilidade. Lange não percebe que “utilidade”, para a escola praxeológica, não é uma coisa ou uma entidade em si, mas é simplesmente o rótulo colocado nos rankings de preferência que cada um faz entre seus vários fins. “Maximizar a utilidade” significa simplesmente o princípio formal de que um homem tenta atingir o que está na posição mais alta de seu ranking, seu fim mais preferido, em vez de seu fim menos preferido.[21]

Lange aponta que essa transformação da economia em um ramo da ciência universal da praxeologia culminou na Ação Humana de Ludwig von Mises em 1949. A economia política clássica estava agora totalmente transformada em uma teoria geral da ação humana, dos atos de escolha. A economia deixa de ser uma ciência empírica com fenômenos “reais”, mas uma lógica formal de escolha, onde o único critério de verdade é a concordância com os axiomas originais. A teoria econômica torna-se empiricamente verdadeira na medida em que qualquer ação concreta é regida pelo princípio econômico. Lange é particularmente crítico porque todas as leis da economia praxeológica e subjetiva são consideradas por Mises e pelos austríacos precedentes como aplicáveis ​​à economia de Crusoé, bem como à economia de troca. A hostilidade de Lange a esse “irrealismo” decorre precisamente do fato, como ele aponta, de que a aplicação à economia de Crusoé implica que as leis da economia são universais e apodíticas para todo tempo e lugar, independentemente do conteúdo concreto das relações sociais ou da atividade econômica. Por meio da praxeologia, a economia, como as ciências naturais, transcendeu os dados concretos e mutáveis ​​da história e assumiu o caráter de uma ciência universal e apodítica. Como Lange caracteriza essa posição: “As relações sociais historicamente condicionadas podem influenciar a forma concreta em que essas leis se manifestam, mas não podem mudar seu caráter básico”.[22] Enquanto Lange está disposto a conceder esse caráter universal e trans-histórico à praxeologia, ele não quer admitir que a economia seja apenas um subconjunto da praxeologia e, portanto, assuma o mesmo caráter atemporal. Pois se fosse assim, o marxismo, com suas proclamadas leis de determinismo histórico, teria de ser completamente abandonado.

O método característico dos economistas praxeológicos no desenvolvimento de suas análises, aponta Lange, é começar com a economia de um Robinson Crusoé isolado, uma análise que elucida as leis básicas dos homens em relação às coisas. Então, outras pessoas são trazidas, e as trocas entre esses indivíduos são explicadas como cada pessoa escolhendo desistir de algo que deseja menos para obter algo que deseja mais. As trocas tornam-se assim resultantes das atitudes e preferências subjetivas dos indivíduos participantes. Lange reclama que esse processo de começar com o homem vis à vis a natureza é o oposto da concepção marxista, que se concentra nas “relações econômicas entre os homens – relações de produção e relações de distribuição”. Ele cita ainda o marxista Rudolf Hilferding, em sua acusação de que a economia da Escola Austríaca de Böhm-Bawerk “toma como ponto de partida de seu sistema a relação individual do homem com as coisas. Concebe as relações do ponto de vista psicológico, como sujeitas a leis naturais invariáveis; exclui relações de produção socialmente determinadas, e… o desenvolvimento do processo econômico de acordo com leis definidas é totalmente estranho a ela.”[23] Isso, com certeza, é a liquidação da “economia política” clássica.

Mas enquanto Lange acusa a economia subjetivista de ignorar as relações econômicas reais entre os homens, ele também afirma corretamente que essa escola de pensamento trata as categorias econômicas do capitalismo “como categorias praxeológicas gerais, categorias de atividade humana racional…”[24] Salários, capital, lucro tornam-se categorias universais independentes da formação histórica da sociedade e, portanto, o capitalismo torna-se uma exigência universal da atividade econômica racional. Lange vê que isso leva ao cerne da controvérsia do cálculo de Mises-Lange sobre se a atividade econômica racional requer a propriedade privada dos meios de produção.[25] Mas então Lange dificilmente pode estar correto ao acusar a economia praxeológica de ignorar relações sociais e econômicas concretas; pelo contrário, sua queixa real é que dessas leis econômicas abstratas e universais pode ser deduzida a necessidade real do capitalismo de mercado para sustentar uma economia racional.

Assim, enquanto Lange está disposto a conceder a universalidade do princípio econômico, e a realização da economia subjetivista em descobrir uma praxeologia que pode ser aplicada à economia política e a outros campos, é claro que ele não está disposto a conceder que a economia seja exclusivamente praxeológica. O restante da discussão de Lange é uma tentativa insatisfatória de delinear o que o marxismo ou qualquer outra teoria econômica poderia acrescentar à praxeologia na formação da economia. Ele menciona discussões institucionais sobre a organização social da produção, do Estado, do trabalho, da renda nacional etc. mas a questão não respondida é o papel dessas categorias na teoria econômica em comparação com um acúmulo de dados institucionais aos quais essa teoria pode ser aplicada. Lange também cita com aprovação o ataque à Escola Austríaca subjetivista feito pelo economista polonês Stanislaw Brzozowski, que acusou os austríacos de apenas analisarem as relações entre o homem e as coisas dadas, e englobariam uma teoria do consumo em vez de uma “teoria completa da sociedade”. Em primeiro lugar, isso contradiz a visão anterior de Lange de que os austríacos, em contraste com Marshall e a Escola de Lausanne, estenderam sua análise subjetivista do consumo à produção e aos fatores produtivos; as “coisas dadas” constituíam apenas o primeiro passo em sua análise completa.

Em segundo lugar, por que deveria ser um defeito da economia praxeológica não oferecer uma “teoria completa da sociedade?” A física deve ser condenada porque não é química? Uma teoria completa e correta da sociedade foi oferecida por alguma esfera da economia ou da ciência social?

Lange prossegue com tentativas indignas e bastante absurdas de submeter os economistas da Escola Austríaca a uma “sociologia do conhecimento” marxista. A Escola Austríaca, afirma ele, é a economia dos aposentados e dos fiscais da receita, porque discute apenas o consumo e não a produção; e Nikolai Bukharin é citado ao afirmar que a Escola Austríaca, com sua concentração no consumo, é a “economia política do rentista”.[26] Isso não apenas contradiz a concessão anterior de Lange à integração austríaca de produção e consumo, mas também nos deixa com o quebra-cabeça de como “explicar” uma economia orientada para o consumo como a de John A. Hobson ou J.M.Keynes? Eles também devem ser descartados como “rentistas”, mesmo Keynes que clamou pela “eutanásia” dessa mesma classe? A segunda tentativa de Lange é “explicar” a metodologia abstrata e irrealista austríaca como produto da profissionalização da economia nas universidades no final do século XIX, que então se desenvolveu “isolada do processo produtivo”.[27] Mas enquanto os primeiros economistas clássicos podem não ter sido tão profissionalizados, eles também não eram – excetuando-se Ricardo – empresários e, portanto, igualmente estavam “cortados” do processo produtivo. Nem o professor universitário Adam Smith nem o funcionário público Mill estavam mais próximos do processo produtivo do que Menger ou Böhm-Bawerk. Além disso, um pouco mais adiante no livro Lange muda de atitude e saúda a profissionalização de toda a pesquisa científica no século passado por levar a uma autonomia da ciência, a uma atitude crítica em relação ao sistema social e a uma ciência que “se torna independente do meio social” que a produz”.[28]

Lange declara que, como a burguesia tinha que saber o que realmente estava acontecendo na economia, não poderia seguir completamente o caminho austríaco de liquidar a economia política. Portanto, os neoclássicos anglo-americanos mais “realistas” continuaram a estudar problemas econômicos tão importantes como dinheiro, ciclos econômicos, crescimento e comércio internacional. O que Lange ignora aqui é que os subjetivistas austríacos estudaram e chegaram a uma posição sobre todas essas importantes questões, de modo que o que ele vê como seu “isolamento” abstrato se aplica apenas às leis fundamentais e não aos ramos mais desenvolvidos e aplicados da teoria. Basta mencionar a teoria do “mau investimento monetário” de Mises-Hayek dos ciclos econômicos para ver como a economia praxeológica tem sido aplicada a problemas econômicos vitais e realistas. O problema, no entanto, é que Lange não pode estar muito feliz com as conclusões políticas dos austríacos nessas áreas: moeda ultra sólida, padrão-ouro, capitalismo laissez-faire. Novamente, o problema não é tanto a relevância do método, mas o tipo de conclusões que são obtidas.

A notável adoção de Lange da praxeologia misesiana como a principal base para a economia, na qual as abordagens marxistas e outras foram então enxertadas às pressas, encontrou reações previsivelmente mistas nos círculos marxistas. Mais impressionante foi a crítica laudatória de Lange por Ronald Meek, o distinto historiador inglês do pensamento econômico.[29] O professor Meek, resumindo o longo capítulo de Lange sobre o Princípio da Racionalidade Econômica, observa que “significativamente, as referências à obra de Marx se tornam puramente incidentais”.[30] Meek considera “interessante e paradoxal” que a praxeologia, que “agora se tornou um complemento indispensável da economia marxista”, tenha sido a culminação de uma tendência subjetivista violentamente antimarxista na economia “burguesa”.[31] O paradoxo pode muito bem ser colocado ao contrário: o de um importante economista marxista adotando a economia de seus próprios oponentes e dos principais oponentes do marxismo, e então tentando desesperadamente insistir que ainda há espaço para abordagens marxistas e institucionais na rubrica mais ampla da economia política.

Para os “fundamentalistas” marxistas, por outro lado, o movimento Lange-Meek é visto pelo que genuinamente é: um enorme afastamento “revisionista” do marxismo. Em sua resenha de Meek, Ben Brewster escreve desesperadamente: “… pois se as relações de produção são um princípio geral que governa a sociedade, esta se torna apenas a totalidade da interação social humana; não há nenhuma especificidade do nível econômico e a distinção entre base e superestrutura se desfaz. O resultado é que no último ensaio do livro (o ensaio do título), Meek aparentemente se apaixona pelo princípio mais geral da sociedade e pela ideologia mais burguesa de todas, a “Praxiologia” de von Mises (o princípio de toda ação racional) na tentativa puramente ideológica de Lange de enxertar a economia marxista e neoclássica”.

E assim, à medida que o pensamento econômico marxista se junta às economias reais do Leste Europeu em uma fuga precipitada do marxismo e do planejamento central socialista para os modos de pensamento e sistemas econômicos ocidentais e capitalistas, a ironia original de Oskar Lange está realmente começando a retornar para ele: talvez a economia capitalista, mercado livre, de uma futura Polônia erguerá uma estátua de Lange ao lado do monumento ao seu antigo antagonista?

 

 

Artigo original aqui

[Originalmente publicado em Toward Liberty (Menlo Park, Califórnia: Institute for Humane Studies, 1971), vol. 2, pp. 307-21. Publicado no Economic Controversies]

_________________________________

Notas

[1] Ver Ludwig von Mises, Socialism (New Haven: Yale University Press, 1951); F.A.von Hayek, ed., Collectivist Economic Planning (Londres: George Routledge and Sons, 1935); e Oskar Lange e Fred M. Taylor, On the Economic Theory of Socialism (Nova York: McGraw-Hill, 1964). Para um resumo e uma crítica da controvérsia, veja Trygve J.B. Hoff, Economic Calculation in the Socialist Society (Londres: William Hodge and Co., 1949).

[2] Lange e Taylor, pp. 57-58

[3] Ver particularmente Ludwig von Mises, Human Action (New Haven: Yale University Press, 1949).

Para uma discussão sobre a praxeologia de Mises e sua relação com metodologias econômicas anteriores, veja Israel M. Kirzner, The Economic Point of View (Princeton, N.J.: D. Van Nostrand, 1960).

[4] Para Mises sobre Kotarbinski, veja Ludwig von Mises, The Ultimate Foundation of Economic Science (Princeton, N.J.: D. Van Nostrand, 1962), pp. 42, 135. O mais acessível dos escritos de Kotarbinski é seu “Idée de la methodologie genérale praxeologic,” Travaux du IXe Congres International de Philosophie (Paris, 1937), IV, 190-94.

[5] Oskar Lange, Economia Política (Nova York: Macmillan, 1963).

[6] Lange, p.148.

[7] Lange aqui aceita explicitamente o conceito moderno de que o fim último não é cardinal ou quantificável, mas sim um conjunto ordenado e ordinal de preferências. Lange, pp. 167-68.

[8] Lange, p.176.

[9] O trabalho inicial de Kotarbinski foi sobre praxeologia aplicada à teoria da ação hostil. Veja Mises, Ultimate Foundation, pp.42, 135.

[10] No artigo de Espinas, “Les Origines de la technologie”, Revue Philosophique, ano XV (julho-dezembro de 1890), pp. 114-15, e em seu livro com o mesmo título, publicado em Paris em 1897. Veja Mises, Human Action, p. 3n.

[11] Eugen Slutsky, “Ein Betrag zür formalpraxeologischen Grundlegung der Oekonomik,” em Annales de la classe des sciences sociales-economiques, Academie Oukranienne des Sciences, Vol.4 (Kiev, 1926).

[12] Sobre os princípios econômicos versus os tecnológicos, ver Lionel Robbins, The Nature and Significance of Economic Science (Londres: Macmillan, 1935), um trabalho fortemente sob a influência de Mises, Richard Strigl e outros da Escola Austríaca; e Kirzner, pp. 108-45. Ver também Rutledge Vining, Economics in the United States of America (Paris: UNESCO, 1956), pp. 1-37.

[13] Lange, p. 190n.

[14] Lange, pp. 229ff.

[15] Lange, p. 236.

[16] A contribuição decididamente praxeológica de Croce para a economia pode ser encontrada em seu fascinante debate com o positivista Pareto sobre metodologia econômica, escrito em 1900 e 1901. Ver Benedetto Croce, “On the Economic Principle”, em International Economic Papers, No. 3 (1953), pp. 172-79, 197-202. Para uma apreciação do trabalho de Croce, ver Giorgio Tagliacozzo, “Croce and the Nature of Economic Science”, Quarterly Journal of Economics (maio de 1945), e Kirzner, pp. 155ss.

A grande contribuição de Čuhel foi seu Zür Lehre von der Bedurfnissen (Innsbruck, 1907). Sobre Čuhel, ver Eugen von Böhm-Bawerk, Capital and Interest (South Holland, III: Libertarian Press, 1959), II, 191, 193-94, 423, 431-32; III, 124-36, 232-33. O desenvolvimento de Čuhel por Mises está em seu Theory of Money and Credit (New Haven: Yale University Press, 1953), pp. 38ss.

[17] Em Max Weber, “Die Grenznutzlehre und das ‘psychophysische Grundgesetz’, “Gesammelte Aufsatze zür Wissenschaftslehre (2ª ed., Tubingen, 1951), pp. 364ss. No artigo de Weber, veja Emil Kauder, A History of Marginal Utility Theory (Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1965), pp. 116-17 136-37.

[18] Lange, Economia Política, p. 237.

[19] Robbins, The Nature and Significance of Economic Science. Sobre a relação entre os pontos de vista de Robbins e Mises sobre a natureza da economia, que, no entanto, subestima muito suas semelhanças, ver Kirzner, Economic Point of View, pp. 108-186. Agrupando-os mais de perto está Ludwig M. Lachmann, “The Science of Human Action”, Economica (novembro de 1951): 413.

[20] Hans Mayer, “Untersuchungen zu dem Grundgesetz der wirtschaftlichen Wertrechnung,” Zeitschrift für Volkwirtschaft und Sozialpolitik (Viena: Franz Deutsche, 1921), vol. 2, pág. 5; Max Weber, The Theory of Social and Economic Organization (New York: Oxford University Press, 1947), pp. 162, 209. Para uma crítica das opiniões de Weber sobre a metodologia econômica, ver Ludwig von Mises, Epistemological Problems of Economics (Princeton, N.J.: D. Van Nostrand, 1960), pp. 74-106. Sobre Mayer, ver Kauder, A History of Marginal Utility Theory, pp. 107ss.

[21] Kirzner cai no mesmo erro. Kirzner, Economic Point of View, p. 134.

[22] Lange, Economia Política, p. 242.

[23] Para uma tradução ligeiramente diferente desta passagem, veja Paul M. Sweezy, Böhm-Bawerk’s Criticism of Marx, em Rudolf Hilferding, eds. (Nova York Augustus M. Kelley, 1949), p. 196.

[24] Lange, Economia Política, p. 298.

[25] Ibid., pág. 298n.

[26] Lange, Economia Política, pp. 300ss. O próprio Lange é um pouco duvidoso nesse ponto, já que o capitalismo na Áustria não era tão desenvolvido como nos outros países ocidentais, onde a economia subjetivista e praxeológica não se firmou.

[27] Ibid., pp. 301-02.

[28] Ibid., pp. 314ss.

[29] Ronald L. Meek, Economics and Ideology and Other Essays (Londres: Chapman e Hall, 1967), pp. 216ss.

[30] Ibid., pág. 216.

[31] 1Ibid., pág. 218.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.