A ECONOMIA A SERVIÇO DO ESTADO: O EMPIRICISMO DE RICHARD T. ELY

0
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

A Primeira Guerra Mundial foi a apoteose da crescente noção de intelectuais como servidores do Estado e sócios minoritários no governo do Estado. Na nova fusão de intelectuais e Estado, cada um foi de extrema ajuda para o outro. Os intelectuais poderiam servir ao Estado desculpando-se e fornecendo justificativas para seus atos. Os intelectuais também eram necessários para ocupar cargos importantes como planejadores e controladores da sociedade e da economia. O Estado também poderia servir aos intelectuais restringindo a entrada e, assim, aumentando a renda e o prestígio das diversas ocupações e profissões. Durante a Primeira Guerra Mundial, os historiadores foram de particular importância ao fornecer ao governo propaganda de guerra, convencendo o público do mal singular dos alemães ao longo da história e dos desígnios satânicos do Kaiser. Economistas, particularmente economistas empíricos e estatísticos, foram de grande importância no planejamento e controle da economia de guerra do país. Os historiadores que desempenham papéis proeminentes na máquina de propaganda de guerra foram estudados muito extensivamente; economistas e estatísticos, desempenhando um papel menos flagrante e supostamente “sem juízo de valor”, receberam muito menos atenção.[1]

Embora seja uma generalização obsoleta dizer que os economistas do século XIX foram defensores fervorosos do laissez faire, ainda é verdade que a teoria econômica dedutiva provou ser um poderoso baluarte contra a intervenção do governo. Pois, basicamente, a teoria econômica mostrava a harmonia e a ordem inerentes ao livre mercado, bem como as distorções contraproducentes e os grilhões econômicos impostos pela intervenção estatal. Para que o estatismo dominasse a profissão de economista, era importante desacreditar a teoria dedutiva. Uma das maneiras mais importantes de desacreditá-la foi promover a noção de que, para ser “genuinamente científica”, a economia tinha que evitar a generalização e as leis dedutivas e simplesmente se engajar na investigação empírica dos fatos da história e das instituições históricas, esperando que, de alguma forma, as leis acabariam por surgir dessas investigações detalhadas.

Assim, a Escola Historicista Alemã, que conseguiu assumir o controle da disciplina de economia na Alemanha, proclamou ferozmente não apenas sua devoção ao estatismo e ao controle governamental, mas também sua oposição às leis dedutivas “abstratas” de economia política. Este foi o primeiro grande grupo dentro da profissão de economista a defender o que Ludwig von Mises mais tarde chamaria de “antieconomia”. Gustav Schmoller, o líder da Escola Historicista, declarou orgulhosamente que sua principal tarefa e de seus colegas na Universidade de Berlim era formar “a guarda-costas intelectual da Casa de Hohenzollern”.

Durante as décadas de 1880 e 1890, jovens brilhantes estudantes de pós-graduação em história e ciências sociais foram para a Alemanha, o lar da graduação Ph.D., para obter seus doutorados. Quase sem exceção, eles voltaram aos Estados Unidos para ensinar em faculdades e nas recém-criadas escolas de pós-graduação, impregnadas com a emoção da “nova” economia e ciência política. Foi uma “nova” ciência social que enalteceu o desenvolvimento alemão e bismarckiano de um poderoso Estado de bem-estar social e guerra, um Estado aparentemente acima de todas as classes sociais, que fundiu a nação em um todo integrado e supostamente harmonioso. As novas sociedade e política deveriam ser dirigidas por um poderoso governo central, cartelizando, ditando, arbitrando e controlando, eliminando assim o capitalismo competitivo do laissez-faire, por um lado, e a ameaça do socialismo proletário, por outro. E no comando da nova dispensação ou perto dele deveria estar a nova geração de intelectuais, tecnocratas e planejadores, dirigindo, fornecendo pessoal, propagando e promovendo “desinteressadamente” o bem comum enquanto governavam e dominavam o resto da sociedade. Em suma, fazer bem fazendo o bem. Para a nova geração de intelectuais progressistas e estatistas nos EUA, essa era realmente uma visão arrebatadora.

Richard T. Ely, virtualmente o fundador dessa nova geração, foi o principal economista progressista e também o professor da maioria dos outros. Como um fervoroso pietista pós-milenista, Ely estava convencido de que também estava servindo a Deus e a Cristo. Como tantos pietistas, Ely nasceu (em 1854) de uma sólida linhagem ianque e antiga puritana, novamente no meio do fanático Burned-Over District do oeste de Nova York. O pai de Ely, Ezra, era um sabatista extremista, que impedia sua família de jogar ou ler livros no domingo, e um proibicionista tão ardente que, mesmo sendo um agricultor pobre e marginal, recusou-se a cultivar cevada, uma cultura exclusivamente adequada ao seu solo, porque seria usada para fabricar aquele produto monstruosamente pecaminoso, a cerveja.[2] Formado no Columbia College em 1876, Ely foi para a Alemanha e recebeu seu Ph.D. de Heidelberg em 1879. Em várias décadas de ensino na Johns Hopkins e depois em Wisconsin, o enérgico e construtor de impérios Ely tornou-se enormemente influente no pensamento e na política americana. Na Johns Hopkins ele produziu uma galeria de estudantes influentes e discípulos estatistas em todos os campos das ciências sociais, bem como na economia. Esses discípulos eram liderados pelo economista institucionalista pró-sindicato John R. Commons, e incluíam os sociólogos de controle social Edward Alsworth Ross e Albion W. Small; John H. Finlay, presidente do City College de Nova York; Dr. Albert Shaw, editor da Review of Reviews e influente conselheiro e teórico de Theodore Roosevelt; o reformador municipal Frederick C. Howe; e os historiadores Frederick Jackson Turner e J. Franklin Jameson. Newton D. Baker foi treinado por Ely na Hopkins, e Woodrow Wilson também foi seu aluno lá, embora não haja evidência direta de alguma influência intelectual.

Em meados da década de 1880, Richard Ely fundou a Associação Econômica Americana (AEA) em uma tentativa consciente de comprometer a profissão de economista com o estatismo, contra os economistas mais antigos do laissez-faire agrupados no Clube de Economia Política. Ely continuou como secretário-tesoureiro da AEA por sete anos, até que seus aliados reformistas decidiram enfraquecer o compromisso da associação com o estatismo para induzir os economistas laissez-faire a se juntarem à organização. Nesse ponto, Ely, incrédulo, deixou a AEA.

Em Wisconsin, em 1892, Ely formou uma nova Escola de Economia, Ciência Política e História, cercou-se de ex-alunos e deu origem à Ideia de Wisconsin que, com a ajuda de John Commons, conseguiu aprovar uma série de medidas progressistas de regulamento do governo em Wisconsin. Ely e os outros formaram um cérebro não oficial, mas poderoso, para o regime progressista do governador de Wisconsin, Robert M. La Follette, que começou na política de Wisconsin como defensor da Lei Seca. Embora nunca tenha sido aluno de Ely em sala de aula, La Follette sempre se referiu a Ely como seu professor e como o moldador da Ideia de Wisconsin. E Theodore Roosevelt declarou certa vez que Ely “primeiro me apresentou ao radicalismo na economia e depois me fez são em meu radicalismo”.[3]

Ely também foi um dos intelectuais pós-milenistas mais proeminentes da época. Ele acreditava fervorosamente que o Estado é o instrumento escolhido por Deus para reformar e cristianizar a ordem social para que eventualmente Jesus chegasse e pusesse fim à história. O Estado, declarou Ely, “é religioso em sua essência” e, além disso, “Deus opera por meio do Estado na realização de Seus propósitos mais universalmente do que por meio de qualquer outra instituição”. A tarefa da igreja é orientar o Estado e utilizá-lo nessas reformas necessárias.[4]

Ativista e organizador inveterado, Ely foi proeminente no movimento evangélico Chautauqua, e fundou lá a escola de verão “Sociologia Cristã”, que infundiu a influente operação Chautauqua com os conceitos e o pessoal do movimento Evangelho Social. Ely era amigo e colaborador próximo dos líderes do Evangelho Social, os reverendos Washington Gladden, Walter Rauschenbusch e Josiah Strong. Com Strong e Commons, Ely organizou o Instituto de Sociologia Cristã.[5] Ely também fundou e tornou-se secretário da União Social Cristã da Igreja Episcopal, junto com a Benção Socialista Cristã W.D.P. Todas essas atividades foram infundidas com o estatismo pós-milenista. Assim, o Instituto de Sociologia Cristã se comprometeu a apresentar o “reino de Deus como o ideal completo da sociedade humana a ser realizado na terra”. Além disso,

Ely via o Estado como a maior força redentora da sociedade. Aos olhos de Ely, o governo era o instrumento dado por Deus através do qual tínhamos que operar. Sua preeminência como instrumento divino baseava-se na abolição pós-Reforma da divisão entre o sagrado e o secular e no poder do Estado de implementar soluções éticas para os problemas públicos. A mesma identificação de sagrado e secular que ocorreu entre o clero liberal permitiu a Ely divinizar o Estado e socializar o cristianismo: ele pensava no governo como o principal instrumento de redenção de Deus. . . .[6]

Quando a guerra chegou, Richard Ely ficou, por algum motivo (talvez porque ele estava na casa dos sessenta anos de idade) de fora da excitação do trabalho de guerra e do planejamento econômico em Washington. Ele lamentou amargamente que “eu não tive uma parte mais ativa do que tive nesta maior guerra da história do mundo.”[7] Mas Ely compensou sua ausência da melhor maneira possível; virtualmente desde o início da guerra europeia, ele clamou pelo militarismo, pela guerra, pela “disciplina” do recrutamento e pela supressão da dissidência e da “deslealdade” em casa. Militarista ao longo da vida, Ely tentou se voluntariar para o serviço de guerra na Guerra Hispano-Americana, pediu a supressão da insurreição filipina e estava particularmente ansioso pelo recrutamento e pelo trabalho forçado para “vadios” durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1915 Ely estava promovendo o serviço militar obrigatório imediato e, no ano seguinte, juntou-se à Liga de Segurança Nacional, fortemente influenciada pelas grandes empresas e pró-guerra, onde pedia a libertação do povo alemão da “autocracia”.[8] Ao defender o recrutamento, Ely foi capaz de combinar argumentos morais, econômicos e proibicionistas para o alistamento: “O efeito moral de tirar os meninos das esquinas e dos bares e treiná-los é excelente, e os efeitos econômicos são igualmente benéficos”.[9] De fato, o recrutamento para Ely serviu quase como uma panaceia para todos os males. Ele estava tão entusiasmado com a experiência da Primeira Guerra Mundial que Ely novamente prescreveu seu remédio favorito para aliviar a depressão de 1929. Ele propôs um “exército industrial” permanente em tempos de paz engajado em obras públicas e formado por jovens recrutados para trabalho físico extenuante. Esse recrutamento incutiria na juventude americana os essenciais “ideais militares de resistência e disciplina”, uma disciplina outrora fornecida pela vida na fazenda, mas indisponível para a maior parte da população que agora cresce nas cidades estéreis. Esse pequeno exército de conscritos permanente poderia então absorver rapidamente os desempregados durante as depressões. Sob o comando de “um estado-maior econômico”, o exército industrial “iria trabalhar para aliviar a angústia com todo o vigor e recursos de cérebro e força que empregamos na Guerra Mundial”.[10]

Privado de um cargo em Washington, Ely fez da eliminação da “deslealdade” em casa sua maior contribuição para o esforço de guerra. Ele pediu a suspensão total da liberdade acadêmica durante a guerra. Qualquer professor, declarou ele, que afirmasse “opiniões que nos atrapalham nessa terrível luta” deveria ser “demitido”, se não mesmo “fuzilado”. O foco particular da formidável energia de Ely foi uma campanha zelosa para tentar fazer com que seu antigo aliado na política de Wisconsin, Robert M. La Follette, fosse expulso do Senado dos EUA por continuar a se opor à participação dos Estados Unidos na guerra. Ely declarou que seu “sangue ferve” com a “traição” de La Follette e os ataques ao lucro da guerra. Atirando-se na batalha, Ely fundou e tornou-se presidente da filial de Madison da Legião da Lealdade de Wisconsin e montou uma campanha para expulsar La Follette.[11] A campanha pretendia mobilizar o corpo docente de Wisconsin e apoiar as atividades ultrapatrióticas e ultra-pró-guerra de Theodore Roosevelt. Ely escreveu a TR que “devemos esmagar o la folletismo”. Em sua campanha incessante contra o senador de Wisconsin, Ely esbravejou que La Follette “ajudou mais o Kaiser do que um quarto de milhão de soldados”.[12] O “empirismo” desenfreado.

O corpo docente da Universidade de Wisconsin foi alvo de acusações em todo o estado e no país de que seu fracasso em denunciar La Follette era prova de que a universidade – há muito afiliada a La Follette na política estadual – apoiava suas políticas antiguerra desleais. Incentivado por Ely, Commons e outros, o Comitê de Guerra da universidade elaborou e circulou uma petição, assinada pelo reitor da universidade, todos os diretores e mais de 90% do corpo docente, que forneceu um dos exemplos mais marcantes da história dos Estados Unidos de subserviência acadêmica ao aparato do Estado. Sem usar muito sutilmente o palavreado constitucional para traição, a petição protestou “contra as declarações e ações do senador La Follette que forneceram ajuda e conforto à Alemanha e seus aliados na guerra atual; lamentamos seu fracasso em apoiar lealmente o governo na continuação da guerra.”[13]

Nos bastidores, Ely tentou o seu melhor para mobilizar os historiadores dos EUA contra La Follette, para demonstrar que ele havia dado ajuda e conforto ao inimigo. Ely conseguiu recrutar os serviços do Conselho Nacional de Serviço Histórico, a agência de propaganda estabelecida por historiadores profissionais durante a guerra, e do próprio braço de propaganda do governo, o Comitê de Informação Pública. Advertindo que o esforço deve permanecer secreto, Ely mobilizou historiadores sob a égide dessas organizações para pesquisar jornais e revistas alemães e austríacos para tentar construir um registro da suposta influência de La Follette, “indicando o incentivo que ele deu à Alemanha”. O historiador E. Merton Coulter revelou o espírito objetivo que animou essas pesquisas: “Eu entendo que é para ser um relato imparcial e sincero do curso do senador [La Follette] e seu efeito – mas todos sabemos que pode levar a uma conclusão – algo próximo a traição.”[14]

O professor Gruber observa bem que essa campanha para incriminar La Follette foi “um exemplo notável do uso da bolsa de estudos para a espionagem. Havia uma grande distância entre a busca desinteressada da verdade e um grupo de professores mobilizado em uma campanha secreta de pesquisa para encontrar munição para destruir a carreira política de um senador dos Estados Unidos que não compartilhava sua visão da guerra.”[15] Em todo caso, nenhuma evidência foi apresentada, o movimento fracassou e o professorado de Wisconsin começou a se afastar desconfiado da Legião da Lealdade.[16]

Depois que a ameaça do Kaiser foi extirpada, o armistício encontrou o professor Ely, junto com seus compatriotas da Liga de Segurança Nacional, prontos para seguir para a próxima rodada de repressão patriótica. Durante a campanha de pesquisa anti-La Follette de Ely, ele pediu investigação sobre “o tipo de influência que ele [La Follette] exerceu contra nosso país na Rússia”. Ely apontou que a “democracia” moderna requer um “alto grau de conformidade” e que, portanto, a “ameaça mais séria” do bolchevismo, que Ely descreveu como “germes de doenças sociais”, deve ser combatida “com medidas repressivas”.

Em 1924, no entanto, a carreira de repressão de Richard T. Ely terminou e, além disso, em um raro exemplo do funcionamento da justiça poética, o feitiço virou contra o feiticeiro. Em 1922, o muito deturpado Robert La Follette foi reeleito para o Senado e também levou os progressistas de volta ao poder no estado de Wisconsin. Em 1924, os progressistas conquistaram o controle do Conselho de Regentes e logo cortaram as asas de seu antigo aliado acadêmico e construtor de impérios. Ely então achou prudente sair de Wisconsin junto com seu Instituto, e enquanto ele continuou por alguns anos na Northwestern, o auge da fama e fortuna de Ely havia acabado.

 

___________________________

Notas

[1] Para um retrato revigorante e ácido das ações dos historiadores na Primeira Guerra Mundial, ver C. Hartley Grattan, “The Historians Cut Loose”, American Mercury, agosto de 1927, reimpresso em Haw Elmer Barnes, In Quest of Truth and Justice, 2nd ed. (Colorado Springs, Colorado: Ralph Myles Publisher, 1972), pp. 142–64. Um relato mais extenso é George T. Blakey, Historians on the Homefront: American Propagandists for the Great War (Lexington: University Press of Kentucky, 1970). Gruber, Mars and Minerva, trata da academia e do cientificismo social, mas concentra em historiadores. James R. Mock e Cedric Larson, Words that Won the War (Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1939), apresenta a história do “Comitê Creel”, o Comitê de Informação Pública, o ministério oficial de propaganda durante a guerra.

[2] Ver a útil biografia de Ely, Benjamin G. Rader, The Academic Mind and Reform: The Influence of Richard T. Ely in American Life (Lexington: University Press of Kentucky, 1966).

[3] Sidney Fine, Laissez Faire and the General-Welfare State: A Study of Conflict in American Thought 1865–1901 (Ann Arbor: University of Michigan Press, 1956), pp. 239–40.

[4] Fine, Laissez Faire, pp. 180-181.

[5] John Rogers Commons era de antiga linhagem ianque, descendente de John Rogers, mártir puritano na Inglaterra, e nascido na área ianque da Reserva Ocidental em Ohio e criado em Indiana. Sua mãe de Vermont se formou no foco do pietismo, Oberlin College, e enviou John para Oberlin na esperança de que ele se tornasse ministro. Enquanto estava na faculdade, Commons e sua mãe lançaram uma publicação proibicionista a pedido da Liga Anti-Saloon. Após a formatura, Commons foi para Johns Hopkins para estudar com Ely, mas foi reprovado na pós-graduação. Ver John R. Commons, Myself (Madison: University of Wisconsin Press, 1964). Veja também Joseph Dorfman, The Economic Mind in American Civilization (Nova York: Viking, 1949), vol. 3, pp. 276–77; Mary O. Furner, Advocacy and Objectivity: A Crisis in the Professionalization of American Social Science, 1865–1905 (Lexington: University Press of  Kentucky, 1975), pp. 198–204.

[6] Quandt, “Religião e Pensamento Social”, pp. 402–03. Ely não esperava que o reino milenar estivesse longe. Ele acreditava que era tarefa das universidades e das ciências sociais “ensinar as complexidades do dever cristão de fraternidade para chegar à Nova Jerusalém “que todos esperamos ansiosamente”. A missão da igreja era atacar toda instituição maligna, “até que a terra se torne uma nova terra, e todas as suas cidades, cidades de Deus”.

[7] Gruber, Mars and Minerva, p. 114.

[8] Ver Rader, Academic Mind, pp. 181-91. Sobre as principais afiliações empresariais de líderes da Liga de Segurança Nacional, especialmente J.P. Morgan e outros próximos de Morgan, ver C. Hartley Grattan, Why We Fought (New York Vanguard Press, 1929) pp. 117-18, e Robert D. Ward, “A Origem e Atividades da Liga de Segurança Nacional, 1914–1919”, Mississippi Valley Historical Review 47 (junho de 1960): 51–65.

[9] A Câmara de Comércio dos Estados Unidos detalhou o benefício econômico de longo prazo do alistamento militar obrigatório, que para a juventude americana ele “substituiria um período de disciplina útil por um período de desmoralizante ausência de restrição”. John Patrick Finnegan, Against the Spectre of Dragon: The Campaign for American Military Preparedness, 1914–1917 (Westport, Connecticut: Greenwood Press, 1974), p. 110. Sobre o amplo e entusiástico apoio dado ao projeto pela Câmara de Comércio, ver Chase C. Mooney e Martha E. Layman, “Some Phases of the Compulsory Military Training Movement, 1914–1920,” Mississippi Historical Review 38 (March 1952): 640.

[10] Richard T. Ely, Hard Times: The Way in and the Way Out (1931), citado em Joseph Dorfman, The Economic Mind in American Civilization (Nova York: Viking, 1949), volume 5, pág. 671; e em Leuchtenburg, “The New Deal”, p. 94.

[11] Ely elaborou uma promessa superpatriótica para a filial de Madison da Legião da Lealdade, comprometendo seus membros a “eliminar a deslealdade”. A promessa também expressou apoio incondicional à Lei de Espionagem e prometeu “trabalhar contra o la folletismo em todas as suas formas anti-guerra”. Rader, Academic Mind, pp. 183ss.

[12] Gruber, Mars and Minerva, p. 207.

[13] Ibid., pág. 207.

[14] Ibid., pp. 208, 208n.

[15] Ibid., pp. 209–10. Em sua autobiografia, escrita em 1938, Richard Ely reescreveu a história para encobrir seu ignominioso papel na campanha para incriminar La Follette. Ele reconheceu ter assinado a petição do corpo docente, mas depois teve a temeridade de alegar que “não era um dos líderes, como pensava La Follette, ao fazer circular esta petição. . . .” Não há menção de sua campanha secreta de pesquisa contra La Follette.

[16] Para mais informações sobre a campanha anti–La Follette, veja H.C. Peterson e Gilbert C. Fite, Opponents of War: 1917–1918 (Madison: University of Wisconsin Press, 1957), pp. 68–72; Paul L. Murphy, World War I and the Origin of Civil Liberties in the United States (Nova York: W.W. Norton, 1979), p. 120; e Belle Case La Follette e Fola La Follette, Robert M. LaFollette (Nova York: Macmillan, 1953), vol. 2.