OS COLETIVISTAS DA NEW REPUBLIC

0
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

A revista New Republic, fundada em 1914 como o principal órgão intelectual do progressismo, era uma encarnação viva da florescente aliança entre os interesses das grandes empresas, em particular da Casa de Morgan, e a crescente legião de intelectuais coletivistas. O fundador e editor da New Republic foi Willard W. Straight, sócio do J.P. Morgan & Co., e seu financiador era a esposa de Straight, a herdeira Dorothy Whitney. O principal editor do influente novo semanário era o veterano coletivista e teórico do Novo Nacionalismo de Teddy Roosevelt, Herbert David Croly. Os dois coeditores de Croly foram Walter Edward Weyl, outro teórico do Novo Nacionalismo, e o jovem e ambicioso ex-funcionário da Intercollegiate Socialist Society, o futuro comentarista Walter Lippmann. Quando Woodrow Wilson começou a levar os Estados Unidos para a Primeira Guerra Mundial, a New Republic, embora originalmente rooseveltiana, tornou-se uma defensora entusiástica da guerra e uma porta-voz virtual do esforço de guerra de Wilson, da economia coletivista de guerra e da nova sociedade moldada pela guerra.

Nos níveis intelectuais mais elevados, inquestionavelmente o principal intelectual progressista, antes, durante e depois da Primeira Guerra Mundial, foi o defensor do pragmatismo, o professor John Dewey, da Universidade de Columbia. Dewey escreveu frequentemente para a New Republic nesse período e foi claramente seu principal teórico. Ianque nascido em 1859, Dewey era, como Mencken disse, “de indestrutível linhagem de Vermont e um homem da mais alta sobriedade suportável”. John Dewey era filho de um merceeiro de uma pequena cidade de Vermont.[1] Embora tenha sido pragmatista e humanista secular a maior parte de sua vida, poucos sabem que Dewey, nos anos anteriores a 1900, era um pietista pós-milenista, buscando o gradual desenvolvimento de uma ordem social cristianizada e do Reino de Deus na terra por meio da expansão da ciência, da comunidade e do Estado. Durante a década de 1890, Dewey, como professor de filosofia na Universidade de Michigan, expôs sua visão de pietismo pós-milenista em uma série de palestras perante a Associação Cristã dos Estudantes. Dewey argumentou que o crescimento da ciência moderna agora torna possível ao homem estabelecer a ideia bíblica do Reino de Deus na terra. Uma vez que os humanos tivessem se libertado das restrições do cristianismo ortodoxo, um Reino de Deus verdadeiramente religioso poderia ser realizado na “Vida comum encarnada, o propósito animando todos os homens e unindo-os em um todo harmonioso de compaixão”.[2]

A religião operaria assim em conjunto com a ciência e a democracia, todas as quais quebrariam as barreiras entre os homens e estabeleceriam o Reino. Depois de 1900, foi fácil para John Dewey, juntamente com a maioria dos outros intelectuais pós-milenistas do período, mudar gradual mas decisivamente do estatismo cristão progressista pós-milenista para o estatismo secular progressista. O caminho, a expansão do estatismo e do “controle social” e do planejamento, permaneceu o mesmo. E mesmo que o credo cristão tenha saído de cena, os intelectuais e ativistas continuaram a possuir o mesmo zelo evangélico pela salvação do mundo que seus pais e eles mesmos já possuíam. O mundo seria e ainda deve ser salvo através do progresso e do estatismo.[3]

Um pacifista em um período de paz, John Dewey preparou-se para liderar a manifestação pela guerra à medida que os Estados Unidos se aproximavam da intervenção armada na luta europeia. Primeiro, em janeiro de 1916, na New Republic, Dewey atacou a condenação direta da guerra pelos “pacifistas profissionais” como uma “fantasia sentimental”, uma confusão de meios e fins. A força, declarou ele, era simplesmente “um meio de obter resultados” e, portanto, não seria nem louvada nem condenada em si. Em seguida, em abril, Dewey assinou um manifesto pró-Aliados, não apenas torcendo por uma vitória aliada, mas também proclamando que os Aliados estavam “lutando para preservar as liberdades do mundo e os mais altos ideais da civilização”. E embora Dewey apoiasse a entrada dos EUA na guerra para que a Alemanha pudesse ser derrotada, “um trabalho árduo, mas que precisava ser feito”, ele estava muito mais interessado nas maravilhosas mudanças que a guerra certamente traria na política doméstica americana. Em particular, a guerra ofereceu uma oportunidade de ouro para realizar o controle social coletivista no interesse da justiça social. Como disse um historiador,

Como a guerra exigia um compromisso supremo com o interesse nacional e exigia um grau sem precedentes de planejamento governamental e regulação econômica nesse interesse, Dewey viu a perspectiva de socialização permanente, a substituição permanente do interesse privado e possessivo pelo interesse público e social, tanto dentro como entre as nações.[4]

Em entrevista ao New York World alguns meses após a entrada dos EUA na guerra, Dewey exultou que “esta guerra pode facilmente ser o começo do fim das empresas”. Pois a partir das necessidades da guerra, “estamos começando a produzir para uso, não para venda, e o capitalista não é capitalista [diante da] guerra”. As condições capitalistas de produção e venda estão agora sob controle do governo, e “não há razão para acreditar que o velho princípio jamais será retomado. . . . A propriedade privada já havia perdido sua santidade. . . a democracia industrial está a caminho.”[5]

Em suma, a inteligência está finalmente sendo usada para enfrentar os problemas sociais, e essa prática está destruindo a velha ordem e criando uma nova ordem social de “controle democrático integrado”. O trabalho está adquirindo mais poder, a ciência está finalmente sendo socialmente mobilizada e controles governamentais maciços estão socializando a indústria. Esses desenvolvimentos, Dewey proclamou, eram precisamente pelo que estamos lutando.[6]

Além disso, John Dewey viu grandes possibilidades trazidas pela guerra para o advento do coletivismo mundial. Para Dewey, a entrada dos Estados Unidos na guerra criou uma “junção plástica” no mundo, um mundo marcado por uma “organização mundial e o início de um controle público que atravessa fronteiras e interesses nacionalistas” e que também “proibiria a guerra”.[7]

Os editores da New Republic tomaram uma posição semelhante à de Dewey, exceto que chegaram a ela ainda mais cedo. Em seu editorial na primeira edição da revista em novembro de 1914, Herbert Croly profetizou alegremente que a guerra estimularia o espírito de nacionalismo dos Estados Unidos e, portanto, o aproximaria da democracia. A princípio hesitante sobre as economias de guerra coletivistas na Europa, a New Republic logo começou a aplaudir e instou os Estados Unidos a seguir o exemplo das nações europeias em guerra e socializar sua economia e expandir os poderes do Estado.

Enquanto os Estados Unidos se preparavam para entrar na guerra, a New Republic, examinando o coletivismo de guerra na Europa, regozijou-se que “em seu lado administrativo, o socialismo [tinha] conquistado uma vitória que [foi] soberba e convincente”. É verdade que o coletivismo de guerra europeu era um pouco sombrio e autocrático, mas não tema, os EUA poderiam usar os mesmos meios para objetivos “democráticos”.

Os intelectuais da New Republic também se deleitavam com o “espírito de guerra” nos EUA, pois esse espírito significava “a substituição das forças nacionais, sociais e orgânicas pelas forças privadas mais ou menos mecânicas que operam na paz”. Os propósitos da guerra e da reforma social podem ser um pouco diferentes, mas, afinal, “são ambos propósitos, e por sorte para a humanidade uma organização social eficiente é tão útil para um quanto para o outro”.[8] Sorte mesmo.

Enquanto os Estados Unidos se preparavam para entrar na guerra, a New Republic aguardava ansiosamente a coletivização iminente, certa de que traria “imensos ganhos em eficiência e felicidade nacional”. Depois que a guerra foi declarada, a revista pediu que a guerra fosse usada como “uma ferramenta agressiva da democracia”. “Por que a guerra não deveria servir”, perguntava a revista, “como pretexto para impingir inovações ao país?” Dessa forma, os intelectuais progressistas poderiam liderar o caminho para abolir “os males típicos do irregular capitalismo competitivo semi-letrado”.

Convencido de que os Estados Unidos alcançariam o socialismo através da guerra, Walter Lippmann, em um discurso público logo após a entrada americana, esbravejou sua visão apocalíptica do futuro:

Nós, que fomos à guerra para assegurar a democracia no mundo, teremos levantado aqui uma aspiração que não terminará com a derrubada da autocracia prussiana. Devemos nos voltar com novos interesses para nossas próprias tiranias – para nossas minas no Colorado, nossas autocráticas indústrias siderúrgicas, fábricas e nossos cortiços. Uma força está à solta nos EUA. Nossos próprios reacionários não vão aplacá-la. Saberemos como lidar com eles.[9]

Walter Lippmann, de fato, tinha sido o principal agitador da guerra entre os intelectuais da New Republic. Ele pressionou Croly a apoiar Wilson e apoiar a intervenção, e depois colaborou com o Coronel House para pressionar Wilson a entrar na guerra. Logo Lippmann, um entusiasta do serviço militar obrigatório, teve que enfrentar o fato de que ele mesmo, com apenas 27 anos e boa saúde, era eminentemente elegível para o recrutamento. De alguma forma, no entanto, Lippmann não conseguiu unir teoria e práxis.

O jovem Felix Frankfurter, professor de direito progressista de Harvard e colaborador próximo da equipe editorial da New Republic, acabara de ser selecionado como assistente especial do secretário de Guerra Baker. Lippmann de alguma forma sentiu que seus próprios serviços inestimáveis ​​poderiam ser mais bem usados ​​planejando o mundo do pós-guerra do que lutando nas trincheiras. E então ele escreveu para Frankfurter pedindo um emprego no escritório de Baker. “O que eu quero fazer”, ele implorou, “é dedicar todo o meu tempo a estudar e especular sobre as abordagens da paz e a reação da paz. Você acha que pode me conseguir uma dispensa por motivos tão arrogantes? Ele se apressou em assegurar a Frankfurter que não havia nada de “pessoal” nesse pedido. Afinal, explicou, “as coisas que precisam ser pensadas são tão grandes que não deve haver nenhum elemento pessoal misturado a isso”. Frankfurter abriu o caminho, Lippmann escreveu ao secretário Baker. Ele assegurou a Baker que só estava se candidatando a um emprego e a uma dispensa do serviço militar em defesa dos outros e em severa submissão ao interesse nacional. Como Lippmann colocou em uma notável demonstração de hipocrisia:

Consultei todas as pessoas cujos conselhos eu valorizo ​​e elas me incitam a solicitar dispensa. Você pode entender que isso não é uma coisa agradável de se fazer, e ainda assim, depois de examinar minha alma tão honestamente quanto me é possível, estou convencido de que posso fazer minha parte com muito mais eficácia do que como soldado nos novos exércitos.

Sem dúvida.

Como a cereja do bolo, Lippmann acrescentou uma importante “desinformação”. Pois, escreveu ele pateticamente a Baker, o fato é “que meu pai está morrendo e minha mãe está absolutamente sozinha no mundo. Ela não sabe qual é a condição dele, e não posso contar a ninguém por medo de que isso se torne conhecido.” Aparentemente, ninguém mais “conhecia” a condição de seu pai, incluindo seu pai e a classe médica, pois o velho Lippmann conseguiu ficar entre os vivos por mais dez anos.[10]

Com a certeza de obter sua dispensa do serviço militar, Walter Lippmann rumou com grande entusiasmo para Washington, para lá ajudar a conduzir a guerra e, alguns meses depois, para ajudar a dirigir o conclave secreto de historiadores e cientistas sociais do Coronel House que planejava o formato do futuro tratado de paz e do mundo pós-guerra. Deixe que outros lutem e morram nas trincheiras; Walter Lippmann teve a satisfação de saber que seus talentos, pelo menos, seriam aproveitados ao máximo pelo novo Estado coletivista emergente.

À medida que a guerra prosseguia, Croly e os outros editores, tendo perdido Lippmann para o mundo, aplaudiam cada novo desenvolvimento da economia de guerra maciçamente controlada. A nacionalização das ferrovias e do transporte marítimo, as prioridades e o sistema de alocação, o domínio total de todas as partes da indústria alimentícia alcançada por Herbert Hoover e a Secretaria de Alimentos, a política pró-sindical, os altos impostos e o recrutamento militar foram todos saudados pela New Republic como uma expansão do poder da democracia para planejar o bem geral. À medida que o armistício inaugurava o mundo do pós-guerra, a New Republic analisou o que a guerra tinha alcançado e achou bom: “Revolucionamos nossa sociedade”. Tudo o que restava era organizar uma nova convenção constitucional para completar o trabalho de reconstrução dos EUA.[11]

Mas a revolução não tinha sido totalmente concluída. Apesar das objeções de Bernard Baruch e outros planejadores de guerra, o governo decidiu não tornar permanente a maior parte da máquina coletivista de guerra. A partir de então, a maior ambição de Baruch e dos outros era tornar o sistema da Primeira Guerra Mundial uma instituição permanente da vida americana. O epitáfio mais incisivo sobre a política da Primeira Guerra Mundial foi proferido por Rexford Guy Tugwell, o mais francamente coletivista dos conselheiros de gabinete do New Deal de Franklin Roosevelt. Relembrando o “socialismo de guerra dos EUA” em 1927, Tugwell lamentou que se a guerra tivesse durado mais, aquele grande “experimento” poderia ter sido concluído: “Estávamos à beira de ter uma máquina industrial internacional quando a paz irrompeu”, Tugwell lamentou. “Somente o armistício impediu uma grande experiência de controle da produção, controle de preços e controle do consumo.”[12] Tugwell não precisava ter se incomodado; logo haveria outras emergências, outras guerras.

No final da guerra, Lippmann se tornaria o principal especialista jornalístico dos EUA. Croly, tendo rompido com o governo Wilson por conta da dureza do Tratado de Versalhes, ficou desolado ao descobrir que a New Republic não era mais a porta-voz de algum grande líder político. No final da década de 1920, ele descobriria um líder coletivista nacional exemplar no exterior – em Benito Mussolini.[13] Que Croly tenha encerrado seus anos como admirador de Mussolini não é surpresa quando percebemos que desde a infância ele foi imerso por um pai coruja nas doutrinas socialistas autoritárias do positivismo de Augusto Comte. Esses pontos de vista marcariam Croly ao longo de sua vida. Assim, o pai de Herbert, David, fundador do positivismo nos Estados Unidos, defendia o estabelecimento de vastos poderes de governo sobre a vida de todos. David Croly favoreceu o crescimento de trustes e monopólios como um meio tanto para esse fim quanto para eliminar os males da competição individual e do “egoísmo”. Como seu filho, David Croly criticou o “medo do governo” jeffersoniano nos Estados Unidos e viu em Hamilton um exemplo para combater essa tendência.[14]

E o que dizer do professor Dewey, o decano dos intelectuais pacifistas — transformado em fanático agitador da guerra? Em um período pouco conhecido de sua vida, John Dewey passou os anos imediatos do pós-guerra, 1919-1921, lecionando na Universidade de Pequim e viajando pelo Extremo Oriente. A China estava então em um período de turbulência sobre as cláusulas do Tratado de Versalhes que transferiam os direitos de domínio em Shantung da Alemanha para o Japão. Os britânicos e os franceses haviam prometido essa recompensa ao Japão em tratados secretos em troca de sua entrada na guerra contra a Alemanha.

O governo Wilson estava dividido entre os dois campos. Por um lado, estavam aqueles que desejavam apoiar a decisão dos Aliados e que imaginavam usar o Japão como porrete contra a Rússia bolchevique na Ásia. Do outro, estavam aqueles que já haviam começado a soar o alarme sobre uma ameaça japonesa e que estavam comprometidos com a China, muitas vezes por causa de conexões com os missionários protestantes americanos que desejavam defender e expandir seus poderes extraterritoriais de governança na China. O governo Wilson, que originalmente havia assumido uma posição pró-chinesa, reverteu-se na primavera de 1919 e endossou as disposições de Versalhes.

John Dewey se arrojou nessa situação complexa, não vendo complexidade e, claro, considerando impensável que ele ou os Estados Unidos ficassem de fora de toda a briga. Dewey ergueu-se em apoio total à posição nacionalista chinesa, saudando o movimento agressivo da Jovem China e até endossando a YMCA pró-missionária na China como “assistentes sociais”. Dewey esbravejou que, embora “eu não esperasse ser um nacionalista radical”, que o Japão deve ser responsabilizado e que o Japão é a grande ameaça na Ásia. Assim, mal Dewey havia deixado de ser um defensor de uma terrível guerra mundial começou a preparar o caminho para uma ainda maior.[15]

 

___________________________

Notas

[1] H.L. Mencken, “Professor Veblen”, em A Mencken Chrestomathy (Nova York: Alfred A. Knopf, 1949), p. 267.

[2] Citado no importante artigo de Jean B. Quandt, “Religion and Social Thought: The Secularization of Postmillennialism,” American Quarterly 25 (outubro de 1973): 404. Veja também John Blewett, S.J., “Democracy as Religion: Unity in Human Relations ”, em Blewett, ed., John Dewey: His Thought and Influence (Nova York: Fordham University Press, 1960), pp. 33-58; e John Dewey: The Early Works, 1882–1989, eds., J. Boydstan et al. (Carbondale: Southern Illinois University Press, 1969–71), vols. 2 e 3.

[3] Sobre a secularização geral do pietismo pós-milenista depois de 1900, ver Quandt, “Religion and Social Thought”, pp. 390-409; e James H. Moorhead, “The Erosion of Postmillennialism in American Religious Thought, 1865–1925”, Church History 53 (março de 1984): 61–77.

[4] Carol S. Gruber, Mars and Minerva: World War I and the Uses of the Higher Learning in America (Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1975), p. 92.

[5] Citado em Gruber, Mars and Minerva, pp. 92–93. Veja também William E. Leuchtenburg, “The New Deal and the Analogue of War”, em J. Braeman, R. Bremner e E. Walters, eds., Change and Continuity in Twentieth-Century America (New York: Harper & Row , 1966), p. 89. Por razões semelhantes, Thorstein Veblen, profeta da suposta dicotomia de produção para lucro versus produção para uso, defendeu a guerra e começou a se manifestar abertamente pelo socialismo em um artigo no New Republic em 1918, mais tarde reimpresso em seu The Vested Interests and the State of the Industrial Arts (1919). Ver Charles Hirschfeld, “Nationalist Progressivism and World War I”, Mid-America 45 (julho de 1963), p. 150. Ver também David Riesman, Thorstein Veblen: A Critical Interpretation (Nova York: Charles Scribner’s Sons, 1960), pp. 30-31.

[6] Hirschfeld, “Progressivismo Nacionalista”, p. 150.

[7] Gruber, Mars and Minerva, p. 92.

[8] Hirschfeld, “Progressivismo Nacionalista”, p. 142. É intrigante que, para a New Republic, intelectuais, indivíduos privados realmente existentes sejam descartados como “mecânicos”, enquanto entidades inexistentes, como forças “nacionais e sociais” sejam aclamadas como “orgânicas”.

[9] Citado em Hirschfeld, “Progressivismo Nacionalista,” p. 147. Uma minoria de socialistas pró-guerra rompeu com o Partido Socialista anti-guerra para formar a Liga Social-Democrata e juntar-se a uma frente pró-guerra organizada e financiada pelo governo Wilson, a Aliança Americana para o Trabalho e a Democracia. Os socialistas pró-guerra saudaram a guerra como um “progresso surpreendente no coletivismo” e opinaram que, após a guerra, o socialismo de estado existente avançaria para o “coletivismo democrático”. Os socialistas pró-guerra incluíam John Spargo, Algie Simons, W.J. Ghent, Robert R. LaMonte, Charles Edward Russell, J.G. Phelps Stokes, Upton Sinclair e William English Walling. Walling sucumbiu tanto à febre da guerra que denunciou o Partido Socialista como uma ferramenta consciente do Kaiser e defendeu a supressão da liberdade de expressão para pacifistas e socialistas antiguerra. Ver Hirschfeld, “Progressivismo Nacionalista”, p. 143. Sobre Walling, ver James Gilbert, Designing the Industrial State: The Intellectual Pursuit of Collectivism in America, 1880-1940 (Chicago: Quadrangle Books, 1972), pp. 232-33. Sobre a Aliança Americana para o Trabalho e a Democracia e seu papel no esforço de guerra, ver Ronald Radosh, American Labour and United States Foreign Policy (Nova York: Random House, 1969), pp. 58-71.

[10] De fato, Jacob Lippmann iria contrair câncer em 1925 e morrer dois anos depois. Além disso, Lippmann, antes e depois da morte de Jacob, era extremamente indiferente ao pai. Ronald Steel, Walter Lippman and the American Century (Nova York: Random House, l981), p. 5, pp. 116–17. Sobre o entusiasmo de Walter Lippmann pelo recrutamento, pelo menos para outros, ver Beaver, Newton Baker, pp. 26-27.

[11] Hirschfeld, “Progressivismo Nacionalista”, pp. 148–50. Sobre a New Republic e a guerra, e particularmente sobre John Dewey, veja também Christopher Lasch, The New Radicalism in America, 1889–1963: The Intellectual as a Social Type (New York: Vintage Books, 19 65), pp. 181–224, especialmente pp. 202–04. Sobre os três editores da New Republic, ver Charles Forcey, The Crossroads of Liberalism: Croly, Weyl, Lippmann and the Progressive Era, 1900–1925 (Nova York: Oxford University Press, 1961). Veja também David W. Noble, “The New Republic and the Idea of ​​Progress, 1914–1920,” Mississippi Valley Historical Review 38 (dezembro de 1951): 387–402. Em um livro intitulado The End of the War (1918), o editor da New Republic, Walter Weyl, assegurou a seus leitores que “a nova solidariedade econômica, uma vez conquistada, nunca mais poderá ser abandonada”. Citado em Leuchtenburg. “New Deal”, p. 90.

[12] Rexford Guy Tugwell, “America’s War-Time Socialism” The Nation (1927), pp. 364-65. Citado em Leuchtenburg, “The New Deal”, pp. 90–91.

[13] Em janeiro de 1927, Croly escreveu um editorial da New Republic, “Uma apologia ao fascismo”, endossando um artigo que o acompanhava, “Fascismo para os italianos”, escrito pelo distinto filósofo Horace M. Kallen, discípulo de John Dewey e expoente do pragmatismo progressista. Kallen elogiou Mussolini por sua abordagem pragmática e, em particular, pelo élan vital que Mussolini infundiu na vida italiana. É verdade, admitiu o professor Kallen, que o fascismo é coercitivo, mas certamente isso é apenas um expediente temporário. Observando a excelente conquista do fascismo na economia, educação e reforma administrativa, Kallen acrescentou que “a esse respeito, a revolução fascista não é diferente da revolução comunista. Cada uma é a aplicação à força. . . de uma ideologia a uma condição. Cada uma deve ter a oportunidade mais livre depois de ter começado. . . .” O editorial que acompanha a New Republic endossou a tese de Kallen e acrescentou que “os críticos estrangeiros devem tomar cuidado para não tornar ilegal um experimento político que despertou em uma nação inteira uma maior energia moral e dignificou suas atividades subordinando-as a um propósito comum profundamente sentido”. New Republic 49 (12 de janeiro de 1927), pp. 207–13. Citado em John Patrick Diggins, “Mussolini’s Italy: The View from America”, Ph.D. diss., Universidade do Sul da Califórnia, 1964, pp. 214-17.

[14] Nascido na Irlanda, David Croly tornou-se um ilustre jornalista na cidade de Nova York e chegou à editoria do New York World. Croly organizou o primeiro Círculo Positivista nos Estados Unidos e financiou uma turnê de palestras americanas para o comteano Henry Edgar. O Círculo Positivista reuniu-se na casa de Croly e, em 1871, David Croly publicou A Positivist Primer. Quando Herbert nasceu em 1869, ele foi consagrado por seu pai à Deusa Humanidade, o símbolo da Religião da Humanidade de Comte. Veja a esclarecedora biografia recente de Herbert por David W. Levy, Herbert Croly of the New Republic (Princeton, N.J.: Princeton University Press; 1985).

[15] Ver Jerry Israel, Progressivism and the Open Door: America and China, 1905–1921 (Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1971).