A Fase Final: lidando com a supremacia democrata

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A fase final do esforço para criar um banco central começou em janeiro de 1911. Na reunião anterior de janeiro do Conselho Nacional de Comércio, Paul Warburg havia aprovado uma resolução reservando 18 de janeiro de 1911 como um “dia monetário” dedicado a uma “Conferência Monetária de Empresários.” Esta conferência, organizada pelo Conselho Nacional de Comércio, e com a participação de representantes de organizações mercantis metropolitanas de todo o país, teve C. Stuart Patterson como seu presidente.

A Câmara de Comércio de Nova York, a Associação de Comerciantes de Nova York e a Bolsa de Produtos de Nova York, cada uma das quais vinha pressionando pela reforma bancária nos últimos cinco anos, apresentaram uma resolução conjunta à conferência monetária apoiando o Plano Aldrich, e propondo o estabelecimento de uma nova “liga de reforma monetária dos empresários” para liderar a luta pública por um banco central. Após um discurso a favor do plano de A. Piatt Andrew, toda a conferência adotou a resolução. Em resposta, C. Stuart Patterson nomeou ninguém menos que Paul M. Warburg para chefiar um comitê de sete para estabelecer a liga reformista.

O comitê de sete astutamente decidiu, seguindo o exemplo da antiga convenção de Indianápolis, estabelecer a Liga Nacional dos Cidadãos para a Criação de um Sistema Bancário Sólido em Chicago, e não em Nova York, onde o controle realmente residia. A ideia era adquirir a pátina falsa de uma operação central “de base” e convencer o público de que a liga estava livre do temido controle de Wall Street. Como resultado, os chefes oficiais da Liga eram os empresários de Chicago John V. Farwell e Harry A. Wheeler, presidente da Câmara de Comércio dos Estados Unidos. O diretor foi J. Laurence Laughlin, economista monetário da Universidade de Chicago, auxiliado por seu ex-aluno, o professor H. Parker Willis.

De acordo com sua aura do Meio-Oeste, a maioria dos diretores da Liga dos Cidadãos eram industriais não-banqueiros de Chicago: homens como B. E. Sunny da Chicago Telephone Company, Cyrus McCormick da International Harvester (ambas empresas no âmbito de Morgan), John G. Shedd da Marshall Field and Company, Frederic A. Delano da Wabash Railroad Company (controlada por Rockefeller), e Julius Rosenwald da Sears, Roebuck. Mais de uma década depois, no entanto, H. Parker Willis admitiu abertamente que a Liga dos Cidadãos tinha sido um órgão de propaganda dos banqueiros da nação.[1]

A Liga dos Cidadãos intensificou suas atividades durante a primavera e o verão de 1911, publicando um periódico, Banking and Reform, destinado a alcançar editores de jornais, e subsidiando panfletos de especialistas pró-reforma como John Perrin, chefe do American National Bank of Indianapolis, e George E. Roberts do National City Bank of New York.

Um consultor na campanha do jornal foi H. H. Kohlsaat, ex-membro do comitê executivo da Convenção Monetária de Indianápolis. O próprio Laughlin trabalhou em um livro sobre o Plano Aldrich, para ser semelhante ao seu próprio Relatório de 1898 para a Convenção de Indianápolis.

Enquanto isso, uma campanha paralela foi lançada para convencer os banqueiros do país. O primeiro passo foi converter a elite bancária. Para esse fim, o círculo interno de Aldrich organizou uma conferência a portas fechadas com 23 principais banqueiros em Atlantic City no início de fevereiro, que incluiu vários membros da comissão monetária da Associação Americana de Banqueiros, juntamente com presidentes de bancos de nove cidades importantes do país. Depois de fazer algumas pequenas revisões, a conferência endossou calorosamente o Plano Aldrich.

Após essa reunião, o banqueiro de Chicago James B. Forgan, presidente do First National Bank de Chicago, dominado por Rockefeller, emergiu como o porta-voz mais eficaz do movimento do banco central. Não só sua apresentação do Plano Aldrich perante o conselho executivo da AAB em maio foi considerada particularmente impressionante, como também foi especialmente eficaz vinda de alguém que havia sido um dos principais críticos (embora por motivos relativamente secundários) do plano. Como resultado, os principais banqueiros conseguiram fazer a AAB violar seus próprios estatutos e fazer de Forgan presidente de seu conselho executivo.

Na conferência de Atlantic City, James Forgan explicou sucintamente o propósito do Plano Aldrich e da própria conferência. Como Kolko resume,

    o verdadeiro objetivo da conferência era debater sobre como convencer a comunidade bancária sobre o controle do governo diretamente pelos banqueiros para seus próprios fins… Foi geralmente considerado que o [Plano Aldrich] aumentaria o poder dos grandes bancos nacionais para competir com os bancos estaduais em rápido crescimento, ajudaria a controlar os bancos estaduais e fortaleceria a posição dos bancos nacionais nas atividades bancárias estrangeiras. (Kolko 1983, p. 186)

Em novembro de 1911, foi fácil conseguir que toda a Associação Americana de Banqueiros endossasse o Plano Aldrich. A comunidade bancária do país estava agora solidamente alinhada por trás do esforço para criar um banco central.

No entanto, 1912 e 1913 foram anos de alguma confusão, com constantes mudanças de opiniões e atrasos de decisões, quando o Partido Republicano se dividiu entre seus membros regulares e insurgentes, e os democratas conquistaram um controle crescente sobre o governo federal, culminando na conquista da presidência por Woodrow Wilson nas eleições de novembro de 1912. O Plano Aldrich, introduzido no Senado por Theodore Burton em janeiro de 1912, teve uma morte rápida, mas os reformadores viram que o que eles precisavam fazer era retirar o nome partidário agressivamente republicano de Aldrich do projeto, e com alguns pequenos ajustes, rebatizá-lo como se fosse uma medida democrata.

Felizmente para os reformadores, esse processo de transformação foi bastante facilitado no início de 1912, quando H. Parker Willis foi nomeado assistente administrativo de Carter Glass, o democrata da Virgínia que agora chefiava o Comitê Bancário e Monetário da Câmara. Em uma coincidência do destino, Willis havia ensinado economia aos dois filhos de Carter Glass na Washington and Lee University, e eles o recomendaram ao pai quando os democratas assumiram o controle da Câmara.

As minúcias das rupturas e manobras no campo da reforma bancária durante 1912 e 1913, que há muito fascinam os historiadores, são fundamentalmente triviais para a história básica. Em grande parte, giraram em torno dos esforços bem-sucedidos de Laughlin, Willis e os democratas para abandonar o nome Aldrich.

Além disso, embora os banqueiros tivessem preferido que o Conselho do Federal Reserve fosse nomeado pelos próprios banqueiros, ficou claro para a maioria dos reformadores que isso era politicamente intragável. Eles perceberam que o mesmo resultado de um cartel coordenado pelo governo poderia ser alcançado fazendo com que o presidente e o Congresso nomeassem o Conselho, equilibrado pelos banqueiros elegendo a maioria dos membros dos Bancos da Reserva Federal regionais e elegendo um conselho consultivo para o Fed.

No entanto, muito dependeria de quem o presidente indicaria para o conselho. Os reformadores não tiveram que esperar muito. O controle foi prontamente entregue aos homens de Morgan, liderados por Benjamin Strong, do Bankers’ Trust, como chefe todo-poderoso do Federal Reserve Bank de Nova York. Os reformadores haviam chegado ao ponto no final da disputa do Congresso sobre o projeto de lei Glass, e quando o projeto de lei do Federal Reserve foi aprovado em dezembro de 1913, o projeto teve apoio esmagador da comunidade bancária.

Como A. Barton Hepburn, do Chase National Bank, disse persuasivamente à Associação Americana de Banqueiros na reunião anual de agosto de 1913: “A medida reconhece e adota os princípios de um banco central. De fato… ela fará com que todos os bancos incorporados sejam coproprietários de um poder central dominante” (Kolko 1983, p. 235). De fato, havia muito pouca diferença substantiva entre os projetos de Aldrich e Glass: o objetivo dos reformadores havia sido triunfalmente alcançado.

 

_____________________________

Notas

[1] O relato de Willis (1923, pp. 149-150), no entanto, convenientemente ignora o papel operacional dominante que ele e seu mentor, Laughlin, desempenharam na Liga dos Cidadãos. Ver também West (1977, p. 82).