O Pânico de 1907 e a mobilização por um Banco Central

0
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

Uma grave crise financeira, o Pânico de 1907, ocorreu no início de outubro. Não apenas houve uma recessão e contração gerais, mas os principais bancos de Nova York e Chicago foram, como na maioria das outras depressões da história americana, autorizados pelo governo a suspender pagamentos em espécie; isto é, continuarem em operação enquanto são desobrigados de sua obrigação contratual de resgatar suas notas e depósitos em dinheiro vivo ou em ouro.

Embora o Tesouro tenha estimulado a inflação durante 1905-1907, não havia nada que ele pudesse fazer para evitar suspensões de pagamento ou para aliviar “o acúmulo competitivo de moeda” após o pânico; isto é, a tentativa de exigir dinheiro vivo em troca de notas bancárias e depósitos cada vez mais instáveis.

Muito rapidamente após o pânico, a opinião de banqueiros e empresários se consolidou em prol de um banco central, uma instituição que poderia regular a economia e servir como credor de última instância para salvar os bancos de problemas. Os reformadores agora enfrentavam uma dupla tarefa: elaborar os detalhes de um novo banco central e, mais importante, mobilizar a opinião pública a seu favor.

O primeiro passo para essa mobilização foi conquistar o apoio dos acadêmicos e especialistas do país. A tarefa foi facilitada pela crescente aliança e simbiose entre a academia e a elite dominante. Duas organizações que se mostraram particularmente úteis para essa mobilização foram a Academia Americana de Ciências Políticas e Sociais (AACPS) da Filadélfia e a Academia de Ciências Políticas (ACP) da Universidade de Columbia, ambas tendo como membros líderes empresariais progressistas corporativistas, financistas, advogados e acadêmicos.

Nicholas Murray Butler, o presidente altamente influente da Universidade de Columbia, explicou que a Academia de Ciências Políticas “é um intermediário entre … os estudiosos e os homens de negócios, aqueles que talvez possam ser considerados amadores em estudos”. Aqui, ele salientou, é onde eles “se unem” (Livingston 1986, p. 175, n. 30).

Não surpreende, então, que a Academia Americana de Ciências Políticas e Sociais, a Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAC) e a Universidade de Columbia tenham realizado três simpósios durante o inverno de 1907-1908, cada um requerendo um banco central, e, assim, disseminando a mensagem de um banco central para um público de elite cuidadosamente selecionado. Não surpreendentemente, também, E. R. A. Seligman foi o organizador da conferência de Columbia, satisfeito por sua universidade estar fornecendo uma plataforma para os principais banqueiros e jornalistas financeiros defenderem um banco central, ele, de modo especial, acrescentou, porque “é proverbialmente difícil em uma democracia garantir uma audiência para as conclusões dos especialistas.” Então, em 1908, Seligman reuniu os discursos em um volume, The Currency Problem.

O professor Seligman deu o tom da reunião em seu discurso de abertura. O Pânico de 1907, alegou ele, foi moderado porque seus efeitos foram atenuados pelo crescimento dos trustes industriais, que proporcionaram um “ajuste mais controlado e mais correto do investimento presente às necessidades futuras” do que uma “horda de pequenos concorrentes”. Dessa forma, Seligman não demonstrou nenhuma compreensão de como os mercados competitivos facilitam os ajustes.

Um grande problema, no entanto, ainda permanecia para Seligman. A horda de pequenos concorrentes, que Seligman tanto desprezava, ainda prevalecia no campo da moeda e do setor bancário. O problema era que o sistema bancário ainda era descentralizado. Como Seligman declarou: “Ainda mais importante do que a inelasticidade de nossa emissão de notas é sua descentralização. A luta que foi travada vitoriosamente em todos os outros lugares [na criação de trustes] deve ser empreendida aqui com seriedade e com vigor” (Livingston 1986, p. 177).

O discurso seguinte foi o de Frank Vanderlip. Para Vanderlip, em contraste com Seligman, o Pânico de 1907 foi “uma das grandes calamidades da história” – o resultado de um sistema bancário americano descentralizado e competitivo, com 15.000 bancos competindo vigorosamente pelo controle das reservas de dinheiro. O terrível é que “cada instituição está sozinha, preocupada em primeiro lugar com sua própria segurança, e não contendo esforços para acumular reservas sem levar em conta” o efeito de tais ações em outras instituições bancárias.

Esse sistema atrasado deve ser mudado, para seguir o exemplo de outras grandes nações, onde um banco central é capaz de mobilizar e centralizar reservas e criar um sistema monetário elástico. Colocando a situação em termos virtualmente marxistas, Vanderlip declarou que o poder estrangeiro e externo do mercado livre e competitivo deve ser substituído pelo controle central seguindo princípios bancários modernos e supostamente científicos.

Thomas Wheelock, editor do Wall Street Journal, então expressou o mesmo tema de forma variada, aplicando-o ao volátil mercado de empréstimos de Nova York. O mercado é volátil, afirmou Wheelock, porque os pequenos bancos country são capazes de emprestar nesse mercado, e seus depósitos nos bancos de Nova York sobem e caem de forma descontrolada. Portanto, deve haver um controle corporativo central sobre o dinheiro do banco country no mercado de empréstimos sem prazo (empréstimo resgatável quando solicitado).

A. Barton Hepburn, chefe do Morgan’s Chase National Bank, veio em seguida, e falou da grande importância de ter um banco central que emitisse o monopólio das notas bancárias. Era particularmente importante que o banco central pudesse descontar os ativos dos bancos nacionais e, assim, fornecer uma moeda elástica.

O último orador foi Paul Warburg, que fez uma palestra sobre a superioridade dos bancos europeus sobre os americanos, particularmente por (1) ter um banco central, em contraste com os bancos americanos descentralizados; e (2) – seu habitual tema favorito – desfrutar de um título de aceitação “moderno” em vez de notas promissórias intransferíveis. Warburg enfatizou que essas duas instituições devem funcionar juntas. Em particular, o controle rígido do banco central pelo governo deve substituir a competição e a descentralização: “Bancos pequenos constituem um perigo”.

Os outros dois simpósios foram muito semelhantes. No simpósio da AAPSS na Filadélfia, em dezembro de 1907, vários importantes banqueiros de investimento e o Controlador da Moeda William B. Ridgely se manifestaram a favor de um banco central. Não foi por acaso que os membros do comitê consultivo da AACPS sobre moeda incluíam A. Barton Hepburn; o advogado de Morgan e estadista Elihu Root; o advogado pessoal de longa data de Morgan, Francis Lynde Stetson; e o próprio J. P. Morgan.

Enquanto isso, o simpósio da AAAC em janeiro de 1908 foi organizado por ninguém menos que Charles A. Conant, que por acaso era presidente da seção social e econômica da AAAC naquele ano. Os palestrantes incluíram o economista da Universidade de Columbia J. B. Clark, Frank Vanderlip, Conant e o amigo de Vanderlip, George E. Roberts, chefe do Commercial National Bank of Chicago, orientado por Rockefeller, que mais tarde acabaria no National City Bank.

Em suma, a tarefa dos reformadores bancários foi bem resumida por J. R. Duffield, secretário da Bankers Publishing Company, em janeiro de 1908: entre os banqueiros, e mais tarde entre as organizações comerciais e, finalmente, entre o povo como um todo.” Essa estratégia estava bem encaminhada.

Durante o mesmo mês, a liderança legislativa na reforma bancária foi tomada pelo formidável senador Nelson W. Aldrich, (republicano, Rhode Island), chefe do Comitê de Finanças do Senado e, como sogro de John D. Rockefeller, Jr., o homem de Rockefeller no Senado dos EUA. Ele apresentou o projeto de lei Aldrich, que se concentrava em uma disputa interbancária relativamente menor sobre se e com que base os bancos nacionais poderiam emitir moeda especial de emergência. Um compromisso foi finalmente elaborado e aprovado, como a Lei Aldrich-Vreeland, em 1908.[1]

Mas a parte importante da Lei Aldrich-Vreeland, que recebeu muito pouca atenção do público, mas foi perceptivelmente saudada pelos reformadores dos bancos, foi o estabelecimento de uma Comissão Monetária Nacional que investigaria a questão da moeda e sugeriria propostas para uma reforma bancária abrangente. Dois comentários entusiasmados sobre a Comissão Monetária foram particularmente perspicazes e proféticos.

Um foi o de Sereno S. Pratt, do Wall Street Journal. Pratt praticamente admitiu que o objetivo da comissão era sobrecarregar o público com uma suposta expertise e, assim, “educa-lo” para apoiar a reforma bancária:

    A reforma só pode ser realizada educando as pessoas para apoia-la, e essa educação deve necessariamente levar muito tempo. De nenhuma outra maneira tal educação pode ser efetuada de forma mais completa e rápida do que por meio de uma comissão … [que] faria um estudo internacional do assunto e apresentaria um relatório completo, que poderia ser a base para uma agitação inteligente.

Os resultados do “estudo” foram, é claro, predeterminados, assim como os membros da comissão de estudos supostamente imparciais.

Outra função da comissão, conforme declarado por Festus J. Wade, banqueiro de St. Louis e membro da comissão monetária da Associação Americana de Banqueiros, era “manter a questão financeira fora da política” e colocá-la diretamente sob a custódia segura de “especialistas” cuidadosamente selecionados (Livingston 1986, pp. 182-183). Assim, a Comissão Monetária Nacional foi a apoteose do conceito de comissão inteligente, lançado em Indianápolis uma década antes.

Aldrich não perdeu tempo em criar a Comissão Monetária Nacional (CMN), que foi lançada em junho de 1908. Os membros oficiais eram um número igual de senadores e deputados, mas estes eram mera fachada. O trabalho real seria feito pela copiosa equipe, nomeada e dirigida por Aldrich, que disse a seu colega na Câmara, o republicano de Cleveland Theodore Burton: “Minha ideia é, obviamente, que tudo seja feito da maneira mais silenciosa possível, e sem qualquer anúncio público.” Desde o início, Aldrich determinou que a CMN seria executada como uma aliança de Rockefeller, Morgan e Kuhn, Loeb. Os dois principais cargos de especialistas aconselhando ou ingressando na comissão foram sugeridos pelos líderes do Morgan.

Seguindo o conselho de J. P. Morgan, apoiado por Jacob Schiff, Aldrich escolheu como seu principal conselheiro o formidável Henry P. Davison, sócio de Morgan, fundador da Morgan’s Bankers’ Trust Company e vice-presidente do First National Bank of New York de George F. Baker. Seria Davison quem, na eclosão da Primeira Guerra Mundial, correria para a Inglaterra para cimentar os laços estreitos da J. P. Morgan and Company com o Banco da Inglaterra e receberia uma nomeação como segurador do monopólio de todos os títulos do governo britânico e francês a serem lançados nos Estados Unidos durante a guerra.

Para conhecimento técnico econômico, Aldrich aceitou a recomendação do amigo íntimo do presidente Roosevelt e colega de Morgan, Charles Eliot, presidente da Universidade de Harvard, que pediu a nomeação do economista de Harvard A. Piatt Andrew. E um membro ex officio da comissão escolhido pelo próprio Aldrich foi George M. Reynolds, presidente do Continental National Bank of Chicago, orientado por Rockefeller.

A CMN passou o outono viajando pela Europa e conferenciando informações e estratégias com chefes de grandes bancos europeus e bancos centrais. Como diretor de pesquisa, A. Piatt Andrew começou a organizar especialistas bancários americanos e a encomendar relatórios e estudos. O departamento de câmbio do National City Bank foi contratado para escrever artigos sobre aceitações de banqueiros e dívida externa, enquanto o funcionário de Warburg e Bankers’ Trust, Fred Kent, escreveu sobre o mercado de descontos europeu.

Tendo reunido informações e conselhos na Europa no outono de 1908, a CMN estava pronta para acelerar a velocidade máxima até o final do ano. Em dezembro, a comissão contratou o inevitável Charles A. Conant para pesquisa, relações públicas e agitprop. Por trás da fachada dos congressistas e senadores da comissão, o senador Aldrich começou a formar e expandir seu círculo íntimo, que logo incluiu Warburg e Vanderlip.

Warburg formou ao seu redor um subcírculo de amigos e conhecidos do comitê de câmbio da Associação de Comerciantes de Nova York, chefiado por Irving T. Bush, e dos altos escalões da Associação Econômica Americana, a quem ele havia feito um discurso defendendo o banco central em dezembro de 1908.

Warburg encontrava-se e correspondia-se frequentemente com os principais economistas acadêmicos que defendiam a reforma bancária, incluindo E. R. A. Seligman; Thomas Nixon Carver de Harvard; Henry R. Seager da Universidade de Columbia; Davis R. Dewey, historiador do setor bancário do MIT, secretário-tesoureiro de longa data da AEA e irmão do filósofo progressista John Dewey; Oliver M. W. Sprague, professor de sistema bancário em Harvard, da família Sprague ligada a Morgan; Frank W. Taussig de Harvard; e Irving Fisher de Yale.

Durante 1909, no entanto, os reformadores enfrentaram um grave problema: eles tiveram que seriamente alinhar banqueiros importantes como James B. Forgan, chefe do First National Bank of Chicago, orientado por Rockefeller, com o apoio a um banco central. Não que Forgan se opusesse a reservas centralizadas ou a um credor de última instância – muito pelo contrário, foi Forgan que reconheceu que, sob o Sistema Bancário Nacional, grandes bancos como o seu já estavam praticamente desempenhando funções de bancos centrais com seus próprios depositantes de bancos country; e ele não queria que seu banco fosse privado de tais funções por um novo banco central.

Os reformadores bancários, portanto, não mediram esforços para fazer com que homens como Forgan apoiassem entusiasticamente o novo esquema. Em seu discurso presidencial para a poderosa Associação Americana de Banqueiros em meados de setembro de 1909, George M. Reynolds não apenas se manifestou categoricamente a favor de um banco central nos EUA, a ser modelado segundo o Reichsbank alemão; ele também assegurou a Forgan e outros que tal banco central atuaria como depositário de reservas apenas para os grandes bancos nacionais nas cidades centrais de reservas, enquanto os bancos nacionais continuariam a manter depósitos para os bancos country.

Tranquilizado, Forgan realizou uma conferência privada com o círculo íntimo de Aldrich e aderiu totalmente ao banco central. Como resultado das preocupações de Forgan, os reformadores decidiram encobrir seu novo banco central com um véu espúrio de “regionalismo” e “descentralismo” por meio do estabelecimento de centros de reservas regionais, que dariam a aparência de bancos centrais regionais virtualmente independentes para encobrir a realidade de um monólito ortodoxo, europeu, de banco central.

Como resultado, o famoso advogado ferroviário Victor Morawetz fez seu famoso discurso em novembro de 1909, pedindo distritos bancários regionais sob a direção suprema de um conselho de controle central. Assim, as reservas e emissão de notas seriam supostamente descentralizadas nas mãos dos bancos regionais de reservas, enquanto na verdade seriam centralizadas e coordenadas pelo conselho central de controle. Este, é claro, foi o esquema eventualmente adotado no Federal Reserve System.[2]

Em 14 de setembro, ao mesmo tempo do discurso de Reynolds aos banqueiros do país, outro discurso significativo ocorreu. O presidente William Howard Taft, falando em Boston, sugeriu que o país considerasse seriamente a criação de um banco central. Taft esteve próximo dos reformadores – especialmente seus amigos Aldrich e Burton, orientados por Rockefeller – desde 1900. Mas a imprensa de negócios entendeu o grande significado desse discurso público: que era, como o Wall Street Journal colocou, um passo crucial, “para remover o assunto do reino da teoria para o da política prática” (citado em Livingston 1986, p. 191).

Uma semana depois, ocorreu um evento fatídico na história americana. Os reformadores bancários avançaram para intensificar sua agitação criando um sistema intricado unindo virtualmente governo-banco-imprensa para abrir o caminho para um banco central. Em 22 de setembro de 1909, o Wall Street Journal assumiu a liderança nesse desenvolvimento, iniciando uma notável série de 14 partes de primeira página sobre “Um Banco Central de Emissão”. Estes eram editoriais não assinados pelo Journal, mas na verdade foram escritos pelo onipresente Charles A. Conant, de seu ponto de vista como propagandista-chefe assalariado da Comissão Monetária Nacional do governo dos EUA.

A série era um resumo da posição dos reformadores, também não medindo esforços para assegurar aos Forgans deste mundo que o novo banco central “provavelmente lidaria diretamente apenas com os maiores bancos nacionais, deixando para estes últimos redescontar para seus correspondentes mais remotos” (ibid.).

Aos argumentos padrão para o banco central: “elasticidade” da oferta monetária, proteger as reservas bancárias manipulando a taxa de desconto e o fluxo internacional de ouro e combater crises resgatando bancos individuais, Conant acrescentou um toque pessoal: a importância de regular as taxas de juros e o fluxo de capitais em um mundo marcado pelo capital excedente. A dívida do governo teria, para Conant, a importante função de absorver o capital excedente; isto é, fornecer saídas lucrativas para a poupança financiando os gastos do governo.

A série do Wall Street Journal inaugurou uma campanha astuta e bem-sucedida de Conant para manipular a imprensa do país e colocá-la por trás da ideia de um banco central. Com base em sua experiência em 1898, Conant, juntamente com o secretário de Aldrich, Arthur B. Shelton, preparou resumos de materiais da comissão para os jornais durante fevereiro e março de 1910. Logo Shelton recrutou J. P. Gavitt, chefe do escritório da Washington da Associated Press, para vasculhar resumos de comissões, artigos e livros futuros em busca de “parágrafos de notícias” para chamar a atenção dos editores de jornais.

As organizações acadêmicas se mostraram particularmente úteis para a CMN, emprestando seu manto de conhecimento imparcial ao empreendimento. Em fevereiro, Robert E. Ely, secretário da ACP, propôs a Aldrich que um volume especial de seus Anais fosse dedicado à reforma bancária e monetária, a ser publicado em cooperação com a CMN, a fim de “popularizar no melhor sentido, alguns dos valiosos trabalhos da Comissão” (citado em Livingston 1986, p. 194).

E, no entanto, Ely teve a ousadia de acrescentar que, embora a ACP divulgasse os argumentos e conclusões da CMN, ela manteria sua “objetividade” evitando suas próprias recomendações políticas específicas. Como disse Ely: “Não defenderemos um banco central, mas apenas forneceremos os melhores resultados de seu trabalho de forma condensada e linguagem não técnica”.

A AACPS também contribuiu com seu próprio volume especial, Banking Problems (1910), apresentando uma introdução de A. Piatt Andrew, de Harvard e da CMN, e artigos de veteranos reformadores bancários como Joseph French Johnson, Horace White e Fred I. Kent, funcionário do Morgan Bankers’ Trust. Mas a maioria dos artigos era de líderes do National City Bank of New York, de Rockefeller, incluindo George E. Roberts, ex-banqueiro de Chicago e funcionário da Casa da Moeda dos EUA prestes a ingressar no National City.

Enquanto isso, Paul M. Warburg encerrou sua longa campanha por um banco central em um famoso discurso na YMCA de Nova York em 23 de março, sobre “Um Banco de Reserva Unido para os Estados Unidos”. Warburg basicamente delineou a estrutura de seu amado Reichsbank alemão, mas teve o cuidado de começar sua palestra observando uma pesquisa recente no Banking Law Journal de que 60% dos banqueiros do país eram a favor de um banco central desde que “não fosse controlado por ‘Wall Street ‘ ou qualquer interesse monopolista.”

Para acalmar esse medo, Warburg insistiu que, semanticamente, o novo Reserve Bank não fosse chamado de banco central, e que o conselho de administração do Reserve Bank fosse escolhido por membros do governo, comerciantes e banqueiros – com banqueiros, é claro, dominando as escolhas. Ele também deu um distinto toque de Warburg ao insistir que o Reserve Bank substituísse o odiado sistema de crédito comercial intransferível dominante nos Estados Unidos pelo sistema europeu no qual um banco de reserva provia um mercado garantido e subsidiado para notas comerciais transferíveis endossadas por bancos de aceitação. Desta forma, o United Reserve Bank corrigiria a “completa falta de letras de câmbio modernas [ou seja, aceitações]” nos Estados Unidos.

Warburg acrescentou que toda a ideia de um mercado livre e autorregulado era obsoleta, principalmente no mercado monetário. Em vez disso, a ação do mercado deve ser substituída pelo “melhor julgamento dos melhores especialistas”. E adivinhe quem estava programado para ser um dos melhores desses melhores especialistas?

O maior incentivador do plano Warburg, e o homem que introduziu o volume de Warburg sobre a reforma bancária (1911) era seu parente e membro da família de bancos de investimento Seligman, o economista da Columbia E. R. A. Seligman (Rothbard 1984, pp. 98-99; Livingston 1986, pp. 194-98).

A Associação dos Comerciantes de Nova York ficou tão encantada com o discurso de Warburg que distribuiu 30.000 exemplares durante a primavera de 1910. Warburg abriu o caminho para esse apoio reunindo-se regularmente com o comitê de moeda da Associação dos Comerciantes desde outubro de 1908, e seus esforços foram ajudados pelo fato de que o especialista residente do comitê de comerciantes era ninguém menos que Joseph French Johnson.

Ao mesmo tempo, na primavera de 1910, os numerosos volumes de pesquisa publicados pela CMN chegaram ao mercado. O objetivo era inundar a opinião pública com uma abundância de estudos analíticos e históricos impressionantes, todos supostamente “científicos” e “isentos de juízo de valor”, mas todos projetados para ajudar a promover a agenda comum de um banco central.

Um exemplo típico foi o gigantesco estudo estatístico de E. W. Kemmerer sobre variações sazonais na demanda por moeda. A ênfase foi colocada no problema da “inelasticidade” da oferta de moeda, em particular a dificuldade de expandir essa oferta quando necessário. Embora Kemmerer se sentisse impedido de explicar as implicações políticas – estabelecer um banco central – no livro, seus agradecimentos no prefácio a Fred Kent e ao inevitável Charles Conant deixaram uma pista para os que prestaram atenção, e o próprio Kemmerer as revelou em seu discurso para a Academia de Ciências Políticas em novembro.

Agora que as bases teóricas e acadêmicas haviam sido lançadas, na segunda metade de 1910 era hora de formular um plano prático concreto e dar um golpe poderoso a seu favor. No livro Reform of the Currency, publicado pela ACP, Warburg colocou a questão com clareza cristalina: “O avanço só é possível traçando um plano tangível” que definiria os termos do debate a partir de então (p. 203).

A fase do plano tangível do movimento do banco central foi lançada pela sempre flexível ACP, que realizou uma conferência monetária em novembro de 1910, em conjunto com a Câmara de Comércio de Nova York e a Associação dos Comerciantes de Nova York. Os membros da CMN foram os convidados de honra deste conclave, e os representantes foram escolhidos por governadores de 22 estados, além de presidentes de 24 câmaras de comércio.

Também estiveram presentes um grande número de economistas, analistas monetários e representantes da maioria dos principais bancos do país. Os participantes da conferência incluíram Frank Vanderlip, Elihu Root, Thomas W. Lamont dos Morgans, Jacob Schiff e J. P. Morgan.

As sessões formais da conferência foram organizadas em torno de documentos de Kemmerer, Laughlin, Johnson, Bush, Warburg e Conant, e a atmosfera geral era de que banqueiros e empresários deveriam tomar suas orientações gerais dos acadêmicos participantes. Como disse James B. Forgan, o banqueiro de Chicago que agora estava solidamente do lado dos bancos centrais, “Deixe os teóricos, aqueles que… podem estudar a partir da história passada e das condições presentes o efeito do que estamos fazendo, estabelecerem princípios para nós e deixe-nos ajudá-los com os detalhes”.

  1. Stuart Patterson apontou as grandes lições da Comissão Monetária de Indianápolis e a maneira como suas propostas triunfaram na batalha porque “nós voltamos para casa e organizamos um movimento agressivo e ativo”. Patterson então determinou o que isso significaria concretamente para as tropas reunidas: “Isso é exatamente o que você deve fazer neste caso, você deve apoiar as mãos do senador Aldrich. Você tem que garantir que o projeto de lei que ele formula … obtenha o apoio de todas as partes deste país” (Livingston 1986, pp. 205-207).

Com a conferência monetária de Nova York terminada, agora era hora de Aldrich, cercado por alguns dos mais altos líderes da elite financeira, se isolar e elaborar um plano detalhado em torno do qual todas as partes do movimento do banco central poderiam se unir. Alguém no círculo íntimo de Aldrich, provavelmente o sócio de Morgan Henry P. Davison, teve a ideia de convocar um pequeno grupo de líderes do alto escalão em um conclave supersecreto para redigir o projeto de lei do banco central. Em 22 de novembro de 1910, o senador Aldrich, com um punhado de companheiros, partiu em um vagão particular de Hoboken, Nova Jersey para a costa da Geórgia, onde pegaram um barco até um retiro exclusivo, o Jekyll Island Club.

As instalações para a reunião foram organizadas pelo membro do clube e co-proprietário J. P. Morgan. A reportagem de capa divulgada à imprensa era que se tratava de uma simples expedição de caça de patos, e os conferencistas tomaram precauções elaboradas nas viagens de ida e volta para preservar seu sigilo. Assim, os participantes se dirigiam apenas pelo primeiro nome, e o vagão foi mantido escuro e fechado para repórteres ou outros viajantes no trem. Um repórter aparentemente entendeu o propósito da reunião, mas foi de alguma forma persuadido por Henry P. Davison a manter o silêncio.

Os conferencistas trabalharam durante uma semana inteira em Jekyll Island para elaborar o rascunho do projeto de lei do Federal Reserve. Além de Aldrich, os conferencistas incluíram Henry P. Davison, sócio de Morgan; Paul Warburg, cujo discurso na primavera impressionou muito Aldrich; Frank A. Vanderlip, vice-presidente do National City Bank of New York; e, finalmente, A. Piatt Andrew, chefe da equipe da CMN, que recentemente havia sido nomeado secretário adjunto do tesouro pelo presidente Taft.

Após uma semana de reuniões, os seis homens forjaram um plano para um banco central, que acabou se tornando o projeto de lei Aldrich. Vanderlip atuou como secretário da reunião e contribuiu com a redação final.

A única discordância substancial foi tática, com Aldrich tentando defender um banco central direto no modelo europeu, enquanto Warburg e os outros banqueiros insistiam que a realidade do controle central fosse envolta na camuflagem politicamente palatável da “descentralização”. É engraçado que os banqueiros fossem os mais politicamente astutos, enquanto o político Aldrich queria renunciar a considerações políticas. Warburg e os banqueiros venceram, e o rascunho final era basicamente o plano de Warburg com uma pátina descentralizada tirada de Morawetz.

A elite do poder financeiro agora tinha seu próprio projeto de lei. O significado da composição da pequena reunião deve ser enfatizado: dois homens de Rockefeller (Aldrich, Vanderlip), dois Morgans (Davison e Norton), um de Kuhn, Loeb (Warburg) e um economista amigo de ambos os campos (Andrew) (Rothbard 1984, pp. 99-101; Vanderlip 1935, pp. 210-19).

Depois de trabalhar em algumas revisões do rascunho de Jekyll Island com Forgan e George Reynolds, Aldrich apresentou o rascunho de Jekyll Island como o Plano Aldrich para a CMN completo em janeiro de 1911. Mas aqui ocorreu um evento incomum. Em vez de apresentar rapidamente este projeto de lei Aldrich ao Congresso, seus redatores esperaram um ano inteiro, até janeiro de 1912. Por que o inusitado atraso de um ano?

O problema foi que os democratas varreram as eleições para o Congresso em 1910 e Aldrich, desanimado, decidiu não concorrer à reeleição para o Senado no ano seguinte. O triunfo democrata significou que os reformadores tiveram que dedicar um ano de intensa agitação para converter os democratas e intensificar a propaganda para o resto do setor bancário, empresarial e público. Em suma, os reformadores precisavam se reagrupar e acelerar sua agitação.

 

___________________________________

Notas

[1] A provisão de moeda de emergência foi usada apenas uma vez, pouco antes do vencimento da provisão, em 1914, após o estabelecimento do Federal Reserve System.

[2] Victor Morawetz foi um eminente advogado no âmbito de Morgan, que atuou como presidente do comitê executivo da Atchison, Topeka and Santa Fe Railway, e membro do conselho do Banco Nacional de Comércio, dominado por Morgan. Em 1908, Morawetz, juntamente com o advogado pessoal de J. P. Morgan, Francis Lynde Stetson, foram os principais redatores de um projeto de lei malsucedido Morgan-National Civic Federation para uma lei federal de incorporação para regular e cartelizar as corporações americanas. Mais tarde, Morawetz seria um dos principais consultores de outra reforma “progressista” de Woodrow Wilson, a Federal Trade Commission. Sobre Morawetz, ver Rothbard (1984, p. 99).