A Grande Rebelião dos pilotos?

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

As inacreditáveis crueldade e estupidez da vacinação compulsória finalmente saíram pela culatra. A reação negativa do mandato da vacina já estava difícil de ser escondida debaixo do tapete, e agora se espalhou, ameaçando descarrilar completamente uma economia já em ruínas e obliterar um presidente e um governo dos EUA profundamente impopulares.

Aparentemente do nada, o que parece ser uma rebelião da Southwest Airlines decolou neste fim de semana. De acordo com relatos da mídia, muitos pilotos e outros funcionários da Southwest coordenaram uma requisição de “dias de licença médica” para usá-los antes de uma ordem da Southwest Airlines de tomar a picada ou perder o emprego. Nos sábados e domingos, mais de 2.000 voos foram cancelados, com aeroportos sofrendo um caos total.

A Associação dos Pilotos da Southwest Airlines está processando a companhia aérea por causa do mandato da vacina compulsória, reforçando a alegação de que há uma protesto em curso entre os pilotos da Southwest irritados.

A grande mídia está fazendo o possível para conter a rebelião em expansão contra os mandatos da vacina, e a própria Southwest Airlines está culpando o mau tempo e a falta de controladores de tráfego aéreo pelos cancelamentos. No entanto, os problemas climáticos que a Southwest afirma estar enfrentando parecem exclusivos dessa companhia aérea: nenhuma outra companhia aérea (até agora) está relatando tais cancelamentos relacionados ao clima. E o porta-voz da FAA, Steve Kulm, disse ao USA Today que “nenhuma escassez de pessoal de tráfego aéreo da FAA foi relatada desde sexta-feira”.

Outros pilotos, como os da American Airlines, seguirão o exemplo? Circulam rumores de que este é apenas o começo.

Nas últimas semanas, milhares de enfermeiras, profissionais da área médica e socorristas pediram demissão ou foram demitidos por se recusarem a receber um tratamento médico que não querem ou não precisam. A “escassez de enfermagem” que os políticos democratas e a grande mídia culpam aos “crescentes casos da Covid” tem sido na realidade um desastre de proporções históricas de origem humana. A crise de enfermagem não é causada pela “Covid” – os casos estão em declínio nos EUA há semanas. É causada pela demissão de pessoal médico que se recusou a tomar as picadas experimentais de Covid.

A estupidez de adotar uma política de demissão de profissionais de saúde e, ao mesmo tempo, alegar que há uma pandemia violenta que assola o país não passou despercebida aos americanos. Os números das pesquisas de popularidade do presidente Biden estão em queda livre, sem surpresa, com os principais candidatos democratas, como Terry McAuliffe, da Virgínia, reclamando abertamente que o profundamente impopular Biden o está ameaçando em uma disputa acirrada para governador.

Enquanto lacaios do governo Biden como Fauci estão dizendo aos americanos que eles não podem celebrar o Natal novamente este ano, mais e mais americanos estão fartos com esse terrorismo de “saúde pública”. Aqui no Texas, cem mil fãs sem máscara do Texas A&M invadiram o campo de futebol no sábado, após uma vitória surpresa de última hora sobre o Alabama. No Texas e em outros lugares, o governo está perdendo o fator medo.

A história pode registrar este fim de semana como o ponto de virada contra a tirania Covid do governo Biden. De enfermeiras a pilotos, caminhoneiros e até mesmo ferroviários, parece que os EUA está se levantando e dizendo “chega!” Cada um de nossos concidadãos que se levantou por princípio para se opor à tirania – enfrentando a perda de seus empregos e segurança – tem uma dívida de gratidão por todos os que amam a liberdade. Esperemos que a rebelião pacífica continue a crescer!

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorBikram, Tadashi e a tentativa da esquerda de redefinir estupro
Próximo artigoA pandemia ampliou ainda mais a dependência do governo
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano. É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007). O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.