A pandemia ampliou ainda mais a dependência do governo

0
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

O estado luta pelo poder, e o que concede poder é o medo e a dependência. O estado está tornando as pessoas dependentes dele, tanto como meio de controle quanto como resultado de muitas políticas destinadas a fornecer ajuda.

Temos visto muito medo e dependência nesta pandemia. O medo tem sido a mensagem que impulsionou tipos de políticas repressivas que antes não eram possíveis. Se alguém tivesse sugerido apenas há pouco mais de um ano que países inteiros, países europeus democráticos, fechariam e colocariam as pessoas em quarentena em suas casas, a maioria de nós o teria considerado louco. Mas aconteceu. Como o medo foi alimentado, muitas populações concordaram com isso. Embora mais tarde tenham protestado e resistido, era tarde demais. Muito do dano já estava feito. E, claro, muitos temiam não apenas o vírus, mas também a polícia, que às vezes com enorme brutalidade reprimia aqueles que buscavam um pouco de ar fresco depois de semanas presos em suas casas.

É possível reverter essas políticas. Todavia, muitas delas precisarão ser revertidas para que a sociedade volte a funcionar. Para ser claro, não é possível para o estado manter todos trancados em suas casas por muito tempo. Isso passa dos limites e aponta para o limite do poder do estado. Quando o povo se levanta em oposição, como vimos nesta pandemia, o estado não tem poder.

Muito mais problemático é o outro lado do lockdown e os danos causados ​​ao sistema econômico. Não apenas as pessoas foram obrigadas a parar, mas a sociedade e, portanto, praticamente toda a economia foi forçada a pausar. O problema aqui é que não existe um “botão de pausa” para a economia. Pode parecer fácil para os políticos, que não têm ideia de como o mundo real funciona. Mas você não pode simplesmente pausar um negócio. Você também não pode pausar a cadeia de abastecimento. Se você já dirigiu uma empresa, sabe que ser empresário não é um estado estacionário, mas um processo de mudança. É uma luta constante conseguir que o dinheiro entre para cobrir os custos que assumiu há muito tempo. É isso que empresários e empresas fazem. Eles assumem os custos e imaginam que serão pagos por seus esforços mais tarde, e pagos mais do que o custo que já assumiram.

Em outras palavras, se você “pausa” um negócio, os custos permanecem, mas você não obtém receita. Como você vai pagar essas contas quando tudo está em pausa? Você não pode. Isso talvez seja fácil de entender … tão fácil que até mesmo alguns políticos entendem o conceito. Muitos países como os Estados Unidos ofereceram alívio na forma de empréstimos a empresas. Claro, esses esquemas vêm com o clientelismo e favoritismo usuais. Muitas vezes, os empréstimos não acabam nas mãos dos destinatários. Eles também transferem o poder e a influência do mercado para os burocratas do governo. Ou, em outras palavras, as empresas sobrevivem ou falem conforme decidido pelos burocratas, não pelos consumidores.

Existe mais do que simplesmente dinheiro. Imagine o processamento de alimentos e o produtor de carne bovina quando os políticos pressionam o botão de pausa, que impede que as empresas lidem com o abate, corte, processamento e transporte de carne. Mas isso não impede a agricultura. Os animais do fazendeiro não param de crescer e não param de comer porque a economia está paralisada. O fazendeiro irá à falência porque ele precisa cobrir sua comida, água e cuidados sem poder vender nenhuma carne. Mesmo que ele economize para cobrir as despesas, a carne perderá qualidade e valor à medida que as vacas envelhecem. Ao mesmo tempo, nenhuma carne chega às prateleiras das lojas. Assim, enquanto o agricultor está preso a custos que não pode cobrir porque não pode vender a carne que produz, os consumidores não conseguem encontrar carne nas lojas. Consequentemente, experimentamos uma escassez de alimentos, enquanto ao mesmo tempo os agricultores e outros produtores têm excedentes que não podem manter e não podem vender. Que situação absurda.

O efeito disso é claro que o fazendeiro não será capaz de crescer novamente quando os políticos apertam o botão play na economia e o processamento da carne é retomado. Ele não terá sido capaz de fazer esses investimentos contínuos em seu negócio para atender à demanda futura de carne. Afinal, ele estava preso a custos adicionais e sem nenhuma receita. Portanto, apertar play não resolverá a falta de alimentos.

A mesma história também pode ser contada para outros tipos de negócios. Você não pode parar o cargueiro que está a caminho. Você não pode armazenar toras de madeira esperando pela serraria. Você não pode interromper minas e usinas de fundição. E se uma tarefa puder ser pausada, isso afetará a outra tarefa na cadeia de suprimentos. Quanto mais longo o lockdwon, mais empresas teriam falido e as cadeias de suprimentos estariam em ruínas. Esta é uma perda enorme. Embora possa ser reconstruída, só se pode fazer com um custo enorme. E ainda exige que existam pessoas com o know-how e a disposição para iniciar esse tipo de negócio novamente. Podemos esperar que essas pessoas se ergam e tentem novamente, mesmo depois de terem sido esmagadas?

Os efeitos de longo prazo dessa loucura ainda não foram vistos. Mesmo que o vírus desapareça amanhã, esses problemas permanecerão. Eles levam tempo para serem resolvidos e muito trabalho para juntar as coisas novamente, mesmo que seja possível. A questão aqui é que esta seria uma situação muito ruim se fosse um choque repentino para uma economia de livre mercado.

Este não é o caso. Essas nações ocidentais dificilmente eram paraísos de livre mercado. Em vez disso, eram estados de bem-estar social de magnitudes variadas. No caso dos Estados Unidos, um estado de bem-estar social e de guerra. Em outras palavras, essas sociedades e economias já estavam sobrecarregadas por Estados grandes e muito onerosos que usurpavam o que o mercado permitia. O que isso significa é que o mercado que existia já estava sobrecarregado por financiar o não mercado.

O estado custa dinheiro, mas o fardo maior são o monte de pessoas que ele alivia da disciplina do mercado. No mercado puramente livre, você é pago de acordo com sua contribuição para o valor proporcionado aos consumidores. Para ser franco, se você produz muito valor, você recebe muito. Mas se você não produz nada, esse nada pode ser o seu salário.

Claro, haveria sistemas e instituições para cuidar dos desempregados temporários e daqueles com menos sorte. Mas eles seriam a exceção à regra. A maioria das pessoas conseguiria encontrar um emprego, mas não receberia o que é chamado de salário mínimo para subsistência. Em geral, os preços são muito mais baixos quando estamos todos produzindo, o que significa que nossos salários podem comprar muito mais bens e serviços. Seria um fardo fácil de carregar e cuidar dos necessitados, quando a maioria das pessoas pode cuidar de si mesmas. Isso pode ser feito e voluntariamente. E costumava ser esse o caso. Com o seguro-desemprego cooperativo e as caixas coletivas de auxílio-doença, onde os trabalhadores compartilham o risco, era assim. Quando o estado monopolizou esses serviços, também os tornou mais gerais e os ofereceu “gratuitamente”.

O incentivo passou a ser explorar o sistema o máximo possível, em vez de contribuir, mas ficar fora dele por respeito aos seus colegas. As pessoas tentavam evitar sobrecarregar as outras. Agora é o contrário. Isso aumentou a carga e, portanto, o custo e também a tributação. Então, o estado contrata mais gente para administrar esses sistemas. Isso foi no começo, mas já vem acontecendo há muitas décadas. O Estado é uma empresa enorme em toda a Europa e no Ocidente e muito do que faz é minar o mercado, criando incentivos para não trabalhar, não produzir e não contribuir para o bem-estar social. O resultado é que grande parte da população não contribui de fato para a riqueza da nação. Isso não inclui apenas os doentes, idosos e aqueles que exploram o sistema porque podem. Inclui também todos os que trabalham para o governo, que na verdade vivem da produção que é feita no mercado. O governo não produz nenhum valor.

Embora o custo do estado seja normalmente contabilizado no PIB, faria mais sentido subtraí-lo do valor criado no mercado. Isso nos dará uma boa ideia da solidez da economia. Quantas economias no Ocidente você acha que criam mais valor do que gastam? Com esse enorme fardo sobre a economia, as chances de o empreendedorismo ter sucesso diminuem. Até mesmo começar um negócio que coloque comida suficiente na mesa é muito difícil. É muito mais difícil por causa dos impostos, taxas, licenças, regulamentos e assim por diante que os políticos e burocratas impõem aos empresários e empresas privadas.

Em outras palavras, muitas oportunidades simplesmente não são valiosas o suficiente para cobrir a carga extra colocada sobre o empreendedorismo pelo estado. Portanto, elas permanecem inexploradas ou subexploradas. Isso reduz o número de empregos nas empresas, o que deixa ainda mais pessoas sem a possibilidade de ganhar a vida. E assim, elas buscam ajuda e, portanto, se inserem no sistema estatal. A única saída é encontrar um emprego em um desses negócios que dificilmente serão abertos porque o estado tornou muito pesado para se administrar um negócio.

Para cada pessoa que deixa de trabalhar e ganhar a vida e, portanto, deixa de contribuir com a economia, há uma perda na produção e um aumento no fardo. Para cada pessoa que perde o emprego e se torna dependente do seguro-desemprego e de outras formas de subsistência, a economia perde produção e tem de carregar uma carga mais pesada. Como resultado, a economia se torna menos animada e exuberante. Há menos empreendedorismo, há menos produção, o que significa que há menos oportunidades para as pessoas encontrarem empregos. Elas se tornam cada vez mais dependentes do estado.

Essa dependência é um problema por muitos motivos, especialmente quando as pessoas se tornam dependentes de longo prazo do sistema. Como uma breve parada para erguer uma pessoa, o sistema causaria apenas um pequeno dano. Faria o que os sistemas privados costumavam fazer. Mas não é assim que esses sistemas funcionam, especialmente quando o estado se torna um fardo cada vez maior na criação de valor e no mercado. As pessoas ficam presas no sistema porque raramente há uma saída e porque os sistemas foram projetados para serem generosos. Afinal, não são punições.

Os políticos se orgulham de prometer que você não precisará diminuir muito seu padrão de vida quando perder o emprego. É uma ótima maneira de obter votos e faz você parecer generoso e atencioso, mas é totalmente destrutivo pagar às pessoas por não trabalharem tanto quanto por contribuírem para o bem-estar geral de nossa sociedade. Quando as pessoas ficam presas nesses sistemas, isso afeta sua auto-estima. Quanto mais tempo permanecerem nesses programas, menores serão as chances de terem uma habilidade ou valor, um meio de contribuir, de que possam fazer algo que ainda tem valor. Elas perdem a esperança, perdem a confiança, tornam-se totalmente dependentes do Estado, e não apenas financeiramente. Quando elas começam a acreditar que não podem viver sozinhas, que não podem cuidar de si mesmas e de suas famílias, e quando concluem que não há empregos para pessoas como elas, é quando se perdem e param de tentar. Afinal, qual é o sentido?

Pessoas nessa situação terrível têm muito mais probabilidade de serem hostis com aquelas que não estão lhes dando uma chance, ou seja, negócios, empreendedores, o mercado. Elas são mais propensas a usar seus votos para se beneficiarem, coisa que você dificilmente pode culpá-las por fazer. O fardo da economia aumenta rapidamente, o que causa problemas maiores e mais pessoas dependentes do Estado, e ainda menos em posições que realmente contribuem. Acrescente-se a essa situação, que já existia antes da pandemia, a morte em massa de empresas após as desastrosas políticas adotadas para “combater o vírus”.

O fazendeiro em meu exemplo não será capaz de reconstruir seu negócio. Mesmo se ele pudesse pagar, por que ele escolheria construir novamente o que já foi destruído? Ninguém vai agradecer a ele. E pode ser destruído novamente. Por que ele colocaria todo esse esforço e assumiria esse risco quando há pouca ou nenhuma gratidão pelo que ele faz? Pode até não haver muito lucro. Assim, o ressentimento aumenta, o fardo aumenta, fica mais difícil abrir e administrar empresas. Mais pessoas se tornam dependentes do estado e, portanto, aumentam o fardo para aquelas que não são. Esta é uma receita para o desastre porque nos leva apenas para um caminho, que Hayek chamou de “o caminho da servidão”. O estado cresce como uma doença em um corpo que não é saudável o suficiente para resistir ao ataque. Politicamente, este é um caminho para o estado que abrange tudo – o totalitarismo.

O estado precisa e recebe mais poder à medida que mais pessoas se tornam dependentes dele. Essa é a triste verdade e é isso que estamos vendo. Aqueles que dependem dele estão muito dispostos a conceder um pouco mais para consertar o sistema. O problema, porém, não é a incapacidade do Estado de fazer isso. O estado nunca tem tal capacidade. O problema é a falta de mercado, e essa falta fica mais presente à medida que o estado cresce. Essa é a razão para irmos mais forte contra o estado, mas para a maioria os incentivos são exatamente o oposto, pedir mais. É com isso que estamos lidando e é por isso que devemos romper a dependência das pessoas do Estado.

 

Artigo original aqui