A Guerra entre Estados mudou? Uma análise anarcocapitalista sobre o conflito na Ucrânia

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Raramente trato de eventos atuais nesta coluna, mas acho que a oportunidade de comentar sobre uma guerra entre estados vizinhos não pode ser desperdiçada. A maioria das guerras deste século foram guerras civis, entre facções dentro de um mesmo Estado que aspiram a dominá-lo, ou intervenções de alguma superpotência ou potência regional sobre outro Estado muito mais fraco ou em apoio a um dos lados em conflito em algum conflito civil.

De fato, uma guerra convencional entre dois estados modernos com exércitos organizados não é vista há muito tempo. Mesmo com óbvias assimetrias entre eles, o conflito segue as diretrizes dos antigos conflitos que já achávamos coisa do passado. Ambos têm representação na ONU, um corpo diplomático conjunto e estruturas estatais avançadas. Eles também têm exércitos regulares e em princípio parece que ambos cumprem mais ou menos as convenções sobre o tratamento dos prisioneiros e lutam com uniforme e bandeira e com poucas exceções parece que eles não realizam deliberadamente (ou pelo menos não admitem abertamente) ataques à população civil.

Não estamos acostumados a esses conflitos porque a famosa anarquia internacional a que se referem os teóricos das relações internacionais há muito tempo inibe que esses conflitos ocorram. De fato, o aumento das relações comerciais e culturais parecia ter feito as guerras diretas entre os Estados desaparecer. Norman Angell havia nos alertado que a densidade das relações econômicas significava que uma guerra envolveria perdas econômicas tão grandes em um mundo inter-relacionado que a mera possibilidade de que isso ocorresse fosse descartada. Empresas multinacionais, fluxos migratórios ou turismo a redução substancial das tensões entre os diferentes povos da terra e garantiram que a guerra iria causar graves danos aos países em conflito.

Parte disso é verdade. Se olharmos além dos danos militares, podemos ver como a guerra está causando danos terríveis à economia da potência atacante, a Rússia. É a primeira vez que posso observar como uma potência atacante, presumivelmente poderosa, inicia uma guerra com uma restrição bancária e com uma clara ameaça de calote na dívida. Esses fenômenos ocorreram no passado, mas no final da guerra e após uma derrota, não antes. Embora Angell pareça errado em sua avaliação de que a interconexão comercial e a globalização econômica tornariam guerras futuras impossíveis, ele está correto em suas consequências em um mundo econômico interconectado. As perdas provavelmente serão maiores do que qualquer benefício que a economia russa poderia obter com a anexação de territórios ucranianos, não importa quantas minas ou recursos eles possam ter.

Com efeito, os benefícios de qualquer conquista possível não são mais os mesmos de antes (no caos improvável que havia antes). Além do prestígio político que Putin e seus oligarcas poderiam obter, não está claro para mim o que eles podem ganhar ou oferecer à sua população como recompensa pelos custos e sacrifícios da invasão. Em teoria, eles podem obter recursos naturais como carvão ou terras agrícolas, mas sem uma população treinada e cooperativa serão de pouca utilidade. Os custos de ocupação e coerção superariam em muito os benefícios hipotéticos da conquista. A própria Rússia é um exemplo de país que possui enormes depósitos de metais e matérias-primas e vastas extensões de terras agrícolas, com lucros medíocres.

Putin e sua oligarquia parecem ancorados nas velhas doutrinas geopolíticas que aposta tudo na posse do espaço, sem perceber que o relevante hoje é o capital, seja físico ou humano, bem inserido em um mercado capitalista mundial. Algum teórico estudou o caso de uma hipotética invasão do Vale do Silício, uma das áreas mais ricas do mundo, por uma potência estrangeira. Sua conclusão é que muito pouco seria levado além de prédios e terrenos, o que não compensaria em nada os custos da conquista, já que a riqueza daquele território se baseia na capacidade criativa e industrial de seu povo e quase nada nos recursos com o qual conta. E essas pessoas não podem ser forçadas a trabalhar criativamente por um invasor, pois criatividade e engenhosidade não podem ser impostas. Algo semelhante aconteceria com a invasão do Japão ou de Cingapura, para dar outros exemplos.

A isto devemos acrescentar que uma hipotética anexação destes territórios implicaria assumir espaços fisicamente devastados pela guerra e uma população pouco cooperativa, que teria de ser forçada, se possível, a cooperar com o invasor. Este último ponto também pode surpreender aqueles acostumados a pensar com velhas formas de pensamento, pois nos dirão que muitos deles são eticamente ou culturalmente russos. Nos séculos passados, imbuídos de ideias nacionalistas clássicas, a composição étnica ou linguística de um território tinha muito a ver com guerras de invasão. Basta lembrar as tentativas da Alemanha nacional-socialista de unificar todos os povos de cultura alemã em um único Estado, o que deu origem a infindáveis ​​queixas e conflitos. Outros estados europeus realizaram, em menor escala, tentativas semelhantes com maior ou menor sucesso. Mas hoje o nacionalismo, corroído pelas ideologias pós-modernas, é apenas um entre muitos fatores de identificação da população. E provavelmente não o principal. Muitas pessoas no sudoeste dos Estados Unidos, por exemplo, são etnicamente ou culturalmente mexicanas, mas duvido muito que subscrevam a ideia do grande Aztlan e da reunificação política com seus vizinhos do sul. Ou muitos marroquinos de Melilla, também para dar exemplos próximos.

Bem, na Ucrânia russófona parece acontecer três quartos do mesmo. Muitos russos ucranianos, diante do dilema de retornar à Grande Rússia, com tudo o que isso implica, ou permanecer em uma Ucrânia com melhores perspectivas de um padrão de vida mais elevado ou de maiores liberdades políticas ou pessoais, não parecem ter dúvidas. Eles optam por expectativas mais altas do que a unificação com esses irmãos sem amor e, assim, exibem uma forte resistência à agressão. Por isso, é surpreendente para muitos que seja nessas áreas aparentemente mais propensas onde há maior resistência e onde os avanços russos são menores. Talvez porque saibam o que os espera e não estejam muito dispostos a isso.

Esta guerra também parece concretizar as previsões de transformação da guerra e do Estado levantadas pelo brilhante analista militar israelense Martin van Creveld, muito admirado nos meios anarcocapitalistas, embora ele não seja um. Em uma série de livros, especialmente Rise and fall of the state e Transformation of war, ele levantou há alguns anos a possibilidade de que os exércitos convencionais do estado não fossem a melhor opção de defesa em nossos tempos. A tese deste autor é que os Estados são projetados para a guerra e seus mecanismos de defesa e ataque seriam, portanto, projetados para enfrentar outros Estados. As mudanças na forma de operar a guerra teriam seu correlato na mudança nas formas do Estado. Grandes exércitos exigiriam grandes exércitos para enfrentá-los e, portanto, grandes estados que os pudessem sustentá-los. Mas van Creveld afirma que o nosso tempo não é mais de lutas entre grandes unidades militares, mas de grandes unidades contra pequenas, muitas delas extra-estatais, como guerrilhas, máfias, gangues, piratas ou redes terroristas sem continuidade territorial, como a Al Qaeda, por exemplo. Diante dessas novas realidades, os antigos exércitos são desproporcionais e incorrem em enormes custos em relação aos desafios que enfrentam. Considere o custo de enviar grandes navios de guerra ao Oceano Índico para combater os piratas somalis. Não compensa enviar uma fragata para combater lanchas rápidas armadas com armamento ligeiro, e de fato a solução que se propôs foi modular a defesa ao ataque e decidiu-se embarcar mercenários em navios comerciais, bem armados mas adaptados às dimensão da ameaça. Sua tese sobre o Estado é que, se a forma e o espaço da defesa mudam, também mudarão a forma e o espaço do Estado.

Quando a guerra na Ucrânia terminar, espero que em breve, ela possa servir perfeitamente para testar esta tese. Em princípio, como apontamos anteriormente, parece uma guerra convencional entre dois Estados com exércitos, órgãos de inteligência e serviços diplomáticos. Portanto, quem tiver maior habilidade na arte da guerra e melhor capacidade operacional deve vencer, algo que em princípio parece favorecer o exército russo. Mas a guerra não está se desenvolvendo (pelo menos hoje) como uma típica guerra entre Estados, mas como o que se costuma chamar de conflito assimétrico.

Uma das partes, a russa, tem uma superioridade militar avassaladora. Seu exército tem armas cada vez mais sofisticadas e tem um número maior de homens treinados para a guerra. A outra parte, a ucraniana, parece enfrentar o conflito no estilo do que aconteceu na guerra espanhola contra os franceses no início do século XIX. Ou seja: combina um exército regular enfraquecido com a ação de guerrilheiros e grupos paramilitares (no estilo do tão difamado batalhão Azov), que emboscam unidades russas e impedem ou dificultam com sucesso seu avanço. Armados com armas leves e de custo relativamente baixo, como Stingers, canhões antitanque Javelin ou drones baratos fabricados na Turquia, eles parecem ser altamente eficazes em aumentar os custos da conquista russa.

Os russos, por sua vez, operam principalmente com seu exército regular, formado por conscritos e soldados profissionais, e com a colaboração de contingentes de mercenários e voluntários das repúblicas sombrias reconhecidas pela Rússia (talvez também tenham consciência da necessidade de operar com forças com algum grau de autonomia, mas devido à própria dinâmica da guerra, parece que estas funcionam como um exército convencional de estado ao seguir uma estratégia marcada pelo comando central (que, ao que parece, está sendo expurgado por ser incompetente ). Esta forma de combate mais ou menos centralizada tem a vantagem de concentrar as forças, mas a desvantagem de que, se houver um erro estratégico, é todo o exército que comete o erro. E é isso que parece estar acontecendo. A aparente estratégia de blitzkrieg russa falhou e agora uma guerra de desgaste está chegando. Veremos em breve se as profecias de Van Creveld e dos novos teóricos da guerra se cumprem e se estão ocorrendo mudanças na forma do Estado. No momento há alguma inovação, pequena, mas há, como o surgimento das novas repúblicas fantoches de Donbas, a possível entrada na guerra da Transnístria e a pitoresca aparição de soldados da Ossétia e da Abecásia. Mas continuaremos com essa análise em artigos subsequentes.

 

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Grande Miguelito!

    ” analista militar israelense Martin van Creveld, muito admirado nos meios anarcocapitalistas, embora ele não seja um. Em uma série de livros, especialmente Rise and fall of the state”

    Eu nunca deixo de notar o quanto as idéias da liberdade e contra os vagabundos do estado convergem de uma maneira surpreendente. De fato, este livro fez uma grande diferença na minha vida intelectual anterior aos meus estudos do movimeto autro-libertário. Eu já havia lido Rothbard antes, mas sem muita atenção. Se eu não tivesse lido este Rise and fall of the state eu não teria me aprofundado posteriormente em Mises e cia. E eu nem sabia que é um autor admirado nos meios anarcocapitalistas. Só ignorantes e funcionários do sistema estatista de violência agressiva organizada acham que austro-libertários não tem amplos interesses intelectuais, para muito além dos autores notadamente libertários. O modelo intelectual é Murray fucking Rothbard, esse gênio enciclopédico.

    Valeu Instituto Rothbard!