Duas semanas para achatar o mundo

2
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

    “Tudo isto não passa de digressão – acrescentou, em tom mudado. – O verdadeiro poder, o poder pelo qual temos de lutar dia e noite, não é o poder sobre as coisas, mas sobre as pessoas. … Como é que um homem afirma o seu poder sobre outro? … Fazendo-o sofrer. A obediência não basta. A menos que sofra, como pode ter certeza de que ele obedece tua vontade e não a dele? O poder reside em infligir dor e humilhação. O poder está em se despedaçar os” “os cérebros humanos e tornar a juntá-los da forma que bem entender. Começa a perceber que tipo de mundo estamos criando?” – George Orwell, “1984”

  “Nós nos tornamos escravos no momento em que entregamos as chaves para a definição da realidade inteiramente para outra pessoa, seja uma empresa, uma teoria econômica, um partido político, a Casa Branca, o Newsworld ou a CNN.” – B.W. Powe

O COVID-19 desapareceu magicamente.

Depois de mais de dois anos de bombardeio ininterrupto com as “notícias” do Covid, não houve nenhuma nas manchetes por mais de uma semana. A mídia dá e a mídia tira.

Através do apagamento imaculado da ‘Crise Covid’, os responsáveis ​​por esses danos estão tentando nos fazer esquecer o que fizeram conosco, com nossas famílias e os danos permanentes que causaram à sociedade.

Pense em como era a vida há dois anos e imagine se alguém lhe dissesse que uma “emergência de saúde” exigiria uma repressão de toda a vida social e econômica.

Supreendentemente, as ordens de saúde pública passaram rapidamente de “achatar a curva” e “retardar a propagação” para contenção, supressão, rastreamento de contatos, isolamento social, quarentena, máscaras, prisão domiciliar de fato também conhecida como “lockdowns” (um termo vindo da prisão/campo de escravos), e injeções experimentais obrigatórias.

A fim de “nos manter seguros”, as políticas governamentais se transformaram de instruções inócuas em decretos draconianos.

A limitação do direito de se envolver em transações econômicas básicas; a limitação do direito à livre circulação; limitações ao direito de praticar a religião; a suspensão do direito à educação; a negação do direito à subsistência; a retirada do direito de receber ou recusar atendimento médico; suspensão de reuniões públicas; suspensão de júris; supressão do direito à liberdade de expressão; negação do direito de reunião; e muito mais se tornaram os novos princípios operacionais do “Mundo Covid”.

A instituição de um estado policial de biossegurança nasceu de acordo com as autoridades de saúde e deu a outros o poder de colocar em quarentena alguém considerado “infectado” ou simplesmente ter estado em contato com um suposto “caso”.

Para fazer isso parecer necessário e aceitável, foi implementado um ataque psicológico intensivo de espectro total em nossas sensibilidades. O Covid-19 foi anunciado como a “Nova Peste Negra”.

Fomos informados por ‘pessoas de aparência importante’ que milhões vão morrer, todo o planeta está em perigo, uma resposta global é necessária e todos devem se alinhar com o programa enquanto “heróis” e “especialistas” assumem o comando dessa nova guerra para nos manter seguros.

Frases ilógicas projetadas para hipnotizar o público em um estado mental maleável foram repetidas várias vezes em todos os meios de comunicação, em praticamente todas as instituições sociais e espalhadas por todas as esferas públicas.

“Achatar a Curva”, “O Novo Normal”, “Distanciamento Social” e “Siga a Ciência” tornaram-se os mantras Covid do país. Os megafones da mídia implacavelmente explodiram o discurso duplo na psique do público. Oximoros e eufemismos dominaram os contornos de todo e qualquer discurso “relacionado ao covid”.

Tais manipulações linguísticas foram prontamente absorvidas e adotadas por grande parte do público e se tornaram a fraseologia do Duplipensamento da Era Covid.

Os mantras da Era Covid foram seguidos por uma frota de “regulamentos”, “conselhos” e “diretrizes” psicologicamente desorientadores e arbitrários que foram rapidamente implementados, aplicados seletivamente e posteriormente alterados.

Ninguém foi poupado.

As crianças sofreram ataques psicológicos prolongados, rotuladas como “super espalhadoras” e foram instruídas a se manterem longe dos avós para que não “matassem a vovó”.

Operando em uma névoa de trauma psicológico, todos se moviam por um mundo desprovido de sorrisos e risadas, onde os rostos estavam escondidos por máscaras e sufocados por panos.

Essa enxurrada de manipulações brutalizantes foi projetada para nos condicionar a aceitar as imposições tirânicas do “Novo Normal”. O custo emocional, por causa do medo do COVID e da histeria da mídia, fez com que os cidadãos se tornassem mentalmente domados como prisioneiros institucionalizados que implorariam por “uma saída”.

A saída predestinada e única “permitida” desse pesadelo viral exigiu que a sociedade abraçasse a “cura” mágica da inoculação “milagrosa”. Um milagre médico prometia ser tão eficaz que seria necessário repeti-lo ano após ano após ano.

Se não fosse aceito voluntariamente, seria compulsório.

Uma das características marcantes da blitzkrieg midiática em torno da “pandemia” de Covid – ou, para ser mais preciso, da cobertura da “pandemia” – é como ela se assemelhava tanto à “Guerra ao Terror” ou mesmo a qualquer guerra, quando considerada puramente em termos de seu efeito.

Usar máscara tornou-se um dever patriótico. O “teatro de segurança” tornou-se uma característica da vida cotidiana. A vasta carnificina das políticas Covid foi descartada como “dano colateral”.

Perdidos no barulho desse bombardeio da mídia, estavam evidências, observações e medições – 3 dos principais pilares da ciência.

Estes foram substituídos por previsões fictícias, estimativas geradas por computador ou outras ‘métricas científicas’ inquestionáveis ​​de que hospitais seriam superlotados, necrotérios se espalhariam pelas ruas e crematórios ficariam sem combustível com tantos corpos.

Mesmo que a observação direta e os dados científicos reais não mostrassem que nada disso fosse verdade, o aparato de saúde pública e a força da mídia garantiram que o público não fosse exposto a tal heresia.

Uma cortina digital de censura macarthista em massa desceu sobre esse “Admirável Mundo Novo” de histeria sem fatos.

Nenhuma quantidade de evidência poderia retardar a máquina de propaganda que permaneceu em alta velocidade cuspindo um fluxo ininterrupto de slogans hipócritas e números exagerados de mortes.

O efeito pretendido foi o pânico generalizado, resultando em uma psicose coletiva que negava todo pensamento.

“Não temos tempo!”

“Devemos agir agora!”

“Ouça os “especialistas!”

“Siga a ciência!”

“Não temos o “luxo” do pensamento crítico!”

E o mais importante:

“Todos os que questionam a narrativa ‘oficial’ devem ser condenados.”

Simplificando, o Covid-19 não foi um evento epidemiológico, foi uma operação psicológica.

Dois anos depois, à medida que burocratas e políticos diminuem as restrições do Covid para conter a crescente agitação, podemos ter certeza de que eles insistirão em manter o “direito” de reimpor as restrições à vontade.

Enquanto “novas variantes espreitam ao virar da esquina”, os burocratas da saúde pública e os aproveitadores da pandemia podem inventar a próxima “emergência sanitária” para impor mais paralisações para qualquer “evento viral” que convenientemente se adapte aos seus objetivos políticos e financeiros.

Embora a propaganda do Covid tenha desaparecido, é imperativo que mantenhamos a montanha de mentiras sob escrutínio e continuemos desvendando a corrupção maciça que define a “Era Covid”. Este é o único caminho para a justiça e é necessário para se defender contra futuros episódios de histeria “pandêmica”.

Em última análise, não pode haver um debate abrangente e uma compreensão completa das consequências devastadoras das políticas da ‘Crise Covid’ sem uma análise histórica e atualizada do papel da indústria médica na promoção de agendas socioeconômicas e políticas que beneficiem as elites dominantes.

É vital entender que o setor de saúde pública agora está diretamente ligado aos mercados globais e opera com base nas demandas desses conglomerados financeiros. As pandemias fabricadas agora são oportunidades de investimento gigantescas que aumentam a riqueza dos bilionários e consolidam ainda mais seu poder.

Também é necessário reconhecer que o objetivo primordial da indústria médica não é mais a “arte de curar”, mas sim um instrumento financeiro que beneficia os investidores.

‘Nós, o povo’ também devemos reconhecer que a indústria médica agora foi totalmente transformada em um sistema punitivo projetado para processar, desumanizar e controlar cada pessoa no sistema. Diante de nossos olhos, vimos de perto como a mera existência biológica é criminalizada por esse sistema.

O ato mágico do Covid desaparecer da visão da mídia e da percepção do público não se deve a nenhum milagre médico ou à trajetória natural de um vírus perdendo sua potência. Foi realizado por aqueles que fabricaram essa realidade e cometeram inúmeros crimes, coordenados na tentativa de escapar pela porta dos fundos, evitar maiores investigações públicas e escapar de quaisquer consequências legais.

Embora a história do vírus esteja quase no fim, a feitiçaria que o criou não foi exorcizada.

A mensagem urgente que devemos levar desses dois últimos anos é que estamos sob uma guerra psicológica constante, e isso já faz algum tempo.

Não teremos realmente vencido até que seja universalmente estabelecido que a liberdade médica não é uma mercadoria negociável controlada por burocratas estatais, oportunistas políticos ou o cartel médico.

Nada terá sido ganho até que a ideologia de que o Estado controla nossa autonomia corporal tenha sido completamente repudiada.

Esta história não está terminada até que os indivíduos e instituições que enganaram o público e censuraram e perseguiram vozes dissidentes nos últimos dois anos sejam publicamente responsabilizados.

Essa luta não acabou.

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Todos aqueles que defenderam a ditadura sanitária são criminosos. O problema é que, diferente dos políticos onde é possível determinar sua culpa com bases materiais – os infames decretos, todo o resto do sistema nazicoviano apenas apoiou, no que poderíamos dizer, usando a liberdade de expressão. O William Bonner é um safado, mas ser tendencioso não é crime. Eu gostaria que esses caras da mídia e outros idiotas úteis sofressem muito nesta vida pelo mal que fizeram, mas pelo visto, somente no inferno eles terão o que merecem.

    “podemos ter certeza de que eles insistirão em manter o “direito” de reimpor as restrições à vontade.”

    É isso. Eu perdi o meu tempo lendo os decretos que aboliram o uso de focinheira aqui na cidade. Como poderia se imaginar, os poderes não foram abolidos, somente os artigos sobre o uso de focinheira foram alterados, ou seja, deixando tudo em aberto para um futuro próximo….