Os mitos econômicos de Ronald Reagan

1
Tempo estimado de leitura: 19 minutos

Estou aqui para sepultar a economia de Ronald Reagan, não para elogiá-la.

Quais dos seus próprios objetivos a economia de Ronald Reagan alcançou? Talvez a melhor maneira de descobrir esses objetivos seja relembrar os dias inebriantes da primeira campanha presidencial de Ronald Reagan, especialmente antes de seu triunfo na Convenção Nacional Republicana em 1980. Em termos gerais, Reagan prometeu retornar, ou avançar, para um mercado e “tirar o governo de nossas costas”.

Especificamente, Reagan demandava um corte maciço nos gastos do governo, um corte ainda mais drástico na tributação (particularmente o imposto de renda), um orçamento equilibrado em 1984 (aquele gastador, Jimmy Carter, você vê, elevou o déficit orçamentário para US$74 bilhões por ano, e isso tinha que ser eliminado) e um retorno ao padrão-ouro, onde a moeda é fornecida pelo mercado e não pelo governo. Além de um apelo por mercados livres no mercado interno, Reagan afirmou seu profundo compromisso com a liberdade do comércio internacional. Não apenas os altos escalões do governo ostentavam gravatas de Adam Smith, em homenagem a esse moderado livre-mercadista, mas o próprio Reagan declarou ser profundamente influenciado pelo economista do laissez-faire de meados do século XIX, Frederic Bastiat, cujos ataques devastadores e satíricos ao protecionismo foram antologizados nas leituras de economia desde então.

O padrão-ouro foi a promessa mais fácil de ser descartada. O presidente Reagan nomeou uma comissão de ouro supostamente imparcial para estudar o problema – uma comissão esmagadoramente repleta de oponentes do ouro ao longo da vida. A comissão apresentou seu relatório previsível e o ouro foi rapidamente enterrado.

Vamos detalhar as outras áreas importantes:

Gastos públicos. Quão bem Reagan conseguiu cortar os gastos do governo, certamente um ingrediente crítico em qualquer plano para reduzir o papel do governo na vida de todos? Em 1980, o último ano dos gastador irresponsável Jimmy Carter, o governo federal gastou US$591 bilhões. Em 1986, último ano registrado do governo Reagan, o governo federal gastou US$990 bilhões, um aumento de 68%. Seja lá o que isso signifique, podemos dizer enfaticamente que não houve redução dos gastos do governo.

Economistas sofisticados dizem que esses números absolutos são uma comparação injusta, que devemos comparar os gastos federais nesses dois anos como percentual do produto nacional bruto. Mas isso me parece injusto na direção oposta, pois quanto maior a inflação gerada pelo governo federal, maior será o PIB. Poderíamos então estar elogiando o governo por uma porcentagem menor de gastos alcançada pelo governo gerando inflação ao criar mais dinheiro. Mas mesmo tomando essas porcentagens dos números do PIB, obtemos gastos federais como porcentagem do PIB em 1980 como 21,6%, e após seis anos de Reagan, 24,3%. Uma comparação melhor seria o percentual do gasto federal em relação ao produto privado líquido, ou seja, a produção do setor privado. Essa porcentagem era de 31,1% em 1980 e chocantes 34,3% em 1986. Então, mesmo usando porcentagens, o governo Reagan nos trouxe um aumento substancial nos gastos do governo.

Além disso, não se pode usar a desculpa de que o Congresso aumentou massivamente as propostas orçamentárias de Reagan. Pelo contrário, nunca houve muita diferença entre os orçamentos de Reagan e do Congresso e, apesar da propaganda em contrário, Reagan nunca propôs um corte no orçamento total.

Déficits. O próximo, e reconhecidamente o mais embaraçoso, fracasso dos objetivos reaganômicos é o déficit. Jimmy Carter costumava ter déficits de US$40 a 50 bilhões e, no final, de até US$74 bilhões; mas em 1984, quando Reagan prometeu alcançar um orçamento equilibrado, o déficit se estabilizou confortavelmente em cerca de US$200 bilhões, um nível que parece ser permanente, apesar das tentativas desesperadas de disfarçar os números em reduções de uma só vez.

Este é de longe o maior déficit orçamentário da história americana. É verdade que os déficits de US$50 bilhões na Segunda Guerra Mundial representavam uma porcentagem muito maior do PIB; mas a questão é que essa foi uma situação temporária, de ocorrência única, produto do financiamento da guerra. Mas a guerra acabou em poucos anos; e os atuais déficits federais parecem ser uma parte recente, mas ainda permanente, da herança americana.

Uma das visões mais curiosas e menos edificantes da era Reagan foi ver os reaganitas mudarem completamente o tom de sua vida. No início do governo Reagan, os republicanos conservadores na Câmara dos Deputados, convencidos de que os déficits desapareceriam imediatamente, tiveram um choque terrível quando foram solicitados pelo governo Reagan a votar pelo usual aumento anual do limite estatutário da dívida. Esses republicanos, alguns literalmente com lágrimas nos olhos, protestaram que nunca em suas vidas haviam votado por um aumento do limite da dívida nacional, mas estavam fazendo isso apenas uma vez porque “confiaram em Ronald Reagan” para equilibrar o orçamento a partir de então. O resto, infelizmente, é história, e os republicanos conservadores nunca mais quiseram chorar. Em vez disso, eles se adaptaram com bastante facilidade à nova era de enormes déficits permanentes. A lei Gramm-Rudman, supostamente projetada para erradicar déficits em poucos anos, agora, sem surpresa, atolou em um caos duradouro.

Ainda menos edificante é o espectro dos reaganomistas que há décadas atacavam os déficits – esse legado do keynesianismo. Logo os economistas reaganistas, especialmente aqueles que ocupavam cargos econômicos nos poderes executivo e legislativo, descobriram que os déficits realmente não eram tão ruins afinal. Modelos engenhosos foram concebidos alegando provar que realmente não há déficit. Bill Niskanen, do Conselho Reagan de Assessores Econômicos, fez talvez a descoberta mais engenhosa: que não há motivo para se preocupar com os déficits do governo, uma vez que são equilibrados pelo crescimento do valor dos ativos do governo. Muito bem, viva!, mas é bastante estranho ver economistas cujo suposto objetivo é uma redução drástica do papel do governo torcendo por um crescimento cada vez maior dos ativos do governo. Além disso, o tamanho dos ativos do governo é realmente irrelevante. Só interessaria se o governo federal fosse apenas mais uma empresa privada, prestes a entrar em liquidação, e cujos devedores pudessem então ser satisfeitos com a divisão de seus vultosos ativos. O governo federal não está prestes a ser liquidado; não há chance, por exemplo, de falência ou liquidação de uma instituição que tenha o direito legal de imprimir o dinheiro que precisar para tirar para si mesma – ou qualquer outra pessoa que ela favoreça – de qualquer buraco financeiro.

Houve também um fervoroso renascimento da velha ideia keynesiana de esquerda de que “os déficits não importam mesmo”. Os déficits são estimulantes, podemos “crescer e superar os déficits”, etc. A reviravolta mais interessante, embora previsível, foi a dos economistas do lado da oferta, que, liderados pelo professor Arthur Laffer e sua famosa “curva”, haviam prometido que, se as alíquotas do imposto de renda fossem cortadas, o investimento e a produção seriam tão estimulados que uma queda nas alíquotas aumentaria a receita tributária e equilibraria o orçamento. Quando o orçamento não era mais enfaticamente equilibrado e os déficits pioravam, os economistas do lado da oferta jogaram Laffer ao mar como bode expiatório, alegando que Laffer era um extremista e o único proponente de sua famosa curva. Os economistas do lado da oferta então recuaram para sua atual posição defensiva, que é francamente keynesiana; ou seja, os déficits não importam mesmo, então vamos ter dinheiro barato e déficits; relaxar e aproveitá-los. Sobre a única frase keynesiana que ainda não ouvimos dos reaganomistas é que a dívida nacional “não importa porque a devemos a nós mesmos”, e estou esperando que algum economista do lado da oferta adote essa famosa frase dos anos 1930 de Abba Lerner sem, é claro, se importar com a atribuição.

Uma maneira pela qual Ronald Reagan tentou ganhar uma vantagem moral na questão do déficit foi divorciar sua retórica da realidade ainda mais acentuadamente do que o habitual. Assim, o proponente dos maiores déficits da história americana vem clamando com veemência por uma emenda constitucional que exija um orçamento equilibrado. Dessa forma, Reagan pode abrir o caminho para déficits permanentes de US$200 bilhões, enquanto se deleita com a virtude de propor uma emenda orçamentária equilibrada e tentar fazer do Congresso o responsável pela nossa economia deficitária.

Mesmo no caso improvável de que a emenda ao orçamento equilibrado seja aprovada, seria ridícula por sua inefetividade. Em primeiro lugar, o Congresso pode anular a emenda a qualquer momento por três quintos dos votos. Em segundo lugar, o Congresso não é obrigado a equilibrar nenhum orçamento; ou seja, seus gastos reais em um determinado ano não se limitam às receitas recebidas. Em vez disso, o Congresso só é obrigado a preparar uma estimativa de um orçamento equilibrado para um ano futuro; e, claro, as estimativas do governo, mesmo de sua própria receita ou gastos, notoriamente não são confiáveis. E terceiro, não há cláusula de execução; suponha que o Congresso tenha violado até mesmo a exigência de um orçamento equilibrado estimado: o que vai acontecer com os legisladores? A Suprema Corte vai convocar o exército e colocar todo o Congresso dos EUA na cadeia? E, no entanto, não apenas Reagan tem pressionado por uma emenda tão absurda, mas também muitos reaganomistas úteis.

Corte de impostos. Uma das poucas áreas em que os reaganomistas alegam terem sido bem sucedidos sem constrangimento é a tributação. Afinal de contas, o governo Reagan não cortou os impostos de renda em 1981 e forneceu cortes de impostos e impostos “justos” em sua altamente elogiada lei de reforma tributária de 1986? Ronald Reagan não impediu, heroicamente, que a oposição aumentasse todos os impostos?

A resposta, infelizmente, é não. Em primeiro lugar, a famosa “redução de impostos” de 1981 não reduziu de forma alguma os impostos. É verdade que as alíquotas de impostos para as faixas de renda mais altas foram reduzidas; mas para a pessoa média, os impostos aumentaram, em vez de diminuir. A razão é que, no conjunto, o corte nas alíquotas do imposto de renda foi mais do que compensado por duas formas de aumento de impostos. Um deles era “bracket creep“, um termo para inflação discretamente, mas efetivamente elevando o contribuinte a faixas de impostos mais altas, para que ele pague mais impostos e impostos proporcionalmente mais altos, mesmo que a tabela de alíquotas tenha permanecido oficialmente a mesma. A segunda fonte de impostos mais altos foi a tributação da Previdência Social, que continuou aumentando e ajudou a aumentar os impostos em geral. Não só isso, mas logo depois; quando se percebeu que o Sistema de Previdência Social estava à beira da falência, o presidente Reagan trouxe Alan Greenspan, um líder reaganomista e agora presidente do Federal Reserve, para salvar a Previdência Social como chefe de uma comissão bipartidária. A “economia”, é claro, significava impostos ainda mais altos para a Previdência Social naquela época e para sempre.

Não só o corte de impostos de 1981 que não foi realmente um corte, como também os impostos aumentaram todos os anos desde então, com a aprovação do governo Reagan. Mas para salvar a sensibilidade retórica do presidente, eles não foram chamados de aumentos de impostos. Em vez disso, rótulos engenhosos foram anexados a eles; aumento de “taxas”, “fechamento de brechas” (e certamente todo mundo quer brechas tapadas), “aperto da fiscalização do IRS” e até “aumento de receita”. Tenho certeza de que todos os bons reaganomistas dormiam profundamente à noite sabendo que, embora a receita do governo estivesse sendo “aumentada”, o presidente manteve a linha contra os aumentos de impostos.

A altamente alardeada Lei de “Reforma” Fiscal de 1986 deveria ser economicamente saudável, bem como “justa”; supostamente “neutra em termos de receita”, era para nos trazer (a) simplificação, ajudando o público ao mesmo tempo em que tornava miserável a vida de contadores fiscais e advogados; e (b) reduções de imposto de renda, especialmente nas faixas de renda mais altas e nas alíquotas marginais de imposto de todos (ou seja, alíquotas de imposto de renda sobre o dinheiro adicional que você pode ganhar); e compensar apenas tapando essas brechas infames. A realidade, claro, era muito diferente. Em primeiro lugar, o governo conseguiu tornar as leis tributárias tão complicadas que até mesmo a Receita Federal reconhecidamente não as entende, e os agentes fiscais e advogados se manterão confusos e felizes nos próximos anos.

Em segundo lugar, embora de fato as taxas de imposto de renda tenham sido cortadas nas faixas mais altas, muitos dos tampões de brecha significaram enormes aumentos de impostos para pessoas nas faixas de renda superior e média. O ponto de corte do imposto de renda, e particularmente da alíquota marginal, foi o objetivo do lado da oferta de reduzir os impostos para estimular a poupança e o investimento. Mas um estudo do National Bureau feito por Hausman e Poterba sobre o Tax Reform Act mostra que mais de 40% dos contribuintes do país sofreram um aumento marginal de impostos (ou, na melhor das hipóteses, a mesma taxa de antes) e, da maioria, que desfrutou de cortes marginais de impostos, apenas 11% obtiveram reduções de 10% ou mais. Em suma, a maioria das reduções de impostos foi insignificante. Não apenas isso; a Lei de Reforma Tributária, segundo esses autores, reduziria a poupança e o investimento em geral por causa dos enormes aumentos nos impostos sobre as empresas e sobre os ganhos de capital. Além disso, as economias também foram prejudicadas pela remoção da dedutibilidade fiscal das contribuições para contas de aposentadoria individuais pela lei tributária.

Não apenas os impostos foram aumentados, mas os custos comerciais foram bastante aumentados, tornando as despesas de refeições comerciais dedutíveis em apenas 80%, o que significa um grande gasto de tempo comercial e energia mantendo e embaralhando registros. E não apenas os impostos foram aumentados com a eliminação dos abrigos fiscais no setor imobiliário, mas as reivindicações da lei por um imposto “justo” tornaram-se grotescas pela natureza retroativa de muitos dos aumentos de impostos. Assim, a abolição da dedutibilidade fiscal tornou-se retroativa, impondo enormes penalidades após o fato. Trata-se de uma legislação ex post facto proibida pela Constituição, que proíbe a criminalização retroativa das ações por um período de tempo em que eram perfeitamente legais. Um amigo meu, por exemplo, vendeu seu negócio há cerca de oito anos; para evitar impostos sobre ganhos de capital, ele incorporou seu negócio nas Ilhas Virgens Americanas, que o governo federal isentou de impostos sobre ganhos de capital para estimular o desenvolvimento das Ilhas Virgens. Agora, oito anos depois, essa isenção de impostos para as Ilhas Virgens foi removida (uma “brecha” tapada!), mas a Receita Federal agora espera que meu amigo pague impostos retroativos completos sobre ganhos de capital mais juros sobre essa venda de oito anos. Aplausos para a “justiça” da lei da reforma tributária!

Mas a conclusão final na questão tributária: o que aconteceu na era Reagan com as receitas fiscais do governo em geral? A quantidade de impostos extraídos do povo americano pelo governo federal aumentou ou diminuiu durante os anos Reagan? Os fatos são que as receitas de impostos federais foram de US$517 bilhões no último ano Carter de 1980. Em 1986, as receitas totalizaram US$769 bilhões, um aumento de 49%. Seja o que for, isso não parece um corte de impostos. Mas e os impostos como porcentagem do produto nacional? Lá, podemos admitir que em um critério percentual, os impostos gerais caíram muito ligeiramente, permanecendo quase empatado com o último ano de Carter. Os impostos caíram de 18,9% do PIB para 18,3%, ou para uma melhor aferição, os impostos como percentual do produto privado líquido caíram de 27,2% para 26,6%. Um grande aumento absoluto nos impostos, juntamente com a manutenção dos impostos como porcentagem do produto nacional quase igual, está longe de ser um motivo para jogar o chapéu pro alto para comemorar uma enorme redução nos impostos durante os anos Reagan.

Nos últimos meses, aliás; o governo Reagan tem sido mais receptivo ao tapamento de brechas, taxas e receitas do que nunca. Para citar a coluna Tax Watch no New York Times (13 de outubro de 1987): “O presidente Reagan advertiu repetidamente o Congresso sobre sua oposição a quaisquer novos impostos, mas alguns assessores da Casa Branca têm tentado descobrir uma maneira de endossar uma lei fiscal que poderia ser chamada de outra coisa.”

Além de fechar brechas, a Casa Branca está incentivando o Congresso a expandir a definição usual de “taxa de usuário”; não seria um imposto porque deveria ser uma taxa por quem usa um serviço do governo, digamos, parques nacionais ou hidrovias. Mas, aparentemente, o governo Reagan está agora expandindo a definição de “taxa de usuário” para incluir impostos especiais de consumo, supondo, aparentemente, que toda vez que compramos um produto ou serviço, devemos pagar ao governo por sua permissão. Assim, o governo Reagan propôs, é claro, não como um aumento de impostos, mas como uma suposta “taxa de usuário”, um imposto de consumo mais alto sobre todas as passagens aéreas ou de navios internacionais, um imposto sobre todos os produtores de carvão e um imposto sobre a gasolina e sobre as cobranças rodoviárias para ônibus. O governo também se dispõe a apoiar, como uma suposta taxa de usuário em vez de um imposto, uma exigência de que empregadores, como restaurantes, comecem a pagar o imposto da Previdência Social sobre gorjetas recebidas por garçons e outros funcionários.

Na esteira do crash do mercado de ações, o presidente Reagan está agora disposto a nos dar um presente pós-crash de: impostos mais altos que serão chamados abertamente de impostos mais altos. Na manhã de terça-feira, a Casa Branca declarou: “Vamos seguir com nosso plano original. O presidente nos deu ordens explícitas: nenhum aumento de impostos”. Na tarde de terça-feira, no entanto, as ordens explícitas aparentemente haviam evaporado, e o presidente disse que estava “disposto a analisar” propostas de aumento de impostos. Dar as boas-vindas a uma recessão iminente com um aumento de impostos é uma maneira maravilhosa de tornar essa recessão realidade. Mais uma vez, o presidente Reagan está seguindo o caminho traçado por Herbert Hoover na Grande Depressão de aumentar os impostos para tentar combater o déficit.

Desregulamentação. Outro aspecto crucial de liberar o mercado e tirar o governo de nossas costas é a desregulamentação, e o governo e seus reaganomistas têm se orgulhado de seu histórico de desregulamentação. No entanto, uma olhada no registro revela uma imagem muito diferente. Em primeiro lugar, os exemplos mais evidentes de desregulamentação; o fim dos controles e racionamento de preços do petróleo e da gasolina, a desregulamentação de caminhões e companhias aéreas, tudo foi lançado pelo governo Carter e concluído bem a tempo de o governo Reagan reivindicar o crédito. Enquanto isso, havia outras desregulamentações prometidas que nunca aconteceram; por exemplo, a abolição dos controles de gás natural e do Departamento de Energia.

No geral, de fato, provavelmente não houve desregulamentação, mas um aumento na regulamentação. Assim, Christopher De Muth, chefe do American Enterprise Institute e ex-alto funcionário do Escritório de Administração e Orçamento de Reagan, conclui que “o presidente não montou uma ampla ofensiva contra a regulamentação. Não houve muita mudança total desde 1981. Houve uma administração mais equilibrada das agências reguladoras do que estávamos acostumados na década de 1970, mas muitas regras regulatórias foram fortalecidas.”

Em particular, houve um impulso fervoroso, especialmente no ano passado: intensificar a regulamentação de Wall Street. Um ataque selvagem e quase histérico foi lançado no final do ano passado pela Securities and Exchange Commission e pelo Departamento de Justiça sobre o grave crime de “insider trading”. Banqueiros de investimento ilustres foram literalmente arrastados para fora de seus escritórios algemados, e o operador interno mais conspícuo recebeu como punição (1) uma multa de US$100 milhões; (2) uma proibição vitalícia de qualquer negociação de valores mobiliários, e (3) uma pena de prisão de um ano, suspensa por serviço comunitário. E esta é a sentença leve, em troca de usar uma escuta e se tornar informante de seus colegas de insider trading. [Nota do editor: Ivan Boesky foi condenado a três anos de prisão.]

Tudo isso fazia parte de um esforço do governo para proteger os gerentes corporativos ineficientes da terrível ameaça de ofertas públicas de aquisição, por meio das quais os acionistas podem se livrar facilmente de uma gestão ineficaz e recorrer a novos gerentes. Podemos realmente dizer que esse ataque frenético a Wall Street pelo governo Reagan não teve impacto no crash da bolsa [outubro de 1987]?

E, no entanto, o governo Reagan reagiu ao crash não abrandando, mas intensificando, a regulação do mercado de ações. O chefe da SEC considerou fortemente fechar o mercado em 19 de outubro, e alguns mercados foram temporariamente fechados – mais um caso de resolver problemas atirando no mercado – o mensageiro de más notícias. Em 20 de outubro, o governo Reagan colaborou no anúncio do fechamento antecipado do mercado para os próximos dias. A SEC já se moveu, em conjunto com a Bolsa de Valores de Nova York, para encerrar a negociação de programas de computador no mercado, uma negociação relacionada a futuros de índices de ações. Mas culpar o comércio de programas de computador pelo crash é uma reação ludita; tentando resolver problemas pegando um pé de cabra e destruindo máquinas. Afinal, não havia computadores em 1929. Mais uma vez, o instinto do governo, principalmente em relação a Wall Street, é regular. Regular e inflar parecem ser as respostas reaganistas aos nossos males econômicos.

A política agrícola, por sua vez, foi um desastre total. Em vez de acabar com os subsídios e controles de preços agrícolas e retornar a um mercado livre na agricultura, o governo aumentou muito os apoios, controles e subsídios de preços. Além disso, trouxe uma inovação calamitosa ao programa agrícola; o programa PIK [“Pagamentos em espécie”] no qual o governo faz com que os agricultores concordem com cortes drásticos na área cultivada, em troca dos quais o governo devolve os excedentes de trigo ou algodão anteriormente mantidos fora do mercado. O resultado de tudo isso foi elevar os preços agrícolas muito acima do mercado mundial, rebaixar as exportações agrícolas e levar muitos agricultores à falência. Tudo o que o governo pode oferecer, no entanto, é mais da mesma política desastrosa.

Política Econômica Externa. Se o governo Reagan estragou a economia doméstica, mesmo nos termos de seus próprios objetivos, como se saiu nos assuntos econômicos externos? Como poderíamos esperar, sua política econômica externa tem sido exatamente o oposto de sua proclamada devoção ao livre comércio e aos mercados livres. Em primeiro lugar, a despeito das gravatas de Adam Smith e de Bastiat, o governo Reagan tem sido o mais beligerante e nacionalista desde Herbert Hoover. Tarifas e cotas de importação foram repetidamente aumentadas, e o Japão tem sido tratado como um leproso e repetidamente denunciado pelo crime de vender produtos de alta qualidade a preços baixos para o consumidor americano agradecido.

Em todas as questões de economia internacional complexa e emaranhada, a única maneira de sair do emaranhado é focar em uma questão primordial: isso é bom ou ruim para o consumidor americano? O que o consumidor americano quer são produtos de boa qualidade a preços baixos, e assim os japoneses devem ser bem-vindos e admirados em vez de condenados. Quanto ao suposto crime de “dumping”, se os japoneses são realmente tolos o suficiente para desperdiçar dinheiro e recursos com dumping – que é vender mercadorias para nós abaixo do custo – então devemos receber tal política de braços abertos; sempre que os japoneses estão dispostos a me vender aparelhos de TV Sony por um dólar, fico mais do que feliz em tirar os aparelhos de suas mãos.

Não apenas os produtores estrangeiros são prejudicados pelo protecionismo, mas ainda mais prejudicados são os consumidores americanos. Toda vez que o governo impõe uma tarifa ou cota sobre motocicletas, têxteis, semicondutores ou prendedores de roupa – como fez para socorrer uma ineficiente fábrica de prendedores de roupa no Maine –, toda vez que faz isso, prejudica o consumidor americano.

Não é de admirar, portanto, que até mesmo o reaganomista Bill Niskanen tenha admitido recentemente que “o comércio internacional está mais regulamentado do que há 10 anos”. Ou, como o secretário do Tesouro James Baker declarou orgulhosamente no mês passado: “O presidente Reagan livrou a indústria dos EUA de mais competição com importados do que qualquer um de seus antecessores em mais de meio século”. Muito bom para um seguidor de Bastiat.

Outro objetivo original do governo Reagan, sob a influência dos monetaristas, ou friedmanitas, era manter a mão do governo completamente fora das taxas de câmbio e permitir que essas taxas flutuassem livremente no mercado, sem interferência do Federal Reserve ou do Tesouro. Um importante monetarista, Dr. Beryl W. Sprinkel, foi nomeado subsecretário do Tesouro para a Política Monetária em 1981 para executar essa política. Mas essa não intervenção já se foi há muito tempo, e o secretário Baker, auxiliado pelo Fed, tem se empenhado em tentar persuadir outros países a intervir para ajudar a coordenar e fixar as taxas de câmbio. Depois de ser removido do Tesouro depois de vários anos, Sprinkel foi enviado para a Sibéria e ordenado a ficar quieto, como chefe do Conselho de Assessores Econômicos; e Sprinkel anunciou recentemente que deixará o governo por completo. [Nota do editor: Sprinkel foi posteriormente reabilitado e recebeu status de Gabinete, em troca de seu acordo em participar da desastrosa política do dólar Baker.]

Além disso, a política de ajuda externa e empréstimos externos conduzida ou incentivada pelo governo tem prosseguido com mais intensidade do que mesmo em governos anteriores. Reagan resgatou o governo despótico da Polônia com empréstimos maciços, para que a Polônia pudesse pagar seus credores ocidentais. Uma política semelhante foi conduzida em relação a muitos governos instáveis ​​ou falidos do terceiro mundo. O espectro do colapso dos bancos devido a empréstimos estrangeiros foi evitado por resgates e promessas de resgate do Federal Reserve, o único fabricante de dólares do país, que ele pode produzir à vontade.

Para onde quer que olhemos, então, para o orçamento, para a economia doméstica, para o comércio exterior ou para as relações monetárias internacionais, vemos o governo ainda mais em nossas costas do que nunca. A carga e o alcance da intervenção governamental sob Reagan aumentaram, não diminuíram. A retórica de Reagan tem pedido reduções de governo; suas ações foram precisamente o inverso. No entanto, ambos os lados da cerca política compraram a retórica e afirmam que ela foi posta em prática.

Reaganitas e reaganomistas, por razões óbvias, estão tentando desesperadamente sustentar que Reagan realmente cumpriu suas gloriosas promessas; enquanto seus oponentes, com a intenção de atacar o fantasma da economia de Ronald Regan, também estão, e por razões opostas, ansiosos para afirmar que Reagan realmente colocou seu programa de livre mercado em operação. Portanto, temos a situação curiosa, e certamente nada saudável, em que uma massa de pessoas politicamente interessadas está interpretando totalmente mal e até deturpando o histórico de Reagan; concentrando-se, como o próprio Reagan, em sua retórica em vez de na realidade.

E o Futuro? Existe vida após a economia de Ronald Regan? Para avaliar os próximos eventos, primeiro temos que perceber que a economia de Ronald Regan nunca foi um monólito. Teve várias faces; A economia de Ronald Regan tem sido uma coalizão inquieta e instável de várias escolas de pensamento econômico conflitantes. Em particular, as principais escolas foram os keynesianos conservadores, os monetaristas de Milton Friedman e os do lado da oferta. Os monetaristas, devotados a uma regra monetária de um aumento percentual fixo do crescimento monetário engendrado pelo Federal Reserve, falharam miseravelmente. Acreditando fervorosamente que a ciência nada mais é do que previsão, os monetaristas se autodestruíram fazendo uma série de previsões autoconfiantes, mas desastrosas, nos últimos anos. Seu destino ilustra o fato de que aquele que vive pela previsão morrerá por ela. Além de seus pontos de vista sobre a moeda, os monetaristas geralmente acreditam em mercados livres e, portanto, seu desaparecimento deixou a economia de Ronald Regan nas mãos das outras duas escolas, nenhuma das quais está particularmente interessada em mercados livres ou cortes no governo.

Os keynesianos conservadores – as pessoas que nos trouxeram a economia dos governos Nixon e Ford – viram o keynesianismo perder seu domínio entre os economistas com a recessão inflacionária de 1973-74, um evento que os keynesianos acreditavam firmemente que nunca poderia acontecer. Mas, embora os keynesianos tenham perdido seu antigo éclat, eles continuaram com duas preocupações: (1) uma devoção ao New Deal-Fair Deal-Great Society-Nixon-Ford-Carter-status quo, e (2) um zelo por aumentos de impostos para moderar o déficit atual. Quanto aos gastos do governo, nunca passou pela cabeça deles a ideia de cortar gastos. Os economistas do lado da oferta, que são fracos na academia, mas fortes na imprensa e exercem enorme influência política per capita, também não têm interesse em cortar gastos do governo. Ao contrário, tanto os keynesianos conservadores quanto os do lado da oferta estão preparados para exigir um fluxo crescente de benesses do governo.

Ambos os grupos também há muito se interessam pela inflação monetária. Os do lado da oferta praticamente desistiram da ideia de cortes de impostos; sua posição agora é aceitar o déficit e se opor a qualquer aumento de impostos. Em questões monetárias externas, os keynesianos conservadores e os do lado da oferta formaram uma coalizão; ambos os grupos adotam o programa keynesiano do secretário do Tesouro Baker de taxas de câmbio fixas e uma política internacionalmente coordenada de dinheiro barato.

Politicamente, os candidatos presidenciais republicanos podem ser avaliados em suas várias visões preferidas da economia de Ronald Regan. O vice-presidente Bush é, naturalmente, um keynesiano conservador e um veterano arqui-inimigo da doutrina do lado da oferta, que ele denunciou em 1980 como “economia vodu”. O secretário do Tesouro James Baker é um ex-assessor de campanha de Bush. O chefe de gabinete da Casa Branca, Howard Baker, também está no campo conservador keynesiano, assim como era Paul Volcker, e é Alan Greenspan. Como o ex-chefe do gabinete Ronald Regan na Casa Branca era um simpatizante não declarado da economia do lado da oferta, sua substituição por Howard Baker como resultado do escândalo Irã-Contra foi um triunfo dos keynesianos conservadores sobre os do lado da oferta. Este ano, de fato, nossa tróica de Governantes Econômicos, Greenspan e os dois Bakers, todos estiveram diretamente no campo conservador keynesiano.

O senador Robert Dole, outro candidato republicano à presidência, também é um keynesiano conservador. Na verdade, Bob Dole continuou a luta por impostos mais altos, mesmo quando estava relativamente fora de moda entre os membros do governo. Na verdade, Bob Dole é tão dedicado a impostos mais altos que tem a fama de ser o candidato presidencial favorito da Receita Federal. Então, se você gosta dz Receita Federal, você vai adorar Bob Dole.

O congressista Jack Kemp, por outro lado, tem sido o campeão político do lado da oferta desde que o lado da oferta foi inventado no final dos anos 1970. O apelo de Kemp por maiores gastos do governo e a aprovação de déficits, inflação monetária e taxas de câmbio fixas atestam sua devoção ao lado da oferta.

Jack Kemp, no entanto, por algum motivo, não atingiu o público, então a Sra. Jeanne Kirkpatrick está pronta nos bastidores para assumir a causa se a candidatura de Kemp naufragar. Confesso que não fui capaz de entender as visões econômicas do reverendo Pat Robertson, embora tenha um palpite de que elas não são muito importantes em sua visão de mundo.

Embora existam muitos candidatos democratas por aí, é difícil neste momento distinguir um do outro, em política econômica ou mesmo em qualquer outra coisa. Como Joe Klein escreveu recentemente em um perspicaz artigo na revista New York, os republicanos estão engajados em um interessante confronto de ideias diferentes, enquanto os democratas estão todos tateando em direção ao centro. Para tornar a confusão ainda maior, Klein ressalta que os republicanos estão ocupados falando sobre “compaixão”, enquanto os democratas estão todos enfatizando a “eficiência”. Uma coisa é bastante clara; O congressista Gephardt é um protecionista ferrenho, abandonando completamente o velho compromisso democrata com o livre comércio, e é o estatista mais ardente em política agrícola.

Na política monetária e fiscal, os democratas são o partido clássico do keynesianismo progressista, em contraste com a política republicana do keynesianismo conservador. O problema é que, na última década ou duas, tornou-se cada vez mais difícil distinguir a diferença. Além de Kemp, do lado da oferta, podemos esperar que o presidente de qualquer um dos partidos seja um keynesiano progressista/conservador no meio do caminho. E assim podemos esperar que as políticas econômicas do próximo governo sejam praticamente as mesmas de agora. Só que a retórica será diferente. Assim, podemos esperar percepções e respostas diversas a uma realidade semelhante por parte do público e do mercado. Assim, se Jack Kemp se tornar presidente, o público o considerará erroneamente um defensor do dinheiro sólido, do corte de orçamento e do livre mercado. O público, portanto, subestimará a realidade descontroladamente inflacionista de um governo Kemp. Por outro lado, o público provavelmente percebe os democratas como gastadores mais loucos em relação aos republicanos do que realmente são. Assim, se os democratas vencerem em 1988, podemos esperar que o mercado superestime a medida inflacionária de um governo democrata.

Tudo isso, junto com a percepção errônea universal da economia de Ronald Regan, ilustra mais uma vez a sabedoria daqueles incisivos filósofos políticos, Gilbert e Sullivan: “As coisas nem sempre são o que parecem; o leite desnatado se disfarça de nata”.

 

 

Artigo original escrito em 1987 aqui

1 COMENTÁRIO

  1. O debate público sobre política e econoia é um mito de propaganda da agenda de poder da máfia de ladrões em larga escala estatal e seus asseclas globalistas do suposto setor privado. Eu dou risada quando falam em empresas capitalistas. Que seja. A questão é que Reagan – e também Tatcher, se tornaram símbolos de um tipo de capitalismo que, na cabeça dos aloprados e mal-intencionados intelectuais socialistas-comunistas, foi a própria volta aos primórdios da revolução industrial. E essa é a lei histórica e ponto final, repetida desde então. Só que à luz do austro-libertarianismo, essas teorias estapafúrdias e sofísticas, como bem demonstrou Murray fuckig Rothabard epalidecem e se tornam o que realmente são: uma fraude, um estelionato que deveria ser punido com a pena de morte.

    Bravo Rothbard!