A manipulação de algoritmos do Vale do Silício é a única coisa que mantém viva a mídia convencional

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A manipulação de algoritmo realizada pelo Vale do Silício ou Big Tech é o que mantém vivo o dinossauro desatualizado da mídia mainstream. Manipulação de algoritmo é como a Big Tech opera.

O surgimento da Internet foi recebido com esperança e entusiasmo por pessoas que entenderam que a mídia dominante controlada por plutocratas estava manipulando a opinião pública para fabricar consentimento para o status quo.

A democratização do compartilhamento de informações iria dar origem a uma consciência pública emancipada da dominação do controle narrativo plutocrático, abrindo assim a possibilidade de mudança revolucionária dos sistemas corruptos de nossa sociedade.

Mas isso nunca aconteceu. O uso da Internet se tornou comum em todo o mundo e a humanidade é capaz de se conectar e compartilhar informações como nunca antes, mas continuamos firmemente sob o controle das mesmas estruturas de poder que fomos governados por gerações, tanto política quanto psicologicamente. Até mesmo as instituições de mídia dominantes ainda são as mesmas.

Então, o que deu errado? Ninguém mais compra jornais e o público da televisão e do rádio está diminuindo. [Veja: O colapso da grande mídia: o público da mídia mainstream está literalmente morrendo e A mídia mainstream está morrendo – e declara guerra à concorrência taxando-a de “fake news”]

Como é possível que essas mesmas instituições oligárquicas imperialistas ainda controlem a maneira como a maioria das pessoas pensa sobre o mundo?

A resposta é manipulação de algoritmo.

No mês passado, uma entrevista muito informativa mostrou a CEO do YouTube, que é propriedade do Google, discutindo abertamente a forma como a plataforma usa algoritmos para elevar os meios de comunicação de massa e suprimir conteúdo independente.

O jornalista Jordan Chariton twittou a respeito:

Aqui está a CEO do YouTube admitindo abertamente:

1) Classificação mais alta das notícias corporativas no algoritmo do YouTube

2) Suprimir canais independentes de notícias/política

3) Suprimir pessoas que criam conteúdo “de seu porão” (O PROPÓSITO ORIGINAL do YOUTUBE)

Isso é escandaloso.

No Fórum Econômico Mundial de 2021 Global Technology Governance Summit, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, disse ao CEO da Atlantic, Nicholas Thompson, que, embora a plataforma ainda permita vídeos de artes e entretenimento tenham chances iguais de se tornarem virais e obter muitas visualizações e muitos assinantes, em áreas importantes como notícias eles elevam artificialmente as “fontes autorizadas”.

“O que fizemos foi realmente ajustar nossos algoritmos para garantir que ainda estamos dando aos novos criadores a capacidade de serem encontrados quando se trata de música, humor ou algo engraçado”, disse Wojcicki. “Mas quando estamos lidando com áreas sensíveis, realmente precisamos adotar uma abordagem diferente.”

Wojcicki disse que, além de banir conteúdo considerado prejudicial, o YouTube também criou uma categoria chamada “conteúdo limítrofe”, que é eliminada por algoritmos para que não apareça como um vídeo recomendado para espectadores interessados ​​nesse tópico:

“Quando lidamos com informações, queremos ter certeza de que as fontes que recomendamos são notícias oficiais, ciência médica etc. E também criamos uma categoria de conteúdo mais limítrofe, onde às vezes vemos pessoas olhando para conteúdo de qualidade inferior e fora do limite. E por isso queremos ter cuidado para não recomendar esse conteúdo demais. Então, esse é um conteúdo que permanece na plataforma, mas não é algo que recomendaremos. E assim, nossos algoritmos definitivamente evoluíram em termos de lidar com todos esses diferentes tipos de conteúdo.”

O comentarista progressista Kyle Kulinski publicou um bom vídeo reagindo aos comentários de Wojcicki, dizendo que acredita que seu canal (totalmente inofensivo) foi agrupado na categoria “limítrofe” porque suas visualizações e novos assinantes repentinamente deram um mergulho dramático e inexplicável. Kulinski relata que durante a noite ele passou de dezenas de milhares de novas assinaturas por mês para talvez mil.

“As pessoas iam ao YouTube para escapar do absurdo mainstream que veem nos noticiários da na TV aberta e a cabo, e agora o YouTube só quer se tornar um noticiário de TV aberta e a cabo”, diz Kulinski. “As pessoas estão vindo aqui para escapar disso e você vai alimentá-las a força com as coisas de que estão tentando escapar, como CNN, MSNBC e Fox News.”

Não é nada surpreendente ouvir Susan Wojcicki admitir dar destaque a mídia do império oligárquico a CEO de uma publicação neoconservadora do Fórum Econômico Mundial. Ela possui a mesma origem de gerenciamento de império de elite que todos os administradores de impérios que foram colocados no comando dos meios de comunicação convencionais por seus proprietários plutocráticos, tendo ido para Harvard depois de ter sido literalmente criada no campus da Universidade de Stanford quando criança. Sua irmã Anne é a fundadora da empresa de testes genéticos 23andMe e foi casada com o cofundador do Google, Sergey Brin.

O próprio Google também usa algoritmos para aumentar artificialmente alcance da mídia do império em suas pesquisas. Em 2017, o World Socialist Website (WSWS) começou a documentar o fato de que, junto com outros veículos de esquerda e anti-guerra, repentinamente experimentou uma queda dramática no tráfego de pesquisas do Google.

Em 2019, o Wall Street Journal confirmou as afirmações do WSWS, relatando que “Apesar de negar publicamente isso, o Google mantém listas negras para remover certos sites ou evitar que outros apareçam em certos tipos de resultados.” Em 2020, o CEO da empresa controladora do Google, Alphabet, admitiu censurar o WSWS em uma audiência no Senado em resposta à sugestão de um senador de que o Google censura apenas conteúdo de direita.

O Google, só pra constar, está financeiramente ligado às agências de inteligência dos Estados Unidos desde seu início, quando recebeu bolsas de pesquisa da CIA e da NSA. Ele despeja quantias maciças de dinheiro em lobby federal e think tanks em Washington, tem uma relação íntima com a NSA e tem sido um contratado da inteligência militar desde o início.

Então temos o Facebook, de onde um terço dos americanos recebe regularmente suas notícias. O Facebook é um pouco menos evasivo em relação às práticas de censura que reforçam o status quo, recrutando abertamente a firma de gestão narrativa imperialista financiada pelo governo e plutocrata The Atlantic Council para ajudá-lo a determinar que conteúdo censurar e o que impulsionar. O Facebook declarou que, se seus “verificadores de fatos”, como o The Atlantic Council, considerarem uma página ou domínio culpado de espalhar informações falsas, isso “reduzirá drasticamente a distribuição de todo o conteúdo de nível de página ou domínio no Facebook”.

Todo o algoritmo empilhado pelos gigantes dominantes de distribuição de notícias Google e Facebook também garante que as plataformas convencionais e os repórteres terão muito mais seguidores do que a mídia independente em plataformas como o Twitter, já que um artigo que foi amplificado artificialmente receberá muito mais visualizações e, portanto, muito mais clics em suas informações de mídia social.

Funcionários da mídia de massa tendem a se agrupar e amplificar uns aos outros no Twitter, exacerbando ainda mais a divisão. Enquanto isso, vozes de esquerda e anti-guerra, incluindo eu, reclamam há anos que o Twitter restringe artificialmente a contagem de seguidores.

Se não fosse por esses atos deliberados de sabotagem e manipulação pelas megacorporações do Vale do Silício, a grande mídia que nos enganou em guerra após guerra e que fabricou consentimento para um status quo opressor teria sido substituída pela mídia independente anos atrás. Esses gigantes da tecnologia são os aparelhos que mantem a vida da propaganda da mídia corporativa.

 

Artigo original aqui

Leia também A verdade sobre fake news

1 COMENTÁRIO