O culto covidiano – parte III

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Em O culto covidiano (Parte I) e (Parte II), caracterizei o chamado “Novo Normal” como um “movimento ideológico totalitário global”. Desde que publiquei esses artigos, mais e mais pessoas passaram a ver o covidianismo pelo que ele é, e não como “insanidade” ou “uma reação exagerada”, mas, de fato, uma nova forma de totalitarismo, uma forma globalizada, patologizada, despolitizada, que está sendo sistematicamente implementado sob o pretexto de “proteger a saúde pública”.

Para se opor a essa nova forma de totalitarismo, precisamos entender como ela se assemelha e se difere dos sistemas totalitários anteriores. As semelhanças são bastante óbvias – a suspensão de direitos constitucionais, governos governando através de decretos, propaganda oficial, rituais de lealdade pública, a proibição da oposição política, censura, segregação social, esquadrões de capangas aterrorizando o público e assim por diante – mas as diferenças não são tão óbvias.

Enquanto o totalitarismo do século XX (ou seja, a forma com a qual a maioria das pessoas geralmente está familiarizada) era mais ou menos nacional e abertamente político, o totalitarismo do Novo Normal é supranacional e sua ideologia é muito mais sutil. O Novo Normal não é nazismo ou stalinismo. É o totalitarismo global-capitalista, e o capitalismo global não tem uma ideologia, tecnicamente, ou melhor, sua ideologia é a “realidade”. Quando você é um poder hegemônico ideológico global incomparável, como o capitalismo globalista tem sido nos últimos 30 anos, sua ideologia automaticamente se torna “realidade”, porque não há ideologias concorrentes. Na verdade, não há ideologia alguma… há apenas “realidade” e “irrealidade”, “normalidade” e “desvios da norma”.

Sim, eu sei, realidade é realidade… é por isso que estou colocando todos esses termos entre aspas assustadoras, então, por favor, me poupe dos longos e-mails provando conclusivamente a realidade da realidade e tente entender como isso funciona.

Existe a realidade (o que quer que você acredite que seja) e existe a “realidade”, que dita como nossas sociedades funcionam. A “realidade” é construída (ou seja, simulada), coletivamente, de acordo com a ideologia de qualquer sistema que controle a sociedade. No passado, a “realidade” era abertamente ideológica, independentemente de qual “realidade” você vivesse, porque havia outras “realidades” concorrentes lá fora. Não há mais. Existe apenas uma “realidade”, porque todo o planeta – sim, incluindo China, Rússia, Coreia do Norte e onde quer que seja – é controlado por um sistema globalmente hegemônico.

Um sistema globalmente hegemônico não precisa de ideologia, porque não precisa competir com ideologias rivais. Assim, ele apaga a ideologia e a substitui por “realidade”. A realidade (o que quer que você pessoalmente acredite que seja, o que, claro, é o que realmente é) não é realmente apagada. Isso simplesmente não importa, porque você não pode ditar a “realidade”. O capitalismo global consegue ditar a “realidade” ou, mais precisamente, simula a “realidade” e, ao fazê-lo, simula o oposto da “realidade”, que é igualmente, se não mais, importante.

Essa “realidade” global-capitalista-fabricada é uma “realidade” despolitizada, a-histórica, que forma uma fronteira ideológica invisível que estabelece os limites do que é “real”. Dessa forma, o capitalismo global (a) oculta sua natureza ideológica e (b) torna toda e qualquer oposição ideológica automaticamente ilegítima ou, mais precisamente, inexistente. A ideologia como a conhecíamos desaparece. Argumentos políticos, éticos e morais são reduzidos à questão do que é “real” ou “factual”, ditada pelos “especialistas” e “verificadores” da GloboCap.

Além disso, como essa “realidade” não é um sistema ideológico coeso com valores fundamentais, princípios fundamentais e assim por diante, ela pode ser drasticamente revisada ou completamente substituída praticamente a qualquer momento. O capitalismo global não tem valores fundamentais – além do valor de troca, é claro – e, portanto, é livre para fabricar qualquer tipo de “realidade” que desejar e substituir uma “realidade” por uma nova “realidade” a qualquer momento que sirva a seus propósitos, como ajudantes de palco mudando um cenário teatral.

Por exemplo, a “Guerra Global ao Terror”, que foi a “realidade” oficial de 2001 até ser cancelada no verão de 2016, quando a “Guerra ao Populismo” foi lançada oficialmente. Ou, agora, o “Novo Normal”, que substituiu a “Guerra ao Populismo” na primavera de 2020. Cada uma das novas simulações de “realidade” foi lançada de forma abrupta, até desajeitada, como aquela cena de 1984 em que o Partido muda inimigos oficiais bem no meio de um discurso da Semana do Ódio.

Sério, pense em onde estamos atualmente, 18 meses em nossa nova “realidade”, depois volte e reveja como a GloboCap lançou descaradamente o Novo Normal na primavera de 2020 … e a maioria das massas nem titubeou. Eles fizeram uma transição perfeita para a nova “realidade” na qual um vírus, em vez de “supremacistas brancos” ou “agentes russos” ou “terroristas islâmicos”, se tornou o novo inimigo oficial. Eles puseram de lado os roteiros que vinham recitando literalmente nos quatro anos anteriores, e os roteiros que eles recitavam nos 15 anos anteriores e começaram a tagarelar freneticamente como se estivessem fazendo um teste para uma paródia exagerada de Orwell.

O que nos leva ao problema do culto covidiano… como chegar até eles, o que, não se engane, temos que fazer, de uma forma ou de outra, ou o Novo Normal se tornará nossa “realidade” permanente.

Chamei os Novos Normais de “culto covidiano”, não para insultá-los gratuitamente ou zombar deles, mas porque é isso que o totalitarismo é… um culto em escala social. Qualquer um que tenha tentado conversar com eles pode confirmar a precisão dessa analogia. Você pode mostrar a eles os fatos além de qualquer dúvida. Não fará a menor diferença. Você pensa que está tendo um debate sobre fatos, mas não está. Você está ameaçando sua nova “realidade”. Você acha que está lutando para fazê-los pensar racionalmente. Você não está. O que você fazendo é sendo um herege, um agente de forças demoníacas, um inimigo de tudo o que é “real” e “verdadeiro”.

Os cientologistas o rotulariam de “pessoa supressora”. Os Novos Normais chamam você de “teórico da conspiração”, “anti-vacina” ou “negacionista de vírus”. Os epítetos específicos realmente não importam. Eles são apenas rótulos que os membros do culto e os totalitários usam para demonizar aqueles que eles percebem como “inimigos”… qualquer um que desafie a “realidade” do culto, ou a “realidade” do sistema totalitário.

O simples fato da questão é que você não pode dissuadir as pessoas de uma seita, e você não pode dissuadi-las do totalitarismo. Normalmente, o que você faz, no caso de um culto, é tirar a pessoa do culto. Você as sequestra, as leva para um esconderijo ou qualquer outro lugar, as cerca com muitas pessoas de fora do culto e as desprograma gradualmente ao longo de vários dias. Você faz isso porque, enquanto elas ainda estão dentro do culto, você não pode chegar até elas. Elas não podem ouvi-lo. Um culto é uma “realidade” coletiva e autocontida. Seu poder flui do organismo social composto pelos líderes do culto e os outros membros do culto. Você não pode “falar” desse poder. Você tem que remover fisicamente a pessoa antes de começar a argumentar com ela.

Infelizmente não temos essa opção. O Novo Normal é um sistema totalitário global. Não há “fora” do sistema para onde se retirar. Não podemos sequestrar todos e levá-los para a Suécia. Como observei na Parte I desta série, o paradigma culto/sociedade foi invertido. O culto tornou-se a sociedade dominante, e aqueles de nós que não foram convertidos tornaram-se uma coleção de ilhas isoladas existentes, não fora, mas dentro do culto.

Então, precisamos adotar uma estratégia diferente. Precisamos fazer o monstro se mostrar, não para aqueles de nós que já podem vê-lo, mas para as massas do Novo Normal, os cultistas covidianos. Precisamos fazer Jim Jones largar a porcaria de paz e amor, ir para a selva e servir o suco envenenado. Precisamos fazer Charles Manson largar sua guitarra, cancelar a hora da orgia e virar um hippie homicida. É assim que você derruba um culto de dentro. Você não tenta impedir seu progresso; você o empurra em direção à sua conclusão lógica. Você o faz manifestar sua plena expressão, porque é assim que ele implode e morre. Você não faz isso sendo educado, conciliador ou evitando conflitos. Você faz isso gerando tanto conflito interno quanto possível dentro do culto.

Em outras palavras, precisamos fazer com que a GloboCap (e seus lacaios) seja abertamente totalitária… porque ela não pode ser. Se pudesse, já o teria feito. O capitalismo global não pode funcionar dessa maneira. Tornar-se abertamente totalitário o fará implodir… não, não o capitalismo global em si, mas esta versão totalitária dele. Na verdade, isso já está começando a acontecer. Ele precisa da simulação da “realidade” e da “democracia” e da “normalidade” para manter as massas dóceis. Então, precisamos atacar essa simulação. Precisamos martelar até que rache, e o monstro escondido apareça.

Essa é a fraqueza do sistema… o totalitarismo do Novo Normal não funcionará se as massas o perceberem como totalitarismo, como um programa político/ideológico, e não como “uma resposta a uma pandemia mortal”. Portanto, precisamos fazer com que todos o vejam como totalitarismo. Precisamos forçar os Novos Normais a vê-lo como o que ele é. Não quero dizer que precisamos explicar isso a eles. Eles estão além do alcance das explicações. Quero dizer que precisamos fazê-los ver, sentir, de forma tangível, inescapável, até que eles reconheçam com o que estão colaborando.

Pare de discutir com eles em seus termos e, em vez disso, ataque diretamente sua “realidade”. Quando eles começam a tagarelar sobre o vírus, as variantes, as “vacinas” e todas as outros termos de culto do Covid não sejam sugados para sua narrativa. Não responda como se fossem racionais. Responda como se estivessem falando sobre “Xenu”, “thetans do corpo”, “Helter Skelter” ou qualquer outro absurdo de culto, porque é exatamente isso que são essas coisas. O mesmo vale para suas regras e restrições, as “coberturas faciais”, os “distanciamentos sociais”, etc. Pare de argumentar com eles alegando que essas coisas não funcionam. É claro que elas não funcionam, mas esse não é o ponto (e argumentar dessa maneira suga você para a “realidade deles”). Oponha-se a elas por causa do que são, uma coleção de rituais bizarros de conformidade realizados para cimentar a lealdade ao culto e criar uma atmosfera geral de “pandemia mortal”.

Há muitas maneiras de fazer isso, ou seja, de gerar conflito interno. Eu tenho feito do meu jeito, outros estão fazendo do jeito deles. Se você é um deles, obrigado. Se não é, comece a fazer do seu jeito. Faça-o como e onde puder. Faça os Novos Normais enfrentarem o monstro, o monstro que eles estão alimentando… o monstro que eles se tornaram.

 

 

 

Artigo original aqui