A Mentira Covid – Como duas corporações controlam o mundo

0
Tempo estimado de leitura: 14 minutos

Se você está se perguntando como a economia mundial foi dominada e a humanidade foi sequestrada por uma narrativa completamente falsa, a resposta está neste vídeo, A Mentira Covid.

O que a produtora holandesa do vídeo desvenda é que as ações das maiores corporações do mundo são de propriedade dos mesmos investidores institucionais. Todas elas são donas umas das outras. Isso significa que marcas “concorrentes”, como Coca-Cola e Pepsi, não são realmente concorrentes, já que suas ações pertencem exatamente às mesmas empresas de investimento, fundos de investimento, seguradoras, bancos e, em alguns casos, governos. Este é o caso, em todos os setores.

Em outras palavras, essas duas empresas de investimento, Vanguard e BlackRock, detêm o monopólio de todas as indústrias do mundo e, por sua vez, são de propriedade das famílias mais ricas do mundo, algumas das quais são da realeza e que são muito ricas desde antes da Revolução Industrial. Por que nem todos sabem disso? Por que não há filmes e documentários sobre isso? Por que não está nas notícias? Porque 90% da mídia internacional pertence a nove conglomerados de mídia.

A Mentira Covid pergunta: “Quem patrocina a organização e as agências de imprensa que produzem nossas notícias? Com o Project Syndicate, vemos a Fundação Bill e Melinda Gates, a Open Society Foundation e o European Journalism Centre. As organizações que trazem as notícias são pagas por organizações sem fins lucrativos, da mesma elite que também possui toda a mídia, mas também uma parte do dinheiro dos contribuintes é usada para pagá-los.”

Ou, como disse George Carlin: “É um pequeno clubinho e você não está nele”.

Então, quando Lynn Forester de Rothschild quer que os Estados Unidos sejam um país de partido único (como a China) e não quer que leis de identificação de eleitores sejam aprovadas nos EUA, para que mais fraudes eleitorais possam ser perpetradas para alcançar esse fim, o que ela faz?

Ela realiza uma teleconferência com os 100 maiores CEOs do mundo e diz a eles para denunciar publicamente como “Jim Crow” a aprovação de uma lei anticorrupção na Geórgia e ordena que seus obedientes CEOs boicotem o Estado da Geórgia, como vimos com a Coca-Cola e Major League Baseball e até a estrela de Hollywood, Will Smith. Nesta teleconferência, vemos sombras do Grande Reinício, Agenda 2030, a Nova Ordem Mundial.

A ONU quer garantir, assim como Schwab, que em 2030 a pobreza, a fome, a poluição e as doenças não assolem mais a Terra. Para conseguir isso, a ONU quer que os impostos dos países ocidentais sejam divididos pelas megacorporações da elite para criar uma sociedade totalmente nova. Para este projeto, a ONU diz que precisamos de um governo mundial – ou seja, a própria ONU.

E é claro que a “pandemia” foi orquestrada para que isso acontecesse. Este vídeo faz um trabalho incrível de explicar como tudo está sendo feito.

TRANSCRIÇÃO

Enquanto você está vendo milhões de pessoas caírem na pobreza por causa das medidas corona dos anos passados, mesmo que a maior crise econômica da história ainda não tenha afetado você, será apenas uma questão de tempo até que os efeitos em cascata o atinjam também.

Isso não é medo, mas é uma dura realidade. Também acho que podemos mitigar os danos e até fazer melhor, desde que sejamos informados corretamente sobre nossa situação. É por isso que gostaria de mostrar alguns fatos, que você pode verificar facilmente que são verídicos, que são de importância crucial.

Menos de um punhado de grandes corporações dominam todos os aspectos de nossas vidas. Isso pode parecer exagerado, mas desde o café da manhã que comemos até o colchão em que dormimos e tudo o que vestimos e consumimos depende em grande parte dessas corporações.

Elas são grandes empresas de investimento que determinam o curso do fluxo do dinheiro. Elas são os personagens principais da peça que estamos assistindo. Eu sei que seu tempo é valioso, então eu resumi os dados mais importantes.

Como funciona?

A INDÚSTRIA ALIMENTAR

Tomemos como exemplo a Pepsico. É a empresa-mãe de muitas empresas de refrigerantes e empresas de petiscos. As chamadas marcas competitivas são de fábricas de algumas corporações que monopolizam toda a indústria. Na indústria de alimentos embalados, existem algumas grandes empresas, como Unilever, Coca-Cola Company, Mondelez e Nestlé.

Na foto, você vê que a maioria das marcas da indústria alimentícia pertence a uma dessas corporações. As grandes empresas estão no mercado de ações e têm os grandes acionistas no conselho de administração.

Em fontes como o Yahoo Finance, podemos ver informações detalhadas da empresa, como quem são os maiores acionistas. Vamos pegar a Pepsico novamente, como exemplo. Vemos que cerca de 72% das ações são de propriedade de nada menos que 3.155 investidores institucionais. São empresas de investimento, fundos de investimento, seguradoras, bancos e, em alguns casos, governos.

Quem são os maiores investidores institucionais da Pepsico? Como você pode ver, apenas 10 dos investidores possuem juntos quase um terço das ações. Os 10 maiores investidores juntos somam um valor de US$59 bilhões, mas desses dez, apenas três possuem mais ações do que os outros sete. Vamos lembrar deles e procurar saber quem possui mais ações da Coca-Cola Company, a maior concorrente da Pepsi.

O maior volume de ações é novamente de propriedade de investidores institucionais. Vejamos os 10 primeiros e comecemos pelos seis últimos. Também vimos quatro desses investidores institucionais entre os seis piores da Pepsico. Estes são Northern Trust, JPMorgan-Chase, Geode Capital Management e Wellington Management. Agora, vamos olhar para os quatro maiores proprietários de ações. Eles são BlackRock, Vanguard e State Street. Essas são as maiores empresas de investimento do mundo, então Pepsico e Coca-Cola não são concorrentes.

As outras grandes empresas que possuem uma infinidade de marcas, como Unilever, Mondelez e Nestlé, são do mesmo pequeno grupo de investidores. Mas não é só na indústria alimentícia que seus nomes surgem. Vamos descobrir na Wikipedia, quais são as maiores empresas de tecnologia.

BIG TECH

O Facebook é o dono do Whatsapp e do Instagram. Juntamente com o Twitter, eles formam as plataformas de mídia social mais populares. A Alphabet é a controladora de todas as empresas do Google, como YouTube e Gmail, mas também é a maior investidora no Android, um dos dois sistemas operacionais de quase todos os smartphones e tablets. O outro sistema operacional é o IOS da Apple. Se adicionarmos a Microsoft, veremos quatro empresas fazendo o software para quase todos os computadores, tablets e smartphones do mundo.

Vamos ver quem são os maiores acionistas dessas empresas. Veja o Facebook: vemos que 80% das ações são de propriedade de investidores institucionais. Esses são os mesmos nomes que surgiram na indústria alimentícia; os mesmos investidores estão entre os três primeiros. Em seguida, é o Twitter. Com Facebook e Instagram, são os três primeiros. Surpreendentemente, esta empresa também está nas mãos dos mesmos investidores. Nós os vemos novamente, com a Apple e até com seu maior concorrente, a Microsoft.

Além disso, se olharmos para outras grandes empresas do setor de tecnologia que desenvolvem e fabricam nossos computadores, TVs, telefones e eletrodomésticos, vemos os mesmos grandes investidores, que juntos possuem a maioria das ações. É verdade para todas as indústrias. Não estou exagerando.

A INDÚSTRIA DE VIAGENS (E ENERGIA E MINERAÇÃO)

Um último exemplo, vamos reservar umas férias num computador ou smartphone. Procuramos um voo para um país ensolarado no Skyscanner ou na Expedia. Ambos são do mesmo pequeno grupo de investidores. Voamos com uma das muitas companhias aéreas. Muitas das quais estão nas mãos dos mesmos investidores e de governos, como é o caso da Air France, KLM. O avião que embarcamos é, na maioria dos casos, um Boeing ou um Airbus, também de propriedade dos mesmos nomes. Reservamos pelo Booking.com ou AirBnB e quando chegamos saímos para jantar e fazemos um comentário no Tripadvisor.

Os mesmos grandes investidores aparecem em todas as etapas da nossa viagem e seu poder é ainda maior, porque o querosene é de suas empresas petrolíferas ou refinarias. O aço do qual o avião é feito vem de suas mineradoras. Este pequeno grupo de empresas de investimento e fundos e bancos são também os maiores investidores da indústria que extraem matérias-primas.

A Wikipedia mostra que as maiores empresas de mineração têm os mesmos grandes investidores que vemos em todos os lugares. Também as grandes empresas agrícolas, das quais toda a indústria alimentar depende; eles são donos da Bayer, empresa-mãe da Monsanto, o maior produtor de sementes do mundo, mas também são acionistas da grande indústria têxtil. E mesmo muitas marcas de moda populares que fazem roupas de algodão são de propriedade dos mesmos investidores.

Se olharmos para as maiores empresas de painéis solares do mundo ou refinarias de petróleo, as ações estão nas mãos das mesmas companhias. Elas são donas das empresas de tabaco que produzem todas as marcas populares de cigarro, mas também possuem todas as grandes empresas farmacêuticas e as instituições científicas que produzem medicamentos. Elas são donas das empresas que produzem os metais e também de toda a indústria automobilística, aeronáutica e bélica, onde grande parte dos metais e matérias-primas são utilizados. Os donos das empresas que constroem nossos eletrônicos, são donos dos grandes armazéns e mercados online e até dos meios de pagamento que usamos para comprar seus produtos.

Para deixar este vídeo o mais curto possível, mostrei apenas a ponta do iceberg. Se você decidir pesquisar isso com as fontes que acabei de mostrar, verá que as seguradoras, bancos, construtoras, empresas de telefonia, redes de restaurantes e cosméticos mais populares são de propriedade dos mesmos investidores institucionais que acabamos de ver.

BLACKROCK E VANGUARD

Estes investidores institucionais são principalmente empresas de investimento, bancos e companhias de seguros. Por sua vez, elas próprias são de propriedade dos acionistas e o mais surpreendente é que eles possuem as ações umas das outras

Juntas, elas formam uma imensa rede comparável a uma pirâmide. Os investidores menores são de propriedade de investidores maiores. Esses são de propriedade de investidores ainda maiores. O topo visível desta pirâmide mostra apenas duas empresas cujos nomes já vimos com frequência. Elas são Vanguard e BlackRock. O poder dessas duas empresas está além da sua imaginação. Elas não apenas possuem uma grande parte das ações de quase todas as grandes empresas, mas também as ações dos investidores dessas empresas. Isso lhes dá um monopólio completo.

Um relatório da Bloomberg afirma que ambas as empresas no ano de 2028, juntas, terão investimentos no valor de 20 trilhões de dólares. Isso significa que elas serão donas de quase tudo

A Bloomberg chama a BlackRock de “o quarto ramo do governo”, porque é a única agência privada que trabalha em estreita colaboração com os bancos centrais. A BlackRock empresta dinheiro ao banco central, mas também é o consultora. Também desenvolve o software que o banco central usa. Muitos funcionários da BlackRock estavam na Casa Branca com Bush e Obama. Seu CEO, Larry Fink, pode contar com uma recepção calorosa de líderes e políticos. Não é tão estranho, se você sabe que ele é o líder da empresa dominante. Mas Larry Fink não é o manda chuva supremo.

A própria BlackRock também é propriedade de acionistas. Quem são esses acionistas? Chegamos a uma estranha conclusão. O maior acionista é a Vanguard. Mas agora as coisas ficam turvas. A Vanguard é uma empresa privada e não podemos ver quem são os acionistas. A elite que possui a Vanguard aparentemente não gosta de estar no centro das atenções, mas é claro que não pode se esconder de quem está disposto a cavar fundo.

Relatórios da Oxfam e da Bloomberg dizem que 1% do mundo, juntos, possuem mais dinheiro do que os outros 99%. Pior ainda, a Oxfam diz que 82% de todo o dinheiro ganho em 2017 foi para esse 1%.

A Forbes, a revista de negócios mais famosa, diz que em março de 2020, havia 2.095 bilionários no mundo. Isso significa que a Vanguard é propriedade das famílias mais ricas do mundo. Se pesquisarmos sua história, veremos que sempre elas foram as mais ricas. Algumas delas, antes mesmo do início da Revolução Industrial, porque sua história é tão interessante e extensa, farei uma continuação.

Por enquanto, só quero dizer que essas famílias, das quais muitos são da realeza, são os fundadores do nosso sistema bancário e de todas as indústrias do mundo, essas famílias nunca perderam o poder, mas devido ao aumento da população, tiveram que se esconder atrás de empresas, como a Vanguard, cujos acionistas são os fundos privados e sem fins lucrativos dessas famílias.

ONGs E FUNDAÇÕES E SUA PROPRIEDADE DA BIG PHARMA

Para esclarecer o quadro, tenho que explicar brevemente o que realmente são as organizações sem fins lucrativos. Estas parecem ser o elo entre empresas, política e mídia. Isso esconde um pouco os conflitos de interesses. As organizações sem fins lucrativos, também chamadas de “fundações” são dependentes de doações, não precisam divulgar quem são seus doadores, podem investir o dinheiro da maneira que acharem melhor e não pagam impostos, desde que os lucros sejam investidos novamente em projetos. Desta forma, as organizações sem fins lucrativos mantêm centenas de bilhões de dólares entre si de acordo com o governo australiano, as organizações sem fins lucrativos são uma forma ideal de financiamento de terroristas e de lavagem de dinheiro em massa.

As fundações e os fundos das famílias mais ricas ficam em segundo plano o máximo possível. Para questões que recebem muita atenção, são usadas as fundações de filantropos que são de classificação inferior, mas muito ricos.

Quero ser breve, então mostrarei as três mais importantes que conectam todas as indústrias do mundo. São elas a Fundação Bill e Melinda Gates, a Fundação Open Society do controverso multibilionário Soros e a Fundação Clinton. Vou dar-lhe uma introdução muito curta para mostrar o seu poder.

Segundo o site do Fórum Econômico Mundial, a Fundação Gates é a maior patrocinadora da OMS. Isso foi depois que Donald Trump cessou o apoio financeiro dos EUA à OMS em 2020. Portanto, a Fundação Gates é uma das entidades mais influentes em tudo o que diz respeito à nossa saúde. A Fundação Gates trabalha em estreita colaboração com as maiores empresas farmacêuticas, entre as quais Pfizer, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Biontech e Bayer.

E acabamos de ver quem são seus maiores acionistas. Bill Gates não era um pobre nerd de computador que milagrosamente se tornou muito rico. Ele é da família de um filantropo que trabalha para a elite absoluta. Sua Microsoft é de propriedade da Vanguard, BlackRock e Berkshire Hathaway. Mas a Fundação Gates, depois da BlackRock e da Vanguard, é a maior acionista da Berkshire Hathaway. Ela era até mesmo o membro do conselho lá.

Precisaríamos de horas se quiséssemos descobrir tudo em que Gates, a Open Society Foundation de Soros e a Clinton Foundation estão envolvidos. Elas formam uma ponte para a situação atual, então eu tive que fazer esta pequena introdução delas.

A MÍDIA MAINSTREAM

Precisamos começar o próximo tópico com uma pergunta. Alguém como eu, que nunca faz vídeos, pode, com um laptop velho, mostrar objetivamente que apenas duas empresas detêm o monopólio de todas as indústrias do mundo. Minha pergunta é: por que isso nunca é falado na mídia?

Podemos escolher diariamente entre todos os tipos de documentários e programas de TV, mas nenhum deles aborda esse assunto. Não é interessante o suficiente ou há outros interesses em jogo? Wikipedia, mais uma vez nos dá a resposta. Dizem que cerca de 90% da mídia internacional pertence a nove conglomerados de mídia. Quer tomemos o monopolista Netflix e Amazon Prime ou enormes empresas que possuem muitas empresas filiais, como Time-Warner, Walt Disney Company, Comcast, Fox Corporation, Bertelsmann e Viacom, CBS, vemos que os mesmos nomes possuem ações.

Essas corporações não apenas fazem todos os programas, filmes e documentários, mas também são donas dos canais em que são transmitidos. Assim, não só as indústrias, mas também a informação é propriedade da elite.

Mostrarei brevemente como isso funciona na Holanda. Para começar, todos os principais meios de comunicação holandeses são de propriedade de três empresas. A primeira é a De PersGroep [DPG Media], a empresa-controladora das seguintes marcas. Além dos muitos jornais e revistas, ela também é dona da Sanoma, a empresa- controladora de alguns dos grandes canais comerciais holandeses. Muitos meios de comunicação do exterior, como a VTM também são de propriedade do De PersGroep.

A segunda é a Mediahuis, uma das maiores na mídia da Europa. Na Holanda, a Mediahuis possui as seguintes marcas. Até 2017, também a Sky Radio e a Radio Veronica eram de propriedade da Mediahuis, assim como a Radio 538 e a rádio 10.

E depois há a Bertelsmann, que é uma das 9 maiores empresas de mídia. Esta empresa é proprietária da RTL, que possui 45 estações de televisão e 32 estações de rádio em 11 países. Mas Bertelsmann também é coproprietário da maior editora de livros do mundo, a Penguin Random House.

As ações dessas empresas são de propriedade de fundos privados de três famílias. Essas são a família belga Van Thillo, a família belga Leysen e a família alemã Bertelsmann-Mohn. Todas as três famílias ficaram do lado dos nazistas na guerra.

Segundo a Wikipedia, por esse motivo, o Telegraaf, o jornal da Leysen, foi temporariamente proibido na Holanda após a guerra.

AS FAKE NEWS

Para completar esta visão geral, veja de onde vêm as notícias. As notícias diárias de todos esses meios de comunicação não produzem notícias. Eles usam informações e filmagens das agências de imprensa. ANP e Reuters. Essas agências não são independentes. ANP é propriedade da Talpa, John de Mol. A Thomson-Reuters é de propriedade da poderosa família canadense Thomson.

Os jornalistas e editores mais importantes que trabalham para essas agências são membros de uma agência de jornalismo, como o Centro Europeu de Jornalismo. Estes são um dos maiores patrocinadores europeus de projetos relacionados com a comunicação social. Eles educam jornalistas, publicam livros de estudo, fornecem espaços de treinamento e agências de imprensa e trabalham em estreita colaboração com as grandes corporações, Google e Facebook.

Para análise jornalística e opiniões, a grande mídia usa o Project Syndicate. Esta é a organização mais poderosa na área. O Project Syndicate e organizações como mencionei estão em conjunto com as agências de imprensa. A ligação entre todos os meios de comunicação em todo o mundo de onde os âncoras de telejornais obtêm seus teleprompters, é provável que o texto seja proveniente de uma dessas organizações. Essa é a razão pela qual a mídia mundial mostra sincronicidade em suas reportagens.

E olhe para o próprio centro de jornalismo europeu. Novamente, a Fundação Gates e a Fundação Open Society. Eles também são fortemente patrocinados pelo Facebook, Google, Ministério da Educação e Ciência e Ministério das Relações Exteriores.

Quem patrocina a organização e as agências de imprensa que produzem nossas notícias? Com o Project Syndicate, vemos a Fundação Bill e Melinda Gates, a Open Society Foundation e o European Journalism Centre. As organizações que trazem as notícias são pagas por organizações sem fins lucrativos, da mesma elite que também possui toda a mídia, mas também uma parte do dinheiro dos contribuintes é usada para pagá-las.

Na Bélgica, há protestos regularmente, já que Mediahuis e De Persgroep recebem milhões de euros do governo, enquanto muitos estão no exterior…

O PERIGO EM QUE ESTAMOS AGORA

Bem, isso era muito para digerir e tentei deixar o mais curto que pude. Usei apenas exemplos que julguei necessários para criar uma visão geral clara. Isso ajuda a entender melhor nossa situação atual, que pode lançar uma nova luz sobre eventos passados

Haverá tempo suficiente para mergulhar no passado, mas agora vamos falar sobre hoje, mas meu objetivo é informá-lo sobre o perigo em que estamos agora. A elite governa todos os aspectos de nossas vidas, também, as informações que recebemos e dependem de uma coordenação, cooperação para conectar todas as indústrias do mundo para servir aos seus interesses. Isso é feito através do Fórum Econômico Mundial, entre outros, uma organização muito importante.

Todos os anos, em Davos, os CEOs das grandes corporações se reúnem com líderes nacionais, políticos e outros partidos influentes, como UNICEF e Greenpeace. No conselho de supervisão do FEM está o ex-vice-presidente, Al Gore, nosso próprio ministro, Sigrid Kaag, Feike Sijbesma, presidente do Royal Dutch State Mines e a comissária do banco holandês, Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu . Além disso, o político, filho de Ferdinand Grapperhaus, trabalha para o FEM.

A Wikipedia diz que a taxa anual para membros é de 35.000 euros “mas mais da metade do nosso orçamento vem de parceiros que pagam o custo de políticos que de outra forma não poderiam pagar a adesão”.

Segundo os críticos, o FEM é para empresas ricas fazerem negócios com outras empresas ou com políticos. Para a maioria dos membros, o FEM apoiaria o ganho pessoal em vez de ser um meio para resolver os problemas do mundo. Por que haveria muitos problemas mundiais se os líderes da indústria, banqueiros e políticos de 1971 em diante se reuniram todos os anos para resolver os problemas do mundo?

Não é ilógico que, após 50 anos de reuniões entre ambientalistas e CEOs das empresas mais poluentes, a natureza esteja gradualmente piorando, não melhorando; que esses críticos estão certos, fica claro, quando olhamos para os principais parceiros que juntos compõem mais da metade do orçamento do FEM. Porque estas são a BlackRock, a fundação Open Society, a Fundação Bill e Melinda Gates e muitas grandes empresas, das quais Vanguard e BlackRock possuem as ações.

O presidente e fundador do FEM é Klaus Schwab, professor e empresário suíço. Em seu livro, The Great Reset, ele escreve sobre os planos de sua organização. O coronavírus é, segundo ele, uma grande “oportunidade” para redefinir nossas sociedades. Ele chama isso de “Reconstruir melhor”. O slogan está agora na boca de todos os políticos globalistas do mundo.

Nossa velha sociedade deve mudar para uma nova, diz Schwab. As pessoas não possuirão nada mas irão trabalhar para o estado e ter suas necessidades primárias atendidas. O FEM diz que é necessário que a sociedade de consumo que a elite nos impôs não seja mais sustentável. Schwab diz em seu livro que nunca voltaremos ao antigo normal e o FEM publicou um vídeo recentemente para deixar claro que até 2030 não teremos nada, mas seremos felizes.

O GRANDE REINÍCIO = A NOVA ORDEM MUNDIAL

Você provavelmente já ouviu falar da Nova Ordem Mundial. A mídia quer que acreditemos que se trata de uma teoria da conspiração, mas ela tem sido comentada pelos líderes há décadas. Não apenas George Bush pai, Bill Clinton e Nelson Mandela, mas também filantropos mundialmente famosos, como Cecil Rhodes, David Rockefeller, Henry Kissinger e até George Soros.

A ONU apresentou em 2015 sua polêmica Agenda 2030. É quase idêntica ao Grande Reinício de Klaus Schwab. A ONU quer garantir, assim como Schwab, que em 2030 a pobreza, a fome, a poluição e as doenças não assolem mais a Terra.

Parece bom, mas espere até ler as letras miúdas. O plano é que a Agenda 2030 seja paga por nós, os cidadãos. Assim como eles nos pedem agora para abrir mão de nossos direitos pela saúde, eles vão nos pedir para doar nossa riqueza para combater a pobreza. Não são teorias da conspiração. Está no site oficial deles. Tudo se resume a isso: a ONU quer que os impostos dos países ocidentais sejam divididos pelas megacorporações da elite para criar uma sociedade totalmente nova. A nova infraestrutura, porque os combustíveis fósseis desaparecerão em 2030.

Para este projeto, a ONU diz que precisamos de um governo mundial, ou seja, a própria ONU.

A ONU concorda com Schwab que uma pandemia é uma chance de ouro para acelerar a implementação da Agenda 2030.

É preocupante que o FEM e a ONU admitam abertamente que pandemias e outras catástrofes podem ser usadas para remodelar a sociedade. Não devemos pensar levianamente sobre isso e sim fazer uma investigação completa.

 

 

Artigo original aqui