O que é estagflação e o que a causa?

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A ocorrência de estagflação está associada a uma situação de intensificação geral do aumento dos preços, ao mesmo tempo em que o ritmo da atividade econômica está diminuindo. Um famoso episódio de estagflação ocorreu durante o período de 1974-75, quando a produção industrial anual caiu quase 13% em março de 1975, enquanto a taxa de crescimento anual do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) saltou para cerca de 12%. Da mesma forma, uma grande queda na atividade econômica e uma inflação galopante de preços foi observada durante 1979. Em dezembro daquele ano, a taxa de crescimento anual da produção industrial era próxima de zero, enquanto a taxa de crescimento anual do IPC era superior a 13%.

De acordo com o pensamento popular da época, o banco central influenciava o ritmo de expansão econômica por meio de políticas monetárias. Essa influência, no entanto, tem um preço, que é a inflação. Muitos economistas acreditam que, se o objetivo é alcançar uma taxa de crescimento econômico mais alta e uma taxa de desemprego mais baixa, os cidadãos devem estar prontos para vivenciar taxas mais altas de inflação.

A crença era de que há um tradeoff entre inflação e desemprego. Quanto menor a taxa de desemprego, maior é a taxa de inflação. Por outro lado, quanto maior a taxa de desemprego, menor será a taxa de inflação. A estagflação da década de 1970, então, foi uma grande surpresa para a maioria dos comentaristas econômicos.

No final da década de 1960, Edmund Phelps e Milton Friedman (P-F) desafiaram a visão popular de que pode haver um equilíbrio sustentável entre inflação e desemprego. De fato, ao longo do tempo, de acordo com P-F, as políticas frouxas do banco central estabeleceram as condições para um crescimento econômico menor e uma taxa de inflação mais alta; ou seja, estagflação.

A explicação P-F da estagflação

Partindo de uma situação de igualdade entre a taxa de inflação atual e a esperada, o banco central decide aumentar a taxa de crescimento econômico aumentando a taxa de crescimento da oferta monetária. Como resultado, uma maior oferta de moeda entra na economia e cada indivíduo agora tem mais dinheiro à sua disposição. Por causa desse aumento, todo indivíduo acredita que se tornou mais rico. Isso aumenta a demanda por bens e serviços, o que, por sua vez, desencadeia um aumento na produção de bens e serviços.

Isso aumenta a demanda dos produtores por trabalhadores e, consequentemente, o desemprego cai abaixo da taxa de equilíbrio, que tanto Phelps quanto Friedman chamaram de taxa natural. Uma vez que a taxa de desemprego cai abaixo da taxa de equilíbrio, isso exerce uma pressão ascendente sobre a inflação de preços. De acordo com P-F, os indivíduos percebem que houve um afrouxamento geral da oferta monetária, então as pessoas formam expectativas de inflação mais altas, e os indivíduos percebem que seu aumento anterior no poder de compra agora está diminuindo.

Isso enfraquece a demanda geral por bens e serviços que, por sua vez, enfraquece a demanda geral, o que diminui a produção de bens e serviços, aumentando o desemprego. Observe que, em relação ao desemprego e ao crescimento econômico, agora voltamos para onde estávamos antes da decisão do banco central de afrouxar sua postura monetária, mas agora com uma taxa de inflação muito mais alta.

Consequentemente, temos uma queda na produção de bens e serviços e um aumento do desemprego, juntamente com um aumento da inflação de preços: a estagflação. A partir disso, P-F concluiu que, enquanto o aumento na taxa de crescimento da oferta de moeda for inesperado, o banco central pode projetar um aumento na taxa de crescimento econômico.

No entanto, uma vez que as pessoas aprendem sobre o aumento da oferta monetária e avaliam as implicações desse aumento, elas ajustam sua conduta de acordo. Não surpreendentemente, o impulso temporário para a economia a partir do aumento da oferta de moeda desaparece. Para superar esse obstáculo e fortalecer a taxa de crescimento econômico, o banco central teria que surpreender os indivíduos por meio de um ritmo muito maior de inflação monetária.

No entanto, após um intervalo de tempo, as pessoas aprendem sobre esse aumento e ajustam sua conduta de acordo. Consequentemente, o efeito da maior taxa de crescimento da oferta monetária sobre a economia provavelmente desaparecerá novamente e uma taxa de inflação muito mais alta é tudo o que resta. A partir disso, P-F concluiu que políticas monetárias frouxas só podem gerar crescimento econômico temporariamente e, com o tempo, tais políticas resultarão em maior inflação de preços. Assim, de acordo com P-F, não há tradeoff de longo prazo entre inflação e desemprego.

Aumentos da oferta de moeda sempre prejudicam o crescimento

Em uma economia de mercado, um produtor troca seu produto por dinheiro e depois troca esse dinheiro por outros produtos. Alternativamente, podemos dizer que as trocas de algo por algo ocorrem por meio de dinheiro. Além disso, para que ocorra a troca entre os produtores, esses produtores devem ter produzido bens e serviços úteis.

No entanto, as coisas são diferentes quando o dinheiro é gerado “do nada” devido às políticas do banco central e aos bancos de reservas fracionárias. Uma vez que se recorre ao dinheiro “do nada”, ele põe em movimento uma troca de nada por algo, equivalendo a um desvio de riqueza dos geradores de riqueza para os detentores do dinheiro recém-gerado.

Aumentos na oferta de moeda no mundo moderno implicam aumentos no dinheiro a partir do nada, e o fornecedor de dinheiro novo o obtém trocando nada por ele, nenhum bem ou serviço. Portanto, temos aqui uma troca de nada por dinheiro. Uma vez que o dinheiro “do nada” é trocado pelos produtos dos geradores de riqueza, isso equivale a uma troca de nada por algo.

O detentor desse dinheiro obtém bens e serviços finais sem contribuir direta ou indiretamente para o conjunto de tais bens e serviços ou para o conjunto de riqueza. Isso significa que a riqueza é desviada dos produtores de riqueza para os detentores do dinheiro recém-criado. Assim, os detentores de dinheiro novo consomem bens e serviços sem qualquer contribuição para a produção de bens e serviços. No processo, os verdadeiros geradores de riqueza ficam com menos bens e serviços à sua disposição, o que, por sua vez, enfraquece sua capacidade de fazer a economia crescer.

Observe que uma troca de nada por algo cria um desvio de riqueza e ocorrerá independentemente de o aumento na oferta de moeda ser esperado ou inesperado. Isso significa que, mesmo que a expansão monetária seja esperada, ela ainda prejudicará o crescimento econômico.

Então, o que causa a estagflação?

O aumento da oferta de moeda desencadeia uma troca de nada por algo que, por sua vez, desvia a riqueza dos geradores de riqueza para os não geradores de riqueza. Isso enfraquece o processo de geração de riqueza, o que enfraquece o crescimento econômico.

Observe que o preço de um bem é a quantidade de dinheiro paga pelo bem. Quando dinheiro novo entra em um mercado, isso significa que mais dinheiro é pago pelo bem nesse mercado, o que aumenta o preço desse bem. Uma vez que o bem é considerado plenamente valorizado, o dinheiro vai para outros mercados. Assim, o dinheiro se move de um mercado para outro mercado. Ao longo do tempo, um aumento na oferta de moeda se manifesta por meio de aumentos nos preços de bens e serviços.

Isso cria uma situação em que o aumento da oferta monetária prejudica o processo de geração de riqueza, prejudicando o crescimento econômico. Ao mesmo tempo, temos mais dinheiro por mercadoria, o que significa que os preços das mercadorias estão mais altos do que antes do aumento da oferta de moeda. Assim temos o aumento dos preços dos bens junto com o crescimento econômico mais fraco, que definimos como estagflação.

A estagflação é o resultado final da inflação monetária. Portanto, sempre que o banco central adota uma postura monetária frouxa, também aciona a estagflação no futuro. Agora, para P-F e a maioria dos economistas, o critério para aceitar uma teoria é uma correlação estatística que lhe apoie. É por causa da estagflação visível da década de 1970 que a teoria da estagflação de P-F ganhou amplo apoio.

O fato de que ao longo do tempo uma intensificação do crescimento monetário nem sempre se manifeste através de uma estagflação visível não refuta o que concluímos sobre as consequências dos aumentos da inflação monetária sobre o crescimento econômico e os preços.[1] Uma teoria que se baseia apenas em correlações observadas é simplesmente um exercício de ajuste de curva. O que importa para o estado de uma economia não é a manifestação da estagflação, mas sim o aumento da oferta de moeda “do nada”.

A gravidade da estagflação depende da condição do atual conjunto de riqueza. Se o conjunto de riqueza estiver em declínio, é provável que ocorra um declínio visível na atividade econômica. Além disso, por causa da inflação monetária passada e do consequente aumento da inflação de preços, vemos uma estagflação visível. Por outro lado, se o conjunto de riqueza ainda estiver crescendo, alguma atividade econômica provavelmente também crescerá. Dado o impulso ascendente dos preços, haverá uma correlação positiva entre a atividade econômica e a inflação de preços.

Concluímos que, se não observarmos os sintomas de estagflação após o banco central injetar dinheiro novo na economia, isso significa que o conjunto de riqueza ainda está crescendo. Por outro lado, se estagflarmos, provavelmente o conjunto de riquezas está diminuindo.

Conclusões

O aumento da oferta monetária desencadeia uma troca de nada por algo, transferindo recursos de geradores de riqueza para não geradores de riqueza. Consequentemente, isso enfraquece tanto o processo de geração de riqueza quanto o ritmo da atividade econômica. Quando dinheiro novo entra nos mercados de bens, significa que há mais dinheiro por bens, o que aumenta seus preços. Portanto, temos um aumento nos preços das mercadorias juntamente com o enfraquecimento do crescimento econômico.

É disso que se trata a estagflação. A inflação monetária ao longo do tempo sempre resulta em estagflação, embora muitas vezes não seja imediatamente visível. À medida que o conjunto da riqueza fica sob pressão, no entanto, o fenômeno da estagflação se torna muito real.

 

 

Artigo original aqui

_______________________________

[1] Guido Jorg Hulsmann, “Facts and Counterfacts in Economic Law”, Journal of Libertarian Studies 17, no. 1 (inverno):57-102.