A Mesa Redonda

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Na Inglaterra, Cecil Rhodes criou uma sociedade secreta em 1891 com o objetivo de manter e expandir o Império Britânico para reincorporar os Estados Unidos. Após a virada do século XX, a direção, organização e expansão da sociedade coube ao amigo e executor de Rhodes, Alfred Lord Milner. O Grupo Milner dominou o planejamento doméstico na Grã-Bretanha durante a Primeira Guerra Mundial, e particularmente o planejamento da política externa e colonial do pós-guerra. O Grupo Milner contratou a delegação britânica de especialistas em Versalhes. Para promover a agitação intelectual por tal política, os Milners também criaram os Grupos de Mesa Redonda na Inglaterra e no exterior em 1910.

O primeiro americano a ser convidado a participar da Mesa Redonda foi George Louis Beer, que chamou a atenção deles quando seus livros atacaram a Revolução Americana e elogiaram o Império Britânico do século XVIII. Tal lealdade não poderia ficar sem recompensa, e assim Beer tornou-se membro do Grupo por volta de 1912 e tornou-se o correspondente americano da revista Mesa Redonda. Vimos o papel pró-britânico de Beer como especialista colonial para o The Inquiry. Ele também foi o principal especialista dos EUA em assuntos coloniais em Versalhes e, posteriormente, o Grupo Milner nomeou Beer chefe do Departamento de Mandato da Liga das Nações.

Durante a guerra, Beer, o historiador anglófilo de Yale George Burton Adams e o poderoso historiador da Universidade de Columbia James T. Shotwell, um importante líder do The Inquiry e chefe do National Board for Historical Services, que emitiu propaganda enganosa para o esforço de guerra, formaram uma sociedade secreta para promover a colaboração anglo-americana. Finalmente, liderados por Beer nos Estados Unidos e o chefe do grupo Mesa Redonda na Inglaterra, Lionel Curtis, as equipes históricas britânicas e norte-americanas em Versalhes aproveitaram a ocasião para fundar uma organização permanente para agitar por uma reconstituição informal, se não formal, do Império Anglo-Americano.

O novo grupo, o Institute of International Affairs, foi formado em uma reunião no Majestic Hotel, em Paris, em 30 de maio de 1919. Um comitê organizador de seis homens foi formado, três milneritas da Grã-Bretanha e três americanos: Shotwell; o historiador de Harvard Archibald C. Coolidge, chefe da mesa do Leste Europeu do The Inquiry e membro da família financeira de Boston orientada por Morgan; e James Brown Scott, advogado de Morgan que escreveria uma biografia de Robert Bacon. A filial britânica, o Royal Institute of International Affairs, criou um comitê para supervisionar a redação de uma história em vários volumes da Conferência de Paz de Versalhes; o comitê foi financiado por uma doação de Thomas W. Lamont, sócio de Morgan.