Máscaras não são um mero “incômodo”

1
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

Um dos argumentos mais incisivos feitos pelos proponentes do uso obrigatório de máscara é alguma variação de “é apenas um inconveniente”, então/e/ou “por que você tem que fazer tanto alarde sobre isso”. (Para ficar claro, este não é um argumento científico ou factual legítimo para a adoção de qualquer política, mas não é disso que trata este artigo.) Em grande parte evitarei as questões exclusivas de fazer crianças usarem máscara – o que é claramente abuso infantil institucionalizado – e de pessoas com deficiências ou traumas anteriores, pois muitos dos danos infligidos por máscaras são automaticamente visíveis e facilmente demonstráveis.

Superficialmente, essa controvérsia parece um argumento moral e factualmente convincente. Afinal, se as máscaras tivessem alguma eficácia significativa, não seria uma troca vantajosa suportar um pouco de desconforto para reduzir o sofrimento e a morte muito piores que, de outra forma, seriam infligidos pelo covid?

No entanto, este argumento – “qual é o problema” – não reflete como muitas pessoas experimentam máscaras e decretos de máscaras, incluindo praticamente todos que discordam do uso de máscara como política. É inegável que milhões de pessoas são consideravelmente mais atormentadas pelas máscaras do que o que esperaríamos ser razoável ou mesmo possível para algo que na verdade é apenas um “inconveniente”. As pessoas geralmente não sofrem profundamente com as trivialidades.

Em outras palavras, as máscaras são claramente um fardo consideravelmente maior para muitas pessoas do que sua aparência superficial; e, no entanto, poucas pessoas são capazes de descobrir por si mesmas o que nelas é tão abusivo ou terrível. O objetivo deste artigo é enumerar alguns dos inúmeros danos e abusos emocionais infligidos pelo uso obrigatório de máscara, especificamente aqueles que são difíceis de articular ou identificar a conexão com o uso de máscara.

Então, qual é exatamente o problema de usar máscaras?

Resumindo – como acabamos de dizer – o uso de máscara é para muitas pessoas algo extremamente estressante e que evoca emoções negativas excessivamente poderosas. Esta é simplesmente a realidade, independentemente de tais sentimentos “fazerem sentido”.

Agora, como regra geral, se alguém possui sentimentos fortes sobre algo, há uma razão; ou em outras palavras, há algo que está provocando emoções fortes. E a fonte desses sentimentos não precisa ser aquilo a que os sentimentos estão vinculados. A única coisa que importa é que os sentimentos existem, por mais equivocados que sejam.

Isso não quer dizer que a realidade dos sentimentos deva ser a consideração dominante acima de tudo. O atual movimento radical de “justiça social” que elevou a “identidade” subjetiva de uma pessoa como a característica definidora de uma pessoa é a Reductio ad Absurdum de consagrar sentimentos subjetivos no lugar da própria realidade objetiva.

O que é verdade, entretanto, é que a angústia emocional e o sofrimento das pessoas são bastante reais. Portanto, mesmo que você seja a favor dos decretos de máscara e não se incomode em usar máscara, isso não torna a experiência profundamente angustiante de outra pessoa uma experiência menos real.

A lista a seguir não é exaustiva, apenas uma coleção de alguns dos fatores que tornam o uso de máscara, especialmente o uso obrigatório de máscara, tão angustiante para muitas pessoas.

Algumas coisas importantes a serem lembradas:

  1. Nem todos os problemas listados são verdadeiros para todas as pessoas que consideram as máscaras angustiantes.
  2. Cada questão amplifica as outras, de modo que a angústia cumulativa é muito maior do que a soma de suas partes. É como a diferença entre 1 + 2 + 3 +… 10 e 1x2x3x… 10 (55 vs628.800).
  3. Essa lista não é exaustiva.
  4. As breves explicações destinam-se a fornecer um pouco mais de compreensão sobre como as pessoas podem vivenciar esse estresse específico. Elas não se destinam a definir o problema de forma abrangente.

Tensões emocionais de decretos de máscara

Privação de Autonomia Pessoal

Privar alguém de sua autonomia pessoal é estressante e degradante. Isso é amplificado quando se trata de algo emocionalmente carregado, sujeito a fortes opiniões e sentimentos, relacionado à moralidade/valores e/ou algo que implique que você não tem a capacidade de cuidar de seus próprios interesses. O livre arbítrio é um traço definidor do ser humano, e sua revogação é experimentada como um ataque à individualidade de alguém.

Uma sensação de impotência

Estar à mercê dos caprichos arbitrários e inconstantes de outros faz você sentir uma sensação de impotência, que é extremamente estressante e cansativo, e pode eventualmente colapsar uma pessoa mental e emocionalmente e, portanto, é uma tática favorita usada por tiranos para solapar a vontade da população de forma que ela esteja muito arrasada para se revoltar (veja o reinado de terror de Stalin).

Invalidação sua identidade pessoal

O uso de máscara é hoje – independentemente dos méritos factuais – um símbolo político na sociedade. Ser forçado a usar máscara é por definição ser forçado a ceder em suas próprias ações – e pior, em sua aparição pública – à sua oposição ideológica e/ou política. Imagine se o governo decidisse tornar o uso de um solidéu religioso obrigatório para todos – você pode usar o mesmo argumento que está sendo feito para uso de máscara – qual é o problema, você mal percebe, etc – estou bastante confiante de que ateus, por exemplo, sentiriam intensamente o ataque à sua identidade pessoal.

Ataque à seu senso de moralidade/fazendo você se sentir imoral e egoísta

Os decretos de máscara forçam as pessoas que se opõem a internalizar que estão agindo de forma imoral e egoísta por dois motivos. O primeiro é que a sociedade está consagrando por lei que a forma como você age é imoral e egoísta, o que é uma declaração pública ao mundo de que você é imoral e egoísta. O segundo é que a forma como você age externamente sempre exerce influência em como você se sente e se identifica internamente, então usar uma máscara constantemente corrói suas convicções internas – mesmo que você possa suportar isso, isso cria algum grau de dissonância cognitiva internamente. Ninguém gosta de se sentir malvado ou egoísta.

Priva/arruína as interações humanas

A qualidade e a natureza das interações sociais são bastante reduzidas. Cada interação por trás das máscaras é fundamentalmente diferente. Interagir dessa forma pode causar tristeza, desânimo, isolamento, frieza e/ou crueldade, entre outras coisas.

Com o tempo muda sua personalidade

As máscaras possuem um impacto radical e não natural no funcionamento mental e emocional normal. Com o tempo, isso pode mudar sua personalidade – como torná-lo menos sociável, menos extrovertido, mais desconfiado, menor tendência ou desejo de ser gentil e assim por diante.

Transforma outras pessoas em tiranos abusivos

O objetivo é capturar o fenômeno de um subconjunto de pessoas que se tornaram indivíduos cruéis e desumanos e abusam das pessoas sobre as quais têm poder.

Uma sensação geral de estar preso em um pesadelo

Muitas pessoas têm uma sensação clara e distinta de estarem presas em algum tipo de pesadelo perverso como resultado das políticas covid, o que é uma experiência extremamente angustiante, especialmente quando parece que não há fim à vista.

Falta de justiça elementar

As pessoas são muito sensíveis à justiça e podem sentir enorme estresse e angústia quando tratadas injustamente, especialmente quando o tratamento injusto é flagrante. As políticas de máscara estão literalmente sendo impostas a algumas pessoas para que outras pessoas possam se sentir mais seguras – um tratamento grotescamente desigual, que, a fim de ajudar a saúde emocional dos pró-máscara apavorados, a saúde mental e emocional de todos os outros irá ser pisoteada pelo uso obrigatório de máscara. Além disso, os decretos de máscara consagram preferencialmente as visões e sensibilidades políticas, morais e ideológicas de um segmento da sociedade sem qualquer justificativa.

Experiência repetida de “derrota” em decisões de políticas públicas

A experiência de perder repetidas vezes em decisões de políticas públicas substanciais e significativas é em si muito angustiante. Esta é uma das forças animadoras mais proeminentes que impulsionaram a base de eleitores de Trump – que eles sentiam que sempre perdiam de novo e de novo e de novo. A política da Covid para uma parte substancial da população tem representado uma série de derrotas devastadoras à medida que praticamente todas as opções de política são contra elas.

Sentir que as outras pessoas são importantes, enquanto você não é

Esta é uma angústia distinta, além da falta de justiça – que “eu não importo”; isso é ampliado consideravelmente quando “outras pessoas são importantes”. Isso é o que as pessoas que são sistematicamente ignoradas tendem a sentir, e é muito doloroso.

E isso é especialmente pronunciado em minorias raciais que já se sentem assim desde tempos históricos passados – principalmente com as elites esquerdistas brancas forçando suas preferências sobre os negros e outras minorias.

O estresse da dificuldade de comunicação

A frustração que vem da dificuldade de comunicação é subestimada e tende a deixar as pessoas irritadas, frustradas e estressadas.

O dano da falha na comunicação

Esse dano específico também tem outra dimensão mais tangível – muitas vezes, as pessoas com dificuldade de se comunicar simplesmente desistem, e desistir é em si um fator de estresse adicional que deixa as pessoas esgotadas. Se você estiver conversando com seu médico e “desistir” em vez de ter certeza de que entendeu o que ele estava tentando lhe dizer – especialmente pessoas mais velhas que psicologicamente tendem a desistir mais rápido e têm mais dificuldade inata de ouvir fisicamente – isso pode ser um grande problema.

A angústia do assédio constante

Decretos de máscara são uma intrusão constante na vida pessoal das pessoas que as deixa exasperadas – “apenas me deixe em paz”/”apenas me deixe viver em paz”. É uma necessidade humana básica não ser constantemente assediado por outras pessoas.

Vivendo em constante estado de preocupação, medo e raiva

Saber que você tem que se submeter às ordens da máscara em muitos lugares onde você precisa ir, deixa você sempre sentindo uma variedade de emoções negativas e prejudiciais a esse respeito.

Retira a alegria de muitas atividades diferentes

Veja as compras, por exemplo. Para muitas pessoas, fazer compras é uma atividade de lazer que pode ser uma desintoxicação emocional eficaz do estresse da vida … mas não quando você precisa usar uma máscara para fazer isso.

Vivendo em estresse perpétuo de autoritários sociais

Inevitavelmente, as pessoas que se opõem aos decretos da máscara não serão particularmente zelosos em segui-los à risca, seja deixando a máscara deslizar pelo rosto, tirando-a por alguns minutos aqui e ali, ou apenas mastigando um saco de amendoim por 3 horas. Há sempre um estresse básico de ter que estar constantemente alerta para a “polícia da máscara” (sejam eles verdadeiros policiais ou apenas as Karens irritantes).

Humilhação publica

Os mencionados “policiais das máscaras” costumam ser extremamente zelosos – desequilibrados, na verdade – uma pessoa que não segue o uso de máscara ser humilhada em público é uma ocorrência comum. A humilhação pública pode ser uma experiência traumática.

Abuso emocional

Os decretos de máscara fazem com que muitas pessoas se sintam abusadas emocionalmente. Isso ocorre tanto pelo uso de máscara imposto às pessoas, apesar de todo o sofrimento mental e emocional que isso causa – em outras palavras, abuso – quanto pela manipulação constante que é característica dos abusadores que é parte integrante dos decretos da máscara.

Bullying puro e simples

Decretos de máscara são coerção forçada enfiada na goela abaixo daqueles que se ressentem fortemente deles. Isso é bullying cruel. Ninguém gosta de se sentir intimidado ou de ter a vontade de outra pessoa imposta contra sua própria vontade.

A angústia de estar sob o controle de alguém que você odeia

Pense da seguinte maneira: imagine duas pessoas competindo pela mesma promoção que se odeiam profundamente, e então o vencedor se torna o chefe do perdedor. Esta é uma afronta adicional e distinta ao perdedor. A mesma ideia aqui – as pessoas anti-máscara estão sendo especificamente ditadas pelos próprios oponentes que eles desprezam e sobre o próprio problema pelo qual estão lutando. Isso não é apenas em nível nacional – isso é mais verdadeiro sobre as lutas locais no município ou no conselho escolar, e esta é uma receita segura para hostilidades e inimizade duradoura.

O “imposto” de comprar máscaras menos desagradáveis

Muitas pessoas optam por comprar máscaras mais sofisticadas do que as máscaras cirúrgicas desagradáveis ​​amplamente disponíveis em todos os lugares, porque são muito menos desagradáveis ​​(e muito mais higiênicas e sujeitas a padrões de fabricação e controle de qualidade). Isso em si é mais uma indignidade – se o governo quer nos impor um decreto draconiano, o mínimo que o governo pode fazer é disponibilizar máscaras confortáveis, especialmente considerando que o governo está despejando dinheiro em toda parte por causa do covid – é um insulto adicional e desrespeito das pessoas que estão sendo impostas, no sentido de que é simplesmente indiferente agir dessa maneira com outra pessoa, pelo menos tenha um pouco de sensibilidade e tente tornar seus próprios decretos o mais toleráveis ​​possível para as pessoas que você está impondo.

Ações irracionais do governo geram um sentimento de medo e instabilidade

Assistir ao governo agir de maneira factualmente irracional é em si muito estressante para muitas pessoas, assim como viver sob um regime irracional. O senso de estabilidade e confiança no mundo está enraizado pela necessidade na crença de que a racionalidade é um princípio limitador em algum ponto sobre o que o governo e as pessoas/instituições com poder na sociedade são capazes e desejam fazer.

Faz as pessoas duvidarem de seu senso de realidade

O próprio fato de impor uma política maluca é profundamente destrutivo para o senso de realidade das pessoas. Em outras palavras, há uma tremenda dissonância cognitiva de saber, por um lado, que usar máscara é loucura, mas, por outro lado, observar o governo impor decretos de máscaras – é muito difícil ter uma convicção emocional genuína de que, essencialmente, toda a comunidade médica e todas as instituições da sociedade enlouqueceram. Essa dissonância cognitiva é muito prejudicial psicologicamente ao seu senso de identidade e realidade, e também é mental e emocionalmente exaustiva.

Destrói o senso de confiança e estabilidade das pessoas

Ser forçado a fazer coisas irracionais e insanas corrói o senso de confiança de uma pessoa de que existe uma racionalidade básica na sociedade – algo que fornece às pessoas uma sensação de estabilidade e segurança na vida em geral. É angustiante sentir que não existe absolutamente nenhum princípio limitador racional nas ações ou políticas governamentais, uma vez que isso, por definição, significa que não há nada em que você possa confiar que seja sagrado e esteja fora do poder de destruição de governo (ou de outra pessoa). (Isso também corrói ativamente o tecido social que depende das pessoas serem racionais.)

Destrutivo da humanidade e dignidade das pessoas

Ser forçado a agir irracionalmente faz com que você perca seu senso de dignidade como ser humano com uma faculdade intelectual que distingue o homem dos animais. Em outras palavras, quanto mais você é impedido de agir de acordo com a inteligência, menos você sente a transcendência única de ser um ser humano – tratar as pessoas como animais faz com que se sintam como animais.

Desumanização por meio do anonimato forçado

O rosto é a característica mais visivelmente manifesta que o diferencia como um indivíduo único. As máscaras, ao cobrir o rosto, retiram até certo ponto a sensação de ser um indivíduo único e, em vez disso, fazem você se sentir mais como um número do que como uma pessoa. Também distorcem seu senso de humanidade dos outros, pois você inevitavelmente se torna treinado para perceber que outras pessoas carecem de humanidade.

Elas são tão desconfortáveis

As máscaras podem ser extremamente desconfortáveis ​​de usar, especialmente por longos períodos. Elas também podem ser bastante nojentas de usar – se você espirrar na máscara, bem …

Danos pragmáticos dos decretos de máscara

Promovem autoritarismo e fascismo

Isso é literalmente verdade – a ascensão da governança autoritária e tirânica foi tão chocante quanto rápida. Decretos de máscara – que são objetivamente draconianos e autoritários, independentemente de serem cientificamente justificáveis – internalizam nas pessoas que a governança autoritária é normal, aceitável e não má. Isto é um problema. Todo regime genocida começou assim. Isso por si só é justificativa suficiente para lutar contra os decretos de máscaras “até a morte”.

Em um nível mais identificável, os decretos de máscara acostumam os funcionários do governo a agir como tiranos e desfrutar de seus novos poderes ditatoriais, um “privilégio” do qual é muito improvável que se desfaçam voluntariamente.

Promove o Cultismo Religioso

As máscaras se tornaram um símbolo religioso do virtuosismo de um culto fanático de crenças irracionais que fizeram com que os membros dos culto abandonassem completamente o raciocínio (como motoristas sozinhos em seus carros usando máscaras). Os cultos cometeram algumas das atrocidades mais horríveis e bizarras do século passado.

Condiciona socialmente o cidadão a ser dócil e irracional

Decretos autoritários baseados apenas na palavra das pessoas (os “especialistas”), especialmente em total contradição com os fatos e o bom senso, condicionam as pessoas a serem dóceis e a não pensarem em nada (visto que seus intelectos e opiniões são desprezados e ditos ser de qualidade muito baixa para serem fontes legítimas de conhecimento para qualquer pessoa, incluindo eles próprios). Isso destrói a vibração e a energia da sociedade e condiciona as pessoas a não se considerarem seres individualmente capazes e com potencial para alcançar a grandeza, uma força motriz crítica necessária para impelir as pessoas a fazerem algo de si mesmas.

Balcanização da sociedade

Os decretos de máscara ajudam a semear ainda mais a divisão e inimizade entre as facções da sociedade, oprimindo uma facção e, ao mesmo tempo, dando à outra facção os fundamentos morais para alegar que a facção anti-máscara, por não seguir as políticas do decreto, viola a lei, e estão agindo de forma imoral, conforme definido pela aprovação social dos decretos de máscara como uma medida de saúde crucial.

Os danos abrangentes de decretos de máscara

Estresse

O dano geral mais óbvio dos comandos de máscara é o estresse. O estresse é conhecido por ser agressivamente destrutivo para a saúde e algo que agrava significativamente todas as condições médicas conhecidas. Tudo o que foi listado acima faz com que as pessoas afetadas fiquem estressadas.

Violação do pacto social

Quando parte da sociedade é tão destrutiva para outra parte da sociedade, a sociedade perde sua legitimidade aos olhos dos oprimidos, e o estado de direito é incorrigivelmente erodido, já que um lado simplesmente impõe sua vontade ao outro lado, independentemente das leis, convenções e normas da sociedade; e sem qualquer princípio limitador. “O estado de direito para ti, mas não para mim” não é o estado de direito e não tem legitimidade moral para o “ti” respeitar ou cumprir.

Natureza indefinida do sofrimento

A indefinição da situação é em si uma fonte de sofrimento considerável, ou uma amplificação poderosa do sofrimento que alguém já está experimentando. É infinitamente mais fácil e mais suportável lidar com o sofrimento que você pode ver o seu fim, quando ele vai passar, versus o sofrimento que parece inevitável e sem fim. (A sensação de que o sofrimento é inevitável é um fator onipresente que leva as pessoas ao suicídio.)

Pare com isso, a maioria desses são bobos?

O refúgio final de alguém preso pelos fatos é o desprezo e a zombaria. A natureza humana leva uma pessoa a sentir e agir de forma irônica sobre algo que requer profundidade para ser compreendido. A natureza humana também tende fortemente a não apenas negar, mas zombar de qualquer coisa que desafie a moralidade e a prudência de suas opiniões e ações. Assim, as pessoas são informadas de que suas experiências e sofrimentos com os decretos de máscara não são reais e não fazem sentido – uma das formas mais insidiosas e abomináveis ​​de manipulação abusiva.

É muito difícil obter uma apreciação e compreensão da maioria das coisas nesta lista. Por outro lado, é muito mais fácil destruir qualquer senso de compreensão e consciência emocional deles – tudo o que é necessário é uma linha contundente desprezando toda essa noção como delirante. Tamanho é o poder da zombaria, que um comentário espirituoso pode vencer completamente a consciência adquirida por muitas horas de reflexão e introspecção.

Portanto, não, isso não é bobagem, e sentir isso não faz de você um bebê. Essa acusação nada mais é do que o escárnio em pânico que é a última defesa de quem não consegue debater os fatos reais.

A natureza manipulativa de uma relação abusiva

Uma das táticas didáticas utilizadas pelos abusadores para manter o controle em um relacionamento abusivo é definir o contexto e os fatos de qualquer coisa relacionada ao relacionamento de modo a entrar na cabeça da vítima, por assim dizer, e distorcer seu senso de realidade para que sejam incapazes para articular – até para eles próprios – o fato de seu abuso e vitimização.

Como todos nós podemos ver, as alegações constantes de “máscaras não são um grande problema”, “não há razão concebível para alguém pensar que as máscaras podem ser prejudiciais”, etc., conseguiram realizar isso de forma bastante eficaz. O objetivo deste artigo era desfazer essa mentira perniciosa e abusiva, a fim de empoderar novamente as vítimas do uso obrigatório de máscara contra os proponentes de políticas de máscara que são abusivas e manipuladoras. (Às vezes, as políticas de máscara são postas em prática com relutância, a fim de acomodar realidades políticas ou jurídicas em que a máscara é a opção menos destrutiva.)

Isso pode ser resumido como mais um tipo de sofrimento emocional infligido pelos proponentes do decreto de máscara:

A alegação de que “as máscaras são apenas um inconveniente” equivale à manipulação abusiva que rouba a capacidade das vítimas do uso obrigatório de máscara de identificar e articular o sofrimento e os danos que experimentam com o uso forçado de máscaras.

Para concluir, a citação de D.A. Henderson – considerado responsável pela erradicação da varíola – é muito reveladora:

    “A experiência mostra que as comunidades que enfrentam epidemias ou outros eventos adversos respondem melhor e com o mínimo de ansiedade quando o funcionamento social normal da comunidade é menos perturbado”

É difícil imaginar uma ruptura maior na vida normal do que as máscaras altamente visíveis e simbólicas usadas onipresentemente em todos os lugares.

 

 

 

Artigo original aqui

Todos os nossos artigos sobre máscaras estão reunidos aqui

1 COMENTÁRIO