A OTAN tornou-se exatamente aquilo que foi criada para combater

3
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Depois de mais de uma década, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) atualizou seu Conceito Estratégico para nomear a China como a principal ameaça de segurança global aos nossos “valores”. Em resposta, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, acusou a aliança de promover “conflito e confronto”.

“Ela está impregnada com a mentalidade da Guerra Fria e preconceitos ideológicos”, disse Lijian. Ele está certo, e os preconceitos da OTAN se estendem às mesmas pessoas que a OTAN afirma representar: a China é uma ameaça à aliança liderada pelos EUA — mas também o é todo mundo, em todos os lugares, que não compartilha de sua ideologia. E ao contrário do que a OTAN alega, sua ideologia é pouco mais que um compromisso universalista de subordinar nações a organismos internacionais e reduzir pessoas a meras populações a serem gerenciadas e controladas.

Os EUA originalmente lideraram a OTAN contra a hegemonia global buscada pela União Soviética, que, assim como a OTAN, promoveu “conflito e confronto” com todos os governos que não compartilhavam sua ideologia. A ironia histórica é que os EUA emergiram das cinzas da Guerra Fria como uma nação ideológica com o mesmo zelo de refazer o mundo.

De fato, o expansionismo imprudente da OTAN liderado por Washington contribuiu para a guerra russo-ucraniana em andamento – que então forneceu aos expansores da OTAN uma desculpa para convidar a Finlândia e a Suécia para serem membros de sua organização. Embora os defensores da aliança digam que esses países estão se unindo por vontade própria para buscar segurança contra a Rússia, essa guerra foi em grande parte provocada pela OTAN se tornando uma ferramenta do imperialismo ideológico, que por sua vez exigia a criação de “monstros no exterior” para destruir.

Na realidade, o que isso significa é que os americanos comuns estão subsidiando a ampliação do império enquanto os membros europeus continuam sua dependência dos EUA para sua segurança como satrapias.

Isso não quer dizer que a Rússia ou a China sejam inocentes, mas sim para destacar um paradoxo até então esquecido: mesmo que a OTAN condene o comunismo chinês e o autoritarismo russo, sob a liderança dos EUA, a OTAN se tornou exatamente o que foi criada para combater: um aparato administrado pelas elites tão fervorosamente comprometido com a homogeneidade global forçada quanto o mais devotado leninista — ou jacobino, por falar nisso.

Não muito diferente de nossos ideólogos, os jacobinos procuraram forjar uma ordem internacional em torno de uma nova “polaridade entre as nações livres e as ‘escravizadas'”. Para os jacobinos, toda nação que não experimentou uma revolução rousseauniana em torno da “Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão”, como disse o historiador Simon Schama, foi escravizada pela tirania e pelo despotismo.

Na prática, isso significava cruzadas militares não menos imbuídas de fervor religioso do que as lançadas pela Igreja latina. Também deu origem ao infame Reinado do Terror; as elites francesas decidiram que conspirações domésticas traiçoeiras eram as culpadas pelas derrotas no campo de batalha e, um mês após o estabelecimento de um Tribunal Revolucionário especial para tentar executar suspeitos contra-revolucionários, o Comitê de Segurança Pública foi criado e dotado de amplos poderes de guerra. Tornou-se o motor do Terror assassino que supervisionou uma série de massacres e execuções públicas, matando dezenas de milhares.

Nossa política também ecoa com acusações jacobinas lançadas contra os críticos da política externa dos EUA e seu veículo, a OTAN. Criticar essas políticas é conspirar contra a “democracia” e cometer traição, como Mitt Romney, o senador republicano de Utah sugeriu.

Ainda mais absurda é a adoção da retórica da justiça social para justificar o intervencionismo. “O que uma parada do orgulho tem a ver com a OTAN?” perguntou a Brookings Institution. “Mais do que você possa imaginar.”

Um novo artigo publicado pelo Institute for Peace & Diplomacy observa que a injeção de ativismo “lacrador” na política externa “legitima qualquer forma de ação militar e diplomática que seja nominalmente empreendida a seu serviço, ao mesmo tempo em que deslegitima as críticas a tais políticas”. Isso leva “não apenas à reestruturação política nos países-alvo, mas à total submissão cultural”. O resultado, em outras palavras, é um mundo menos seguro e estável. Os efeitos já estão sendo sentidos em casa nos EUA.

Em meio à inflação descontrolada, os EUA comprometeram mais de US$54 bilhões com a Ucrânia, com bilhões e centenas de milhões e mais prometidos aparentemente a cada semana que passa. Enquanto isso, os preços dos alimentos em casa aumentaram 10% nos últimos 12 meses, marcando o maior aumento em 12 meses desde março de 1981. Os preços da gasolina atingiram um recorde histórico em junho, com média de US$5 o galão. 67% dos americanos dizem que isso está causando dificuldades financeiras, conforme pesquisas recentes do Gallup mostram.

No entanto, de acordo com Matthew Kroenig, vice-diretor do Centro Scowcroft para Estratégia e Segurança do Conselho Atlântico, os americanos devem se preparar para uma guerra simultânea com a Rússia e a China e possivelmente utilizar armas nucleares contra ambos. Questionado sobre quanto tempo os americanos devem sofrer sob os custos crescentes de necessidades básicas como gasolina, Brian Deese, diretor do Conselho Econômico Nacional, disse à CNN: “Isso é sobre o futuro da Ordem Mundial Liberal e temos que permanecer firmes”.

Como disse o presidente Biden: “O tempo que for necessário”.

A maior ameaça que os americanos enfrentam não é o autocrata estrangeiro; é o ideólogo em casa cantando hinos à “democracia” que está disposto a fazer os americanos pagarem qualquer custo, travarem qualquer guerra e gastarem quantidades ilimitadas de sangue e riqueza em nome de valores universalistas que roubam a todos, aqui e no exterior, a soberania.

 

 

Artigo original aqui

3 COMENTÁRIOS

  1. Eu acho que a Otan deveria convidar o Visão libertária para fazer parte deste seleto grupo de defensores da liberdade. Adquirir o passe do Peter Turguniev seria uma tremenda genialidade e um golpe geopolítico na Rússia. Os soldados russos ao saberem deste fato deporiam as armas e se uniriam a Ucrânia para derrubar o Putin.

    Confia.

    • Tudo a ver com o que ele, o Peter, defende.

      Para não só falar mal, nos tempos do ancapsu classic ele era muito bom, seus vídeos eram vedadeiras aulas de libertarianismo.

      Hoje ele lamenta a morte do Shinzo Abe, sendo que já incentivou: rinhas de políticos, que todos os políticos deveriam seguir o exemplo do Tancredo Neves, etc…

      Depois de tudo o que ele pregou no seu primeiro canal, lamentar a morte de um oligarca japonês é foda!! E não se trata de ser contra a violência e o assassinato, isso eu também sou contra, mas houve um certo culto à figura do Abe, ainda que bem discreto, no canal dele.