Raça! Aquele livro de Murray

1
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

Sob o encanto de uma analogia equivocada da teoria darwiniana, os analistas por mais de um século preferiram considerar uma mudança social necessariamente gradual, diminuta e glacial. A ideia de qualquer tipo de mudança social radical ou “revolucionária” ficou fora de moda entre intelectuais e cientistas sociais. As revoluções políticas e culturais do século XX alteraram essa perspectiva, e os observadores estão agora mais dispostos a acalentar a ideia de uma mudança revolucionária repentina.

Bem, uma mudança social vital e recente não foi apenas verdadeiramente revolucionária, mas ocorreu a uma velocidade quase vertiginosa. A saber: até literalmente meados de outubro de 1994, era vergonhoso e tabu para qualquer um falar publicamente ou escrever, duras verdades que todos, e quero dizer todos, sabiam no fundo de seus corações e em particular: isto é, verdades quase auto-evidentes sobre raça, inteligência e hereditariedade. O que costumava ser amplo conhecimento público compartilhado sobre raça e etnia entre autores, publicitários e acadêmicos foi subitamente expulso da praça pública pelo antropólogo comunista Franz Boas e seus associados na década de 1930, e tem sido um tabu desde então. Essencialmente, refiro-me ao fato quase auto-evidente de que indivíduos, grupos étnicos e raças diferem entre si em inteligência e em muitos outros traços, e que a inteligência, bem como traços de temperamento menos controversos, são em grande parte hereditários.

Embora, em contraste com muitos outros países, a esquerda igualitária profissional nos Estados Unidos não tenha sido capaz de usar a censura do governo como uma de suas armas de expulsão, ela usou todas as outras táticas de difamação e intimidação, altas e baixas, para conduzir qualquer tais sentimentos para fora da vida pública, para suprimir a discussão e a erudição, bem como qualquer liberdade genuína de investigação ou pesquisa no que há muito era uma florescente área de estudo. Em um sentido profundo, esta foi uma manifestação inicial do Politicamente Correto, após o qual outras formas virulentas de PC foram adicionadas a essa base anterior. Na área de pesquisa científica, o último livro verdadeiro e abrangente sobre o assunto, Race, do grande cientista britânico John R. Baker, foi publicado pela prestigiosa Oxford University Press na década de 1970. Mas a Oxford Press foi virtualmente forçada, por intensa pressão, se não a retirar o livro abertamente, pelo menos a suprimi-lo na prática, dando-lhe a menor circulação possível.

Para o resto da sociedade, a polícia do pensamento racial foi capaz de suprimir o jornalismo e eliminar todos os traços Racialmente Incorretos não apenas do sentimento da mídia, mas até mesmo do humor, e a rica herança americana do humor étnico quase foi eliminada.

A tática básica dos líderes de esquerda igualitários era, é claro, não dignificar nenhum livro que se dedicasse a uma investigação sincera sobre a questão racial, refutando-os publicamente. Afinal, engajar-se em qualquer tipo de debate público, em sala de aula ou impresso, com O Inimigo significa correr o risco de o igualitário realmente perder, ou pelo menos demonstrar a intelectuais leigos ou ao público em geral que talvez um caso plausível possa ser feito para esta horrível heresia. Assim, a tática dominante da esquerda era se engajar no que Harry Elmer Barnes, em outra conexão, chamou de “apagão”, e para o resto manchar o herege implacavelmente com os rótulos usuais de difamação PC que conhecemos e amamos tão bem: “racista”, “fascista”, “nazista”, “sexista”, “heterosexista” e assim por diante. Melhor apagar e difamar, marginalizando o herege na vergonha e no esquecimento.

A situação política das décadas de 1930 e 1940 foi usada com astúcia pela esquerda igualitária para reprimir toda a oposição. Qualquer expressão de duras verdades raciais era automaticamente criticada como “fascista”, “nazista” e, portanto, ultradireitista. Na verdade, tudo isso era uma invenção. Os principais “cientistas raciais” da década de 1890 até a década de 1930 estavam de acordo em todo o espectro ideológico e político. Na verdade, a maioria dos principais cientistas raciais eram progressistas de esquerda, socialistas e defensores do New Deal. Naquele período, apenas comunistas e outros marxistas eram igualitários, por razões ideológicas. Mas os comunistas foram capazes de usar sua extensa máquina ideológica e de propaganda durante aquela época para, de alguma forma, vincular a perseguição nazista aos judeus ao racismo e às doutrinas de superioridade e inferioridade raciais. Dessa forma, os comunistas foram capazes de intimidar ou converter todos os tipos de progressistas e esquerdistas, incluindo aqueles ex-trotskistas e progressistas que muito mais tarde se tornariam neoconservadores. Isso intimidou os conservadores, que eram os menos receptivos à influência marxista, mas que, por sua vez, foram intimidados à submissão ao serem grosseiramente difamados como “hitleritas” por qualquer expressão de visões racialistas.

Na verdade, no entanto, deve ficar claro que Hitier e os nazistas não perseguiram os judeus porque acreditavam que os judeus eram inferiores em inteligência. E quanto aos negros, havia muito poucos negros residindo na Europa para os nazistas se preocuparem com isso, quanto mais persegui-los. Onde o racismo pré-Segunda Guerra Mundial era politicamente relevante era, por exemplo, nas políticas de corte de imigração nos Estados Unidos e na esterilização de mães que estavam em programas de bem-estar social como parte de vários programas de bem-estar do estado. Ambas as políticas, no entanto, poderiam ser e foram apoiadas por outros motivos que não os racialistas.

Durante os últimos sessenta anos, a pesquisa racial ou a expressão de pontos de vista por intelectuais foi marginalizada e quase literalmente levada à clandestinidade por pressão vinda de cima e de baixo. Mas em outubro de 1994, com incrível velocidade, toda a cultura deu um giro de 180 graus. Após a publicação pelo respeitado Establishment, The Free Press, de The Bell Curve, de Richard Herrnstein e Charles Murray, expressando em detalhes acadêmicos massivamente estupefatos o que todos sempre souberam, mas não ousaram expressar sobre raça, inteligência e hereditariedade, a barragem de repente estourou. Não que todas as críticas fossem favoráveis. De jeito nenhum. Mas o ponto crucial é que o apagão de repente entrou em colapso; o livro de Herrnstein-Murray (já que Herrnstein morreu antes da publicação, agora é para todos os fins de publicidade “o livro de Murray”) é notavelmente em toda parte, atacado na Newsweek, bem como na previsível New Republic, tratado como o fenômeno cultural do ano. Não só isso: os ataques podem ser amargos, mas não são as tradicionais difamações irracionais: ninguém rejeitou o livro como “racista”, “fascista”, “neo-nazista” e todo o resto.

Há muitos aspectos incompreensíveis na descoberta de Herrnstein-Murray. The Bell Curve está se tornando um best-seller, certamente por um trabalho de não-ficção sobre um assunto sério; e, no entanto, não é um livro que mais do que um punhado de estudiosos vá realmente ler. Quantas vezes vemos um trabalho de 900 páginas, cheio de estatísticas chatas e jargões de ciências sociais, tornar-se um livro de mesa de centro, o tipo de livro que você simplesmente tem que expor para mostrar que está atualizado?

Talvez a resposta cultural mais incompreensível, que mais precisa de explicação, foi a da Rainha do meio-campo, o jornal que define a linha dizendo a intelectuais, pessoas da mídia, jornalistas, think-tankers etc. o que pensar: a augusta New York Times Sunday Book Review (Revisão de livro de domingo do New York Times). Na verdade, podemos, pra variar, apontar a revolução cultural e social na Questão Racial em uma data precisa: 16 de outubro de 1994 — a data em que o augusto establishment do New York Times ostensivamente jogou a toalha. Pois o Sunday Book Review dedicou a capa e três páginas inteiras a uma resenha de sucesso de três livros “racistas” recentes, uma resenha que não apenas não se envolveu nas habituais difamações marxóides, mas foi objetiva, respeitosa e realmente favorável! Temos que perceber, em primeiro lugar, que tal extensão para uma revisão no Sunday Times é sem precedentes; os autores venderiam a própria mãe pela publicidade de ter parte de uma página na Review, quanto mais para ter três páginas inteiras. Em segundo lugar, em vez da prática usual do Times de entregar livros desse tipo para os marxistas de Harvard, o paleontólogo Stephen Jay Gould e o biólogo Richard Lewontin, ou alguém de sua laia, a resenha é do repórter científico do New York Times Malcolm W. Browne, que trata essas obras da mesma forma que livros semelhantes deveriam ter sido tratados nas últimas seis décadas.

Não só isso: o livro de Herrnstein-Murray quase afoga seu assunto em estatísticas e qualificações, e tenta minimizar toda a questão racial, dedicando a maior parte de seu espaço a diferenças hereditárias entre indivíduos dentro de cada grupo étnico ou racial. Verdadeiramente incrível é o tratamento que Browne dá ao trabalho muito mais duro, mais ideologicamente explosivo, embora também estritamente científico, do professor J. Phillippe Rushton, Race, Evolution, and Behavior, publicado pela respeitada e corajosa Transaction Publishers afiliada à Rutgers University. A Transaction tem sido, por décadas, uma das poucas editoras nos Estados Unidos genuinamente dedicada à liberdade de pesquisa intelectual e à liberdade de expressão acadêmica. A terceira obra é o livro descaradamente conservador-libertário do professor do Smith College, Seymour Itzkoff, The Decline of Intelligence in America (Praeger). Não apenas todos esses livros são tratados com sobriedade e favoravelmente por Browne, mas ele também aponta a vergonha da supressão de tais visões e pesquisas por décadas. Assim, Browne escreve que “a articulação de questões relacionadas à inteligência e etnicidade do grupo não está na moda nem é segura nas últimas três décadas”, mas que esses livros “valem a pena estudar e meditar”. Pois Browne concorda com esses estudiosos que “chegou a hora de entender a urtiga da heresia política, descartar os mitos sociais e enfrentar as evidências estatísticas”. E Browne conclui o que para o Times é uma crítica massiva, que “o apelo mais insistente dos quatro autores é pela liberdade de debate e pelo fim da mortalha de censura imposta a cientistas e acadêmicos por grupos de pressão e uma sociedade acomodada”. Ele então observa que Herrnstein e Murray escrevem que “nos últimos 30 anos, o conceito de inteligência tem sido um pária no mundo das ideias”, e acrescenta que “chegou a hora de reabilitar o discurso racional sobre o assunto”. A última frase de Browne: “É difícil imaginar uma sociedade democrática fazendo o contrário”. Uau!

Por quê?

Então, como explicamos esse fenômeno? Como explicamos o fato de que a conversa franca sobre raça, inteligência e hereditariedade passou, em uma semana, de tabu a quase banal? O que diabos aconteceu?

Em primeiro lugar, aqueles que acreditam na teoria acidental da história têm seu trabalho muito dificultado. Ninguém pode me convencer de que, sobre um assunto de tamanha delicadeza e magnitude, que essa tremenda mudança de opinião tenha sido puramente uma questão de moda intelectual, de combustão espontânea ou de súbita consideração e profunda convicção. Nenhum tópico pode passar de um status vergonhosamente nazista para um status respeitável e até científico da noite para o dia e por súbita aclamação (a surpresa aqui, para repetir, não é simplesmente a revisão favorável e longa no Times, mas que os críticos de repente mudaram de apagão e… difamação à mera hostilidade e publicidade generalizada). Certamente, neste caso em particular, a visão “paranoica” improvável de que algumas figuras poderosas do establishment apertaram algum botão é uma explicação muito mais plausível.

A ciência vai acabar

Então, por que essa incrível reviravolta ocorreu? Em primeiro lugar, há o ponto importante de que, louvado seja o Senhor, a ciência e a verdade, embora muito atrasadas e adiadas, acabarão por vencer. A longo prazo, a verdade não pode ser suprimida. Nas últimas décadas, houve uma explosão de pesquisas genéticas e de inteligência, aqui e na Europa, apesar da atmosfera variando da supressão sutil à brutal. Apesar da falta de financiamento de pesquisa do governo ou de fundações do establishment, apesar dos ataques acadêmicos aos estudiosos, e de estudantes e arruaceiros da comunidade impedindo esses pesquisadores de lecionar ou ensinar, tem havido um acúmulo esmagador de dados científicos confirmando, repetidamente, o que todos sabem de seus próprios estudos e das observações dos outros.

Dos dois autores de The Bell Curve, Charles Murray é o mais conhecido nos círculos conservadores como um pesquisador neoconservador/libertário de esquerda cujas estatísticas elaboradas confirmaram o que todos já sabiam: que o estado de bem-estar social prejudica, em vez de beneficiar, seus supostos beneficiários e só agrava o problema. Então, o que mais há de novo, Charlie? Mas a verdadeira estrela da dupla é o falecido professor de Harvard Richard Herrnstein, um psicólogo de Harvard que não era nada conservador, mas sim um antiquado progressista de esquerda, ou seja, um dos raros progressistas ainda dedicados à genuína liberdade de investigação e à busca da verdade científica. Quando, duas décadas atrás, Herrnstein se interessou por inteligência e hereditariedade, e antes mesmo de se aventurar na problemática área da raça, de repente ele viu suas aulas e palestras invadidas e ele mesmo ser agredido fisicamente pela comunidade estudantil esquerdista. Recusando-se a ser intimidado, Herrnstein persistiu, independentemente das ameaças ou da crescente tempestade do politicamente correto.

Outros cientistas, aqui e no exterior, incluindo especialistas em inteligência como o professor de Belfast Richard Lynn, confirmaram essas doutrinas repetidamente. Phillippe Rushton, um heroico professor da University of Western Ontario, literalmente não conseguiu ministrar nenhuma de suas aulas pessoalmente, devido à contínua perturbação arruaceiros. (A categoria “arruaceiro” não é, apesar das implicações da mídia norte-americana, confinada aos seguidores do general Cedras no Haiti.) Felizmente, as autoridades da Western Ontario University apoiaram a independência acadêmica de Rushton ao máximo, e ele tem permissão para ter todas as suas palestras exibidas em vídeo-aulas.

À luz dessa explosão de pesquisas, tem sido cada vez mais difícil para a esquerda marxóide manter sua postura igualitária, que cheira cada vez mais ao absurdo “lysenkoismo” ambientalista da vergonhosa era da genética soviética. Como resultado, a esquerda acadêmica recorreu a duas táticas para combater a ameaça da desigualdade. Uma é a admissão franca, embora verdadeiramente horripilante, de que “mesmo que a ciência racialista seja verdadeira, ela deve ser suprimida porque suas conclusões sociais e políticas são imorais”. Uma posição tão franca de que a verdade deve ser suprimida por supostas considerações sociais ou políticas é uma verdadeira “traição dos intelectuais”, uma verdadeira antítese de todo o significado de erudição e pesquisa. É uma posição que deve ser condenada com toda severidade, e é o caso de soar o alarme em qualquer tipo de discurso público. Pois como pode um mentiroso autoproclamado e supressor da verdade ser levado a sério novamente?

A segunda posição de recurso foi uma tática que funcionou por muito tempo. Seu sucesso nega a posição de Hayek de que a única maneira segura de inverter a cultura é primeiro converter os principais filósofos e cientistas, que por sua vez convencem outros acadêmicos, que por sua vez convertem jornalistas e pessoas da mídia, que por sua vez mudam o curso da opinião pública. Além da lentidão desse processo (pode levar séculos), vimos com muita frequência que ele entra em curto-circuito sempre que a ciência ou outro conhecimento entra em uma área de discussão. Talvez funcionasse nos velhos tempos, quando os jornalistas tentavam ser objetivos em busca da verdade e se contentavam em provar e relatar à opinião pública oficial em qualquer ciência ou disciplina que estivessem cobrindo. Como jornalistas responsáveis, eles colocavam de lado suas próprias opiniões pessoais a serviço de sua profissão outrora honrosa. Mas nos últimos anos, como todos sabemos, jornalistas e pessoas da mídia geralmente não se tornaram repórteres objetivos, mas missionários fanáticos com sua própria agenda ideológica de lavagem cerebral do público. Vimos esse processo nos vários pesticidas e outros temores ambientalistas das últimas décadas. A maioria dos cientistas não acreditava que Alar em maçãs fosse uma grande ameaça de câncer (é uma ameaça muito menor, ironicamente, do que as próprias maçãs “naturais”). A maioria dos cientistas não acredita que o “aquecimento global” já tenha sido estabelecido, muito menos se preocupam com sprays de cabelo ou ar condicionados tenham uma contribuição relevante nele. O pessoal da mídia, sabendo disso, simplesmente distorce o processo, sempre recorrendo a citações do pequeno punhado de propagandistas científicos que são esquerdistas com sua própria agenda ambientalista fanática.

O mesmo tem sido verdade no caso de raça e inteligência. Alguém poderia pensar pela quantidade de suas citações que os únicos biólogos, geneticistas ou especialistas em inteligência neste enorme país eram os marxóides de Harvard Gould e Lewontin, ocasionalmente apoiados por seu colega de esquerda Leon Kamin. Certamente nunca iriam saber que a maior parte de seus colegas difere totalmente de sua posição profissional-igualitária. Ao contrário de muitas outras áreas, não há nenhuma tentativa da mídia de “equilíbrio” nesses campos.

Pode-se desculpar esse viés como uma busca típica da mídia por uma frase de efeito enérgica, por uma citação rápida e dramática, enquanto os cientistas tendem a falar em tons medidos e qualificados. Mas essa defesa seria uma desculpa, já que a mídia poderia pelo menos nos informar que a maioria dos cientistas discordava, e eles poderiam buscar algumas contra-citações de pessoas como Rushton, e tratá-las com a mesma deferência que tratam os marxistas de Harvard. Ah!

De qualquer forma, podemos dizer que em meados de outubro, a barragem estourou e o acúmulo de dados e pesquisas científicas simplesmente se tornou demais para Gould, Lewontin e companhia bloquear.

Certamente, essa tensão acumulada entre a verdade científica e a propaganda dominante é parte da explicação do que aconteceu. Mas o problema é que é apenas uma explicação de longo prazo. Ainda temos o quebra-cabeça; por que o avanço ocorreu agora, em outubro de 1994, e por que se concentra no livro de Herrnstein-Murray? Todas as estatísticas chatas? Claro, mas, por exemplo, décadas atrás, o livro de Audrey M. Shuey, The Testing of Negro Intelligence, publicado por uma pequena editora universitária do sul, foi igualmente impressionante em suas estatísticas e, no entanto, afundou sem deixar vestígios.

Parte da resposta, acredito, é precisamente que Audrey Shuey não era uma neoconservadora amada por think-tanks conservadores e de livre mercado, e ela não era professora de Harvard. Com muita frequência, a chave para o sucesso público e acadêmico não é o que você está dizendo, mas quem você é e quem o está apoiando.

Justificando a elite

Passemos então a uma hipótese ousada, embora persuasiva: os poderosos neoconservadores, apesar da pequenez de seu número, têm um controle de ferro sobre grande parte da opinião política pública – por meio de sua série de colunistas sindicalizados, seu controle de numerosos think-tanks oficialmente conservadores e libertários de esquerda sediados em Washington, financiados por ricas fundações neoconservadoras, bem como seu domínio de influentes revistas e órgãos de opinião, encabeçados pela página editorial do Wall Street Journal. Vamos supor – e tem havido crescentes indícios disso nos últimos anos – que os neocons decidiram abandonar seu apoio de longa data ao Movimento Negro. Mas isso não explica a reviravolta do New York Times, que deixou de ser neoconservador (desde a saída de Abe Rosenthal, John Corry e Hilton Kramer), e agora é a voz do progressismo de esquerda nos Estados Unidos (seguido de perto pelo Washington Post). Então, o que aconteceu com os progressistas? Para ser franco, os progressistas brancos se cansaram do Movimento Negro. A histeria deles sobre o nacionalismo negro de Louis Farrakhan e sua infusão na NAACP sob Benjamin Chavis é um exemplo. Pois por que alguém que não é membro da NAACP deveria se importar com o que ela faz, ou quem ela seleciona como seu chefe? Mas os progressistas brancos se importam profundamente, porque os nacionalistas negros estão certos sobre isso: a NAACP e outras organizações de “direitos civis” foram dominadas desde o início por uma minoria de líderes brancos, parcialmente por meio de financiamento branco e parcialmente por influência branca sobre a grande mídia e os políticos tradicionais. Não culpo nem um pouco os negros por estarem cansados ​​do controle branco de organizações ostensivamente negras; se eu fosse negro, eu mesmo estaria tentando expulsar essas pessoas. E porque não?

Mas os progressistas brancos, em contraste (e os neocons também, que são, afinal, apenas progressistas de direita) sentem que os negros são ingratos, e são também ameaças ao seu próprio poder. Os progressistas brancos, igualmente motivados pelos conhecidos horrores cada vez piores do crime e do bem-estar social, também estão finalmente fartos. Eles decidiram, finalmente, que já estavam fartos e que iriam acabar com o movimento negro que tanto fizeram para criar e fomentar. Como parte do que deve ter sido essa decisão deliberada e ponderada, os progressistas (e neocons) decidiram remover o estrangulamento que a extrema esquerda marxóide, os Goulds, os Lewontins e seus semelhantes, tinham sido autorizados a manter na supressão da verdade científica na área de raça e inteligência. E então, bingo! a barragem rompeu. A Frente de Esquerda Unida de neoconservadores, progressistas, negros e da Extrema Esquerda havia subitamente dissolvido.

O fato de os neoconservadores e progressistas terem escolhido se posicionar sobre um livro cheio de estatísticas e o resto do prestigioso aparato da ciência, co-autoria de um professor esquerdista de Harvard e de um pensador neocon-libertário de esquerda, agora faz total sentido. Dificilmente é uma coincidência. Que livro melhor para lançar o desafio para a Esquerda Extrema?

Mas há outro aspecto, mais oculto e mais sinistro, nessa nova posição de neocons e progressistas. No fim das contas, como enfatizaremos mais adiante, tanto os neocons quanto os progressistas são estatistas. Eles não querem liberdade ou mercados livres. Eles não querem, por exemplo, educação genuinamente particular ou em casa. O que eles querem é o estatismo nacional dirigido, não por esquerdistas, mas por eles mesmos. Eles querem seu próprio tipo de estado de bem-estar social e querem um sistema educacional nacionalizado, público e privado, administrado por eles mesmos. Ambos os grupos se opõem fortemente ao movimento populista que varre este país, um movimento profundamente hostil a qualquer forma de nacional-socialismo e à sua encarnação em Washington, DC. Ambos progressistas e neoconservadores favorecem o governo de uma pequena elite poderosa de Washington, uma elite que eles afirmam ser meramente uma “meritocracia” natural. Uma vez que eles, os intelectuais e tecnocratas progressistas e neoconservadores, geralmente têm QIs mais altos do que a maioria do resto da população, que melhor maneira de justificar sua própria regra meritocrática do que invocando a majestade da Ciência? Aqui temos uma chave para a repentina adoção por neocons, e até mesmo por progressistas, da verdade científica sobre raça e inteligência.

Mas afinal, e daí?

Há muitas coisas maravilhosas que paleos, conservadores e libertários, podem comemorar sobre essa nova virada cultural revolucionária sobre a raça. Em primeiro lugar, e apesar das difamações comuns contra os paleos sendo chamados de teocratas e oponentes inveterados da liberdade de expressão, os paleos são os mais fervorosos e genuínos defensores da liberdade de expressão e de investigação neste país. O fim do apagão e das difamações contra os que buscam a verdade na área de raça e inteligência é uma coisa maravilhosa por si só. E em segundo lugar, é claro, o mito igualitário tem sido a principal base ideológica para o estado de bem-estar social e, em seu aspecto racial, para todo o aspecto vasto e sempre em expansão de ações afirmativas de direitos civis-privilégios-cotas do estado de bem-estar. O reconhecimento da herança e das desigualdades naturais entre as raças, bem como entre os indivíduos, derruba o sistema do estado de bem-estar social.

Mas, no fim das contas, a verdade sobre raça e QI significa muito mais para progressistas e neocons do que para paleos. Pois os progressistas e os neocons, sendo estatistas até a medula, são obrigados a assumir o controle dos recursos e alocá-los de alguma forma entre os vários grupos da população. Progressistas-neocons são “classificadores”, eles visam separar as pessoas, subsidiar aqui, controlar e restringir ali. Então, para a elite dominante neoconservadora ou progressista, a ciência étnica ou racial é uma grande coisa porque diz a esses classificadores exatamente quem eles devem subsidiar, quem devem controlar, quem devem restringir e limitar. Eles deveriam usar os fundos dos contribuintes para subsidiar os “desfavorecidos” ou gênios? Lembro-me da única vez em que encontrei o poderoso chefão neocon Irving Kristol; foi há muitos anos, em uma conferência crítica ao igualitarismo na Suíça. Não demorou muito para nós dois entrarmos em uma discussão amarga porque Kristol queria que os gênios fossem declarados um “recurso nacional”; eu comentei calorosamente que tal declaração implicava (a) que os contribuintes deveriam ser forçados a subsidiar gênios como “recursos nacionais”; e (b) que se seguiu que esses subsidiados estariam então sujeitos ao controle do governo. Kristol, se bem me lembro, nunca negou tais implicações.

Mas enquanto neocons e progressistas querem que os planejadores e estatistas nacionais classifiquem, subsidiem e controlem, coisas para as quais eles precisam de dados científicos como inteligência como guias, os paleos são muito diferentes. Paleos acreditam na Liberdade; os paleos acreditam nos direitos da pessoa e da propriedade; os paleos não querem subsídios ou controladores do governo. Paleos querem o Grande Governo fora de todas as nossas costas, sejam nós inteligentes ou burros, negros, pardos ou brancos.

É realmente fascinante que, enquanto progressistas e neoconservadores têm ridicularizado os paleos por anos como notórios “racistas”, “fascistas”, “sexistas” e todo o resto, na verdade nós, como libertários, somos o último grupo que merece tal rótulo: que, de fato, progressistas e neocons, como pessoas que estão com a elite dominante sobre os cidadãos comuns, são muito mais merecedores do rótulo estatista-racista-fascista.

Então: por que falar sobre raça?

Se, então, a questão racial é realmente um problema para estatistas e não para paleos, por que deveríamos falar sobre a questão racial? Por que deveria ser uma preocupação política para nós; por que não deixar a questão inteiramente para os cientistas?

Duas razões que já mencionamos; celebrar a vitória da liberdade de investigação e da verdade por si mesma; e uma bala no coração do projeto socialista-igualitário. Mas há também uma terceira razão: como uma poderosa defesa dos resultados do livre mercado. Se e quando nós, como populistas e libertários, abolirmos o estado de bem-estar social em todos os seus aspectos, e os direitos de propriedade e o livre mercado triunfarem mais uma vez, muitos indivíduos e grupos não gostarão do resultado final. Nesse caso, aqueles grupos étnicos e outros que possam estar concentrados em ocupações de baixa renda ou menos prestigiadas, guiados por seus mentores socialistas, irão, previsivelmente, clamar que o capitalismo de livre mercado é mau e “discriminatório” e que, portanto, o coletivismo é necessário para restabelecer o equilíbrio. Nesse caso, o argumento da inteligência se tornará útil para defender a economia de mercado e a sociedade livre de ataques ignorantes ou interesseiros. Resumidamente; a ciência racialista não é propriamente um ato de agressão ou um disfarce para a opressão de um grupo sobre outro, mas, ao contrário, uma operação em defesa da propriedade privada contra ataques de agressores.

De qualquer forma, há motivo para júbilo nos dias de hoje, pois parece que a gangue igualitária de esquerda sofreu um golpe verdadeiramente letal.

 

 

[Publicado originalmente em dezembro de 1994. Retirado do livro The Irrepressible Rothbard.]

1 COMENTÁRIO

  1. Que aula meus amigos!

    Obrigado senhores do Instituto Rothbard pela publicação deste artigo e língua portuguesa. Quero ver se algum estatista/comunista irá aparecer para chamar o nosso nobre Rothard de racista. No início, sem ter lido este artigo, eu defendia o Rothbard na base do bom senso. Depois de ler, eu passei a recomendar que todos lessem também, o que de maneira previsível, fez com que alguns esquerdistas sumissem do mapa. Um coisa é certa: esquerdista sem ad hominem não é um esquerdista legítimo…
    “os ataques podem ser amargos, mas não são as tradicionais difamações irracionais: ninguém rejeitou o livro como “racista”, “fascista”, “neo-nazista” e todo o resto.”

    É curioso que no Brasil este livro não foi publicado mas rendeu críticas irracionais, principalmente no caderno “Mais” da falecida moralmente Fôia. E mais impresionante ainda é ver uma resenha do Rothbard sobre o livro, ser atacada mais do que o próprio livro…

    “É realmente fascinante que, enquanto progressistas e neoconservadores têm ridicularizado os paleos por anos como notórios “racistas”, “fascistas”, “sexistas” e todo o resto, na verdade nós, como libertários, somos o último grupo que merece tal rótulo: que, de fato, progressistas e neocons, como pessoas que estão com a elite dominante sobre os cidadãos comuns, são muito mais merecedores do rótulo estatista-racista-fascista.”
    É isso! de maneira que todas essas críticas aos libertários – chamados aqui de paleos, serão sempre expressão de algum grupo de mal-intencionados, do mesmo tipo descrito aqui o texto.
    sendo um exageta, somente esta frase em todo texto, desde que tirada do contexto, pode ser usada como justificativa, ou seja, uma ideologia, para acusar de maneira totalmente infudada Rothbard de ser racista: “Nesse caso, o argumento da inteligência se tornará útil para defender a economia de mercado e a sociedade livre de ataques ignorantes ou interesseiros”. Aqui Rothbard está literalmente afirmando que os mercados libertam, enquanto o socialismo escraviza.

    Este artigo é muito mais do que uma resenha sobre um livro, mas igualmente a descrição de como a esquerda estatista atrasa o debate científico, algo que causou tantas mortes e sofrimentos desecessários durante a ditadura sanitária.

    A propósito, onde eu arranjo um busto do Rothbard?

    Obrigado.