A Saúde Global e a arte das grandes mentiras

1

Em um emprego que tive, eu tinha um chefe que mentia muito. As mentiras eram pura fantasia, mas enormes em escopo e contadas com sinceridade. Elas foram muito bem sucedidas. Esse sucesso foi baseado na relutância da maioria das pessoas em considerar que alguém em posição de autoridade em uma organização humanitária ignoraria completamente qualquer aparência de realidade. As pessoas presumiram que as alegações deveriam ser verdadeiras, pois fabricar informações nessa medida e nessas circunstâncias parecia desafiar a lógica.

O princípio de Grandes Mentiras é baseado em serem tão divorciadas da realidade que o ouvinte assumirá que sua própria percepção da realidade deve ser falha, em vez das alegações da pessoa que fala com ele. Somente uma pessoa insana ou ridícula faria afirmações tão bizarras, e uma instituição confiável não empregaria tal pessoa.

Portanto, dado que a instituição era aparentemente crível, as declarações também devem ser críveis, e a percepção prévia da realidade do ouvinte, portanto, falha. Mentiras menores, por outro lado, tendem a ser percebidas como suficientemente próximas da realidade conhecida para serem comprovadamente erradas. Inventar a verdade pode ser mais eficaz do que distorcê-la.

No início, meus colegas me pediam para “fazer algo a respeito”, pois ainda achavam que a organização não deveria mentir para nossa fonte de recursos, para parceiros ou para o público de reuniões científicas. Com o tempo, muitos desses mesmos colegas aprenderam que a integridade era uma má escolha de carreira, enquanto bons jogadores de equipe apoiavam narrativas falsas. Embora eu sempre tivesse consciência da fragilidade da integridade, este lugar me ensinou muito sobre o comportamento humano. No final, apenas uma minoria se recusou a participar. Foi uma excelente preparação para o COVID-19 e a crescente crise de credibilidade da saúde pública global.

Um modelo para engano

As pessoas que trabalham no setor de saúde global querem uma renda decente, querem que seus filhos tenham assistência médica confiável e uma boa educação. Elas têm feriados importantes para participar, chefes para impressionar e subordinados para apoiar. Algum tempo atrás, quando a saúde global se preocupava em apoiar uma narrativa pró-comunitária e de direitos humanos, o sucesso significava defender sincera e vigorosamente o controle da comunidade, o consentimento informado e a importância do cuidado centrado no paciente.

Como a Declaração de Alma Ata afirmou em 1978, e a OMS tentou reiterar em 2018: “As pessoas têm o direito e o dever de participar individual e coletivamente no planejamento e implementação de seus cuidados de saúde. ” Inequívoco, claro, mas uma maneira ruim de obter rápido retorno financeiro sobre o investimento de um financiador.

O COVID-19 abriu o caminho para um futuro pandêmico muito procurado. A nova resposta de saúde pública testada com esse surto foi muito mais atraente para os investidores com sua centralização e comoditização com vastas oportunidades de crescimento futuro. A excelente transferência de riqueza do COVID-19 das massas para poucos justificou décadas de investimento paciente em parcerias público-privadas que quebraram a abordagem de distância que a saúde global já teve com interesses corporativos conflitantes.

A verdade era o único obstáculo persistente à corporatização e monetização da saúde pública global, mas o COVID-19 provou que esse impedimento ao progresso pode ser eliminado por meio de mentiras consistentes e difamação dos que dizem a verdade apoiados por uma campanha de psicologia comportamental bem gerenciada. Essa resposta à pandemia forneceu um modelo não apenas para o aumento amplo da renda corporativa, mas também para a certeza de emprego e expansão de oportunidades para o exército majoritariamente ocidental de burocratas e profissionais de saúde que lotam os escritórios, salas de reuniões e assentos de classe executiva de suas organizações implementadoras. O COVID-19 tornou o colonialismo corporativo respeitável novamente.

COVID-19 e sua realidade alternativa

Superficialmente, o COVID-19 parece uma má escolha de doença para facilitar uma redefinição social. A morte está fortemente concentrada na velhice, acima de 75 anos nos países ocidentais. Os casos graves são geralmente confinados àqueles com expectativa de vida já encurtada por doenças metabólicas e obesidade. Países que não implementaram medidas para restringir e empobrecer seu povo, como Suécia e Tanzânia, tiveram resultados do COVID-19 semelhantes àqueles que optaram por lockdowns e outras armadilhas do fascismo médico.

A média de internações hospitalares no Reino Unido e nos EUA diminuiu durante a pandemia; não é o que o público espera quando um patógeno causa estragos. Os lockdowns devastaram as economias, aumentaram a carga de doenças infecciosas e promoveram a desnutrição generalizada. As vacinas contra a Covid também foram inúteis, pois as altas taxas de vacinação não impactaram visivelmente a transmissão. A mortalidade e os eventos adversos relatados associados a essas vacinas são maiores que todas as outras vacinas combinadas em 30 anos.

Assim, o COVID-19 forneceu uma série de fatos difíceis de lidar, mas essa é apenas a situação em que Grandes Mentiras podem funcionar. Estas eram necessárias tanto para enganar o público quanto para fornecer uma estrutura dentro da qual os profissionais de saúde pudessem implementar a política.

Uma pequena lista de mentiras realmente grandes

Em grande parte jogando com o medo, divorciando dados do contexto e divulgando informações falsas ampla e incessantemente, todo um novo sistema de crenças foi construído na saúde pública para substituir a ortodoxia baseada em evidências dos anos anteriores. A realidade foi substituída por um dogma tão divorciado de qualquer base de fato que é mais fácil seguir a propaganda do que lidar com a dissonância que de outra forma resultaria. O público é informado, amplamente, que a resposta ao COVID-19 tem sido ortodoxa, que os danos dos últimos dois anos são devidos a um vírus e não a lockdowns, e que muito mais dinheiro deve ser roubado pagar por testes em massa e vacinas para impedir que isso aconteça novamente.

Para que os profissionais de saúde mantenham essa linha consistente, foi necessário introduzir uma série de novos dogmas igualmente divorciados da realidade e contraditórios ao que lhes foi ensinado e proclamado por suas organizações, antes das diretrizes da pandemia de 2020 da OMS. Eles devem agora acreditar que:

  • O fardo de doenças deve ser medido em mortalidade bruta e não incluir métricas como anos de vida perdidos. Portanto, uma pessoa de 85 anos morrendo de um vírus respiratório é equivalente a uma criança de 5 anos morrendo de malária em termos de fardo e urgência.
  • Danos de médio e longo prazo devido à pobreza e acesso reduzido à saúde não devem ser considerados ao avaliar o valor de uma intervenção. Um efeito modelado no patógeno alvo é a única métrica relevante.
  • É apropriado desinformar o público sobre o risco relacionado à idade e o fardo relativo de doenças e é melhor incutir medo para alcançar o cumprimento das diretrizes de saúde pública.
  • O crescimento da transmissão viral em uma comunidade segue uma curva exponencial, em vez de uma desaceleração constante (por exemplo, curva de Gompertz) à medida que a proporção de pessoas recuperadas (imunes) se acumula.
  • Fechar escolas por um ano protege os idosos, sem afetar a pobreza geracional.
  • Máscaras de pano e cirúrgicas interrompem a transmissão de vírus em aerossol, e todas as meta-análises de ensaios de controle randomizados (que mostram efeito mínimo ou nenhum) devem ser ignoradas.
  • Espera-se que a imunidade pós-infecção aos vírus respiratórios seja fraca e de curta duração, enquanto as vacinas para uma única proteína viral produzirão de alguma forma uma imunidade muito mais forte.
  • A imunidade a vírus é melhor medida pelas concentrações de anticorpos em vez da resposta das células T ou resultados clínicos.
  • O consentimento informado para a vacinação não deve incluir informações sobre os riscos demonstrados, pois isso pode promover a ‘hesitação vacinal’.
  • É apropriado fornecer uma nova classe farmacêutica baseada em genes na gravidez que atravesse a placenta sem quaisquer dados de ensaios de gravidez, estudos de toxicologia ou dados de resultados a longo prazo (em qualquer pessoa).
  • Independentemente da Convenção sobre os Direitos da Criança “Em todas as ações relativas a crianças … o melhor interesse da criança deve ser uma consideração primária” – é apropriado injetar crianças com drogas sem dados de segurança de longo prazo para proteger os idosos.
  • As pandemias tornaram-se mais frequentes e mais mortais, apesar do registro histórico e do progresso da medicina moderna, indicando exatamente o contrário.

Tudo o que foi dito acima é antiético ou um evidente absurdo, contrariado pela ortodoxia anterior da saúde pública. Se essas posições estivessem apenas um pouco erradas, elas promoveriam discussões e debates internos. No entanto, elas estão tão além de quaisquer limites que questioná-las significa questionar todo um sistema de autoridade e aprendizado, toda a atual hierarquia da saúde pública. Isso colocaria em risco o emprego e o apoio dos colegas e causaria estresse evitável. Apegar-se ao novo dogma permite uma boa carreira e segurança financeira, como aconteceu com a Inquisição séculos atrás. O sucesso requer lealdade, e a lealdade deve ser demonstrada pela repetição de dogmas para que o mundo exterior possa ver apenas o consenso.

Abandonar Navio

Apoiar-se nos princípios e práticas de 2019, refutando as falsidades acima, foi suficiente para que os profissionais de saúde fossem denegridos e forçados a deixar o emprego em muitos países ocidentais. Esta é a marca clara do fascismo e está tornando o campo da saúde pública internacional uma ameaça específica à saúde e ao bem-estar dos outros. É, infelizmente, um retorno da saúde pública ao reino fascista, não um fenômeno novo. Está espalhando a desnutrição, levando meninas ao casamento forçado e à escravidão sexual, aumentando a malária e a tuberculose e destruindo a credibilidade de programas de saúde legítimos, como a vacinação infantil de rotina em países de baixa renda.

Enquanto aumentam as finanças de sua indústria, os profissionais de saúde pública estão se degradando e traindo a sociedade. A traição, baseada na mentira incessante, é algo pelo qual eles inevitavelmente enfrentarão consequências. Em nossas mentiras, traímos nosso eleitorado, como fizemos anteriormente com a eugenia e a esterilização forçada. Trata-se de um péssimo e vergonhoso histórico. Eventualmente, mesmo os seguidores mais dedicados começarão a questionar o sentido de colocar uma máscara na porta de um restaurante apenas para removê-la 10 passos depois, ou vacinar vastas populações contra uma doença à qual já estão imunes enquanto morrem de outras doenças facilmente evitáveis.

A saída é simplesmente recusar-se a mentir ou encobrir as mentiras dos outros. Isso pode parecer auto-evidente, mas claramente não é. Os salários relativamente altos e a estima pública que as profissões de saúde tiveram podem tornar mais difícil se afastar das mentiras, mas a verdade alcançará, um dia, aqueles que não o fizerem. Os cultos acabam decaindo à medida que os líderes se embriagam com o poder e os devotos mais dedicados lutam para permanecer obsequiosos. É muito melhor sair antes e viver com dignidade.

Epílogo

O contador de mentiras muito grandes do meu antigo local de trabalho só era respeitado por aqueles que também mentiam e por aqueles que permaneceram enganados. Isto é um pobre substituto para a dignidade. Aqueles que trabalham para promover a atual onda de mentiras na saúde pública, ou manter a cabeça baixa enquanto essas mentiras prejudicam os outros, terão que decidir qual respeito vale a pena manter. Pode-se enganar muitos, e às vezes até a si mesmo, mas a longo prazo nunca se pode escapar da verdade.

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.