A Semiótica do uso público de máscara

2
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Para mim, uma das piores invenções da universidade contemporânea é a ciência política, uma disciplina que, com sua orientação principalmente presentista e transacional, tende a minimizar dramaticamente a relação sempre muito íntima entre política e cultura, especialmente a importância fundamental que os rituais públicos têm em todos os esforços para reorientar radicalmente os conceitos operacionais da “realidade” entre os cidadãos

Quando, em seu discurso ao Congresso dos Estados Unidos, há 31 anos, Vaclav Havel disse que “a consciência precede o ser, e não o contrário”, ele falou não apenas como político, mas como homem de cultura e, mais especificamente, um homem do teatro, um lugar onde a semiologia do palco costuma ser tão importante quanto as palavras que saem da boca dos atores.

Treze anos antes, nos anos mais decadentes do período soviético na Tchecoslováquia, Havel escreveu “O poder dos sem poder”, um ensaio no qual ele usa sua compreensão muito detalhada dos códigos simbólicos do palco para explicar certos mecanismos do sistema da opressão então em vigor em seu país.

Ele concentra sua exposição em um gerente fictício de uma loja de frutas e vegetais em seu país que todas as manhãs coloca uma placa na vitrine de sua loja que diz “Trabalhadores do mundo, uni-vos!” O dramaturgo então se pergunta até que ponto este senhor, e as pessoas que passam em frente ou entram no estabelecimento, acreditam nas palavras escritas no cartaz. Ele conclui que a grande maioria deles provavelmente não pensa muito, se é que pensa, sobre seu conteúdo. Então, referindo-se ao verdureiro, ele passa a dizer:

    “Isso não significa que sua ação não tivesse motivo ou significado algum, ou que o slogan não comunicasse nada a ninguém. O slogan é realmente um sinal e, como tal, contém uma mensagem subliminar, mas muito definida. Verbalmente, pode ser expresso da seguinte forma: ‘Eu, o verdureiro XY, vivo aqui e sei o que devo fazer. Eu me comportei da maneira esperada de mim. Podem confiar em mim e estou longe de qualquer reprovação. Sou obediente e, portanto, tenho o direito de ser deixado em paz.” Esta mensagem, claro, tem um destinatário: é dirigida acima, aos superiores do verdureiro, e ao mesmo tempo é um escudo que protege o verdureiro de potenciais informantes.”

Dessa forma, segundo Havel, o verdureiro está à salvo de um confronto consigo mesmo e dos sentimentos de humilhação que esse encontro interior acarretaria:

    “Se o verdureiro tivesse sido instruído a exibir o slogan ‘Estou com medo e, portanto, sou inquestionavelmente obediente’, ele não seria tão indiferente à sua semântica, embora a declaração refletisse a verdade. O verdureiro ficaria constrangido e envergonhado de colocar na vitrine uma declaração tão inequívoca de sua própria degradação, e muito naturalmente, pois ele é um ser humano e, portanto, tem um senso de sua própria dignidade. Para superar sua complicação, sua expressão de lealdade deve assumir a forma de um sinal que, pelo menos em sua superfície textual, indique um nível de convicção desinteressada. Deve permitir ao verdureiro dizer: “O que há de errado com os trabalhadores do mundo se unindo?” Assim, o sinal ajuda o verdureiro a esconder de si mesmo as bases deficientes de sua obediência, enquanto ao mesmo tempo oculta as bases deficientes de poder. Ele as esconde atrás da fachada de algo elevado. E esse algo é ideologia.”

Que a Covid existe e tem contribuído para a morte de muitas pessoas é um fato. Mas a noção de que constitui uma ameaça “sem precedentes” que requer a destruição de direitos básicos que foram conquistados a duras penas ao longo dos séculos é uma presunção ideológica que, além disso, foi veementemente refutada por lugares como Suécia, Bielorrússia e grandes extensões do chamado mundo em desenvolvimento.

Aqui estão as estatísticas estratificadas por idade da Taxa de Letalidade por Infecção para a doença, recentemente compilada por John I. A. Ioannides, um dos bioestatísticos mais prestigiosos do mundo.

0-19 anos: 0,0027% (ou uma taxa de sobrevivência de 99,9993%)

20-29 anos: 0,014% (ou uma taxa de sobrevivência de 99,986%)

30-39 anos: 0,031% (ou uma taxa de sobrevivência de 99.969%)

40-49 anos: 0,082% (ou uma taxa de sobrevivência de 99.918%)

50-59 anos: 0,27% (ou uma taxa de sobrevivência de 99,73%)

60-69 anos: 0,59% (ou uma taxa de sobrevivência de 99,31%)

Mais de 70, entre 2,4 e 5,5% (ou uma taxa de sobrevivência de 97,6 e 94,5% dependendo da situação residencial)

Desde o verão de 2020, as máscaras têm sido apontadas por autoridades em todo o mundo como um elemento essencial na luta contra a propagação deste flagelo viral supostamente sem precedentes, apesar do fato de não haver muitas evidências científicas sólidas para provar que este é o caso.

Mas como Havel nos lembra, a aparente falta de utilidade das máscaras não significa que elas não têm “nenhum motivo ou significado”.

Não. Usar a máscara durante a Covid, como o sinal dos verdureiros aparentemente inócuos, envia mensagens muito importantes. É uma forma de dizer que, apesar do número relativamente pequeno de pessoas morrendo por causa da doença e do fato de que as chances de alguém com menos de 70 anos e com boa saúde morrer por causa dela são mínimas:

    “Aceito que vivemos tempos muito excepcionais que exigem que as autoridades, que sempre sabem mais do que eu, tenham liberdade para destruir os ritmos normais da vida e da democracia participativa e que eu, como cidadão, realmente não tenho nenhum direito de discordar de sua visão da realidade, ou seja, que entendo que não sou mais um cidadão, mas um súdito. E compreendo ainda que a minha máscara serve de escudo contra os ataques do crescente exército de pessoas do meu bairro e nas redes sociais que me acusam de não me interessar pelos sentimentos dos outros”.

Para Havel, a única solução para aqueles em tal ambiente que realmente desejam viver em liberdade e dignidade é parar de dar consentimento passivo ou ativo a todas as mentiras ideológicas no teatro social ao seu redor e, em vez disso, abraçar a vida.

    “Entre as finalidades do sistema pós-totalitário e as finalidades da vida há um abismo enorme: enquanto a vida, em sua essência, caminha para a pluralidade, a diversidade, a autoconstituição independente e a auto-organização, em suma, para a realização de sua própria liberdade, o sistema pós-totalitário exige conformidade, uniformidade e disciplina. Enquanto a vida se esforça para criar estruturas novas e improváveis, o sistema pós-totalitário se esforça para forçar a vida em seus estados mais prováveis ​​… A ideologia, ao criar uma ponte de desculpas entre o sistema e o indivíduo, ultrapassa o abismo entre os objetivos do sistema e os objetivos da vida. Ela finge que os requisitos do sistema derivam dos requisitos da vida. É um mundo de aparências tentando se passar pela realidade.”

Rejeitar os esquemas ideológicos da “realidade” impostos de cima para baixo, e em vez disso, abraçar os impulsos mais verdadeiros e fundamentais da vida é precisamente o que aqueles maravilhosos pilotos, enfermeiras, professores, policiais, pais advogados e muitos outros estão fazendo agora mesmo diante da tirania da máscara e mandatos de vacinas.

Eles entendem muito melhor do que aquelas elites barulhentas e intrometidas – que antes de fevereiro de 2020 adoravam citar Foucault e protestar contra o uso muitas vezes voluntário de véus no mundo islâmico, mas que agora só se preocupam em impor obediência semiótica e física a todos – isso o que Bergson considerou o élan vital em 1907, a raiz de todas as realizações humanas saudáveis.

E se ele ainda estivesse conosco, acredito que Havel, o grande estudioso do teatro e da semiologia social, não teria problemas em identificar corretamente nosso atual teatro de máscaras como a farsa destrutiva e repressiva que é, e identificar aqueles que se recusam a entrar no jogo como portadores de luz e os guardiões das energias criativas de que precisaremos para reconstruir e manter a liberdade no mundo.

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS