A trágica proibição da venda de órgãos humanos

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

No final de setembro, os cirurgiões anexaram com sucesso um rim de um porco geneticamente modificado a um corpo humano, estabelecendo uma “prova de conceito”. Este é um grande passo para aliviar a enorme escassez de cadáveres ou partes do corpo humano doadas para aquelas pessoas frequentemente desesperadas que precisam de um transplante.

Dada a funcionalidade dessas partes de porco e as modificações genéticas existentes criadas para pessoas com alergia à carne, essa descoberta poderia abrir a porta para uma vida normal para centenas de milhares de americanos sofrendo e morrendo por causa de seus órgãos danificados.

O que devemos saber é que todo o dinheiro, tempo de pesquisa e tecnologia sacrificados nesse esforço poderiam nem terem sido necessários. No entanto, os cirurgiões de transplante e os cientistas saudarão isso como um grande passo em direção ao progresso. Realmente é, e muitos benefícios imprevistos podem surgir disso. Os especialistas em ética profissional e outras pessoas com uma crença injustificada ou superestimada na importância de seus próprios valores provavelmente lamentarão e reclamarão que esse desenvolvimento é imoral. No entanto, alguns “bioeticistas” já aceitaram a prática, mesmo neste estágio inicial de desenvolvimento.

O economista tem uma agenda diferente. Eles devem perguntar se este é o curso de ação mais eficiente e lógico. Estamos fazendo o máximo para melhorar a condição humana e seu futuro? Existem caminhos melhores a seguir? Estamos enriquecendo alguns injustamente para dissuadir outros? Essa é a máxima do economista francês e proto-austríaco/libertário Frédéric Bastiat.

Em primeiro lugar, todos consideram esta situação uma escassez. Simplesmente não há órgãos humanos suficientes disponíveis para fazer o número necessário de transplantes, e isso é complicado pelo fato de que é difícil combinar doadores e receptores por marcadores biológicos para evitar a rejeição do órgão pelo receptor. Em segundo lugar, há realmente pouca discordância quanto à causa da escassez. Ao revisar o The U.S. Organ Procurement System: A Prescription for Reform, dos professores David Kaserman e A.H. Barnett, descrevo a causa da escassez como:

    A Lei Nacional de Transplante de Órgãos de 1984, promovida pelo senador Al Gore e sancionada pelo presidente Ronald Reagan, criou esta máquina burocrática de matar que impõe uma sentença de cinco anos e uma multa de US$ 50.000 para quem quiser desafia-la oferecendo “consideração valiosa” para uma família que doaria os órgãos de um membro da família falecido para salvar a vida de outra pessoa.

A Administração de Recursos e Serviços de Saúde, relata que mais de cem mil pessoas estão atualmente em uma lista de espera para um transplante, a maioria das quais precisa de um rim. Muitos mais não podem entrar em uma lista ou ficaram muito doentes ou velhos para permanecer na lista. Apenas cerca de vinte mil transplantes renais foram realizados em 2020. Milhares de americanos morreram a cada ano por falta de um transplante.

Portanto, os transplantes de suínos podem salvar vidas e melhorar a saúde de dezenas de milhares de americanos por ano. Isso também significa menores custos médicos após a cirurgia, menos tempo de trabalho perdido e vidas mais longas e mais gratificantes.

No entanto, tais transplantes e seus custos de desenvolvimento poderiam ter sido evitados se a escassez não tivesse sido criada em primeiro lugar. A lei NOTA-84 proíbe qualquer motivação econômica para doar órgãos humanos, estabelecendo um preço máximo de US$ 0,00 por órgão. A venda de órgãos é, portanto, ilegal. A um preço de zero, mesmo as doações cadavéricas em potencial, em que o doador ou sua família deixam os órgãos da pessoa morta para os receptores, foram esmagadas, causando a escassez gigante.

Os economistas Kaserman e Barnett descreveram e diagnosticaram essa tragédia em grande parte despercebida em seu livro e atribuíram a culpa por essa situação trágica à política governamental. Os preços de mercado, e mais importante as forças de mercado, aliviariam a escassez e teriam benefícios econômicos e de saúde generalizados.

É fácil imaginar imagens horríveis de, por exemplo, meninos indianos vendendo seus órgãos para comprar comida, mas a solução é realmente fácil, direta e de baixo custo. Infelizmente, dezenas de milhares de pessoas saudáveis ​​morrem a cada ano com órgãos viáveis. O sistema atual de obtenção desses órgãos doados é ineficiente e ineficaz devido a uma política que torna as forças do mercado ilegais e torna o empreendedorismo não aprovado sujeito a pesadas penalidades.

Por exemplo, se um número suficiente de jovens assinasse cartões de doação de órgãos, a escassez poderia ser curada. Métodos de mercado potencial podem ser empregados por instituições de caridade e seguradoras oferecendo incentivos para assinar o cartão. Em seu livro, Kaserman e Barnett estimam que órgãos suficientes poderiam ser obtidos por menos de US$ 200 cada. Ninguém sabe como o mercado seria, mas podemos estar razoavelmente confiantes de que teria sucesso e que essa nova tecnologia de transplante de suínos seria desnecessária.

Nós também podemos ser bastante certeza que alguns dos recursos “desperdiçados” na nova tecnologia poderiam ter sido mais bem gastos em transplantes ainda melhores e em tecnologias de preservação de órgãos, como substituições mecânicas de órgãos. Esses órgãos eternos podem, por exemplo, eliminar os problemas de rejeição e ter outros benefícios aprimorados para a saúde. Ou talvez fossem nanorrobôs que poderiam consertar órgãos existentes.

Podemos comemorar esta nova tecnologia de transplante e desejar que seja implementada rápido, mas nunca devemos esquecer que, ao olharmos para trás de seu manto, como um país, condenamos milhões de pessoas a situações de vida agonizantes e mortes prematuras pelo último meio século por causa da proibição imposta pelo governo à comercialização de órgãos humanos. Isto sim é antiético.

 

Artigo original aqui