Algumas das muitas falhas da Escola de Chicago

1
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

[Carta a Ivan R. Bierly, Volker Fund, 3 de fevereiro de 1960.]

Devo dizer que quanto mais leio as obras gerais e abrangentes da “escola de Chicago” de economia, menos me impressiono.

Um bom exemplo da abordagem dessa escola é Clark Lee Allen, James M. Buchanan e Marshall R. Colberg, Price, Income, and Public Policy.[1] Como você verá, não fiquei impressionado nem pela análise técnico-econômica nem pelas partes mais político-econômicas.

Tomemos primeiro as partes mais amplas ou mais “políticas”. Em primeiro lugar, é preciso ser dito que sobre os dois grandes focos de ataque à economia de livre mercado pelos esquerdistas – o problema keynesiano da “instabilidade cíclica” e do desemprego, e os alegados problemas do “monopólio” – Allen, Buchanan e Colberg enfrentam a chuva de críticas contra o mercado com o resto do “pacote”. Oh, muito suavemente e muito moderadamente, em comparação com a maioria dos outros livros didáticos, é verdade; mas ainda assim a essência das acusações está lá, e eles desistiram da luta.

No campo da “renda nacional”, os autores se alinham totalmente com os que podemos chamar de “keynesianos moderados”. O crucial aqui é que eles aceitam o ponto keynesiano fundamental e o aceitam alegremente como se fosse um fato que não se discute: que o livre mercado, entregue a si mesmo, não tem mecanismo para manter seu próprio agregado em equilíbrio, para evitar ciclos econômicos, depressões, desemprego, etc. O governo, então, deve intervir para regular o sistema: manter o nível de preços estável, injetar moeda nas depressões para curar o desemprego, restringir a moeda nos booms. O governo é considerado o regulador natural e indispensável. O livre mercado não tem como manter a renda nacional suficientemente alta ou a poupança e o investimento em equilíbrio. Assim, o ponto keynesiano fundamental foi concedido.

É verdade que em torno desse núcleo duro, os autores inserem modificações “conservadoras”: eles preferem que o governo use a política monetária em seus esforços contracíclicos em vez da política fiscal, e até mesmo insinuam seguir a mais recente linha de Friedman de que podem preferir regras monetárias automáticas à política monetária gerida e discricionária. Mas, embora seja uma melhoria em relação à maioria dos livros didáticos, isso não é bom o suficiente. Os autores, na tradição padrão de Chicago, mostram-se completamente ignorantes da teoria misesiana dos ciclos econômicos, e desprezam altivamente o padrão-ouro, como se não fosse nem digno de uma nota – nunca considerando que eles podem encontrar a automaticidade monetária que estão procurando no padrão de moeda de ouro. Mas a falha mais importante é a concessão ao ponto keynesiano fundamental.

Os autores se preocupam muito, também, com o monopólio. Claro, eles pensam que o monopólio pode abundar no livre mercado – não podemos esperar que nenhum economista dê o passo revolucionário de negar essa proposição. Mas eles podem ser condenados por não serem tão realistas sobre o mercado quanto Chamberlin ou, vindo de outra direção, Lawrence Abbott, cujo livro seminal é ignorado por esses autores, assim como por todos os outros. De fato, os autores se apegam ao absurdo e perigoso modelo de Chicago de competição “perfeita” ou “pura”, que insistem em considerar o ideal normativo.

É claro que, empiricamente, eles encobriram essa terrível falha com algumas boas observações: indicando que eles acreditam que as instâncias empíricas mais importantes de poder de monopólio são causadas por intervenção governamental, atacando as leis de comércio justo, etc. Mas esses bons qualificadores estão longe de ser o suficiente para salva-los. Pelo contrário, o que os autores fazem é dizer: “Bem, sim, admitimos que todo o mercado está entremeado com ‘poder de monopólio’, e isso é lamentável, mas realmente sem importância, exceto que . … E aqui, os autores sentem-se livres para se envolver em ataques repentinos e rápidos em casos que eles, por alguma razão, consideram importantes instâncias de poder monopolista que deveriam ser desmascarados ou regulados pelo governo. Assim, os autores são fortes defensores das leis antitruste e querem vê-las fortalecidas ainda mais e aplicadas com mais rigor. Eles têm a ousadia de chamar a decisão que proíbe a fixação de preços por pontos-base de uma grande “vitória para a sociedade” e endossam o desejo da FTC de obter o poder de ordenar antecipadamente quaisquer fusões. Utilizando o modelo da “concorrência perfeita”, os autores também demonstram grande hostilidade em relação aos supostos grandes “desperdícios” da publicidade.

Os autores são muito bons em criticar o “poder de monopólio” dos sindicatos, mas aqui, novamente, seu argumento é muito enfraquecido pela concessão de validade ao absurdo e falacioso “problema do monopsônio”, que de alguma forma torna os empregadores tão inerentemente monopolistas quanto os sindicatos. Eles também admitem que os “monopólios naturais”, como os serviços públicos, devem ser regulamentados pelo governo, embora apontem, muito bem, muitas das armadilhas e inconsistências inerentes à regulamentação dos serviços públicos. Mas a força destes últimos está, mais uma vez, viciada pela concessão aos opositores da liberdade de seu ponto fundamental: que os serviços públicos simplesmente têm de ser regulados pelo governo.

Os autores também endossam todos os argumentos falaciosos para a ação do governo, como o argumento dos “bens coletivos” e o argumento do carona, ou benefícios externos. Assim, eles endossam a educação pública por causa dos supostos benefícios de longo prazo para todos, que as pessoas são míopes demais para pagar voluntariamente. Na teoria das taxas de câmbio, eles são bons na medida em que apontam para as funções do livre mercado de câmbio e os perigos do controle cambial, mas parecem ignorar completamente a explicação da paridade do poder de compra dos determinantes, no mercado livre, do que faz com que as taxas de câmbio sejam o que são.

Sobre ajuda externa e países subdesenvolvidos, eles são surpreendentemente pobres e fracos, sua seção sobre países subdesenvolvidos diz muito pouco e não inclui nenhuma das ideias de Bauer, e na verdade endossa tanto a economia quanto a política da ajuda externa a esses países.

Em vez de multiplicar ainda mais os exemplos de falhas, acho importante enfatizar que este livro mostra, como poucos conseguiram me mostrar, o quanto pode dar errado se a abordagem filosófica de alguém – sua epistemologia – estiver totalmente errada. Na raiz de quase todos os problemas do livro está o positivismo fraco, confuso e inconsistente: a disposição de usar suposições falsas se seu “valor preditivo” parece ser de alguma utilidade. É essa disposição positivista incapacitante de deixar qualquer coisa escapar, de não ser rigoroso sobre sua teoria porque “as suposições não precisam ser verdadeiras ou realistas de qualquer maneira”, que permeia e arruína este livro.

Por exemplo, os autores são suficientemente perspicazes, nas seções de monopólio, para sentir que há algo muito errado com toda a teoria atual do monopólio, que é mesmo impossível definir monopólio de forma convincente, ou definir monopólio de uma commodity. Mas enquanto eles veem essas coisas, eles nunca fazem nada sobre isso, ou começam a partir daí a construir uma economia que se mantenha – porque eles são completamente enganados por sua atitude positivista de “bem, isso pode ser uma ferramenta útil para alguns propósitos.” Daí seu apego ao absurdo “ideal” da concorrência perfeita, etc. – e de muitas outras maneiras.

Essa mesma grave confusão filosófica permite que eles subitamente coloquem seus próprios julgamentos éticos no livro, sem defesa e praticamente sem aviso prévio. De repente, eles dizem que a proibição do preço por pontos-base foi uma grande “vitória social”. Eu disse que isso era ousado porque eles nunca se preocuparam em construir ou apresentar um sistema ético convincente para fazer tal observação sobre ele. Da mesma forma, eles se sentem livres, enquanto se vestem de cientistas, para dizer de repente que é claro que deve haver igualitarismo compulsório, com o governo impondo alguma igualdade por meio de impostos e subsídios. Por quê? Simplesmente porque parece evidente para eles que um pouco mais de igualdade seria melhor e que não podemos deixar que os fracos sejam “liquidados”.

E eles têm uma ousadia ainda mais colossal ao denunciar a “discriminação de preços” (por exemplo, médicos cobrando mais dos ricos do que dos pobres) porque é, por alguma razão, terrivelmente antiético que pessoas privadas se envolvam em sua própria redistribuição estritamente voluntária de fortuna. Aparentemente, e eles dizem isso explicitamente, só é legítimo que o governo efetue essa redistribuição por coerção. Esse absurdo ético eles não sentem que precisam defender; parece-lhes evidente. É esse tipo de “ética” desleixada, antifilosófica e infantil que é novamente típica da escola de Chicago em ação.

A epistemologia positivista permeia também a análise técnico-econômica. O jargão usual da moda das curvas de custo de “curto prazo” da empresa, etc., é usado, apesar do reconhecimento pelos autores de que tudo é bastante arbitrário; isso eles ignoram com a réplica de que pode ter algum “valor preditivo”. O termo que acho que melhor descreve a desonestidade e o ecletismo induzidos por essa abordagem filosófica é “irresponsabilidade”. Pois se uma teoria ou análise não precisa ser estritamente verdadeira ou coerentemente unida a outra teoria, então vale quase tudo – tudo para ser justificado com “valor preditivo” ou alguma outra desculpa.

Felizmente, posso ilustrar o que quero dizer em uma pequena troca de cartas que tive na semana passada com Jim Buchanan sobre uma pequena análise técnica neste livro. Fiquei estarrecido com a construção de uma chamada curva de “demanda fixa”, que foi claramente lançada para ter algo geometricamente simétrico com a curva de oferta fixa padrão e perfeitamente adequada para o mercado imediato. Os autores disseram que uma curva de demanda fixa e vertical é ilustrada pela demanda do governo por soldados e que, se não houver um número suficiente de voluntários, o governo convocará o restante. Agora, isso é puro absurdo, já que o desenho não pode ser ilustrado por uma curva de demanda. Mas o que me impressionou é que, mesmo nos próprios termos dos autores, a análise é um absurdo, pois, se digamos que o governo quer 100.000 homens no exército e sua “curva de demanda” é, portanto, vertical nesse valor, mas se tantas pessoas estão com dispensa médica ou isentos de forma que apenas 60.000 podem ser contratados ou recrutados, temos então uma curva vertical de oferta e demanda vertical que nunca se cruzam. Nas próprias premissas dos autores, então, ninguém estaria no exército, o que é claramente absurdo.

Então escrevi para Jim Buchanan pedindo que esclarecesse esse ponto e dizendo que talvez eu estivesse ignorando a feliz e óbvia solução. O que nos interessa aqui, como revelador da irresponsabilidade filosófica de Buchanan, foi sua resposta. A resposta concedeu meu ponto na íntegra. Sim, seu modelo leva a conclusões absurdas. Aqui está a justificativa de Buchanan:

    Sua carta aponta as limitações de aplicar literalmente muitas de nossas ferramentas analíticas. Você está certo em dizer que a solução… sob suas suposições é absurda. Mas isso é realmente o mesmo em todos os casos em que fazemos suposições bastante extremas. … Na melhor das hipóteses, os modelos de demanda fixa e oferta fixa são úteis porque isolam certas forças e, em alguns casos, os próprios modelos são úteis para fins preditivos.

Ele continua dizendo que tentou encontrar um caso de demanda fixa como contrapartida ao caso de oferta fixa usual, e só conseguiu pensar no exemplo preliminar como remotamente adequado.

Agora, parece-me que esse tipo de filosofia, essa abordagem positivista da teoria econômica, a corrompe, se é que posso usar um termo tão forte, no próprio núcleo, e que nenhuma teoria de mérito duradouro pode emergir desse tipo de caldeirão. E este livro de Allen, Buchanan e Colberg é um exemplo particularmente claro de como essa “corrupção” positivista arruína quase todas as seções cruciais do livro.

 

Leia também Elucidando Milton Friedman e a Escola de Chicago

A Escola de Chicago versus a Escola Austríaca 

_________________________________

Notas

[1] Segunda edição (Nova York: McGraw-Hill, 1959).

1 COMENTÁRIO

  1. “É esse tipo de “ética” desleixada, antifilosófica e infantil que é novamente típica da escola de Chicago em ação.”

    Agora é que eu entendo porque a canalha estatista comunista tem obsessão com os maliciosamente chamados Chicago Boys. Se Murray fucking Rothbard afirma isso, o esquerdista que é mal-intencionado mas não é burro como os liberalecos estado mínímo dee chegar as mesmas conclusãoes. Como eles fogem da Escola austríaca como diabo da cruz, pois é a uníca teoria verdadeira e irrefutável, Friedman e cia. acabam servindo de alvo fácil para eles. Nesse sentido, os estatistas e comunistas são os leitores mais atentos do movimento libertário.

    Grande Murray fucking Rothbard!