Contra vacina Covid para crianças: a Flórida enfrenta os fanáticos novamente

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Ontem, relatei a mesa redonda que participei em West Palm Beach, onde o governador Ron DeSantis recebeu um grupo de especialistas médicos que lutaram contra as políticas fracassadas de mitigação de vírus desde o início.

O evento foi encerrado com o anúncio de que a Flórida seria o primeiro estado a se opor à vacinação contra COVID para crianças saudáveis.

Bem, hoje o Departamento de Saúde da Flórida, sob a direção do heroico Dr. Joseph Ladapo, cirurgião geral do estado, divulgou suas orientações sobre a vacinação contra o COVID e as crianças:

A Flórida reconhece que os pais devem sempre ter o poder de tomar as melhores decisões de saúde para seus filhos. É essencial que os profissionais de saúde revisem todos os dados para avaliar os riscos e benefícios exclusivos de cada paciente ao determinar quais serviços de saúde fornecer, incluindo a administração de vacinas COVID-19. Essas decisões devem ser tomadas individualmente. Como os riscos de administrar uma vacina COVID-19 a crianças saudáveis ​​podem superar os benefícios, o Departamento de Saúde da Flórida emitiu as seguintes orientações:

Com base nos dados atualmente disponíveis, crianças saudáveis ​​de 5 a 17 anos podem não se beneficiar com a vacina COVID-19 atualmente disponível. O Departamento recomenda que crianças com condições subjacentes sejam os melhores candidatos para a vacina COVID-19.

No momento, existem certos riscos a serem considerados que podem superar os benefícios entre crianças saudáveis ​​sem condições subjacentes:

  • Risco limitado de doença grave devido ao COVID-19
  • Alta prevalência de imunidade existente entre crianças
  • Ausência de dados informando benefício da vacinação COVID-19 entre crianças com imunidade existente.
  • Em ensaios clínicos, eventos adversos graves maiores do que o previsto ocorreram entre aqueles que receberam a vacina COVID-19.
  • Redução da eficácia da vacina COVID-19 entre crianças de 5 a 17 anos
  • Risco de miocardite devido à vacina COVID-19

Para crianças com condições de saúde subjacentes ou comorbidades, as vacinas COVID-19 devem ser consideradas em consulta com seu médico. Os pais são incentivados a discutir os riscos e benefícios com o profissional de saúde de seus filhos ao avaliar se seu filho deve receber uma vacina COVID-19, principalmente para crianças com condições de saúde subjacentes ou comorbidades.

Em geral, crianças saudáveis ​​sem condições de saúde subjacentes significativas com menos de 16 anos correm pouco ou nenhum risco de complicações graves da doença por COVID-19. Para adolescentes de 16 a 17 anos de idade, o risco de miocardite devido às vacinas COVID-19 pode superar os benefícios.

Crianças saudáveis ​​de 5 a 11 anos

Em um ensaio clínico, não houve casos de doença grave entre crianças de 5 a 11 anos entre os receptores de placebo ou de vacina COVID-19. Um estudo realizado em Nova York determinou que a eficácia da vacina COVID-19 diminuiu 84%, de 68% para 12%, em um período de dois meses para crianças de 5 a 11 anos.

Adolescentes saudáveis ​​de 12 a 17 anos

O mesmo estudo determinou que a eficácia da vacina COVID-19 diminuiu 40%, de 85% para 51%, em um período de dois meses para adolescentes de 12 a 17 anos. Há também preocupação com o risco de miocardite e pericardite em crianças, especialmente entre meninos adolescentes. Um estudo encontrou as maiores taxas de miocardite entre homens de 12 a 15 anos, seguidos por adolescentes do sexo masculino com idades entre 16 e 17 anos.

Os histéricos habituais estão perdendo a cabeça com isso, mas nenhuma palavra aí é falsa.

 

 

Leia também Sacrifício de crianças no altar das vacinas

Com risco ínfimo, a pressão pela vacinação covid de crianças é grotesca

A pressão pela vacinação covid de crianças é grotesca, e pode ficar pior

Suécia e Alemanha: ZERO morte de crianças devido à Covid

2 COMENTÁRIOS

  1. Os histéricos do Covid – 19 estão em toda a parte. Mas eles só tem força quando a máfia estatal está ao lado deles. Foi um público receptivo ao medo e suscetível a propaganda em massa que causou a fraudemia ou o indivíduo médio não tem os meios materiais para impedir a agenda estatal? é certo que covidianos se tornaram fanáticos, mas provavelmente já havia uma psicose coletiva no ar.

    A justiça a qui no sul, trata as fraudas covidianas como “máscaras de proteção individual”. É um teatro oficial e com status de verdade científica, já que eles conseguiram através de uma liminar impedir o decreto do governo estadual que liberava o uso para crianças.

    Porque precisamos de ciência quado existem burocratas que através de um concurso público ou da farsa democrática foram auto-declarados a própria ciência? a palavra ciência infelizmente entrou para o vocabulário da infâmia.