Armas, drogas e álcool: o apoio da esquerda e da direita à proibição

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Muitos já conseguiram perceber que não há muitas diferenças substantivas entre os partidos de esquerda e direita. Embora isso seja verdade de muitas maneiras para os próprios partidos, a Esquerda e a Direita certamente diferem em uma série de questões, desde assistência social a aborto e direitos dos homossexuais.

O que eles têm em comum – pelo menos as variedades tradicionais – é o desejo de usar o estado para moldar a sociedade da maneira que acharem melhor. Como disse Andrew Napolitano: “Migramos de um sistema de dois partidos para um sistema de um partido, o partido do grande governo. Há uma ala democrática que gosta de impostos e transferências de riqueza e ataques às liberdades comerciais e há uma ala republicana que gosta de guerra e déficits e ataques às liberdades civis.” E ambas as partes amam a proibição, apenas de coisas diferentes.

Proibição do álcool

Não restam muitas pessoas que acreditam que a proibição do álcool na década de 1920 foi uma boa ideia. Curiosamente, foram os progressistas da época que pressionaram por isso. Como observou o historiador William Leuchtenburg, “Foi um movimento que foi abraçado por progressistas”. Do outro lado, nas palavras do historiador Daniel Okrent, estavam os “… conservadores econômicos que … pressionaram tanto pela revogação”.

A proibição acabou sendo um desastre. Um relatório do Instituto Cato descobriu que depois que a Lei Seca foi aprovada em 1920, as taxas de homicídio aumentaram, a corrupção aumentou, as mortes relacionadas ao álcool permaneceram inalteradas e após uma pequena queda em 1921, o consumo de álcool voltou ao que era antes da lei ser aprovada. Além disso, em meio a esse caos, Al Capone e o crime organizado chegaram ao poder. Na verdade, os mercados negros e a proibição caminham juntos como arroz e feijão.

Proibição das drogas

No passado, geralmente eram os progressistas que queriam usar o estado para dizer às pessoas o que podiam ou não colocar em seus próprios corpos. No entanto, algo deve ter mudado entre os conservadores, já que a direita geralmente esteve na vanguarda da Guerra às Drogas (embora, com muita ajuda de muitos da esquerda). Em 1971, Richard Nixon decidiu tentar a proibição de novo, mas desta vez com cocaína, heroína e maconha.

E, claro, falhou de todas as maneiras imagináveis.

De acordo com o Instituto Nacional de Abuso de Drogas, “o uso de drogas ilícitas nos EUA tem aumentado”. Em 2012, “9,2% da população” havia usado drogas ilícitas no último mês “… acima dos 8,3% em 2002.” Portanto, o uso de drogas na verdade aumentou, apesar de se gastar mais de um trilhão de dólares neste imenso poço sem fundo.

Enquanto isso, os Estados Unidos têm a maior população carcerária do mundo. Apesar de ter apenas 5% da população mundial, os Estados Unidos têm 25% da população carcerária do mundo. Uma grande porcentagem desses presos está na prisão por nada mais do que acusações de drogas não violentas.

Alguns acham que isso é contraproducente e imoral. Outros, como Michael Gerson, acreditam que aqueles que querem legalizar as drogas têm “valores de segunda categoria”. Valores de primeira linha incluem trancar viciados em drogas em gaiolas. Portanto, de acordo com os valores de primeira classe de Gerson, em vez de tentar ajudar esses pobres viciados a reconstruir suas vidas, o governo declarou guerra às substâncias e, portanto, aos próprios viciados.

E para travar esta guerra foi necessário um estado policial massivamente invasivo. Crimes “sem vítimas” não deixam muitas testemunhas (ou pelo menos não muitos que querem falar sobre isso). Portanto, o governo deve usar meios mais belicosos. De acordo com a ACLU, há cerca de 45.000 ações da SWAT todos os anos e apenas cerca de 7% são para situações de reféns. A grande maioria é para drogas. Essas incursões às vezes terminam tragicamente. Por exemplo, David Hooks foi baleado duas vezes enquanto estava de bruços no chão em uma ação e um bebê entrou em coma quando um flash bang foi lançado em outra ação.

As evidências também mostram que a legalização funciona. Glenn Greenwald observa que “Desde que Portugal promulgou seu esquema de descriminalização em 2001, o uso de drogas em muitas categorias diminuiu quando medido em termos absolutos” e a Forbes aponta que “o consumo de drogas caiu pela metade”.

E apesar de algumas arengas dos conservadores, o Colorado se saiu muito bem desde a descriminalização da maconha em 2014.

Proibição de armas

Embora os conservadores tenham copiado algumas coisas dos progressistas de outrora, os progressistas certamente não desistiram da ideia de moldar a sociedade por meio da proibição. Felizmente, nos Estados Unidos, a maior parte do debate sobre armas tem a ver com regulamentação e não com proibição. Este não é o caso em muitos outros países. E também não foi o caso em várias cidades dos EUA, até que as decisões da Suprema Corte revogassem as proibições de armas em Washington, DC e Chicago. Ainda assim, muitas cidades dos EUA têm leis sobre armas extremamente árduas em vigor.

John Lott fez um amplo estudo e observou que,

    As chances de que um estado típico experimenta uma queda nos assassinatos ou estupros depois que uma lei de direito de porte é aprovada meramente devido à aleatoriedade ser muito inferior a 0,1%. … A taxa média de homicídios caiu em 89% dos estados depois que a lei do direito de porte foi aprovada. … Houve um declínio semelhante nas taxas de estupro.

Além disso, para se certificar de que controlava todas as variáveis ​​imagináveis ​​(ou não controlava as variáveis ​​que distorceriam incorretamente os dados), ele executou “20.480 regressões” usando todos os arranjos imagináveis ​​de critérios possíveis e concluiu:

    … Todas as regressões de crimes violentos mostram a mesma direção de impacto da lei de porte de armas. Os resultados de assassinato demonstraram que a aprovação de leis de direito de porte causou quedas no crime de 5% a 7,5%.

John Lott encontrou vinte e seis estudos revisados ​​por pares sobre leis de porte, dezesseis mostraram uma redução no crime e dez foram inconclusivos. Nenhum mostrou que as taxas de criminalidade aumentaram.

Todos nós podemos lamentar eventos trágicos, como o recente tiroteio em massa em Charleston. Mas o que é obviamente problemático em restringir o uso de armas por civis é que apenas os cidadãos cumpridores da lei obedecerão, os criminosos não. (Como muitos outros massacres, o tiroteio em Charleston ocorreu em uma zona “livre de armas”.) De fato, os criminosos provavelmente não terão mais dificuldade em conseguir armas do que em conseguir drogas, o que significa que restringir as armas apenas desarma as vítimas em potencial. Uma pesquisa de Gary Kleck o fez concluir que havia aproximadamente 2,5 milhões de incidentes de uso de armas defensivas a cada ano. Embora esse número seja quase certamente muito alto, o uso de armas defensivas ainda é relativamente comum. Por exemplo, durante um tiroteio em uma escola em Oklahoma, Mikael Gross e Tracey Bridges pegaram as armas de seus veículos e pararam o atirador antes que ele pudesse matar alguém.

Conforme declarado acima, embora haja alguns nos Estados Unidos que clamam por restrições extremas às armas, ou proibição total, na maioria das vezes, a proibição total é apenas um problema em outros países. Muitos apontarão para as taxas de homicídio mais altas nos Estados Unidos do que na Grã-Bretanha como prova de que a proibição das armas impede o homicídio (curiosamente, eles não apontam para as estatísticas de crimes contra a propriedade, pois na verdade são mais altas na Grã-Bretanha do que nos EUA).

Mas existem grandes problemas com essa análise simplista. Por exemplo, a posse de armas tem aumentado rapidamente nos Estados Unidos, enquanto o crime com armas tem diminuído. Além disso, a maioria das armas pertence a pessoas em áreas rurais, depois suburbanas e depois urbanas. As taxas de criminalidade são exatamente opostas. Além disso, como Thomas Sowell aponta em Intellectuals and Society,

    A Rússia e o Brasil têm leis de controle de armas mais duras do que os Estados Unidos e taxas de homicídio muito mais altas. As taxas de posse de armas no México são uma fração do que são nos Estados Unidos, mas a taxa de homicídios do México é mais do que o dobro dos Estados Unidos. As armas curtas são proibidas em Luxemburgo, mas não na Bélgica, França ou Alemanha; no entanto, a taxa de homicídios em Luxemburgo é várias vezes a taxa de homicídios na Bélgica, França ou Alemanha.

E quanto à menor taxa de homicídios na Grã-Bretanha? Bem, Thomas Sowell novamente, “Londres teve uma taxa de homicídios muito mais baixa do que Nova York durante os anos após a Lei Sullivan de 1911 de Nova York impor um controle de armas muito estrito, enquanto qualquer um poderia comprar uma espingarda em Londres sem fazer perguntas na década de 1950” O que importa são as tendências, não as comparações simplistas e vulgares. Em vez disso, um estudo internacional feito em Harvard observou,

    Para servir de justificativa, seria necessário, no mínimo, mostrar que um grande número de nações com mais armas tem mais mortes e que as nações que impuseram controles rígidos de armas conseguiram reduções substanciais na violência criminal (ou suicídio). Mas essas correlações não são observadas quando um grande número de nações é comparado em todo o mundo.

Finalmente, quando se trata de proibição de armas, os resultados são previsivelmente terríveis. John Lott novamente, “Todos os lugares do mundo que proibiram armas parecem ter experimentado um aumento nas taxas de assassinatos e crimes violentos”. Isso inclui Washington, DC, Chicago, Grã-Bretanha, Irlanda e Jamaica. Um jornal britânico publicou o artigo de humor negro “Crime com armas de fogo crescendo apesar da proibição”. Altere o “Apesar” para “Por causa” e você terá um artigo preciso.

Conclusão

Penn Jillette meio que brincou: “Se você pode convencer os armamentistas de que os maconheiros são ok e os maconheiros de que os armamentistas são ok, então todo mundo é um libertário”. Argumentos sobre se essas coisas devem ser regulamentadas e até que ponto seria o assunto para um artigo diferente. Mas é difícil entender por que muitos esquerdistas acham que proibir as drogas cria mercados negros com as drogas, mas isso não aconteceria com as armas. Alguém realmente acha que os cartéis de drogas não poderiam adicionar armas à sua lista de produtos? E o mesmo vale para os conservadores ao contrário.

É realmente muito simples; proibição não funciona. A liberdade sim.

 

Artigo original aqui