Estados livres se saíram muito melhor do que Estados com lockdown, mostram novos dados

2
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Quando o COVID-19 desembarcou nos EUA, ele apresentou aos formuladores de políticas e autoridades eleitas uma crise diferente de tudo que já vimos. Desde então, os estados adotaram abordagens bem diferentes em relação à política de pandemia. Alguns, como Nova York, abraçaram restrições governamentais abrangentes e decreto de cima para baixo, enquanto outros, como Flórida e Dakota do Sul, adotaram uma abordagem governamental mais humilde e direta, confiando nos indivíduos para tomarem as melhores decisões para si próprios.

Os resultados chegaram – e eles estão esmagadoramente do lado dos estados livres contra os experimentos autoritários. Em primeiro lugar, vimos que os estados com as restrições mais severas não alcançaram necessariamente os melhores resultados de morte COVID-19. A Flórida se saiu muito melhor do que Nova York e Nova Jersey, por exemplo, e vários estudos não encontraram nenhuma correlação entre o rigor da quarentena e as taxas de mortalidade.

No entanto, os lockdowns têm um custo humano e econômico enorme. Vimos problemas de saúde mental e picos de suicídio infantil, um aumento na violência doméstica, um aumento nas overdoses de drogas e muito, muito mais. E, é claro, o custo econômico do fechamento de empresas e da criminalização de meios de subsistência “não essenciais” foi devastador.

A taxa de desemprego nacional era alta, se não desastrosa, de 6,2% em fevereiro. No entanto, as taxas de desemprego estadual recém-divulgadas no mês passado mostram que a devastação não foi igual em todas as áreas. Novos dados do Departamento de Trabalho revelam que muitos estados livres voltaram quase a suas taxas de desemprego pré-pandêmica – enquanto os estados de lockdown dominam o lado ruim da lista.

Estados com menos intervenções como Dakota do Sul, Utah, Nebraska e New Hampshire encabeçam a lista, com taxas de desemprego oscilando em torno de espetaculares 3%. Estados que receberam enormes críticas por evitar quarentenas drásticas como a Geórgia e a Flórida estão entre os 20 primeiros. Talvez o único valor atípico óbvio seja o Texas, que se classifica mal, com uma taxa de desemprego de 6,9% – mas, novamente, o governador Greg Abbott apenas revogou as restrições restantes no estado no início de março.

Enquanto isso, os 10 piores estados, com taxas de desemprego de 7 a 9%, incluem localidades amigas dos lockdowns, como Nova York, Nova Jersey, Califórnia, Havaí, Massachusetts, D.C. e Rhode Island.

Existe uma tendência clara aqui. Os estados livres têm evitado em grande parte a carnificina no mercado de trabalho associada à pandemia COVID, enquanto os estados de quarentenas geraram níveis mais altos de desemprego – sem garantir melhores resultados de saúde da pandemia.

Como disse o famoso economista Thomas Sowell, em questões complexas de política pública “não há soluções, há apenas trade-offs”. Nunca houve uma resposta fácil para a pandemia COVID, mas os resultados econômicos, de saúde e sociais dos Estados livres sugerem que eles tomaram a decisão certa ao rejeitar o instinto autoritário adotado por muitos de seus vizinhos.

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

    • Porque exatamente quem faz os dados de contaminações e pessoas na UTI são quem impõe os lockdown… Meio ingênuo você né, o mesmo grupo político que está impondo o lockdown está dizendo para você que ele é maravilhoso… Enquanto isso você está aí… perdendo seu emprego, com seu filho trancado em casa e questionando quem está tentando abrir seus olhos… Hora de rever a vida amigo!