A questão dos “não vacinados”

2
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Então, os Novos Normais estão discutindo a Questão dos Não Vacinados. O que deve ser feito conosco? Não, não aqueles que ainda não foram “vacinados”. Nós. Os “negacionistas do Covid”. Os “negacionistas da ciência”. Os “negacionistas da realidade”. Aqueles que se recusam a ser “vacinados”.

Não há lugar para nós na nova sociedade normal. Os Novos Normais sabem disso e nós também. Para eles, somos uma tribo de pessoas estranhas e suspeitas. Não compartilhamos suas crenças ideológicas. Não realizamos seus rituais de lealdade, ou o fazemos apenas com relutância, porque eles nos forçam a fazê-lo.

Lidamos com “teorias da conspiração” misteriosas, como a “ciência pré-março de 2020”, “imunidade natural do rebanho”, “taxas de mortalidade ajustadas à população”, “Suécia”, “Flórida” e outras heresias.

Eles não confiam em nós. Somos estranhos entre eles. Eles suspeitam que nos sentimos superiores a eles. Eles acreditam que estamos conspirando contra eles, que queremos enganá-los, confundi-los, tapeá-los, perverter sua cultura, abusar de seus filhos, contaminar seus preciosos fluidos corporais e perpetrar Deus sabe que outros horrores.

Então eles estão discutindo a necessidade de nos segregar, como nos segregar, quando nos segregar, para proteger a sociedade de nós. Aos olhos deles, somos apenas criminosos ou, pior, uma praga, uma infestação.

Nas palavras de alguém (não consigo lembrar quem), “livrar-se dos não vacinados não é uma questão de ideologia. É uma questão de limpeza ”, ou algo assim. (Terei que procurar e verificar os fatos dessa citação. Posso tê-la interpretado fora do contexto.)

Em Israel, Estônia, Dinamarca, Alemanha, EUA e outros países do Novo Normal, eles já começaram o processo de segregação.

No Reino Unido, é apenas uma questão de tempo. O Fórum Econômico Mundial (FEM), a OMS, a UE e outras entidades transnacionais estão ajudando a agilizar o novo sistema de segregação, que, de acordo com o FEM,

    “precisará ser harmonizado por um corpo normativo, como a OMS, para garantir que seja ético.”

Aqui na Alemanha, o governo está considerando nos proibir de trabalhar fora de casa. Já fomos proibidos de voar em companhias aéreas comerciais. (Ainda podemos usar os trens, se nos vestirmos como os Novos Normais.)

No vilarejo de Potsdam, na mesma rua de Wannsee (cujo nome você deve se lembrar das aulas de história do século XX), estamos proibidos de entrar em lojas e restaurantes. (Não tenho certeza se ainda podemos usar as calçadas ou se temos que andar nas sarjetas.)

Na Saxônia, somos proibidos de frequentar escolas. No Berliner Ensemble (o teatro fundado por Bertolt Brecht e Helene Weigel, antigos oponentes do totalitarismo e do fascismo), estamos proibidos de assistir às apresentações do Novo Normal.

Nos EUA, estamos sendo banidos das universidades. Nossos filhos estão sendo banidos das escolas públicas.

Em Nova York, o novo “Excelsior Pass” permitirá que os novos normais participem de eventos culturais e esportivos (e frequentem bares e restaurantes, eventualmente) com a certeza de que os não vacinados foram impedidos de entrar ou segregados em uma seção “Apenas não vacinados”.

O sistema de passes, projetado pela IBM, que, se a história serve de guia, é muito boa em projetar tais sistemas (OK, tecnicamente, era Deutsche Hollerith Maschinen Gesellschaft, subsidiária da IBM nazista-Alemanha), foi lançado no fim de semana passado com considerável alarde .

E isso é apenas o começo.

O “Passe Verde” de Israel é o modelo para o futuro, o que faz sentido, de uma forma doentia e fascista. Quando você já é um estado de apartheid, que mal faz um pouco mais de apartheid? Aqui está um exemplo de como isso se parece …

OK, eu sei o que os Novos Normais estão pensando. Eles estão pensando que estou “enganando” as pessoas novamente. Que estou exagerando. Que isso não é realmente segregação, e certamente nada como “apartheid médico”.

Afinal (como os Novos Normais me lembrarão severamente), ninguém está nos forçando a ser “vacinados”. Se decidirmos não fazer, ou não pudermos por razões médicas, tudo o que temos a fazer é nos submeter a um “teste” – você sabe, aquele em que eles enfiam aquele cotonete de 9 polegadas em suas cavidades nasais – 24 horas antes de queremos sair para jantar, ou ir ao teatro ou a um evento esportivo, ou visitar um museu, ou ir a uma universidade, ou levar nossos filhos à escola ou a um parque infantil, e os resultados dos nossos testes servirão como nossos “passaportes de vacinas!”

Apenas os apresentamos ao Diretor de Conformidade da Covid apropriado e (assumindo que os resultados sejam negativos, é claro), teremos permissão para participar da Nova Sociedade Normal como se tivéssemos sido “vacinados”.

De qualquer forma, “vacina” ou “teste”, os funcionários do Novo Normal ficarão satisfeitos, porque os testes e as aprovações são, na verdade, apenas adereços de palco. O ponto é a demonstração de obediência irracional.

Mesmo que você acredite nas palavras dos Novos Normais, se você tiver menos de 65 anos e tiver uma saúde relativamente boa, ser “vacinado” é mais ou menos inútil, exceto como uma demonstração pública de conformidade e crença na narrativa oficial da Covid-19 (a pedra fundamental da ideologia do Novo Normal).

Até mesmo os sumos sacerdotes da “Ciência” deles confessa que isto não impede ninguém de espalhar a “praga”. E os testes de PCR são virtualmente insignificantes, como até a OMS finalmente admitiu. (Você pode fazer um teste de PCR positivo em um mamão … mas você pode querer ter cuidado pra quem vai contar se fizer isso.)

Em contraste com a “vacina” e o “teste” em si, a escolha forçada entre eles não é de todo sem sentido. Não é por acaso que ambas as alternativas envolvem a violação de nossos corpos, literalmente a penetração de nossos corpos. Realmente não importa o que está nas “vacinas” ou quais “resultados” os “testes” produzem. O ritual é uma demonstração de poder, o poder dos Novos Normais (ou seja, a nova face do capitalismo global) para controlar nossos corpos, dominá-los, violá-los, psicológica e fisicamente.

Agora, não fiquem todos animados, meus amigos “teóricos da conspiração”. Eu não usei o QAnon completo ainda. Bill Gates e Klaus Schwab não estão sentados juntos, bebendo adrenocromo no iate de George Soros, inventando maneiras de estuprar o nariz das pessoas. Essas coisas estão embutidas na estrutura do sistema. É uma característica padrão das sociedades totalitárias, cultos, igrejas, grupos de autoajuda e … bem, da sociedade humana em geral.

Ser forçado a repetir uma ação física que só faz sentido dentro de uma ideologia específica reifica essa ideologia dentro de nós. Não há nada de intrinsecamente diabólico nisso. É uma tecnologia básica de socialização. É como socializamos nossos filhos. É por isso que realizamos casamentos, batismos e bar mitzvahs. É assim que transformamos rapazes e moças em soldados. É assim que os atores aprendem seus bloqueios e suas falas. É por isso que os nazistas realizaram todos aqueles comícios. É por isso que nossas “democracias” realizam eleições.

Também é magia cerimonial básica … mas esse é um assunto para uma coluna diferente.

A questão, no momento, é a Questão dos Não-vacinados e os rituais públicos que estão sendo realizados para tornar a ideologia do Novo Normal “realidade”, e o que fazer com aqueles de nós que se recusam a participar desses rituais, que se recusam a renegar a “Velha realidade normal” e nos converter ao Novo Normalismo para que possamos funcionar na sociedade sem ser segregados, criminalizados ou “diagnosticados” como “sociopatas” ou de outra forma psiquiatricamente desordenados.

Para nós, “negacionistas da realidade teóricos da conspiração”, não há como contornar esse dilema. Esta não é a Europa dos anos 1930. Não há nenhum lugar para onde emigrar … OK, há, temporariamente, em alguns dos estados dos EUA que têm feito rebeliões e outros oásis “velhos e normais”, mas quanto tempo você acha que isso vai durar?

Eles já estão lançando as “variantes mutantes” e só Deus sabe o que vai acontecer quando os efeitos de longo prazo das “vacinas” entrarem em ação.

Não, para a maioria de nós, habitantes do império capitalista global, parece que o Novo Normal veio para ficar. Então, a menos que estejamos preparados para nos tornarmos Novos Normais, teremos que resistir e lutar. Vai ficar muito feio e pessoal, mas não há como evitar isso.

Dado que muitos Novos Normais são nossos amigos e colegas, ou mesmo membros de nossas famílias, é tentador acreditar que eles vão “cair em si”, que “tudo isso é apenas uma reação exagerada histérica” ​​e que “tudo vai acabar e voltar ao normal em breve. ”

Isso seria um erro monumental de nossas partes … muito possivelmente um erro fatal.

Os movimentos totalitários, quando atingem esse estágio, não param por conta própria. Eles continuam avançando em direção às suas expressões plenas, em última análise, transformando sociedades inteiras em monstruosas imagens especulares de si mesmos, a menos que enfrentem séria resistência. Há uma janela no início quando essa resistência tem uma chance. Essa janela ainda está aberta, mas está fechando, rápido.

Não posso te dizer a melhor forma de resistir, mas posso te dizer que começa por ver as coisas claramente e chamar as coisas e as pessoas exatamente o que são.

Não vamos cometer o mesmo erro que outras minorias cometeram ao longo da história quando confrontadas com uma nova ideologia totalitária. Veja os Novos Normais pelo que eles são, talvez não no fundo de seus corações, mas do que eles coletivamente se tornaram parte, porque é o movimento que está no controle agora, não os indivíduos racionais que costumavam ser.

Acima de tudo, reconheça para onde isso está indo, para onde os movimentos totalitários estão sempre indo. (Ver, por exemplo, They Thought They Were Free: The Germans 1933-45, de Milton Mayer.)

Não, os não vacinados não são os judeus e os novos normais não estão exibindo grandes bandeiras com a suástica, mas o totalitarismo é totalitarismo, independentemente de quais grandes mentiras goebbelsianas, ideologia e inimigos oficiais ele esteja vendendo. O contexto histórico e os costumes mudam, mas sua trajetória implacável permanece a mesma.

Hoje, os Novos Normais estão nos apresentando uma “escolha”, (a) conformar-se com sua ideologia do Novo Normal ou (b) segregação social. O que você acha que eles planejaram para nós amanhã?

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorNós só temos um corpo e uma vida – diga “NÃO” aos passaportes de vacinas!
Próximo artigoArmas, drogas e álcool: o apoio da esquerda e da direita à proibição
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

2 COMENTÁRIOS