As economias de moedas fiduciárias são baseadas em mentiras

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

De vez em quando, vale a pena dar um passo para trás para ter uma perspectiva mais ampla das coisas, olhar além das notícias financeiras diárias, ver através dos altos e baixos de curto prazo no mercado para descobrir o que está realmente no cerne da questão. Se fizermos isso, não deixaremos de ver o fato de que vivemos na era das moedas fiduciárias, um mundo em que basicamente tudo traz suas impressões digitais: o sistema econômico e financeiro, a política – até mesmo as normas culturais, valores e morais das pessoas não escapam das consequências mais amplas das moedas fiduciárias.

Você pode não perceber em seu uso diário de moedas fiduciárias – isto é, por exemplo, ao receber salários, comprar bens e serviços, pagar hipotecas, depositar dinheiro no banco para fins de poupança – que algo está terrivelmente errado com as moedas fiduciárias, seja na forma de dólar americano, euro, renminbi chinês, iene japonês, libra esterlina ou franco suíço. No entanto, a verdade é que todas essas moedas fiduciárias sofrem de graves falhas econômicas e éticas, que na verdade não são difíceis de entender.

As moedas “Fiat” são produzidas pelos bancos centrais e pela expansão de crédito dos bancos comerciais. Na verdade, os bancos centrais em conluio com os bancos comerciais aumentam a oferta monetária em circulação, concedendo empréstimos a empresas, firmas privadas e entidades governamentais. Isso equivale à criação de dinheiro do nada ou – de certa forma – à falsificação de dinheiro. A emissão de novas moedas fiduciárias desencadeia um boom, uma ilusão de prosperidade. O consumo e o investimento se expandem, a economia desfruta de maiores lucros corporativos, aumento do emprego, aumento do estoque, preços de habitação etc.

Mais cedo ou mais tarde, o boom deve se transformar em colapso. Por quê? Bem, a emissão baseada em crédito de novas moedas fiduciárias distorce as taxas de juros do mercado. Ela reduz artificialmente a taxa de juros do mercado abaixo de seu “nível natural”, fazendo com que a poupança diminua, o consumo aumente e, além disso, desencadeie investimentos adicionais. Nada teria acontecido dessa forma se não fosse pela injeção baseada no crédito de nova moeda fiduciária no sistema econômico e financeiro. O boom traz consumo excessivo e maus investimentos; a economia vive além de seus meios.

Em algum ponto, o boom colapsa – seja qual for o gatilho – bancos endurecendo seus padrões de empréstimos, tomadores de empréstimos inadimplentes, empresas enfrentando prejuízos, uma crise geopolítica que deixa as pessoas em pânico. Para evitar que o sistema de moeda fiduciária entre em colapso em tal situação, os bancos centrais reduzem as taxas de juros ainda mais e injetam novos créditos e dinheiro no sistema financeiro. O truque funciona na maioria das vezes, e o colapso que se desenrola se transforma em mais um boom. Isso, no entanto, tem um preço: a vasta maioria das pessoas sofrerá com uma inflação ainda mais alta dos preços dos bens.

A moeda fiduciária não causa apenas crises financeiras e econômicas; também é altamente inflacionária. A expansão implacável da quantidade de moeda fiduciária faz com que o poder de compra da unidade monetária diminua com o tempo. Além do mais, aumentar a quantidade de moeda fiduciária cria vencedores e perdedores, não é um jogo de ganha-ganha: os primeiros recebedores do novo dinheiro se beneficiam às custas dos atrasados. Isso leva a uma distribuição injusta e antissocial de renda e riqueza na sociedade. Por último, mas não menos importante, a moeda fiduciária faz com que as economias incorram em níveis cada vez mais elevados de endividamento.

Os governos, em particular, tiram vantagem de seu acesso basicamente irrestrito ao crédito e ao dinheiro fornecido pelos bancos centrais. Sua capacitação financeira torna possível financiar todos os tipos de extravagâncias políticas – bem-estar e gastos com guerra – tornando o estado cada vez maior e mais poderoso às custas da liberdade dos indivíduos. A verdade é que a moeda fiduciária é o verdadeiro elixir para que o estado se torne realmente grande e profundo. Infelizmente, essa verdade tende a permanecer oculta do público em geral; não é abordada – em livros didáticos de economia e seminários universitários.

Existem todos os tipos de motivos em ação quando se trata de analisar e avaliar os méritos do regime de moeda fiduciária – de ignorância a mentiras descaradas. No entanto, a teoria economia sólida revela que o uso de moedas fiduciárias causa grandes problemas: ocasionalmente pode ser possível adiar a quebra inevitável – se, por exemplo, os bancos centrais reduzirem as taxas de juros de mercado para basicamente zero por cento e subscreverem os mercados de crédito. Mas, ao fazer isso, os problemas subjacentes não serão resolvidos; eles ficarão ainda maiores, mas as pessoas serão enganadas sobre o que realmente está acontecendo.

Nesse contexto, não estamos falando apenas da recorrência de crises financeiras e econômicas. O economista austríaco Ludwig von Mises (1881-1973) previu que o uso de moeda fiduciária (ele falou de meios fiduciários) destruiria o mercado livre e a ordem social (ou o pouco que resta dela): “Seria um erro supor que a organização moderna de troca esteja fadada a continuar a existir. Carrega em si o germe de sua própria destruição; o desenvolvimento do meio fiduciário deve necessariamente levar ao seu colapso.” [1]

É difícil prever como o sistema financeiro, econômico e político global se desenvolverá, especialmente em vista dos graves problemas gerados pelo uso da moeda fiduciária. O que sabemos, entretanto, é que os bancos centrais criaram um império de enganação em política monetária. O investidor cauteloso tem, portanto, boas razões para esperar mais inflação no futuro – ou seja, um declínio acelerado no poder de compra do dinheiro, que será perceptível na forma de bens de consumo e/ou preços de ativos em alta, já que uma crescente inflação será considerada a política do menor mal do ponto de vista dos governantes e governados.

Em última análise, a política de inflar a oferta de moeda é uma estratégia para minar o mercado livre e o sistema social, por seus efeitos negativos – preços mais altos de alimentos, energia e habitação; menor crescimento econômico; a queda no padrão de vida da maioria das pessoas – provavelmente, erroneamente ou perfidamente, será atribuída ao “capitalismo”. Isso, por sua vez, permitirá que o estado destrua ainda mais o pouco que resta do sistema de mercado livre por meio de impostos, regulamentação etc. Em vista do ressurgimento das ideias socialistas marxistas no mundo ocidental, não deveria ser visto como uma surpresa que os bancos centrais adotem cada vez mais a política de aumento da inflação.

[1].Ludwig von Mises, The Theory of Money and Credit, trad. ELE. Batson (New Haven, CT: Yale University Press, 1953), p. 409.

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. E tem um último efeito que vale a pena citar e chamar a atenção.

    Como a expansão desse crédito é feita pelos bancos centrais e essas entidades são cada vez mais politizadas. Está havendo um movimento em todo o mundo dos bancos centrais discriminarem o crédito. Se uma empresa não adere a pautas esquerdistas ela vai ter uma preferência cada vez menor nos mecanismos cada vez mais sofisticados de expansão de crédito. Por exemplo bancos centrais já compram ativos pelo mundo todo e chefes de bancos centrais em todas as suas reuniões usam palavras chaves como desenvolvimento sustentável, igualdade de gênero etc.

    Depois vemos cada vez mais empresas com capital aberto entrando publicamente em pautas esquerdistas.

    Basta ligar os pontos, o empresário, o acionista não é um ativista. Se o crédito de alguma forma fica mais acessível a essas empresas aderindo essas pautas, elas serão aderidas na próxima campanha publicitária. O interesse do board da empresa é resolver os problemas financeiros, não importando ideologia ou origem do crédito.